FAQ Overview

Terapias Tradicionais Milenares

Holopuntura: A Quintessência da União de Técnicas

Resumo:

Holopuntura é uma nova (re)visão sobre as milenares técnicas da Acupuntura, Auriculoterapia e Reflexoterapia.

A premissa central é que podemos aplicar estímulos em micro-regiões (pontos) e com isso obter reações globais, despertando os próprios recursos naturais de auto-harmonização.

Introdução:

Holopuntura: A Quintessência da União de Técnicas

Com a Pulsologia de Nogier (muito prática e de rápido aprendizado) ou analisando a reação do cliente ao toque em pontos-chaves, de pronto obtém-se a avaliação de quais seriam os desequilíbrios e quais as micro-regiões a serem estimuladas para despertar em nossos Clientes todos os seus recursos de Auto-Harmonização.

À disposição, uma vasta gama de opções de estímulos distintos, tais como o toque, imãs, cores, sons e até as famosas agulhas, dentre outras. O trabalho pode ser realizado tomando-se regiões corpóreas (orelhas, pés, pontos de acupuntura) que atuam como um microcosmo da pessoa atendida, um "espelho" de mão-dupla, que tanto reflete o estado global de harmonia, quanto intervém terapeuticamente, mediante estimulação. O mapeamento das zonas reflexológicas foi quintessenciado ao máximo, devido ao resgate da milenar abordagem dos Cinco Movimentos Chineses, que traduz o trabalho em uma síntese quase que poética e de fácil compreensão.

Material e Metodologia

PULSOLOGIA DE NOGIER e REFLEXOTERAPIAS

Resumidamente, a Pulsologia de Nogier começou com o próprio, que é conhecido como o Pai da Auriculoterapia, que é a opção de Reflexoterapia mais estudada..

Por ter o hábito de tomar o pulso de seus clientes, Nogier, durante seus trabalhos de auriculoterapia, percebeu certos "sinais", como se fossem "trancos" ou súbitas "sumidas" da pulsação.

E que isso ocorria justamente quando estava com algum estímulo (por exemplo, uma ponta metálica...), passando por sobre uma região reflexa desequilibrada.

É como se uma "onda" passasse por debaixo de nossos dedos, enquanto tomamos a pulsação. Alguns percebem essa "onda" em seu pico, ou seja, como um "tranco" no pulso do cliente. Outras vezes, percebemos essa "onda" quando ela "cai", como se fosse uma súbita "sumida" do pulso.

É uma sensação que dura cerca de 1 segundo, mas que é nitidamente percebida, como puderam constatar em nossa aula presencial, durante o Holística 2004.

Atentem que não altera a QUANTIDADE de batidas cardíacas, mas sim, a INTENSIDADE com que a percebemos, como se uma "onda" passando por debaixo de nossos dedos, enquanto tomamos a pulsação. Alguns percebem essa "onda" em seu pico, ou seja, como um "tranco" no pulso do cliente. Outras vezes, percebemos essa "onda" quando ela "cai", como se fosse uma súbita "sumida" do pulso. É uma sensação que dura cerca de 1 segundo, mas que é nitidamente percebida.

É importante que TREINEM BASTANTE, de preferência, com várias pessoas diferentes, pois "localizar" o pulso varia bastante em cada caso. Para os casos difíceis, apliquem a tática de fazer toques circulares na região entre as sobrancelhas, que de pronto, a percepção do pulso se torna muito mais nítido. Um detalhe que pode fazer a diferença: TIREM OS METAIS DOS DEDOS E PULSOS: relógios, anéis, pulseiras, etc, em algumas pessoas simplesmente some com o Sinal de Nogier. Em muitos casos, pode-se até sentir a pulsação, mas nada de perceber o Sinal de Nogier... Se for esse o caso, experimente tirar os metais próximos, tanto do cliente, quanto os seus.

A Pulsologia de Nogier, todos teremos a oportunidade de constatar, é MUITO útil para a prática das reflexoterapias.

REFLEXOTERAPIAS

Diferentemente da visão da acupuntura pelo corpo, cujos pontos existem o tempo todo, quer estejam "abertos" para tratamento, ou não... nas zonas reflexológicas só surgem pontos SE e SOMENTE SE, estiverem refletindo um desequilíbrio energético.

Notem bem o diferencial: se localizamos pontos pelo corpo (acupuntura sistêmica...), isso em nada define o nosso trabalho.

Contudo, se localizamos pontos nas zonas reflexas, automaticamente temos e AO MESMO TEMPO, tanto a noção de qual é esse desequilíbrio (devido à sua correspondência nos mapas reflexológicos), como, também, detectamos o local exato que está aberto a ser estimulado terapeuticamente.

E COMO localizar estes pontos ? Bom, temos duas opções: 1) aparelhagem eletrônica de boa qualidade e bem regulada; 2) PULSOLOGIA DE NOGIER.

Muitas pessoas até gostam de aparelhinhos fazendo "bip", mas, com toda sinceridade, a pulsologia de Nogier é muito mais precisa... Além de mais precisa, é bem mais simples: basta tomar o pulso e uma ponta metálica para servir de "antena" a ser passada sobre as regiões reflexas.

Inclusive, para quem gosta de agulhas, esta ponta metálica pode ser justamente a ponta de uma micro-agulha auricular, a ser aproximada por uma pinça...

Com um pouco de prática, a detecção do ponto e a aplicação da micro-agulha se torna um procedimento rápido e preciso.

Não gosta de agulhas ? Ótimo: temos muitos outros estímulos eficientes.

Imãs (lado norte e lado sul), esferas "ouro" e "prata", cromopuntura (aplicação de cores nos pontos...), softlaser, toque terapêutico nos pontos (ou com dedo, ou com pontas, tipo "apalpador de pressão" com mola...), etc, etc...

A Pulsologia de Nogier também nos socorre quando for o caso de escolher qual é o estímulo adequado. Por exemplos:

Lado norte ou lado sul, do imã ? Esfera ouro, ou esfera prata ? Polo positivo ou negativo ? Qual das cores aplico no ponto ? Qual das regulagens em hertz eu aplico ?

Basta testar cada opção que deseja aplicar, por sobre cada ponto localizado e verificar qual faz com que o pulso reaja nitidamente...

Por esse mesmo método, pode-se testar inclusive, fitoterápicos.

Paul Nogier, por ser médico e absolutamente contrário a que não-médicos utilizem auriculoterapia, passou a testar medicamentos através da pulsologia e da aproximação destes dos pontos auriculares.

Como somos TERAPEUTAS HOLÍSTICOS, o que NÓS testamos são os fitoterápicos.

Digamos que já detectamos na orelha, os pontos/ desequilíbrios (via de regra, de uns 3 a no máximo, 5...).

E que estamos em dúvida entre algumas opções de fitoterápicos que podemos recomendar...

Se estiverem em forma "picada", podemos pinçar um pouco e aproximar desses pontos identificados, para perceber a reação do pulso.

Notarão que alguns em nada alteram; outros, até somem com o pulso e, de repente, um deles torna a pulsação "limpa", nítida, forte, reagindo com "tranco" à aproximação.

Pronto: terá detectado qual(is) é (são) o(s) fitoterápico(s) adequado(s) ao momento do cliente.

Muitas vezes, a combinação de uma ou mais amostras juntas pode melhorar a reação ao pulso, muitas vezes, não, até se anulam, indicando que é melhor optar por chás separados...

CLARO: se forem ter amostras de fitoterápicos em seus consultórios, OBRIGATORIAMENTE tem que ser de origem definida, ou seja, com NOTA FISCAL DE COMPRA, e rotulagem contendo laboratório e farmacêutico responsável. E, NUNCA, JAMAIS, NEM EM SONHO, vendam estes produtos. E, obviamente, só podem ser recomendados produtos de VENDA LIVRE, ou seja, sem necessidade de receita MÉDICA.

AURICULOTERAPIA

Chamamos de Auriculoterapia à técnica de análise e tratamento reflexológico por meio de estímulos no pavilhão auricular.

Sua origem data de milênios, tendo sido encontradas pinturas egípcias descrevendo o seu uso; Hipócrates, considerado o pai da medicina ocidental, detalhou seu uso para dores de dente, faciais e ciáticas. analgesia para nevralgias odontológicas, faciais e ciáticas.

Caído em esquecimento até os meados de 1951, quando o francês Paul F. M. Nogier iniciou suas pesquisas, dando tamanho grau de desenvolvimento à técnica, que passou a ser considerado o "pai da Auriculoterapia".

Acupunturista e quiropraxista, ele notou que diversas pessoas que sofriam de dor ciática tiveram seus sofrimentos cessados com cauterizações na orelha feitas pela "leiga" madame Barrin. Esses resultados empolgaram Nogier, passando ele a observar que na orelha há regiões doloridas espontaneamente ou ao toque, sempre que no corpo também houver dor. Verificando a ocorrência dessas regiões, culminou por observar que elas pareciam desenhar uma forma fetal invertida no pavilhão auricular. Com o correr das pesquisas, foi-se mapeando a que zona corporal correspondia cada porção da orelha, tendo sido publicadas na década de 50, as suas conclusões iniciais e seus tratamentos por estímulos de agulhas na aurícula, com grande repercussão entre os acupunturistas, pois estes já estavam acustumados a esse tipo de instrumento. Tal sucesso chegou até a China, que rapidamente levantou um mapeamento auricular, inundando a Europa com suas orelhas de plástico e "posters" de "auriculo-acupuntura". Tudo isso contribuiu para que se confundisse a Acupuntura* com essa "nova" técnica, mas as diferenças são gritantes: enquanto para primeira, os pontos existem o tempo todo, quer sirvam para tratamento ou não, na orelha eles não existem, a princípio, só vindo a surgir em correspondência a um desequilíbrio no corpo, facilitando ao máximo o diagnóstico, tornando praticamente impossível de se errar. Outro fator de distinção e, provavelmente, a maior descoberta de Paul Nogier, foi a técnica de diagnóstico pelo pulso, específica para a Auriculoterapia. Enquanto na pulsologia chinesa tomam-se ambos os pulsos simultaneamente e por meio de extrema sensibilidade, distinguem-se informações sobre a condição energética de cada órgão-meridiano, na técnica de Nogier, basta tomar-se um dos pulsos e com uma ponta de metal ou de aparelhagem eletrônica, "passeia-se" por todas as regiões reflexas auriculares e, o­nde houver desequilíbrio, haverá uma alteração no pulso, que inicialmente chamou-se R.A.C. (reflexo aurículo cardíaco) e hoje em dia se conhece como R.A.N. (reflexo arterial de Nogier) ou V.A.S. (sinal autônomo vascular).

No Brasil, a esmagadora maioria dos que trabalham com a Terapia auricular desconhece quase que totalmente o trabalho francês; quando muito, estão a par do primeiro livro publicado de Nogier, o qual já há muito está desatualizado, com suas "receitinhas" de pontos específicos para cada tipo de tratamento. Em compensação, os brasileiros desenbvolveram uma abordagem somatopsíquica do tratamento auricular, a que denomino Calatonia Auricular, bem como o teste de fitoterápicos pela orelha e, ainda, o uso das freqüências de ressonância para a estética, além de desenvolver a Ressonância Biofotônica ou Biorressonância o­nde os estímulos são dados por meio de luzes comuns (não laser) e ritmos, trabalhos estes, nacionais e pioneiros...

PONTOS DE ALARME SISTÊMICOS

As tradições milenares chinesas trouxeram aos nossos dias a teoria dos, assim traduzidos, "meridianos", que são caminhos de energia que circulam junto ao corpo e que refletem nosso estado holístico (físico, emocional, social, etc, etc...). Em tese, são infinitos... Contudo, como nosso objetivo é ser pratico, trabalharemos com 12 principais.

Em termos de 5 Movimentos Chineses, temos os meridianos FOGO: coração, intestino delgado, circulação e sexo, triplo aquecedor...

Eles são responsáveis pela "temperatura" de nossas emoções, entre outras coisas.

Como meridianos TERRA, temos o do baço-pâncreas e do estômago.

Respondem pela nossa reflexão, pelos pensamentos...

Já os meridianos MADEIRA são os do Fígado e da Vesícula Biliar.

Atuam na exterização das emoções, especialmente, a raiva...

Temos os meridianos METAL: Pulmão e Intestino Grosso.

Agem na interiorização de nossas emoções, tanto na serenidade, quanto na tristeza, baixa-estima...

E Rim e Bexiga, como meridianos do movimento ÁGUA.

Assim como as águas se adaptam ao meio e buscam aprofundar, assim estes meridianos lidam com aquilo que nos é de importância vital, tal como medo, sobrevivência, sexo...

Atentem que os nomes dos meridianos, em sua versão ocidental, correspondem aos nomes de certos órgãos e vísceras. Mas, a verdade é que não correspondem APENAS a estes órgãos, mas sim, a inúmeras funções que a ciência jamais atribuiria a estas "partes".

Por exemplo: a raiva, na visão dos 5 movimentos, tem relação com o meridiano de fígado... Mas, certamente que a ciência jamais vai associar raiva com o órgão fígado...

Felizmente, não temos que dar satisfações aos cientistas e podemos nos valer de mais de 5 mil anos de tradições...

Mas, em termos PRÁTICOS, como saber quais meridianos estão carentes de equilíbrio ?

Bom, como somos Terapeutas Holísticos, JAMAIS nos valeremos de "tabelinhas doenças-pontos-de-acupuntura"...

Isso é coisa de médico... Os médicos é que precisam fazer exames de laboratórios, descobrir qual a doença e seguir uma tabelinha de pontos, da mesma forma que seguem tabelas de correlação medicamento-doença...

Aliás, sempre é bom frizar: pela LEI, doença é monopólio médico...

Por isso que nós, TERAPEUTAS HOLÍSTICOS, tratamos das PESSOAS (jamais de "doenças"...) e de seus desequilíbrios "energéticos"...

COMO saber qual(is) meridiano(s) precisa(m) de tratamento ?

Muito simples: basta "perguntar" aos próprios meridianos !

E para fazer isto, basta tocar em determinados pontos, os chamos PONTOS DE ALARME, e saber do cliente se os mesmos estão (ou não...) doloridos ao toque...

Claro, todo ponto de alarme é relativamente dolorido... Mas, na prática, notarão 1 ou 2 que estarão MUITO sensíveis...

Ou seja, como trabalharemos com 12 meridianos, teremos 12 pontos de alarme a tocar, durante a avaliação...

Acreditem, quando tiverem prática, esse é um procedimento de 1 a 2 minutos...

Uma vez detectado QUAL o ponto de alarme mais sensível, trabalharemos em seu meridiano correspondente...

Para tanto, temos que localizar em seu trajeto, qual o ponto que está aberto a receber estímulos...

E, para sabermos isso, bastará tocarmos por seu trajeto, até detectarmos com o ponto que estiver mais sensível ao toque...

Ou seja, de novo, "perguntamos" ao meridiano...

Uma vez localizado (são bi-laterais, um de cada lado do corpo, simetricamente...), basta estimular por cerca de 1 minuto...

Para estimular, pode-se fazer uso do toque (apertar com os polegares e circular sobre o ponto...), pode-se aplicar agulhas, imãs, cores, enfim, uma infinidade de estímulos possíveis, todos igualmente eficientes.

Uma vez feito o estímulo, basta voltar a tocar no ponto de alarme correspondente e terão uma "surpresa": ele não está mais sensível ao toque !!

Ou, se ainda estiver, é muito pouco...

Pode-se "reforçar" a aplicação, atuando agora no meridianos que estava em "2o lugar" em sensibilidade ao toque em seu ponto de alarme...

Ou seja, da mesma forma: toque pelo trajeto do meridiano, até localizar um ponto sensível, que será justamente o que necessita de estimulação.

E pode voltar a conferir nos pontos de alarme que estarão todos "normais", sem a sensibilidade de antes em relação ao toque !

Ou seja, esse método substitui tanto a pulsologia chinesa (que só seria necessária se você fosse tratar o imperador, pois este não pode ser tocado...) e também elimina a necessidade de "tabelinhas de pontos"...

E nem terão que trabalhar em muitas regiões: os pontos de alarme, ficam todos na parte frontal do corpo... E os pontos dos 5 movimentos, estão localizados entre os dedos das mãos até o cotovelo, e dos dedos dos pés, até o joelhos...

Como puderam observar, os pontos de alarme tendem a ser sobre os órgãos dos quais recebem o nome ocidental...

É o caso do estômago, baço-pâncreas, fígado, rim, intestinos grosso e delgado...

O QUANTO de pressão aplicar para testar seu grau de sensibilidade, aí é questão de prática...

Há clientes que um toque muito leve já basta para conseguir testar os pontos... Outros, necessitam de maior pressão, pois tem menor sensibilidade...

Na verdade, os colegas terão que praticar bastante... Essa é a única forma de aprenderem de verdade...

Recapitulando: iremos tocar os pontos de alarme e perguntar ao cliente qual(is) está(ão) mais sensível(is).

Sugiro, por uma questão de praticidade, que testem "de cima para baixo"...

Ou seja: pontos de alarme dos meridianos do Pulmão, Vesícula Biliar, Coração, Fígado, Baço-Pâncreas, Rins, Estômago, Intestino Grosso, Triplo Aquecedor, Intestino Delgado, Bexiga e Circulação e Sexo..

Uma vez detectado QUAL o ponto de alarme mais sensível, irão (bilateralmente...) pesquisar pelo toque, o caminho do meridiano correspondente.

Basta seguir pelos trajetos dos 5 movimentos chineses, ou seja, será dos dedos em direção ao cotovelo (se for meridianos que passam pelos braços...), ou até os joelhos (se forem meridianos que passam pelas pernas...).

Uma vez detectado, pelo toque, qual o ponto mais sensível no trajeto do meridiano, bastará estimulá-lo, por exemplo, tocando com a ponta do polegar (simultaneamente, pois são 2 pontos simétricos, bi-laterais...). Estimulem os pontos, quer seja com os dedos, ou com agulhas, ou com imãs, ou com cores, ou com diapasões, ou com cristais, etc, etc,... durante cerca de 1 minuto e voltem a testar o mesmo ponto de alarme correspondente.

Via de regra, 1 minuto basta para equilibrar, o que pode ser constatado voltando a tocar no ponto de alarme correspondente, que estará agora, sem a mesma sensibilidade (dor...) quando tocado.

Caso ainda persista a sensação dolorosa no ponto de alarme, repita a operação também no trajeto do meridiano "2o colocado", quanto à dor no ponto de alarme...

Caso ele não esteja mais dolorido, a aplicação já pode considerar-se encerrada. Caso ainda esteja, repita a mesma operação, ou, passe para o "2o colocado" dentre os meridianos cujos pontos de alarme correspondente estavam mais sensíveis ao toque.

Resultados

Comparativamente às correntes teóricas que baseiam-se em tabelas pré-concebidas que relacionam sintomas a pontos específicos para estimular, a Holopuntura mostrou-se muito mais dinâmica e adaptável a cada Cliente e de resultados bastante eficientes, especialmente no tocante à ampliação da auto-consciência. Do ponto de vista legal, a Holopuntura igualmente mostrou-se mais adequada, justamente por possibilitar ao terapeuta Holístico trabalhar com Acupuntura e Reflexoterapias em formato absolutamente diferente da aobordagem praticada pela classe médica, evitando-se, assim, polêmicas judiciais.

Discussão

A Holopuntura beneficia o Cliente com perceptíveis resultados. E igualmente privilegia o Terapeuta Holístico que a ela se dedica, graças à eliminação da artificial e desnecessária complexidade que vem sendo impingida atualmente às técnicas, resgatando a simplicidade e naturalidade de suas essências fundamentais.

Como podem notar, com a Holopuntura, caso estivéssemos trabalhando com agulhas, bastaria 2 agulhas (1 ponto de cada lado do corpo...), ou, quanto muito, 4 agulhas ( 2 pontos, que como são bilaterais, traduzem-se em 2 pontos de cada lado, totalizando, 4...)

Esse festival moderno atual de transformar os clientes em "alfineteiros", enfiando um monte de agulhas, com toda a sinceridade, é absolutamente desnecessário...

Usam muitas agulhas, pois não tem a técnica de "perguntar" aos pontos de alarme... Como não fazem isso, acabam "somando" um monte de "tabelinhas de pontos", resultando em um MONTÃO de agulhadas...

Se bem feito, até dá resultado... Só que podemos trabalhar de forma MUITO mais sutil, como esta que estamos propondo aqui, na Holopuntura.

Eu trabalho faz mais de 20 anos assim e garanto que funciona bem.

Contudo, jamais acreditem em mim, pois o certo é que VOCÊS MESMOS TESTEM e tirem suas próprias conclusões...

Recordando: a técnica que acabaram de ver, simplesmente elimina aquela história de "tabelinha de sintomas X pontos pré-definidos".

Ao invez de ficarmos "adivinhando" o­nde estão os desequlíbrios simplesmente nos baseando em tabelas de sintomas, nós vamos, LITERALMENTE, colocar a mão na massa.

Com a ponta dos dedos, tocaremos cada um dos pontos de alarme demonstrados.

À semelhança do que observamos via reflexoterapia auricular, notaremos poucos desequilíbrios.

Comumente, nosso cliente relatará cerca de 2 ou 3 pontos de alarme sensíveis ao toque.

Nos ocuparemos, primeiramente, daquele meridiano cujo ponto de alarme tenha sido o de maior sensibilidade (dolorido).

Seguiremos seu trajeto, também com os dedos, mas somente no trecho relativo aos 5 Movimentos Chineses.

E, novamente, perguntaremos ao cliente para que nos avise qual é o "ponto" mais sensível ao toque.

Obs: estes pontos são BILATERAIS, ou seja, são em pares, estando um de cada lado do corpo, simetricamente...

Justamente nestes é que nos ateremos, estimulando-os, bilateralmente, por cerca de um minuto.

Isso pode ser feito com o próprio toque/pressão da ponta dos dedos, ou, aplicando-se outras formas de estímulos, desde agulhas (acupuntura), até cores (cromopuntura), imãs (magnetoterapia), etc, etc.

Uma vez terminado o estímulo, volte a testar o ponto de alarme respectivo e notará que a sensibilidade ao toque sumiu... Ou diminuiu muito !

Caso ainda persista, parta para o "2o colocado" de sua lista de pontos de alarme sensíveis, pesquisando em seu meridiano respectivo e estimulando o ponto que detectar mais sensível.

Volte a testar os pontos de alarme e notará que a sensibilidade exarcebada de antes, não mais existe.

Pronto ! Uma bem sucedida estimulação terapêutica.

Nas reflexoterapias, não há pontos pré-existentes... Os mapas apontam para zonas, regiões, que estatisticamente, são associadas a centros de energia e/ou caminhos de energia (meridianos).

Os pontos só surgem SE e somente se, estiverem espelhando um desequilíbrio.

Desta forma, a escolha dos pontos a serem estimulados, jamais se dá simplesmente pelos sintomas descritos pelo cliente, mas sim, pela reação dos pontos à pulsologia de Nogier e/ou sensibilidade (dolorida...) ao toque do TH...

Tudo bem que a Holopuntura também dedica parte de suas variantes aos pontos "fixos" e pré-existentes espalhados pelo corpo,seguindo as tradições milenares chinesas quanto aos meridianos.

Ainda assim, atentem que a técnica foi revisitada e ganhou muito mais dinamismo e, ao mesmo tempo, simplicidade.

Afinal, ao invés de nos prendermos a "tabelinhas", literalmente o Cliente é quem nos dirá quais pontos denotam desequilíbrio, de acordo com a sensibilidade destes ao toque, nos chamados pontos de alarme.

Isto feito, novamente o Cliente é quem nos dirá quais pontos estimular, de acordo com a sensibilidade ao toque do TH, que tateia o caminho dos 5 Movimentos, sobre o meridiano que corresponde ao ponto de alarme que refletiu desequilíbrio.

Conclusões

A Holopuntura possibilita ao Terapeuta Holístico trabalhar resgatando a simplicidade original das técnicas milenares da Terapia Tradicional Chinesa (Acupuntura) e das Reflexoterapias (Auriculoterapia inclusa). O enfoque através dos Cinco Movimentos Chineses e a detecção dos desequilíbrios e respectivas micro-regiões a serem estimuladas, graças à reação ao toque e/ou à Pulsologia de Nogier, torna a terapêutica muito mais dinâmica e perfeitamente adaptável a cada atendimento. A isso se soma a grande vantagem de que esta abordagem está em total conformidade à legislação brasileira e às NTSV – Normas Técnicas Setoriais Voluntárias da Terapia Holística.

Referências bibliográficas:

CHEVALIER, Jean - Dictionnaire des Symboles. Paris, Éd. Robert Laffont S.A. e Ed. Júpiter, 1982.

FAUBERT, Gabriel - La Chronobiologie chinoise. Paris, Éditions Albin Michel S.A., 1987.

GRANET, Marcel - La pensée chinoise. Paris, Éditions Albin Michel, 1980.

HALL, James A. - A Experiência Junguiana. São Paulo, Cultrix, 1989.

HEDGES, LAWRENCE E.; HILTON, ROBERT e HILTON, VIRGINIA W. – Terapeutas em Risco – Perigos da Intimidade na Relação Terapêutica, Summus Ed., 1997.

HIRSCH, SONIA – Manual do Herói – Gráfica e Editora Prensa, 1990.

HUSSON, A. - Versão e comentários - Huang Di Nei Jing Su Wen. Paris, Ed. A.S.M.A.E

JACOBI, Jolande - Complexo -Arquétipo - Símbolo. São Paulo, Cultrix, 1986.

JUNG, C. G. - Psicologia e Alquimia. São Paulo, Vozes, 1991.

LEXIKON, Herder - Dicionário de Símbolos. São Paulo, Cultrix, 1992.

MARKEY; Christopher- Yin-Yang. S. Paulo, Cultrix, 1987.

MASPERO, Henry - Le Taoisme et les Religions Chinoises. Paris, Ed. Gallimard.

MIYUKI, Mokusen - Versão e comentários - A Doutrina da Flor de Ouro. 5. Paulo, Pensamento, 1990.

REQUENA, Yves - Acupuncture et Psychologie: pour une approche nouvelle dela Psycho-somatique. Paris, Maloine S.A. Éditeur, 1983.

REQUENA, Yves - Acupuncture et Phytothérapie. Paris, Maloine S.A. Éditeur, 1983.

SANTOS, José Francisco dos – Auriculoterapia e Cinco Elementos. São Paulo, Ícone, 2003.

TABONE, Márcia - A Psicologia Transpessoal. São Paulo, Cultrix, 1987.

VIEIRA FILHO, HENRIQUE - O Microcosmo Sagrado. São Paulo, Lumina Editorial, 1998.

VIEIRA FILHO, HENRIQUE - Tutorial Terapia Holística. São Paulo, Sintebooks, 2002.

VIEIRA FILHO, HENRIQUE – Marketing Para Consultórios de Terapia Holística. São Paulo, Sintebooks, 2003.

WEIL, PIERRE - Holística: Uma Nova Visão e Abordagem do Real - Ed. Palas Athenas, São Paulo, 1990.

WHITMONT; Edward C. - A Busca do Símbolo. São Paulo, Cultrix, 1990.

Autor: : Henrique Vieira Filho
Última atualização: 13/03/2007 14:10


Quiro Acupuntura - Acupuntura na Mão

Quiro Acupuntura 

(Acupuntura na Mão) 

Song Un Kim - Terapeuta Holístico - CRT 23108 

 

RESUMO

Quiro-Acupuntura ou Acupuntura na mão.

É uma técnica de acupuntura que utiliza somente as mãos para equilibrar a energia do corpo.
O Quiro Acupuntura e considerada uma reflexologia, como a Orelha, sola dos Pés, Olhos e etc..

È uma técnica que muito simples de aprender e praticar, porque nos temos as duas mãos na nossa frente .

Na Coréia esta acupuntura na mão, esta sendo divulgado em massa, por meio de comunicação popular como na TV, Jornal, Revistas e etc.

Uma boa parte da população coreana já se auto trata com acupuntura na mão como se fosse receita caseira.

Quero transmitir um pouco do meu conhecimento aos terapeutas para conseguir se auto tratar.( e a única técnica que não depende de ninguém para se tratar ) e não tem contra indicação.

Qualquer pessoa tem a capacidade de localizar um ponto correspondente numa mão, observando simplesmente um mapa da mão.

Basta pressionar ou esfregar o ponto ou a região, de maior sensibilidade podemos equilibrar a energia do local alterado.

   ÍNDICE 

      I- Prólogo. 

      II- Histórico. 

      III- As Três teorias da Acupuntura na mão. 

      1- Reflexos dos órgãos e Vísceras na Palma da Mão.

      2- Reflexos dos órgãos e Vísceras no Dorso da Mão.

      3- Lateralidade do Corpo em Relação a Palma da Mão.

      4- Lateralidade do Corpo em Relação ao Dorso da Mão. 

      IV- Material Utilizados no Tratamentos. 

      1- Agulhas.

      2- Aplicadores de Agulhas.

      3- Moxa.

      4- Aparelho de Alumínio .

      5- Anel.

      6- Aparelho de eletro-Acupuntura.

      7- Plaquetas de alumínio ou ouro. 
 

      V- Terapia da Correspondência. 

      1- Dor na testa.

      2- Dor de cabeça lateral.

      3- Olho.

      4- Nariz.

      5- Boca.

      6- Dor na mandíbula.

      7- Distúrbios na bochecha.

      8- Dor na laringe.

      9- Brônquios.

      10- Dor na parte da fonte.

      11- Dor de ouvido.

      12- Dor na lateral da occipital.

      13- Dor na occipital.

      14- Dor na cervical.

      15- Dor na escápula, escápula superior e coluna torácica.

      16- Dores na cervical, torácica, lombar, cóccix.

      17- Dores na Escápula e no Osso da Bacia.

      18- Dores ao lado da coluna lombar.

      19- Pontos correspondentes dos Meridianos IG5, TA4 e ID5.

      20- Pontos correspondentes dos Meridianos P9, CS7, C7.

      21- Pontos correspondentes dos Meridianos E41(T), VB40 (fonte) e                                                                B60( fogo ).

      22- Pontos correspondentes dos Meridianos F4 (metal), BP5(S), e R3 (fonte e terra).

 

      VI- Teoria dos 5 dedos ( 5 elementos ). 

      VII- Teoria dos 14  micro meridianos . 

      1- Relação da Nomenclatura do Quiro-Acupuntura com a Sistêmica.

      2- Meridianos na Palma da Mão.

      3- Meridianos no Dorso da Mão.

      4- Meridiano do Vaso Concepção ( A ).

      5- Meridiano do Vaso Governador ( B ).

      6- Meridiano do Pulmão ( C ).

      7- Meridiano do Int. Grosso ( D ).

      8- Meridiano do Estômago ( E  ).

      9- Meridiano do Baço Pâncreas ( F ).

      10- Meridiano do Coração ( G ).

      11- Meridiano do Int. Delgado ( H ).

      12- Meridiano da Bexiga ( I ).

      13- Meridiano do Rim ( J ).

      14- Meridiano do Pericárdio ( K ).

      15- Meridiano do Triplo Aquecedor  ( L ).

      16- Meridiano do Vesícula Biliar (  M ).

      17- Meridiano do Fígado ( N ). 
 

     VIII) Recursos para aplicar sobre o Micro Meridianos. 

  1. Aplicação Simples.
  2. Aplicação com Tonificação  e Sedação.
    1. Recurso de Tonificação ou Sedação.
  1. Tonificação ou Sedação pela agulha.
  2. Tonificação ou Sedação pelo Magnetismo.
  3. Tonificação ou Sedação pelo estimulador elétrico.

 
 
 
 
 

  IX) Cuidados básicos na utilização da Terapia na Mão. 

     X) Alguns métodos para observar o desequilíbrio do organismo (da energia). 

  1. A temperatura das mãos e dos pés.
  2. A aorta abdominal (que é uma veia grossa que se localiza acima e abaixo da corrente umbilical) deve pulsar suavemente.
  3. Aparelho digestivo deve estar funcionando normalmente sem dores.
  4. As pulsações dos seis pontos (em cada braço existem três pontos) devem pulsar suavemente e igual.
  5. O abdômen, não deve apresentar reação de dor ao ser apalpado.
  6. Coluna vertebral.
  7. Pulsação.

   XI) Medidas utilizadas para localizar os pontos. 

  1. Dorso da mão.
  2. Palma da mão.

   XII) Dicas em casos de Emergência. 

  1. Em casos leves.
  2. Em casos graves.
 

I - Prólogo 

      O segredo do equilíbrio do organismo está na suas mãos. A mão é um corpo humano em miniatura, pois existem todos os pontos correspondentes do corpo humano  na mão.

      Através da mão podemos tratar todos os tipos de desarmonia da energia do corpo humano promovendo o equilíbrio.

      Essa terapia de tratamento pelas mãos, nos chamamos de Quiro-Acupuntura ( acupuntura somente nas mãos). 

      Características do Quiro-Acupuntura 

      - Esta nova técnica e de fácil aplicação (somente na mão) .

     - Aplicação das agulhas são indolores e menos agressivos se comparados á acupuntura tradicional, e são aplicados superficialmente na palma ou dorso da mão.

      - Ë uma terapia muito fácil de ser ensinada e aprendida.

      - Não tem contra indicação.

      - Não existem restrições quanto ao local de atendimento ou a hora de aplicação.

      - Não há efeitos danosos quando aplicados em pontos errados.

      - Excelentes resultados na harmonização das energias dos órgãos e vísceras.

      -  Muito utilizados em prevenção do desequilíbrio energético.

      - É uma técnica que pode ser utilizados como receita caseira. Porque é muito fácil de ser manuseadas como receita de bolo.

     - Os fundamentos dessa teoria coincide com os da Acupuntura Sistêmica, isto é , teoria dos Yin e Yang, dos Cinco Elementos , Zang-Fu (Órgãos e Vísceras) e dos meridianos . 
 


II - Histórico 

      Quiro acupuntura surgiu na Korea em agosto de 1971, através do Tae Woo Yoo ( presidente da academia Sooji - medicina da Korea ), que defendeu a tese em 31/12/75.

      Fundador e Instrutor do Instituto de Sooji - Chim da Korea do Sul.

      Quiro Acupuntura estuda o desequilíbrio energético do corpo humano através das mãos. É um novo tipo de acupuntura, que pode promover o equilíbrio energético através da inserção de agulhas nas mãos.

      A Mão é um corpo humano reduzido, os problemas existentes no organismo se refletem nas mãos, sendo assim é possível tratar e promover o equilíbrio energético através da  reflexologia das mãos. 

 

      Primeiro Ponto descoberto em 1971, M5 = VB 20 ( sistêmica ). 

      Desde então, com as intensificações e aperfeiçoamento dos estudos chegou a conclusão das três teorias. 

1a Teoria : Teoria da correspondência da mão com o corpo humano.

              ( mão é um corpo humano reduzido ) 

2 a Teoria : Teoria dos 14  micro-meridianos da Mão, com 345 pontos. 

3 a Teoria : Teoria dos Dedos das Mãos ( 5 elementos ). 

 

III - AS TEORIAS DA TERAPIA NA MÃO. 

      1 - Reflexos dos órgãos e Vísceras na Palma da Mão. 

É possível que seu navegador não suporte a exibição desta imagem.2 -Reflexos dos Órgãos e Vísceras no Dorso da Mão 

3-Lateralidade do Corpo em Relação a Palma da Mão. 

4-Lateralidade do Corpo em Relação ao Dorso da Mão. 
 

IV- Materiais utilizados no tratamento. 

1- Agulhas de 2 cm com 13 mm de cabo e 7 mm de agulha. 

Aplicação de agulha e feita através de um aplicador . Agulha e colocado no aplicador e aplica de forma suave sem fazer força, e a penetração é de 1 à 2 mm sobre a superfície da pele.

Duração de aplicação de 20 à 30 min. 

2- Aplicadores de agulha. 

3- Moxa . 

Moxa é feita de uma erva chamada de Artemísia, e serve para promover equilíbrio energético do organismo através do calor.  

4- Aparelho de alumínio . 

5- Anel   

6- Aparelho de Eletro-Acupuntura. 

7- Plaquetas de alumínio ou ouro. 

São pequenas placas prateadas e douradas, variando de tamanho e quantidade de pontas.  
 

V- Terapia da correspondência. 

 

1-Dor na testa. 

2-Dor de cabeça lateral. 

3-Olho. 

4- Nariz. 

5- Boca. 

6- Dor na Mandíbula. 

7- Distúrbios na bochecha. 

8- Dor na Laringe. 

9- Brônquios. 

10- Dor na parte da fonte. 

11- Dor de Ouvido. 

12- Dor na Lateral da Occipital. 

13- Dor Na Occipital. 

14- Dor na Cervical. 

15- Dores na Escapula, Escapula superior e coluna torácica. 

16- Dores na Cervical, Torácica, Lombar e Cóccix. 

17- Dores na Escápula e no Ilíaco ( Osso da Bacia ). 

18- Dores ao lado da Coluna Lombar. 

19- Pontos correspondentes dos Meridianos  IG5, TA4 e ID5. 

20- Pontos correspondentes dos Meridianos  P9, CS7 e C7. 

21- Pontos correspondentes dos Meridianos E41(T),VB40 (Fonte)e B60.

             

22- Pontos Correspondentes dos Meridianos F4 (Metal), BP5 ( S ) e R3  )       

VI ) Teoria dos 5 dedos ( 5 elementos). 

Cada dedo representa um órgão e uma víscera. 

Dedo polegar: Fígado / Vesícula Biliar ( Estômago e  Int.Grosso ).

Dedo indicador: Coração / Int.Delgado ( Bexiga e Int.Grosso ).

Dedo médio : Baço Pâncreas / Estômago (Bexiga e Vesícula Biliar).

Dedo anular : Pulmão / Int.Grosso ( Útero e Intestino Delgado ).

Dedo mínimo : Rim /Bexiga ( estômago, Útero e Int.Delgado). 

      É possível que seu navegador não suporte a exibição desta imagem. 

 
 
 
 
 

VII - Teoria  dos 14  micro meridianos  

Na mão existem 14 micro meridianos. A qual utilizamos para promover equilíbrio de energia  do órgão ou víscera. 

1- Relação da Nomenclatura do Quiro-Acupuntura com a Sistêmica. 

       Sistêmica            Quiro-Acupuntura 
 

      VC -----------------A   Meridiano Vaso Concepção  

      VG -----------------B   Meridiano Vaso Governador 

      P    -----------------C   Meridiano do Pulmão 

      IG  -----------------D  Meridiano do Intestino Grosso  

      E    -----------------E   Meridiano do Estômago 

      BP  -----------------F   Meridiano do Baço / Pâncreas  

      C    -----------------G   Meridiano do Coração  

      ID  -----------------H   Meridiano do Intestino Delgado 

      B    -----------------I    Meridiano do Bexiga 

      R    -----------------J    Meridiano do Rim  

      CS  -----------------K   Meridiano do Pericárdio  

      TA -----------------L    Meridiano do Triplo Aquecedor  

      VB -----------------M   Meridiano do Vesícula Biliar  

      F    -----------------N    Meridiano do Fígado  

 
 
 
 
 

2- Meridianos na palma da Mão. 

3-Meridianos no Dorso da Mão 

4- Meridiano do Vaso Concepção ( A ). 

( A ) nasce no ponto A1 e passa pelo centro da palma da mão, e termina no ponto A33 situado na extremidade do dedo médio.  
 

5-Meridiano do Vaso Governador ( B  ). 

( B ) nasce no ponto B1 e passa no centro do dorso da mão, e termina no ponto B27. 

6- Meridiano do Pulmão ( C  ). 

( C ) nasce no A12 (Jung wan ) e passa pelo C1 até C13 ao longo das bordas do dedo indicador e anular. 

7- Meridiano do Int. Grosso ( D ).( D ) nasce no ponto D1 do lado da raiz da unha do dedo indicador e anular, passando até D12,dirigindo-se para cima e centralmente em ambos os lados do dedo médio até D22 o qual está localizado ao lado do A28. 

8- Meridiano do Estômago ( E  ). 

( E ) nasce no ponto de A28 desenvolve-se até E2 quando passa a fluir  próximo à lateral do ( A ) até a primeira articulação, quando flui pela palma, passando a correr distalmente ao longo dos dedos polegar e mínimo nos lados distantes do dedo médio. 

9- Meridiano do Baço/ Pâncreas ( F  ). 

( F ) nasce no ponto F1, que está localizado na ponta do polegar e do mínimo e flui ao longo da linha central de cada dedo até ponto F22. 

10- Meridiano do Coração ( G ). 

( G ) nasce no ponto A16 e desenvolve-se no ponto G1, e sobe até G15 ao longo dos dedos indicador e anular, nos lados distantes do dedo médio. 

11- Meridiano  do Int. Delgado ( H ). 

( H ) nasce no ponto H1 e passa ao longo das linhas centrais do dorso dos dedos indicador e anular até H11, quando mudam de direção subindo pelos lados do dedo médio até H14. 

12- Meridiano de Bexiga ( I ). 

( I ) nasce no ponto I1 que fica ao lado do B27, dirigindo-se à linha ao lado do (B ) até I24 , espalha em duas ramificações para fluir pela linha central do dorso do polegar e do mínimo. 

13- Meridiano do Rim ( J  ). 

( J ) nasce ponto J1 na parte externa da raiz da unha do polegar e anular, Flui ao longo da linha vermelha/ branca  até J16, e vai lateralmente ao ( A )   até terceira articulação do dedo médio.

                                                                                                 

14- Meridiano do Pericárdio ( K ). 

( K ) nasce no ponto A18, e flui pelo A16, e é gerado no ponto K1, localizado próximo das linhas da primeira articulação dos dedos indicador e anular na palma da mão. E flui até um ponto final das unhas dos dedos indicador e anular.

        

15- Meridiano do Triplo-Aquecedor ( L ). 

( L ) nasce no ponto L1, na linha posterior interna dos dedos indicador e anular do dedo médio, flui ao longo do indicador e do anular, vira e sobe até aos lados do dedo médio. 

16- Meridiano do Vesícula Biliar ( M ). 

( M ) nasce no ponto M1, que está localizado na lateral do ponto A33, flui para baixo na direção do dorso do dedo médio, e no dorso da mão gira, orientando-se para cima e nos lados do polegar e do mínimo próximo ao dedo médio. 

17- Meridiano do Fígado ( N ). 

( N ) nasce no ponto N1, que está localizado próximo à unha do polegar e do mínimo no lado do dedo médio, flui pela palma, reverte sua direção e sobe até os lados do dedo médio.               

VIII ) Recursos para aplicar sobre o  Micro-Meridianos. 

1) Aplicação Simples. 

É aplicar simplesmente no ponto sobre o Micro-Meridianos, sem técnica de Tonificação ou Sedação.

A aplicação simples não regula voluntariamente a função do órgão, mas ele somente estimula o micro-meridiano.

Aplicação da Agulha é 1mm verticalmente sobre a pele. Se cair algumas agulhas não haverá problemas, porque várias agulhas caem em várias direções. É  também não ocorrerá tonificação ou sedação. Ocorre sim o funcionamento pelas características do próprio ponto.

Por isso no caso da aplicação simples deve estudar em conteúdo o seguinte:

Ex.: Para indigestão, no caso simples, é eficaz aplicar apenas no ponto A12. E no caso pior, é eficaz aplicar no ponto A12 e mais quatro ponto da periferia na distância de 1 cm acima e abaixo e a direita e esquerda do ponto A12. E no caso crônico , deve ser aplicado sobre o micro meridiano. A aplicação sobre o micro meridiano, em qualquer ponto será eficaz. 

2) Aplicação com tonificação e sedação. 

A excelência da Terapia é conseguir certamente o funcionamento da tonificação e sedação  do micro meridiano, para excesso ou deficiência de energia do órgão ou víscera. É a tonificação ou sedação que regulam voluntariamente a função dos órgãos e vísceras se existir problemas. Quando existe problema na função do órgão estará em estado de excitação, excesso de energia, e a víscera correspondente estará em debilidade ( 5 elementos ).Neste momento podemos trabalhar em órgão correspondente para promover o equilíbrio .

                     

Ex.: Quando existe Dor no ponto (Es25) do lado esquerdo ,pelo diagnóstico descobrimos que existe a síndrome de excesso de energia do int.grosso / deficiência da energia do pulmão. Aplicar pela tonificação do

C (Pulmão)  micro meridiano do lado esquerdo sumirá ou diminuirá [ porque a tonificação no C (Pulmão) micro meridiano dará o efeito de sedação no D (int.grosso) micro meridiano ].

Aplicar novamente pela sedação do C(Pulmão) micro meridiano do lado esquerdo da mão esquerda, a Dor do ponto (Es25) do lado esquerdo reaparecerá. Neste momento aplicar pela sedação do D(Int.Grosso) micro meridiano do lado esquerdo da mão esquerda, também a dor do ponto (Es25) sumirá ou diminuirá. Outra vez aplicaria pela tonificação do D (Int.Grosso) micro meridiano do lado esquerdo da mão esquerda, Também a dor do ponto (Es25) reaparecerá.

Assim, a tonificação ou sedação tem a característica para regular voluntariamente a função do órgão. Isto aparece certamente só no micro meridiano da Terapia . 

  1. Recurso de tonificação ou sedação :

Tonificação ou Sedação  da Terapia usa se a lei de YUNG SU BO SA

(o fluxo do micro meridiano é somente em uma direção, isto é do menor para os maiores números).

YUNG: é a técnica de Sedação que supre o fluxo do micro meridiano pela aplicação contrária a direção do fluxo micro meridiano .

SU: é a técnica de  Tonificação que supre o fluxo do micro meridiano pela aplicação na mesma direção do fluido do micro meridiano.

BO: é uma palavra coreana que significa a Tonificação.

SA : é uma palavra coreana que significa a Sedação. 

  1. Tonificação ou sedação pela agulha:

 

A eficácia da tonificação ou da sedação pela agulha é bom para qualquer ponto sobre o micro meridiano dos quatro dedos, à exceção do dedo médio.

Especialmente a melhor maneira para tonificar ou sedar é no intervalo da Segunda articulação e da terceira articulação de cada dedo, porque no final do

dedo sente-se muita dor ao aplicar, e nas outras partes é lenta a reação ao aplicar.

  • A penetração da agulha na pele 2 a 3mm.
  • O ângulo com a pele 30o a 45o .
  • Tempo de permanência da agulha : 10 à 20 min.
  • Acrescentar os pontos básicos e o ponto importante ou o ponto correspondente.
  1. Tonificação ou Sedação pelo magnetismo:

O magnetismo é o poder de atração dos pólos negativos com o positivos, e sempre indica os pólos N(norte) ao S (sul). 

d) Tonificação ou Sedação pelo  estimulador elétrico . 

  1. Tonificação ou Sedação pelas placas de metal Prateado e Dourado ).

Existem dois tipos de ionização do metal : 

Prateado ( um metal sem cor ) é o caráter Negativo (-).

Dourado ( um metal com cor ) é o caráter Positivo (+).  

 
 

IX - Cuidados básicos na utilização da Terapia na Mão. 

Primeiramente as mãos devem ser limpas com  água corrente ou passar álcool a 70 graus com 2% de iodo. 

  • Cada pessoa deve ter suas próprias agulhas ou utilizar agulhas descartáveis.
  • Antes da aplicação é bom massagear as mãos, podendo utilizar para isso o massageador.
  • O cliente deve se sentir à vontade, sentado ou deitado se for grave.
  • Tempo de duração : no casos leves como dor de cabeça. Aplicar agulhas e depois de  passar  a dor, deixar por mais 5 min.
  • Nos casos graves ou crônicos: aplicação das agulhas deve ser de 20 à 30min.
  • Número de aplicações: Varia de acordo com o desequilíbrio energético da pessoa.
  • Desequilíbrio Energético leve : Uma vez ao dia, podendo equilibrar com 5 aplicações.
  • Desequilíbrio Energético graves: Uma vez ao dia, podendo equilibrar em 6 à 12 meses ou por tempo indeterminado.
  • Para obter melhores resultados é recomendado o uso de vários instrumentos, na seguinte ordem: massageador, Agulhas, plaquetas de Prata ou Ouro, Anel e Moxa.
  • Quando estiver com as agulhas é bom fazer movimentos leves, para ativar a circulação de energia nas mãos.

Cuidados e Precauções extremas quanto ao uso,  em situações abaixo:

  • Se o cliente estiver em jejum ou com muita fome.
  • Se o cliente tiver perdido significativa quantidade de sangue por, vômitos, ou eliminação pelo reto.
  • Se o cliente estiver desidratado ou embriagado.
  • Se o cliente estiver exausto pela viagem ou por outro motivo.
  • Se a pressão for instável, alta ou baixa demais.
  • Se o cliente for extremamente fraco.
  • Se o pulso do cliente não puder ser sentido quer pela carótida ou pelas artérias radiais.
  • Se for extremamente alérgico ou reumático.
  • Se o micro meridiano estiver infectado por doença epidêmica ou necessitar de cirurgia.
  • Se o cliente estiver  tendo um ataque.
  • Se o cliente tiver febre ou calafrio extremos.
  • Se o cliente estiver emocionalmente  hiper estimulado, nervoso, alegre, triste, bravo ou assustado.

Em caso de cliente entrar em choque. 

  1. Tirar as Agulhas ou outros instrumentos.
  2. Repousar com respiração profunda.
  3. Aplicar a Agulha nos pontos A8,12 e 16.
  4. Picar no ponto J1.
  5. Ou aplicar a Agulha nos pontos B24, I2, A33 e E2.
  6. Em casos graves : deve picar a ponta dos 10  dedos.
  7. Aplique Agulha nos pontos da receita de Jeong-Bang do coração na mão direita e Jeong-Bang do rim na mão esquerda.
  8. Após recuperação deverá descansar, comer e  aplicar moxabustão nos pontos A1,3 e 12.

 

X -  Alguns  Métodos para observar o desequilíbrio do organismo (da energia ). 

  1. A temperatura das mãos e dos pés.

Se a temperatura das mãos estiverem normal, quer dizer que a circulação do corpo permanece estável. Quando ocorre dos pés e mãos estarem frios, são sinais e sintomas de que o estado do equilíbrio não se encontra normal, necessitando de cuidados. Através do controle da temperatura das mãos e pés podemos concluir a normalidade do corpo humano.

2) A aorta abdominal (que é  uma veia grossa que se localiza acima e abaixo da corrente umbilical ) deve pulsar suavemente.

Quando o seu funcionamento ocorre normalmente, a circulação do sangue e a pulsação transcorrem  normalmente . Porém, quando se encontra lesada, com pulsações intensas ou fracas seu funcionamento é prejudicado. Na Terapia Oriental a pulsação da aorta é observada para verificar a normalidade da saúde.

Quando a pulsação é intensa, o organismo não se encontra normal, dificultando a circulação do sangue.

  1. Aparelho digestivo deve estar funcionando normalmente sem dores.

Se ao pressionar o estômago, ocasionar dores agudas e apresentar tensões, como uma massa dura, são sinais de que o organismo não está bem.

  1. As pulsações dos seis pontos ( em cada braço existem três pontos) devem pulsar suavemente e igualmente. São os pontos geralmente usados para tomar pulso, o equilíbrio na Terapia  Oriental.
  2. O abdômen, não deve apresentar reação de dor ao ser apalpado .

A pele do abdômen deve estar mole, assim como intestino, e também a sua temperatura deve estar sempre morna. Se sentir tensão ou uma contração do músculo, e dores ao ser pressionado com as mãos, conclui-se que o organismo está com alguns órgãos e vísceras em desequilíbrio. 

  1. Coluna Vertebral.

A coluna vertebral que sustenta o corpo humano, é a proteção para sistema nervoso, órgãos e vísceras. Por isso se houver algum problema, poderá causar outros males. 

Verificação:

  1. Verificar alinhamento da coluna.
  2. Verificar saliência da coluna.
  3. Verificar a sensibilidade da coluna.
  4. Verificar a reentrância da coluna.
  5. Apalpar sutilmente sobre a coluna observando a fisionomia do cliente.
  6. Apalpar sutilmente sobre a lateral da coluna observando a fisionomia do cliente.
  7. Perguntar ao cliente.
  1. Pulsação.

Para ter saúde, o estado do cérebro  deve estar estável. O estado instável do cérebro é causado pelo descontrole das funções de todo o organismo.

Na artéria carótida deve haver 4 carótidas . O volume de sangue nestas 4 carótidas devem estar em equilíbrio, se houver desequilíbrio, existira algum desequilíbrio energético .

Na Terapia para descobrir em que estado se encontra a circulação no cérebro é preciso tomar a pulsação de Yin/Yang. 

Posição para tomar a pulsação de Yin/Yang: 

Pulsação de Yin – É tomada no ponto  ( Pu9 ).

Pulsação de Yang – Localizar o gogó ( pomo de Adão ). Do lado do gogó localiza-se um ponto chamado de  (IG18) que varia de 1,5 à 3,0 tsun de pessoa para pessoa. Neste ponto toma-se a pulsação de Yang. 

  1. A pulsação deve ser tomada da seguinte maneira : comparar a pulsação do punho esquerdo com a pulsação do lado esquerdo do pescoço, e a pulsação do punho direito com a pulsação do lado direito do pescoço.
  2. Comparar as pulsações do pescoço e do pulso   (Pu9) e  (IG18) : Qual das duas será mais grossa ?

Deve comparar só o volume de sangue entre duas artérias dos pontos  (Pu9 ) e ( IG18 ), sem relação com a força (forte ou fraca ) e a suavidade ou dureza. 
 
 

XI ) Medidas utilizadas para localizar os pontos. 

Na mão existem 345 pontos definidos em 14 micro-meridianos. Para saber  a localização exata, utiliza-se Tsun-bun.

Tsun é uma unidade de medida oriental.

Bun é 1/10 do Tsun.

Com exceção a mão deformada. 

1) Dorso da  Mão. 

No comprimento.

  1. O dorso da mão mede 6 tsun mais 7 Bun do ponto B1 ao B27 ( que localiza-se na raiz da unha do dedo médio).
  2. Do ponto B1 a primeira falange do dedo médio B14 mede 3 tsun.
  3. O comprimento da primeira articulação ( do ponto B14 ao B19 ) é de 2  tsun.
  4. O comprimento da Segunda articulação ( do ponto B19 ao B24 ) é de 1 tsun mais 4 Bun.
  5. Do ponto B24 ao B27 ( localizado na raiz da unha do dedo médio ) mede 3 Bun.

Na  largura: 

  1. Do ponto de separação do dedo polegar com o dorso da mão ao extremo (em direção ao dedo mínimo ), mede 4 tsun.
  2. A largura da primeira articulação do dedo médio é de 8 Bun.

2) Palma da Mão.

No Comprimento. 

  1. Do ponto A1 ao ponto localizado no extremo do dedo médio A33  mede 7 tsun mais 8 Bun.
  2. Do ponto A1 ao A16 mede 4 tsun mais 2 Bun.
  3. Do ponto A16 ao A20 mede 1 tsun.
  4. Do ponto A20 ao A24 mede 1 tsun mais 1 Bun.
  5. Do ponto A24 ao A33 mede 1 tsun mais 5 Bun.

Na Largura.

  1. Do ponto A12 ao extremo da palma da mão ( em direção ao dedo polegar ) mede 1 tsun mais 5 Bun.
  2. Do ponto A8 ao extremo da palma da mão ( em direção ao dedo mínimo ) mede 4 tsun mais 2 Bun.
  3. A largura da falange do dedo médio é 8 Bun.

Obs.: Deve usar  a própria mão da pessoa que for tratar.

XII – Dicas em casos de Emergência. 

  1. Em casos leves.

As mãos frias significam má circulação sangüínea, gerando o aumento da quantidade de sangue que flui para cabeça, causando tontura ou desmaio.  

Quando ocorrer um choque, intoxicação por gás, má digestão aguda (forte) e desmaio pela pressão alta do sangue, as mãos ficarão muito frias. 

Por isso deve abaixar a pressão alta da cabeça, picando a ponta do dedo médio da mão . 

No caso de sintomas acima serem leves, podem picar apenas o ponto A33, e nos pontos A8,12,16,E8 e I2 aplicar agulhas ou massageador.

 

2) Em casos graves.

Em casos graves deve picar a ponta dos dez dedos das mãos e (em alguns casos deve picar a ponta dos dedos dos pés ) todos os dias até o restabelecimento.

E em caso de problemas respiratórios utilizar pontos A8, 12, 16, 18, 20, 22, 24, 28, 33, E8 e I2 para normalizar a respiração.

RESULTADOS

 

Resultados são muito bons, centenas ou melhor milhares.

Exemplo da Coréia de onde surgiu a técnica, o governo adotou como receita caseira, se não tivesse resultado, já mais, iria adotar o método para diminuir pessoas em hospitais públicos .

CONCLUSÃO
 

E  um método de tratamento muito bom que não podemos deixar de aprender.

Que tem um resultado muito bom no equilíbrio dos Órgãos e Vísceras e suas funções.

Excelente em tratamentos preventivos.

E muito fácil de aprender.

Muito fácil de aplicar também.

Autor: : Song Un Kim - Terapeuta Holístico - CRT 23108
Última atualização: 14/06/2013 14:52


Terapia em Técnicas Tradicionais - Acupuntura Sistêmica

Terapia em Técnicas Tradicionais

(Acupuntura Sistêmica) 
 
 

Song Un Kim
Terapeuta Holístico - CRT 23108

Resumo 

A necessidade da acupuntura nas diversas culturas: Oriental e Ocidental. 

Os orientais (Coreanos, Japoneses e Chineses) encaram acupuntura na sua cultura tradicional, com muita naturalidade, pois faz parte do costume e folclore trazidos por gerações e gerações através de milhares de anos.

Os coreanos atualmente estão perdendo um pouco desta tradição por avanços tecnológicos, capitalismo e da influência americanas, muitas já estão substituindo o tratamento de acupuntura, chás e ervas por remédios alopáticos que é muito mais cômodo.

Os ocidentais estão fazendo o caminho inverso, pois estão cansados de consumir tantos remédios com contra indicações. E as pessoas estão procurando as terapias alternativas que não tem contra indicação, ou melhor, que não prejudica outros órgãos.

A alopatia cada vez mais está se subdividindo e não se preocupando com a pessoa como um todo, tratando o problema e não a causa. Por esse motivo as pessoas estão preferindo terapias orientais como acupuntura que procura equilibrar os sistemas orgânicos, fortalecendo os mecanismos de defesa naturais do cliente e proporcionando o equilíbrio harmônico na sua totalidade.    

 
 
 
 
 

Introdução 

A necessidade da Acupuntura nas diversas culturas: Oriental e Ocidental, foi tentar mostrar aos congressistas, a visão e a experiências adquiridas ao longo dos trinta e seis anos de atividades relacionados a arte marcial Hapki-do que utiliza os pontos de Acupuntura e terapia corporal para aplicar os seus golpes.

Viajando por vários paises, pode realizar vários cursos de acupuntura e terapia corporal com grandes Mestres internacionais nas Artes de Hapki-do.

Observando e aprendendo várias técnicas utilizadas por estes mestres.

E também pelo fato de estar engajado em vários trabalhos sociais há muito tempo e com mais de 9000 clientes na carteira e trabalhando em varias entidades como Delegacia Geral, Delegacia da Mulher, Receita Federal, APROFEM (Sindicato dos Funcionários e professores Municipais de São Paulo) e Academia Kim. Observei que podemos ajudar na qualidade de vida e diminuindo sofrimentos físicos e emocionais do homem contemporâneo.  
 
 

Material e Metodologia 

No ocidente acupuntura foi introduzida para tratamentos de alívio da dor, e depois verificou se que também podia auxiliar em vários tratamentos como: no alivio de enjôos e queimações em gestantes, aliviar as cólicas ou gases provocados pelos intestinos, agora se usa acupuntura para quase todos os tipos de problemas causados por desarmonia do corpo humano.    

A TTC - Terapia Tradicional Chinesa procura equilibrar os sistemas orgânicos internos, fortalecendo os mecanismos de defesa interna, permitindo que o corpo equilibre a si próprio. Diferente da medicina ocidental que tende a tratar os sintomas e não as causas.

Na TTC é tudo baseado nos conceitos do KI, Yin e Yang e dos Cinco Movimentos.

Para que haja harmonia e equilíbrio entre corpo e mente e preciso que tenha fluxo do KI e da inter-relação entre Yin e Yang gerados nos Cinco Movimentos. Quando essa harmonia for interrompida, haverá desarmonia do corpo e mente, causando má funcionamento do corpo humano.

Os fatores que levam o corpo e a mente em desarmonia são: rompimentos ou mau fluxo de energia KI, diminuição de energia da defesa, presença da energia perversa, qualidade da energia da respiração, Vento, Frio, Calor, Umidade e Secura.

O mecanismo de ação da acupuntura nos seres humanos, em que a dor e aliviada, observam-se aumento de Beta-Endorfina no líquido cefalorraquidiano (LCR), conforme relatado por Clement-Jones em 1980. Estudo realizado em ratos observou se liberação de substâncias semelhantes a metencefalina, parecido com substancia liberado no estimulo da acupuntura.

E muito importante ressaltar que grande parte dos pontos de acupuntura esta localizados sobre ou muito próximo das terminações nervosas, nervos, vasos sangüíneos, tendões, periósteos e cápsulas articulares, assim possibilitando acesso direto ao sistema nervoso central.

Foi observado que os pontos de acupuntura, ou melhor, a região da acupuntura há uma grande diferença potencial elétrico, elevada condutância elétrica e diminuição da resistência sobre a pele. Por esse motivo utiliza-se muito estimulo elétrico para realizar tratamentos de acupuntura, na sedação e tonificação.

Cabe ao terapeuta, utilizar através de várias técnicas como: Moxa, Ventosa, Laser, Eletro-Acupuntura, Acupuntura Auricular, Quiro-Acupuntura, Acupuntura Constitucional, Acupuntura Craniana, Acupuntura Facial, Massagem Tui-ná, Shiatsu, Do-In, e muitas outras para promover o fluxo do Ki e do equilíbrio entre Yin e Yang e transformações gerados pelos Cinco Movimentos.

ENERGIA

 

      Tchi       Ki ou Qi 

      China      Korea / Japão 
 

                              Yeng Tchi   Ar 

      Energia   Kou Tchi    Alimentos 

                              Yuen Tchi   Ancestral 
 
 

      Rim  Morada da energia vital (ancestral ). 
 

 ENERGIA 

Energia chamado pelos Chineses de TCHI, pelos Coreanos de KI e pelos Japoneses de QI. 

Jing (essência), KI (energia), XUE (sangue) e JINYE (líquidos orgânicos). 

Jing, Ki, Xue e Jinye constituem as substâncias básicas do corpo e também a base material para as atividades fisiológicas de Zang-Fu (órgãos e vísceras internos).  

Jing (Essência)

Significa energia ancestral (Essência), e a morada da energia ancestral são os Rins (armazenam a Essência). 

Ki (energia) 

O Ki (energia) e uma substância essencial que faz parte do corpo e que pode produzir funções distintas tais como Yin Ki (Ki nutritivo), Ki (ar) de respiração, e outro lado, referem-se às atividades funcionais de Zang-Fu e dos tecidos, por exemplo, o Ki dos Zang-Fu, o Ki dos canais, etc. As energias Yuan Ki, Zhong Ki, Yin Ki, Wei Ki, etc. são diferentes na origem, na distribuição e nas características funcionais.

Yuan Ki (verdadeiro) 

Ki original ou Ki verdadeiro. O Yuan Ki é considerado o mais importante e o mais fundamental entre o Ki do corpo e é formado pelo Ki essencial, pelo Ki produzido dos alimentos pelo Estômago e pelo Baço/ Pâncreas e pelo ar límpido da natureza aspirado pelo Pulmão. O Yuan Ki exerce a função de estimular e de impulsionar as atividades funcionais dos diversos Zang-Fu dos tecidos do corpo, razão pela qual pode-se considerá-lo como uma força motriz do corpo.  

Zhong Ki (principal) 

Zhong significa “grande ou principal” por isso, Zhong Ki também é chamado “Daqi” (Ki grande). O Zhong Ki está integrado pelo Ki de matérias essenciais, da água e dos alimentos; o ar límpido aspirado pelo Pulmão acumula-se no tórax, entra no Coração e nos vasos sangüíneos para impulsionar a circulação do Sangue e ocorre por todo o corpo. Zhong Ki constitui a força motora que promove a respiração do Pulmão e da circulação do Sangue do Coração.  

Yong Ki (nutrição) 

“Yong” significa nutrição. O Yong Ki é produzido a partir das matérias essenciais da Água e dos alimentos transformados pelo Estômago e pelo Baço/ Pâncreas e constitui a parte mais substancial do Ki da água e dos alimentos.  

Wei Ki (defensivo) 

É o Ki defensivo ou protetor. Wei Ki é produzido principalmente pelo Estômago e pelo Baço/ Pâncreas dos alimentos. A insuficiência de Ki do Estômago e do Baço/ Pâncreas leva, com freqüência, à insuficiência de Yang e como conseqüência, o cliente tem temor ao frio, os membros frios e facilidade em apresentar secreção pulmonar. Os movimentos de Ki constituem uma manifestação da vida e do corpo, e uma vez parado esse movimento, termina a vida.

O subir, descer, entrar e sair do Ki manifeste-se corretamente nas atividades funcionais dos diferentes Zang-Fu, assim como nas relações de coordenação entre Zang-Fu. O Estômago domina a recepção, por isso o Ki do Estômago desce e o Baço/Pâncreas encarrega-se da transformação e transporte, por isso o Ki do Baço/Pâncreas sobe; os Rins encarregam-se de distribuir a Água elevando o límpido e descendo o turvo; o Pulmão controla a expiração e os Rins, a recepção do ar; o Fogo do Coração abaixa, enquanto a Água dos Rins sobe; assim como o Fígado domina a drenagem. Qualquer transtorno na circulação de Qi, tais como alterações na subida e descida, obstáculos na entrada e na saída, podem afetar as atividades funcionais normais dos Zang-Fu. O corpo mantém a temperatura normal e realiza diversas atividades com o aquecimento pelo Qi. O transporte e a transformação das matérias dos alimentos pelo Estômago e pelo Baco/Pâncreas, a produção de Yong (Qi nutritivo), Wei (Qi defensivo), Qi (Emergia), Xue (Sangue), Jing (Qi essencial) e os líquidos orgânicos; a distribuição dos líquidos orgânicos pelo Triplo Aquecedor e a excreção de urina da Bexiga são realizadas sob a ação de Qi.

 

Xue (Qi nutritivo) 

A principal fonte do Sangue é o Yong Qi (Qi nutritivo) gerado por matérias substanciais da Água e dos alimentos digeridos pelo Estômago e pelo Baço/pâncreas. O Yin Qi é à base do Sangue e os líquidos também fazem parte do Sangue. O Sangue origina-se primeiro das Essências inatas; depois do nascimento, tem como fonte, o Qi e Energia essencial adquirida da Água e dos alimentos.

A circulação do Sangue depende do impulso do Qi do Coração e do Qi do Pulmão e depende também da função de regularização e de drenagem do Fígado e do controle do Qi do Baço/Pâncreas. Por isso, a deficiência do Baço/Pâncreas faz com que o Sangue perca o autocontrole produzindo-se a hemorragia crônica; a deficiência do Baço/Pâncreas leva à disfunção, de transporte e de transformação levando à insuficiência de Sangue nutritivo. A estagnação de Qi do Fígado causa a estagnação do Qi e a estase do Sangue; deficiência de Qi do Pulmão e do Coração faz com que o Sangue circule sem força, provocando a estase de Sangue do Coração. 

Jinye (líquidos orgânicos) 

Os líquidos orgânicos têm por função umedecer e nutrir os Zang-Fu, tecidos e constituem um dos elementos importantes para a formação do Sangue.

Os líquidos orgânicos formam-se da Água e dos alimentos, através da função do Estômago e das funções de transformação e de transporte do Baço/Pâncreas, os Jinye são enviados para o Pulmão e, através da sua função de difusão, são distribuídos pelas vias do Triplo Aquecedor para todo o corpo, chegando externamente até a pele e internamente, filtrando nos Zang-Fu, a fim de umedecer e nutrir aos órgãos e tecidos. A insuficiência dos líquidos nos órgãos internos produz também sintomas de secura, tais como: tosse seca por secura no pulmão, sede devido à secura no estômago, constipação por causa da secura no intestino grosso, etc. Os transtornos na distribuição e na excreção podem causar retenção de água, sintomas como abundância de Mucosidade, edema, etc. 

ACUPUNTURA 
 

A acupuntura e a técnica mais antiga que existe, parti do conceito de que o desequilíbrio se deve à má distribuição de energia pelo corpo, sendo assim aplicam-se algumas agulhas para ativar alguns pontos de acupuntura para equilibrar yin e yang dos órgãos e vísceras.

Cada Órgãos e Vísceras têm uma função energética diferente da função alopática.

Na Antigüidade, os chineses haviam comprovado, que um órgão do corpo humano, alterado em seu funcionamento, deixavam sensíveis, certos pontos de revestimento cutâneo. A localização desses pontos (situados nos mesmos lugares em todas as pessoas) variava de acordo com o órgão afetado. Concluíram assim que cada órgão correspondia pontos específicos, demonstraram então que uma ação sobre esses pontos repercute sobre o órgão correspondente, produzindo um alívio.

Esses pontos constituem uma espécie de cadeia, como se uns fossem a continuação de outros. Unindo-os por traços imaginários obtêm-se linhas longitudinais denominadas passagem, canais ou meridianos.

Os meridianos estão relacionados aos órgãos diretamente. Inserindo uma agulha em um determinado ponto de um meridiano, tem a sensação de que algo esta transitando entre eles, os chineses chamam de Qi, que significa energia.

Restaurar o equilíbrio energético

 

A energia circula através do organismo, meridiano a meridiano, de forma regular, distribuindo-se harmoniosamente e segue o seguinte percurso diário: das 3 às 5h, passa pelo meridiano dos pulmões (P); das 5 às 7h, do intestino grosso (IG); das 7 às 9h, do estômago (E); das 9 às 11h, do baço pâncreas (BP); das 11 às 13h, do coração (C); das 13 às 15h, do intestino delgado (ID); das 15 às 17h, da bexiga (B); das 17 às 19h, dos rins (R); das 19 às 21h, da circulação-sexualidade (CS); das 21 às 23h, do triplo-aquecedor (TA); das 23 à 1h, da vesícula biliar (VB); da 1 às 3h, do fígado (F).

Os desequilíbrios são conseqüências naturais da má distribuição de energia. Alguns sintomas da falta dessa energia são: sensação de vazio, fraqueza, insatisfação, insegurança, desânimo, frio, suor, agressividade, agitação dor, calor, e outros...

A acupuntura tem por objetivo reequilibrar a circulação de energia no organismo, tornando-o harmônico, pois constitui no princípio básico da ordem universal. A saúde é o resultado do equilíbrio dessas duas forças (Yin (negativo) e Yang (positivo), que ativam os corpos).

O Yin e Yang expressam-se em todo e qualquer nível de existência, com alternância de cada força.

Alguns elementos Yang são: a luz, o calor, o verão, o vermelho, o homem, a atividade, o sistema nervoso simpático, as partes superficiais do corpo. O elemento Yin é: o escuro, o frio, o inverno, o azul, a mulher, o sistema nervoso parassimpático, as partes profundas do corpo e outros.

O intestino delgado, o intestino grosso, a vesícula, o estômago, a bexiga e o triplo-aquecedor são órgãos de Yang. O coração, os pulmões, o fígado, o baço, os rins e a circulação-sexualidade são órgãos Yin.

Alguns físicos descobriram que a teoria oriental de que não existe distinção entre matéria e energia está certa, elas são consideradas dois pólos de uma mesma unidade.

Para análise, uma técnica peculiar.

 

Yin e Yang são duas forças que condicionam a vida de cada indivíduo e o seu estado de saúde, a pergunta que se faz ao especialista de acupuntura é: qual órgão esta deficiente e qual órgão apresentam um excesso de vitalidade? Dá-se, então o analise, na qual, usam-se alguns métodos: ver o cliente escutá-lo, perguntar, apalpar seu corpo nos pontos ou LO (pontos de alarme) e leitura pelo pulso, todos eles são importantes.

O analise do pulso é realizado na artéria radial do punho. E requer silencio e tranqüilidade. Os três dedos têm que se manter como um arco, com as pontas bem alinhadas e se examina o pulso com a polpa dos dedos. A distancia dos dedos depende da estatura do cliente: É dividida em três zonas, cada qual com uma posição superficial e outra profunda.

Coloque levemente a polpa de um dedo sobre a artéria radial, em cada uma das três posições, é possível perceber que a sensação obtida difere em cada local – com exceção de pessoa em perfeito estado de saúde (se a pressão for gradualmente aumentada chega-se a um ponto onde a sensação ou percepção torna-se diversa). Se os pulsos da primeira posição apresentar vibrações mais fortes do que os da terceira, quer dizer que o Yang esta mais poderoso do que Yin, e vice-versa.

Na mão esquerda, com pressão superficial, faz-se a análise do intestino delgado, da vesícula e da bexiga; com pressão profunda faz-se análise do coração, fígado e rins. Na mão direita, com pressão superficial o intestino grosso o estômago e o triplo-aquecedor, com pressão profunda o pulmão, baço/pâncreas e a circulação-sexualmente.

As pulsações podem ser classificadas em: a) alteração de freqüências b) ritmos c) superficial ou profunda; d) lisa ou grossa; e) cheias ou vazia; f) longa ou curta e etc.

Tanto para se realizar um tratamento ou realizar uma simples análise, é imprescindível o conhecimento dos meridianos, da origem de seus pontos principais e das leis que regem esta forma de terapia.

Existem doze meridianos que estão relacionados a doze órgãos. As demais partes do organismo encontram-se sob controle de um ou mais desses órgãos. Assim sendo, esses doze órgãos – ou funções corporais são considerados primários, e os outros secundários.

Os meridianos são bilaterais, um em cada lado do corpo, sendo classificados como profundos e superficiais, de Yin e de Yang. Os meridianos profundos de Yin são os do coração, da circulação-sexualidade e dos pulmões. Meridianos superficiais de Yang: do intestino delgado, do triplo-aquecedor e do intestino grosso. Meridianos inferiores de Yin (de dentro para fora): do baço/pâncreas do fígado e dos rins. 

Conclusões 

Posso afirmar que acupuntura pode ajudar muita gente a equilibrar a sua energia interna, e melhorar a qualidade de vida com tratamento de acupuntura.

Excelente em tratamentos preventivos.

Excelente para tratamento da dor e da sua causa.

Se a eficácia do tratamento não fosse comprovada, os clientes não me procurariam ao longo dos 36 anos praticamente no mesmo local, tratando varias gerações da mesma família.

Podemos provar realizando alguns golpes nos pontos de acupuntura, verificando aumento da sensibilidade e diminuição da resistência do local (sem machucar, claro).

Podemos pressionar alguns pontos para mostrar anestesia do local, para tirar a dor, ou melhor, a hiper sensibilidade do local. 
 
 
   

Referências bibliográficas 

Yamamura, Y. Acupuntura Tradicional: A arte de inserir.

      2ª ed. Roca, São Paulo, 2001. 

Ross, J. Zang Fu: Órgãos e Vísceras da Medicina Tradicional Chinesa.

      Roca, São Paulo, 1994. 

Maciocia, G. A pratica da Medicina Chinesa: Tratamento com Acupuntura e Ervas Chinesas.

      Roca, São Paulo, 1996. 

Spyros, Alexandros. Fitoterapia Chinesa e Plantas Brasileiras.

      Ícone, São Paulo, 1995.  

Maike, Sonia. Fundamentos Essenciais da Acupuntura Chinesa.

      Ícone, São Paulo, 1995. 

Yamanaka, M. Acupuntura em dermatologia.

      LMP, São Paulo, 2005. 

Xi Wenbu, Tratado de Medicina Chinesa.

      Roca, São Paulo, 1993. 

Focks, C. Atlas de Acupuntura.

      Manole, São Paulo, 2005. 

Jae-Nam, M. Ho Shin Môo Yea.

      World Hapki-do HeadQuarters, Seul, Korea,1986. 

Jae-Nam, M. Self Defence Martial Art.

      World Hapki-do HeadQuarters, Seul, Korea,1987. 

Won, Seo. Quiro Acupuntura.

      Ícone, São Paulo, 2000. 

Wood e Becker. Massagem de Beard.

      Manole, São Paulo, 1990.

Souza, Matheus. Magneto Terapia.

      Ibraqui, São Paulo, 1999.

Autor: : Song Un Kim - Terapeuta Holístico - CRT 23108
Última atualização: 04/07/2011 14:11


Saúde pela Sexualidade e Espiritualidade-Desmistificando a Kundalini

 Saúde pela Sexualidade e Espiritualidade - Desmistificando a Kundalini

Mitiyo Oshiro Takemoto
Terapeuta Holística
CRT – 38660


SINTE – SINDICATO DOS TERAPEUTAS – Holística 2008

Sumário

Introdução ............................................................................... iv

Sahajoli e Seus Benefícios.........................................................v

- História.......................................................................................v

- Cultura Ocidente e Oriente........................................................ vi

Sexo.......................................................................................... vi

Dois Cérebros........................................................................... vii

Três Veículos.............................................................................vii

Cérebro......................................................................................vii

Órgãos do Corpo.......................................................................viii

Órgãos Sexuais..........................................................................viii

Os Três Tan Tiens.....................................................................viii

Tantra.........................................................................................ix

Vantagens da Pratica Sexual......................................................x

- Os órgãos sexuais e o Cérebro..................................................x

Rejuvenescimento (dentro das técnicas Taoistas)......................x.

- A importância da Saliva...........................................................xi

- Esperma....................................................................................xi

Kundalini....................................................................................xii

Sexualidade.................................................................................xii

Reeducação Sexual.....................................................................xiii

- Filosofia do Chi........................................................................xiii

- Chacras, Tantrismo, Budismo e Hinduísmo..............................xiii

O Cultivo da Energia Sexual e Espiritual..................................xiv

Os Órgão Sexuais e o Cérebro...................................................xiv

Material e Metodologia..............................................................xiv

Discussão....................................................................................xv

Conclusão...................................................................................xv

Bibliografia................................................................................xvi


Introdução

SEXUALIDADE, ENERGIA E RELACIONAMENTOS.

A relação entre homens e mulheres tem desconcertado e confundido filósofos, cientistas e pensadores ao longo dos tempos. A sexualidade é uma “doença” que abarca as páginas da história de todas as sociedades. É um ritual que tem absorvido as atividades humanas através das eras e que ainda constitui um dilema para as culturas atuais. Diante de algo que existe há tanto tempo e que faz parte da vida de toda criatura ao longo da história, poderíamos pensar que a raça humana já fosse especialista no tema da sexualidade. Entretanto, ainda hoje, os relacionamentos sexuais continuam ofuscando e confundindo profundamente o espírito das pessoas. Por um lado, criam paixão e amor, acendem o romance e o prazer, despertam as chamas do desejo que tornam a vida digna de ser vivida, mas, por outro lado, a sexualidade é também uma fonte de destruição e negatividade, a causa de infinitos problemas na sociedade. Os taoistas não vêem o sexo ou a energia sexual como uma questão moral. Para eles é mais uma questão de saúde. Assim que você começar a entender sua energia, como ela é e para que realmente existe, você terá uma compreensão bem mais saudável de como trabalhar com ela e como interagir com as pessoas ao seu redor, especialmente com o sexo oposto. A energia sexual é o alimento para a totalidade do nosso ser: o corpo, a mente e o espírito. Os exercícios para a energia sexual desenvolvidos nos ensinamentos taoistas são muito mais sofisticados e focados do que no Ocidente. Esses exercícios taoistas vão diretamente à fonte de nossa sexualidade, cultuando-a de maneira a trazer energia e força sexual para quem os utiliza apropriadamente. A saúde sexual depende intrinsecamente da energia sexual, é a energia mais potente que existe, pois é uma energia criativa, a energia criativa é a pura energia da vida, a sexualidade se manifesta o tempo todo no universo, desde a natureza, plantas, flores, animais e nós humanos, ela flui no universo o tempo todo, ela é um dom que recebemos e que tem que ser utilizada, a natureza deu e a natureza cobra, a pessoa que não sente atração sexual é uma pessoa que tende a adoecer, por causa dos bloqueios energéticos. Sobre a energia sexual se envolve vários assuntos, um deles é a energia da Kundalini.

Sahajoli e Seus Bebefícios

O Sahajoli se resume basicamente em exercícios para fortalecer os músculos vaginais e região pélvica. Em primeiro lugar estaremos passando as técnicas de como proceder esse exercício. Em primeiro lugar trabalha-se o fortalecimento de todo assoalho pélvico (vagina, uretra e anus) e é chamado de Uddiana Banda, ou seja, com essa pratica trabalha-se todos os esfíncter, anal, vaginal e uretra através das contrações dos anéis da vagina, anus e uretra. Na segunda fase desse exercício aprende-se a sugar e não apenas apertar para cima os músculos e esfíncter. Conforme ofortalecimento de todo assoalho pélvico, estaremos alcançando o sahajoli, vajroli e amaroli, pois a energia flui até chegar no bindu (comparada a energia do orgasmo). Exercícios para os homens(aqui a intenção é preservar o bindu, ou seja preservar o semen, pois com a ejaculação perde-se a energia e acelera o envelhecimento). Bindu é uma ligação entre o chacra coronário e o chacra básico, é um fio que liga o cérebro, medula e órgãos sexuais.

HISTÓRIA

Sahajoli é uma arte milenar das mulheres orientais. Antigamente o Sahajoli era praticado naturalmente. Os pais orientavam seus filhos naturalmente com relação a este legado, através do sistema Paran Paran; quer dizer oralmente, nada de leituras ou escritas. Entre os nobres: o pai da jovem contratava uma orientadora, mestra na arte de amar, com a finalidade de preparar a jovem moça Shakti “Deusa do Amor” com intenção de entregar ao pretendente Shiva “Deus do Amor”. Assim se formava um casamento perfeito, inabalável. Com a invasão dos ingleses, devido ao moralismo vitoriano, eles foram proibidos de praticar e caiu no esquecimento.

Há aproximadamente dois séculos, as prostitutas orientais, as gueixas, se apoderaram dessa técnica para obter mais lucro, ganhar mais clientes. Na China, os Ensinamentos Sexuais da Tigresa Branca, Segredos das Mestras Taoistas –Hsi Lai – ainda existe em grupo secreto, um treinamento concentrado de três anos, com a finalidade de educar e reeducar no “refinamento” aperfeiçoamento para a “imortalidade” sexual e espiritual (valorização da mulher). Esse sistema é compatível com o Tantra.

No ocidente, o sahajoli feminino se tornou conhecido através do Dr. Kegel, médico americano que popularizou os exercícios de contração vaginal, trazendo muitos benefícios à saúde e sexualidade da mulher. Tomemos como exemplo a cura de muitos casos de incontinência urinária, queda de útero e bexiga. Assim como mulheres antes consideradas frígidas, após aprenderem as técnicas conseguem prazer e orgasmo.

As praticantes de sahajoli, tem uma aparência mais jovem em conseqüência do reequilíbrio hormonal obtido através destes exercícios. Um famoso mestre de yoga da Bélgica, André Lysebeth diz em seu livro que uma praticante desta técnica ancestral será mais apreciada do que qualquer outra mulher, e não será trocada nem por uma bela rainha.

O sahajoli entre as mulheres está rapidamente se tornando popular em nosso país para a felicidade de muitos casais que hoje desfrutam deste criativo e saudável em suas relações sexuais.

O sahajoli masculino, isto é, os movimentos com a musculatura do pubococcigeo no homem, além da movimentação voluntária do esfíncter anal e períneo chamados de exercícios do mulabhanda no yoga, incluindo também os vários tipos de movimentos pélvicos e penianos, que praticados pelos homens, melhora a circulação da áreas pélvica, aumentando consequentemente a potência e o prazer do praticante.

Os homens que praticam possuem vitalidade e potência sexual até a longevidade, pois em várias regiões do Oriente estes exercícios são utilizados naturalmente no dia-a-dia. Esse conhecimento provém de ensinamentos legados de seus antepassados.

São homens que realmente fazem amor por horas seguidas, dando mais prazer as suas companheiras. Este conhecimento é fundamental para a prática do sexo Tântrico. A saúde sexual eleva a totalidade do indivíduo (auto estima).

CULTURA: OCIDENTE E ORIENTE

Cultura Ocidental: é patriarcal (machista, possessivo, ciúmes, violência, muita dor, remorso, guerra). A mulher não tinha o direito de ter prazer sexual. Os inquisidores da igreja condenavam severamente.

Cultura Oriental: é matriarcal (paz, amor, compreensão, respeito, não ciúmes). Culto a mulher, a mulher (divindade).

SEXO

Dakshina marga – perda do Bindú (ejaculação) é ocidental, primitivo, inferior, meramente físico e mecânico. Resultado: fadiga, cansaço.

O sexo é feio, vergonha, dão nomes ou apelidos feios aos órgãos genitais: cheios de preconceitos e proibições. Hoje o sexo é liberado sem freios!? Vama marga – manter o Bindú (orgasmo), é oriental, superior, evoluído – é um fenômeno físico-psíquico-emocional. Resultado: saúde e vitalidade, devido a Energia da Kundalini (Energia Vital). Ativa todos os órgãos internos e os chacras, do primeiro até o sétimo chacra. Nesse caso podemos dizer que atingiu o nirvana (iluminação-conceito taoista). Os orientais dão nomes poéticos aos órgãos genitais como: Flor, Rosa, Margarida, Orquídea, Girassol, etc.

2 CÉREBROS: primeiro cérebro cabeça e segundo cérebro intestino

Relação Intestino e o Cérebro.

A ciência e as pesquisas médicas têm demonstrado através de estudos recentes a importância do sistema gastrintestinal e mais especificamente do intestino, para a manutenção da saúde e do bem estar. O intestino passou a ser reconhecido como um ''órgão inteligente'' por sua capacidade de selecionar entre o que comemos, o que nos é ou não útil, e por ser o único órgão do corpo humano capaz de executar funções independentemente do Sistema Nervoso Central, chegando a ser recentemente denominado por especialistas como um ''segundo cérebro''.

O livro do Dr. Michel Gerson, o “Segundo Cérebro”, menciona que os intestinos possuem uma rica rede neuronal, cerca de 100 milhões de neurônios (semelhante à medula espinhal) que elaboram neurotransmissores. As últimas pesquisas demonstraram que quarenta hormônios e vinte neurotransmissores são secretados também pelo eixo-cérebro-intestinal, ou seja, pelo cérebro e intestino simultaneamente, e que 80% do nosso potencial imunológico esta presente neste órgão. Com isso ao regular todo o nosso organismo os intestinos funcionam como órgãos inteligentes.

Para que o corpo entre em equilíbrio é importante que haja uma consciência entre a conexão desses dois cérebros, para fazer circular a energia “yin e yang.”

TRÊS VEÍCULOS OU TRÊS MENTES

Mente, órgãos e órgãos sexuais.

Parece que algumas pessoas estão desligadas de si mesmas e dos seus órgãos sexuais. A mente e os órgãos estão, portanto, separados. O taoísmo acredita que a mente, o corpo e o espírito devem trabalhar juntos. Os resultados dependem da assimilação de cada aluno. No Tao, aprendemos a criar um Tempo Sagrado dentro de nós. Com a técnica simples de sorrir em todos os órgãos, podemos integrar o nosso corpo, a nossa mente e o nosso espírito.

Eles não ficam mais separados. A prática sexual conecta a mente com os órgãos sexuais e o cérebro. Forma uma ponte de ligação entre essas nossas partes e cria-se a sinergia.

CÉREBRO

O Cérebro pode acessar e gerar as forças superiores, mas não é fácil armazenar essa energia no próprio cérebro. Precisamos treinar o cérebro para aumentar a sua capacidade e a sua destreza em armazenar a energia. A energia do cérebro, quando aumentada até um determinado nível, podepermitir um maior numero de sinapses e ajudar a converter proteínas em células cerebrais. O Tao acredita que, com o treinamento e a pratica é possível aprender a aumentar o numero de células cerebrais e nervosas, assim como aumentar o numero de sinapses no sistema nervoso central.

ORGÃOS DO CORPO

Os órgãos também podem gerar energia, mas muito menos do que os órgãos sexuais e o cérebro. Eles também têm uma capacidade muito maior de armazenar e transformar energia.

ORGÃOS SEXUAIS

O Tao descobriu que os órgãos sexuais são os únicos órgãos que podem gerar uma quantidade significativa de energia (força vital ou kundalini).

OS TRES TAN TIENS

Eles também podem armazenar energia, transformá-la e fornecê-la para o cérebro, a coluna vertebral, os órgãos sexuais e os outros órgãos.

Três mentes ou três Tan Tiens conectados significa força “YI”.

Na pratica do Tao, armazenamos a energia nos três tan tiens, que são os reservatórios de energia dentro de nós. O Tan Tien superior (Bindú) localiza-se no cérebro (o salão de cristal, o terceiro ventrículo) e, quando esta cheio de energia, a capacidade do cérebro aumenta. Aqui armazenamos a nossa inteligência espiritual, a nossa mente. Todos os Tan Tiens apresentam uma face yin e outra yang. Na natureza, Yin e Yang estão presentes em todas as coisas. Pelo por do sol, o dia (Yang) se converte em noite (Yin). É muito importante sentir os aspectos de Yin dentro de Yang e de Yang dentro de Yin (nascer e por do sol). Um aspecto não existe sem o outro, pois são aspectos inseparáveis da mesma força.

O centro Tan Tien do coração, entre os dois mamilos é o Tan Tien médio. Ele é associado ao elemento fogo. Ainda assim, dentro do fogo sempre existe água. O espírito original (Shen) é armazenado aqui (glândulas monada e timo).

O baixo ventre a altura do umbigo é o universo, ou oceano, vazio. Queremos sentir um universo de energia no Tan Tien inferior. Dentro desse universo ou oceano, existe um fogo como um vulcão sob o oceano: “fogo sob a água” (glândulas gônadas).

Os três Tan Tiens referem-se a esses três reservatórios de energia dentro do corpo. Esses reservatórios são lugares onde podemos armazenar transformar e coletar a energia. Os reservatórios são a fonte de energia que flui através do corpo. Os meridianos são os rios de energia alimentados por esses reservatórios.

TANTRA (Há muita especulação em torno do Tantra)

Definição: É uma filosofia comportamental naturalista. É basicamente o sexo, espiritualidade e Yoga. É um instrumento de elevação que leva a espiritualidade. O Tantra pede dedicação, concentração, disciplina. O Tantra organizou os rituais da Magna Mater, transformando-os em um método de emancipação que busca na psique humanda a manifestação da Shakti, a energia primordial que move o Cosmos. Este movimento teve uma forte influencia sobre a religião, a ética, a arte e a literatura indiana, havendo ressurgido com inusitada força entre 400 e 600 d.C, quando chegou a transformar-se em uma moda que acabou por influenciar os modos de pensar e agir da sociedade indiana medieval. Aqui ela se afirma, populariza e estende ainda mais, dando origem a um grande numero de correntes e manifestações filosóficas, religiosas, mágicas e artísticas algumas antagônicas. “Não se trata de uma religião nova senão de uma nova caracterização de fatos que pertence ao hinduísmo comum, mas que as vezes só se apresenta precisamente em suas formas tantricas encontra-se a marca do Tantrismo na mitologia e cosmogonia, mas, principalmente, no ritual.

O ritual trântrico propõe um caminho chamado Caminho do Vale, que é o mais fácil, pouco movimentado e baseado no relaxamento físico e mental. Ele nos abre para um mundo de sensações e experiências desconhecidas, gera uma plenitude prolongada e a integração total entre dois seres.

Para o Tantra o corpo é mais do que um maravilhoso instrumento ou admirável mecânica biológica: ele é divino. O Tantra nesse trabalho proposto é chamado de Tantra Branco, focado no casal e não na poligamia.

Exercício trantrico: o mula bandha

Este exercício também pode ser praticado por homens e por mulheres. Deitada (o), sentada (o) ou em pé coloque seu pensamento na região anal. Respire com tranqüilidade. Depois de alguns minutos tentando manter a concentração, contraia delicadamente o primeiro esfíncter do ânus, o mais externo. Depois, apertando um pouco mais, dirija sua concentração para o segundo anel muscular, enfim, contraia o eretor do ânus, levando assim os dois esfíncteres anais e períneo para dentro e para cima. Lenta e gradualmente, distinguem-se bem estes três níveis, mesmo na primeira tentativa. Depois, aperte com toda a força que puder até fazer vibrar toda região anal e períneo. Mantenha esta contração ao máximo, retendo o fôlego, por no mínimo 6 segundos. Depois relaxe, mantendo a concentração. Repita no mínimo 5 vezes seguidas.

VANTAGENS DA PRÁTICA SEXUAL

Os taoistas descobriram como aproveitar a energia mais poderosa da experiência humana – a energia sexual e aplica-la na busca pela saúde, juventude, longevidade e imortalidade espiritual.

Os Órgãos Sexuais e o Cérebro

Os órgãos sexuais tem uma estreita conexão com o centro do cérebro, especialmente a glândula pineal. Fazer a energia sexual circular descendo até o sacro e depois subindo até o cérebro, melhora a memória. Dizem os sábios taoistas:”faça a energia sexual voltar para revitalizar o cérebro”(Bindú).

O centro do cérebro está ligado ao útero e a glândula prostática. Contrair e relaxar os órgãos sexuais, sahajoli (pompoarismo), aumenta a circulação de sangue e hormônios sexuais no centro do cérebro.

Outras vantagens conseguidas através dos exercícios de sahajoli são a parada da incontinência urinária através do fortalecimento do assoalho pélvico, retardamento da ejaculação (ejaculação precoce), anorgasmia (dificuldade ou não chegar ao orgasmo).

Pompoarismo Tantra Yoga = exercício dos músculos vaginais e do assoalho pélvico (pubococcigeo):

  • Previne desequilíbrios pelo fato de deixar os tecidos da região mais fortes e lubrificadas.

  • - Evita a queda do útero, da bexiga e incontinência urinária, previne contra hérnia, hemorróida

e varizes.

- Auxilia a gestante no parto normal e na recuperação pós parto.

- Elimina a cólica menstrual, auxilia no tratamento de bloqueios, impotência, frigidez e vaginismo.

- Ativa a circulação do sangue, harmoniza os chacras e equilibra a energia Yin e Yang.

- Ajuda no equilíbrio da produção hormonal (rejuvenesce).

  • Mais mobilidade dos quadris e das areas pélvicas, melhora a performance da mulher no ato sexual devido ao aumento da libido.

    REJUVENESCIMENTO (DENTRO DAS TÉCNICAS TAOISTAS)

Os antigos taoistas descobriram o sutil e intrincado poder dos músculos esfíncteres que existem dentro do corpo e que estão localizados nas extremidades de importantes sistemas do organismo, como o digestivo, o respiratório e o trato urogenital. Para que o corpo esteja em estado ótimo de saúde é muito importante que os músculos esfíncteres se contraiam simultaneamente, estabelecendo o ritmo interno e a estrutura do corpo.

Quando existe um desequilíbrio de energia sexual, ela é revelada nas características externas da face. Quando os músculos esfíncteres estão em desequilíbrio, os órgãos se esgotam. Essa exaustão dos órgãos é refletida no centro sexual, pois são eles que suprem de energia o centro sexual. Toda essa dinâmica interna se reflete na face, nas mãos, nos cabelos e nas características externas gerais do corpo.

Postura dos Três Tan Tiens e no sistema dos 7 chacras para a saúde e manutenção da coluna.

A IMPORTÂNCIA DA SALIVA

A saliva marca a primeira fase do desenvolvimento libidinal; para o taoista, a produção de grandes quantidades de saliva assinala as energias restaurativas do nosso corpo. Os taoistas estavam certos nesse pressuposto porque a saliva estimula e é parte do sistema imunológico. Os taoistas vão muito mais longe a seus louvores e na aplicação da saliva. Ao ser refinada, a saliva se torna muito espessa e embranquece, parecendo-se muito com o próprio sêmem. Sabe-se que os taoistas subsistem com esta saliva refinada por longos períodos, vivendo de “ar e orvalho”, respiração e saliva, como costumavam dizer. Eles alegaram que era um catalisador para se atingir a imortalidade.

Exercícios para ativar as glândulas salivares (importante para a manutenção da saúde geral).

Os três nós

- Três Tan Tiens – sorriso interior

desatar os três Granthis (nó)

Muladhara – Anahata – Ajna

ESPERMA

As células do esperma são da maior importância, pois elas carregam os elementos restauradores. Segundo a bioquímica, o sêmem é quase inteiramente proteína pura, com enormes quantidades de fósforo, cálcio e vitamina C. Ele contém ainda propriedades antibióticas. De modo geral, o sêmem contém muito dos micronutrientes necessários para a saúde do organismo humano, especialmente a pele e cabelo. É muito eficaz para ajudar na restauração da juventude da mulher.

Para os antigos taoistas, o sêmem e o sangue pareciam ser a mesma coisa: o sêmem era uma destilação do sangue. Um texto remoto alegava que quarenta e nove gotas de sangue equivaliam a uma gota de sêmem. Por esta razão, os taoistas procuravam preservar o seu sêmem, pois assim estariam preservando a própria essência da vida. Levando-se em conta os ingredientes do sêmem, esse antigo diagnóstico intuitivo não está muito longe do que a bioquímica também descobriu sobre o sêmem.

KUNDALINI

A energia da felicidade latente dentro da espinha dorsal, até ser ativada pelas práticas tântricas. Geralmente ela é representada como uma serpente encolhida que se move ao longo da coluna. A energia da kundalini poderá ser ativada através de exercícios tântricos e energia sexual.

Essa é uma energia que deve ser ativada com conhecimento e orientação, levando sempre em consideração o limite de cada ser. A energia nuca morre, ela se transforma.

SEXUALIDADE

A energia sexual provém da melhor energia do corpo, porque ele está envolvido no processo de fornecer energia ao centro sexual. Portanto, o centro sexual é a condensação de toda energia do corpo e é essa a razão pela qual a saúde do centro sexual é necessária para a nossa saúde mental, emocional e física.

A energia sexual é o alimento para a totalidade do nosso ser: o corpo, a mente e o espírito. Ela é a água da vida, que reabastece os jardins do templo humano. Os exercícios para a energia sexual desenvolvidas nos ensinamentos taoistas são muito mais sofisticados e focados do que no Ocidente. Esses exercícios taoistas vão diretamente à fonte de nossa sexualidade, cultivando-a de maneira a trazer energia e força sexual para quem os utiliza apropriadamente.

O polo que juntamente com o clitóris proporciona intensa satisfação sexual na mulher é um ponto profundo localizado próximo ao útero na parede anterior da vagina, possui uma textura diferente dos outros tecidos vaginais e fica intumescida na excitação feminina. Esta área ficou conhecida como o Ponto G depois que o médico alemão Dr. Ernest Granferg revelou este ponto em que havendo uma excitação adequada pode aumentar o prazer e levar ao orgasmo feminino.

O tamanho e a consistência do Ponto G variam de mulher para mulher. É melhor que a mulher sozinha descubra o seu próprio Ponto G e as maneiras e ritmos de manipular este local que lhe proporcionem prazer, dando-lhe mais autoconfiança quando estiver acompanhada do seu parceiro. A harmonia entre o casal é de extrema importância para este momento que desenvolverá uma conexão íntima e mais afetuosa entre o casal.

Localização do Ponto G na prática para mulheres.

REEDUCAÇÃO SEXUAL

Desenvolver um curso no sentido de orientar homens, mulheres e adolescentes para uma prática sexual saudável, com a finalidade de preservar a família e a harmonia nos relacionamentos.

FILOSOFIA DO CHI (DEDICADO À EVOLUÇÃO INTEGRAL DO SER HUMANO

ATRAVÉS DA CONSCIÊNCIA)

O equilíbrio desta energia é reconhecido como um dos mais poderosos instrumentos na manutenção da saúde integral.

A força vital é uma forma sutil de energia eletromagnética uma realidade fisiológica do organismo. As técnicas de toque físico e não físico, são usadas para mandar energia através de todo organismo “abrindo” pontos bloqueados.

Lowen elaborou uma síntese dos conhecimentos sobre as energias do corpo e as reuniu na bioenergética, que tem como finalidade liberar as emoções acumuladas por meio de práticas.

As atividades que tencionam as pessoas acabam por bloquear o feixo energético interior, provocando diretamente enfermidades e ou até contribuindo para formá-las. É aí que pode ser utilizada a bioenergética.

Em 1990 Lowen publica espiritualidade do corpo. Após alcançar um extremo de polaridade, radicalizando a postura de que todo o problema era defeso contra a sexualidade, ele pôde seguir adiante em sua exploração e introduzir na Terapia um outro eixo deste pólo, a espiritualidade.

Em 1992 Lowen colocou que o objetivo da terapia passava a ser para ele, auto-percepção, auto expressão, ou seja, conhecer-se, expressar sua verdade e ser dono de si mesmo. Passou a colocar o ego saudável como objeto principal da terapia, e a manifestação da sexualidade como uma das formas de expressão desse ego saudável.

Chacras,Tantrismo,Budismo e Hinduismo

A principal diferença repousa na maneira diferente de tratar os mesmos fatos fundamentais. O sistema hindu enfatiza mais o aspecto estático dos centros e suas ligações com a natureza elementar:...isso porque os chacras de um conteúdo objetivo na forma de sílabas-semente permanentemente fixas (símbolos estáticos).

O sistema budista preocupa-se menos com o aspecto estático-objetivo dos chacras, e mais com o que flui através deles, com suas funções dinâmicas, ou seja, com a transformação da corrente de energias cósmicas ou naturais em possibilidades espirituais.

A concepção dos chacras apresentada por DVK se assemelha ao dinamismo do sistema budista. Sistema + Movimento: é sentido e percebido = emoção-psíquico-físico-espírito.

Sincronizadores das energias emocionais, mentais e etéricas, corpo-espírito-mente.

O sétimo chacra: coronário-o maior é a sede dominante e faz a conexão direta com o primeiro chacra-kundalini.

O CULTIVO DA ENERGIA SEXUAL E ESPIRITUAL

Os taoistas descobriram como aproveitar a energia mais poderosa da experiência humana – a energia sexual e aplica-la na busca pela saúde, juventude, longevidade e imortalidade espiritual.

OS ÓRGÃOS SEXUAIS E O CÉREBRO

Os órgãos sexuais tem uma estreita conexão com o centro do cérebro, especialmente a glândula pineal. Fazer a energia sexual circular descendo até o sacro e depois subindo até o cérebro, melhora a memória. Dizem os sábios taoistas: “faça a energia sexual voltar para revitalizar o cérebro”.(Bindú)

O centro do cérebro está ligado ao útero e a glândula prostática. Contrair e relaxar os órgãos sexuais, sahajoli (pompoarismo), aumenta a circulação de sangue e hormônios sexuais no centro do cérebro.

Material e Metodologia

Sobre os tópicos citados, e os referentes autores os quais menciono, é de grande valia ressaltar a interligação entre o sexo e a espiritualidade, estão relacionadas à saúde física, um não está desvinculado do outro.

A importância dos chacras e a energia que flui em todo corpo seguindo uma vida sexual saudável, junto com os exercícios citados como o sahajoli é de extrema importância para a melhora constante de todo o corpo, não é apenas sexual, mas a energia que flui dos exercícios são ligados a saúde física levando ao desenvolvimento e crescimento espiritual, esse crescimento está nas técnicas tantricas e nas explicações sobre os chacras e a energia da Kundalini.

Discussão

Os autores mencionados em grande maioria cita a energia dos chácras como centro de energia, no livro de Hiroshi Motoyama relata sobre o Tantra Yoga, Kundalini , e a teoria dos chacras e os meridianos da acupuntura, o autor cita que existe a possibilidade da energia dos chacras serem comparados aos meridianos na acupuntura, e em outro ponto de vista a autora relata que a função dos chacras estão mais ligados a fatores emocionais. Acredito que os trabalhos dos autores citados são complementares, pois dizer algo sobre energia pode ser complicado, porque esbarramos no campo dos estudos. É através dos exercícios que se pode dizer mais sobre a energia que flui, pois não se trata necessariamente de uma ciência comprovada, ela não é vista, mas sim sentida. Sobre esses relatos complementares cheguei à conclusão que não existe a sexualidade desligada da espiritualidade, pois, através dos mesmos canais energéticos fluem as mesmas energias.

Através desta visão a energia sexual é uma questão de saúde, pois ela é potente por ser uma energia vital e manifestada o tempo todo no universo. A pessoa que bloqueia esta energia desenvolve desequilíbrios.

Através dos exercícios do Sahajoli trazemos benefícios à saúde, curando muitos casos de incontinência urinária, queda de útero, bexiga, ejaculação precoce, entre outros, sendo assim poderosa técnica para manter a saúde física de forma geral.

Conclusão

Conclui em meu trabalho e exercícios que realizei em meu próprio corpo, mais os relatos de alunos que também citaram suas experiências, onde através dos mesmos canais energéticos, flui a energia ligada ao sexo e a espiritualidade, sendo assim, quando se tem uma experiência sexual, as energias do orgasmo se reflete em todos os demais chacras, do primeiro ao sétimo chacra podendo ser comparada a iluminação ou nirvana da espiritualidade.

A energia do primeiro chacra, chamado de Kundalini, é ativada através da atividade sexual, fantasias sexuais e dos exercícios do Sahajoli, criando uma potente energia que quando despertada passa do primeiro chacra e sobe para os demais, levando a ascensão espiritual.

A finalidade do trabalho é também fortalecer a relação entre homens e mulheres dentro da monogamia através dos exercícios tantricos.

A saúde está ligada ao fortalecimento do assoalho pélvico, onde se preserva a energia de todos os órgãos do corpo, não apenas os órgãos sexuais, pois se a base está flácida, todos os demais órgãos tendem a cair, assim, quanto mais os exercícios forem feitos, mais saúde de forma geral se tem e é por isso que os taoista entendiam que aproveitando a energia sexual o ser humano conseguiria manter por mais tempo a saúde, a juventude, a longevidade sexual e imortalidade espiritual.

Conhecendo a energia do corpo, fica simples pensar e discutir sobre a sexualidade, e saber que através do conhecimento do nosso corpo e da energia que flui através dele, é possível chegar à saúde plena tanto física quanto psíquica, pois nossas ações e pensamentos são frutos da energia que circula em nossos corpos.

Bibliografia

Os chacras que falam!

Sonia Szeligowski Ramos, Ed. Arcobaleno

A cura pela meditação

Cristina Cairo, Ed. Mercuryo

Chacras – Mandalas de Vitalidade e Poder

Shalila Shararon e Bodo J. Baginski, Ed. Pensamento

Cura Cósmica – Chi Kung Cósmico

Mantak Chia, ed Cultrix

Reflexologia Sexual – O Tao do Amor e do Sexo

Mantak Chia e W.U. Wei, Ed. Cultrix

Os ensinamentos sexuais da Tigresa Branca – Segredos dos Mestres Taoistas

Hsi lai, Ed. Aquariana

Cores Para a Sua Saúde

Gerard Ede, Ed. Pensamento

Energia Sexual e Yoga

Elisabeth brunton, Ed. Pensamento

A deusa Durga

Cláudio Duarte, Ed, Sexto Sentido

A Espiritualidade nas Empresas

Marilu Mastinelli, Ed. Sexto Sentido

Teoria dos Chacras, Hiroshi Motoyama, Ed Pensamento

Site Pesquisado : http://www.yogalotus.com.br/vamamarga.htm

Autor: : Mitiyo Oshiro Takemoto - Terapeuta Holística - CRT 38660
Última atualização: 20/05/2008 11:03


Terapia Holística: Uma Profissão Em Plena Evolução O Perfil do Setor Por Meio da Análise Comparativa Entre Duas Pesquisas Nacionais

Terapia Holística: Uma Profissão Em Plena Evolução

O Perfil do Setor Por Meio da Análise Comparativa Entre Duas Pesquisas Nacionais

Resumo:

O SINTE - SINDICATO DOS TERAPEUTAS, entidade máxima a representar a profissional em todo o Brasil, de fato e de direito, com o objetivo de identificar e atender às necessidades de seus filiados, em 2004 realizou a primeira grande pesquisa específica para nosso setor, iniciativa esta reapresentada ao final de 2008.

Sem pretensões de precisão científica, esta publicação divulga as estatísticas comparadas entre ambas as pesquisas, incluindo comentários e ilustrações, possibilitando uma maior e real compreensão da nossa profissão no Brasil, identificando erros e acertos pontuais, bem como o caminho a seguir para que a atividade que abraçamos ocupe o seu digno e merecido espaço na sociedade, com a consequente e justa remuneração aos que a exercem.

Introdução:

Em nossa área de atuação, o "sexto-sentido", a intuição, são justamente valorizados, no que se refere ao atendimento de nossos Clientes. Contudo, quando se trata de gerir o futuro da profissão como um todo, o SINTE tem por dever valer-se igualmente de meios mais ortodoxos para melhor definir as decisões.

Quanto maior quantidade e qualidade de informações obtermos, tanto melhor serão as estratégias adotadas a maximizar a profissão, bem como mais eficientes serão as orientações transmitidas aos nossos filiados, os quais, municiados por fonte CONFIÁVEL (ou seja, o SINTE...), ampliarão cada vez mais o proveito em seus consultórios.

Manter um site na internet valoriza meu trabalho ? Alugar uma sala ou atender em casa ? Colocar um anúncio vale a pena ? Afinal, qual é o meu público alvo ? Devo manter meu formato atual de trabalho ou devo mudar algo ? Será que minha remuneração está na média do mercado ? Meu consultório está sub-aproveitado ? Sou só eu os outros colegas também estão na mesma situação ?

Estas e uma infinidade de outras perguntas, cujas respostas até então baseavam-se nas opiniões pessoais, tem agora a oportunidade de serem elucidadas pela imparcial matemática: graças aos milhares de participantes somados em ambas as pesquisas, resultaram dados estatísticos capazes de espelhar com relativa precisão, como de fato está o perfil profissional e o mercado potencial em nossa setor.

Metodologia:


Os dados foram obtidos em especial por meio de Questinários disponibilizados aos filiados ao SINTE no ano de 2004 e, novamente, no final de 2008, com uma média aproximada de 2000 participantes na primeira edição (correio e internet) e 500 na segunda (via internet).

Os tópicos inclusos nas pesquisas focaram dimensionar o mercado (médias de atendimentos, de valores por consulta, poder aquisitivo), definir o perfil, tanto dos profissionais, quanto de seus Clientes, quantitativa e qualitativamente (faixa etária, grau de instrução, gênero, média de rendimentos, horários preferenciais, locais de atendimento, atividades paralelas, etc), detectar possíveis novas tendências e, em segundo plano, informações quanto aos meios de comunicação e equipamentos ao alcance dos associados ao SINTE, para melhor decidir quanto às mídias e premiações educativas a serem desenvolvidas pelo SINTE.

As respostas foram sintetizadas em planilhas de percentuais, contendo colunas comparativas entre os dados obtidos em 2004 e 2008, incluindo a variação estatística ítem a ítem, seguida de extrapolações textuais quanto à interpretação concreta das informações obtidas, bem como às possíveis consequências, conclusões e decisões práticas a serem empreendidas, coletivamente e individualmente.

Para melhor orientar a interpretação dos dados obtidos, foram igualmente consideradas pesquisas documentais e bibliográficas (correspondências, publicações, mídias e demais formas de contatos oriundas de nossos associados), o levantamento de opiniões através de reuniões com os demais colaboradores da organização e a observação direta pelo autor, com mais de 25 anos de atuação neste segmento.

Resultados:

Gráfico com a transposição em porcentagens relativas às respostas obtidas nos dois questionários, de 2004 e 2008, seguidos de coluna da diferença comparada.


Discussão:

Para melhor visualização das tendências estatísticas, os gráficos a seguir ignoram as oções nulas e/ou em branco. Na sequência, tópico a tópico será abordado, incluindo a interpretação dos dados.

Equipamentos:




Os dados evidenciam que a categoria percebeu a importância de atualizar os equipamentos, facilitando desta forma, as comunicações, estudos e lazer.

Em 2004, os profissionais mostravam-se em grande defasagem, tendo como destaque apenas o vídeo-cassete, justamente este que trabalha com uma mídia em extinção. Era uma quadro preocupante, pois privava o acesso aos materiais de estudo mais completos e atualizados, todos voltados para exibição em DVDs e computadores.

As fitas de vídeo cassete, por serem volumosas, pesadas e de baixa capacidade de armazenamento inviabilizavam financeiramente sua utilização para gravações de cursos, palestras, congressos e similares.

Felizmente, a pesquisa de 2008 mostra um quadro totalmente renovado, onde o vídeo-cassete está em último plano, o COMPUTADOR em primeiro lugar, seguido de perto pelo DVD.

Essas informações, aliadas aos recursos de acesso à internet, possibilitam ao profissional poder ampliar seus conhecimentos e atualizações via mídias economicamente acessíveis, tais como CDs, DVDs, tais como os que são desenvolvidos pelo SINTE em seus projetos de educação continuada, além de acompanhamento de aulas, artigos, pareceres, orientações, sejam por via escrita, ou áudio-visuais e mais uma infinidade de possibilidades que a rede mundial proporciona.

A tendência em investir em novos recursos de comunicação e acesso projetam um futuro profissional no qual a categoria mantém-se em atualização contínua, ampliando assim as oportunidade de ser bem-sucedidos.

Acesso à Internet:


Em 2004, a internet era praticamente desconhecida dentro da profissão. Subestimada como mera fonte de entretenimento, a maioria não a utilizava e, dentre os que a aproveitavam, em grande parte era via conexões discadas, o que tornavam lento e custoso o procedimento.

Quatro anos após, o quadro mudou radicalmente, com quase a totalidade possuindo acesso e ainda via conexões rápidas.

Do ponto de vista prático, abre-se um leque sem precedentes de agilidade nas comunicações. Sem custos financeiros extras, além de coerentemente mais ecológica a troca de informações via internet evita gastos com papel (menos árvores sacrificadas), impressão (tintas poluenetes...), transportes (emissões de carbono no ambiente...), além da agilidade quase instantânea às informações.

Desta forma, a principal e confiável fonte de informações, que é o SINTE, fica a apenas "um clique" de qualquer consultório, seja pesquisando em www.sinte.com.br , seja trocando e-mails via contato@sinte.com.br . Isso se soma ao aproveitamento de tempo livre entre os atendimentos para aprofundar e atualizar estudos, acessando os diversos Projetos de Educação Continuada do SINTE, tais como a CEA - Comunidade de Estudos Avançados, o Projeto Holopédia (www.holopedia.com.br), Projeto Espiral do Livro (www.espiraldolivro.com.br), Projeto Livroteca (www.livroteca.com.br), dentre outros.

Paralelamente a tais benefícios, uma poderosa fonte de divulgação tornou-se finalmente viável. Ao invés de desvalorizar-se profissionalmente com sites e e-mails de marcas gratuitas, os filiados ao SINTE podem usufruir dentre mais de uma dezena de "sobrenomes " exclusivos e específicos para NOSSA área, tais como www.seunome.terapeutasholisticos.com.br e seunome@terapeutasholisticos.com.br; www.seunome.psicoterapeutas.com.br e seunome@psicoterapeutas.com.br; www.seunome.terapeutafloral.com.br e seunome@terapeutafloral.com.br; etc). 
Uma vez com "endereços fixos" na internet, com site e e-mail personalizados, de imediato os serviços do profissional tornam-se localizáveis para milhões de Clientes potenciais de bom nível educacional e de poder aquisitivo, ampliando em muito o leque de oportunidades, compensando, inclusive, um fenômeno identificado em nosso setor, que é a contínua mudança de endereços fixos e de telefones para contatos.

Valor Por Consulta:





 Os valores no gráfico estão em R$ (reais). Para extrapolarmos uma estimativa para a média geral, primeiramente arbitramos valores para cada faixa, respectivamente, R$ 37,50 (de R$ 25,00 a R$ 50,00), R$ 75,00 (de R$ 50,00 a R$ 100,00) e R$ 101,00 (os dois primeiros, são medianos e, para acima de R$ 100,00, por não haver "teto", optamos por um mínimo excedente). Multiplicamos cada faixa por sua respectiva porcentagem e dividimos por 100 a somatória.

Assim sendo, para 2004, a média era de R$ 26,50 por atendimento, sendo que em 2008, pelos mesmos critérios, evoluiu para R$ 54,00. Isso implica em um crescimento de 103,8%, perante uma inflação acumulada de 27,2% (IPCA) no mesmo período.

Ou seja, um grande aumento real no valor praticado nos atendimentos com Terapia Holística, o qual, porém, não implicou em igual proporção no aumento da renda mensal, devido a uma diminuição relativa da quantidade de atendimentos semanais. Ainda assim, como veremos na sequência, a remuneração em nossa profissão cresceu em mais que o dobro da infração nestes 4 anos abrangidos por este estudo.

Atendimentos Semanais:

De modo similar aos critérios descritos no quadro anterior e projetando de semanal para mensal, obtivemos para 2004 a média de 48 atendimentos ao mês, sendo que para 2008, este valor ficou em 39.

Atentem que a relativa redução quantitativa do número de atendimentos foi amplamente compensada pela grande elevação do valor médio praticado por cada consulta.

Em suma: nossos filiados estão atendendo menos e ganhando mais ! Esta é uma situação fora do comum, ao compararmos com o que ocorre nas demais profissões, já que a grande maioria nem sequer conseguiu acompanhar a inflação do período.

Multiplicando a média de atendimentos pelo valor mediano para cada consulta, chegaremos a um redimento mensal de R$ 1.272,00 em 2004, que evoluiu para R$ 2.106,00 /mês em 2008. Um aumento de 65,6%, confrontando com 27,2% de inflação somada no mesmo período.

A diminuição da QUANTIDADE de atendimentos, agregada a um aumento de rendimentos, implica em ganho de QUALIDADE tanto para o profissional em si, quanto para os Clientes.

Melhor remunerado, com mais tempo livre, com melhores recursos à sua disposição (como observamos no tópico "Equipamentos" e "Acesso à Internet", o profissional tem a oportunidade de dedicar-se ao seu aperfeiçoamento e, com isso, maximizar seus resultados e, consequentemente, satisfazer a Clientela, mantendo-a e, até mesmo, ampliando.

Locais de Atendimentos:

Este é um dos tópicos que as pesquisas evidenciaram uma possível queda na qualidade, de 2004 para 2008.

O custo dos imóveis, seja para aquisição, seja para alugar, é fato que supera a inflação acumulada. Os aluguéis subiram em média 35%, praticamente o mesmo aumento para a compra de imóveis (além das dificuldades em se obter financiamentos...), somados a reajustes nas taxas, impostos  e despesas que recaem sobre os mesmos (IPTU, taxa de lixo, contas de luz, água, condomínio e similares...). Nas grandes cidades, há o agravante do trânsito, que consome tempo, além de somar estresses e despesas de combustível.

Todo esse panorama torna tentador a retomada de um antigo  hábito amador em nosso setor: montar consultório na própria residência... Se à primeira vista parece uma boa alternativa, a longo prazo se mostra inadequado. Junto aos Clientes, causa a impressão de que não estão perante um profissional bem-sucedido, pois, via de regra, só atende na própria casa, quem não tem recursos para um consultório... E, perante a hipótese de não ser bem-sucedido financeiramente, de pronto se questiona se é tecnicamente eficiente ou não... E, gerando este tipo de dúvidas, os Clientes potenciais acabam por escolher outros profissionais que ostentem sinais exteriores de sucesso... Ainda que injusto, é  regra que a primeira impressão é a que fica.... E isso em todas as profissões. 

Paralelamente, soma-se à dificuldade em separar tempo e espaço quanto ao que é consultório, ao que é residência, misturando rotinas familiares com as profissionais, dificultando a necessária concentração e paz de espírito que os atendimentos de consultório exigem.

Esse quadro negativo pode ser esboçado se considerarmos, ISOLADAMENTE, o aumento de profissionais que passaram a atender nas próprias residências. Por outro lado, se ampliarmos o espectro para todos os ítens, veremos que a ligeira queda percentual de quem tem consultório próprio pode ter migrado para salas alugadas, ítem que teve  aumento equivalente. Já um fato sem dúvida alguma positivo foi o descréscimo de quem atende em domicílio, opção que a prática comprovou ser altamente pejorativa. Diferentemente do fenômeno "home care" de outras profissões, onde o atendimento domiciliar se dá a "peso de ouro", justificado pelo deslocamento de verdadeiros consultórios sobre rodas, ricamente equipados (odontologia a domicílio, fisioterapia em casa, etc...), já em nossa profissão, via de regra, quem atende na casa do Cliente é porque não tem um local adequado. Ou seja, apresenta sinais exteriores de estar mal-sucedido, o que reflete diretamente no valor que consegue agregar por atendimento, que costumam estar bem abaixo da média do mercado.

Chama a atenção a margem que optaram por "nulo ou em branco" neste quesito, ou seja, em tese, pessoas que não se enquadram em nenhuma das alternativas. Hipoteticamente, podemos supor que ou não atendem ninguém (são teóricos apaixonados pela profissão...), ou, o que seria bem mais preocupante, atenderm em locais totalmente inadequados, tais como páteos de shoppings-centers, barracas em estacionamentos e similares, situação de ética questionável e de eficácia técnica inferior, se comparado a um consultório, propriamente dito. Ao aceitarem trabalhar em ambientes sem condições mínimas de privacidade e recursos, agravado pela minimização do tempo dedicado a cada atendimento, culmina em valores irrisórios sendo cobrados, que só poderiam ser monetariamente compensadores mediante grande QUANTIDADE de Clientes, mas que continua injustificável do ponto de vista QUALITATIVO, além de desvalorizar a profissão com um todo... Felizmente, até sob esta hipótese ruím, as estatísticas favorecem, já que diminuiu de 5,9% para 2,4% os que assinalaram como "branco/nulo", de 2004 para 2008.

Horários de Atendimentos:

Este gráfico mostra uma significativa alteração nos horários preferenciais. Em 2004, a maioria era atendida durante o chamado "horário comercial", o que implica que os Clientes, ou exerciam atividades remuneradas com grande flexibilidade de horários, ou não estavam empregados e/ou trabalhavam nos afazeres de casa. 

Já em 2008, ainda que a maioria ainda se mantenha das 14 às 17hs, houve uma grande migração para os períodos já fora do horário convencional de trabalho. De onde se pode deduzir que a Clientela está exercendo mais agora do que antes, atividades que demandam compromisso de horário comercial, provavelmente, empregos convencionais, o que, se por um lado lhes limitam a disponibilidade de tempo, por outro, lhe possibilitam maior renda, e, por consequência, maior poder de arcar com os valores atuais de atendimento, bem mais elevados que os praticados há 4 anos. Esta hipótese é a mais provável, a considerar o aumento do rendimento da Clientela, conforme constatado igualmente por esta pesquisa.

Outrossim, não é de se descatar esta outra possível interpretação: a somatória ao trabalho de consultório, de empregos convencionais acumulados pelo próprio profissional, já que este estudo igualmente detectou um aumento percentual dentre os colegas que possuem mais de uma atividade econômica, acrescida à de consultório. Se isto ocorrer, consequentemente, restará para atendimento, justamente os horários anteriores e posteriores ao período em que o Terapeuta Holístico dedica à sua outra profissão.


Fontes de Rendimentos:

Esta é uma pauta digna de estudos em separado. Historicamente, sempre houve  uma relutância em assumir a Terapia Holística como profissão em especial, para os mais antigos no ramo. Muitas vezes assumida até como missão de vida, não raro sem cobrar pelos atendimentos, só nas últimas duas décadas é que as técnicas passaram a ser encaradas como uma opção de sustento financeiro e os consultórios se profissionalizaram. Em 2004, as pesquisas mostraram uma grata surpresa, com o fato da maioria dos entrevistados ter a Terapia Holística como fonte única de rendimentos.

Já para 2008, um paradoxo: apesar dos rendimentos terem aumentado susbtancialmente, a maioria voltou a ter uma segunda profissão, somada à de consultório. Paralelamente ao aumento da receita de consultório, houve redução do número de pessoas atendidas, o que implica em maior disponibilidade de tempo, que pode ser ocupado com outras atividades profissionais. 

O clima de incerteza e de crises internacionais também podem ter contribuído para gerar insegurança, induzindo aos entrevistados a que se garantirem com mais opções de renda e, desta forma, manter o padrão de vida.

Outrossim, considerando o crescimento de rendimentos com os consultórios, se a esse fato somou-se ganhos financeiros com uma segunda profissão, implica que a categoria encontra-se com maior disponibilidade de investimentos, a serem aplicados em recursos de médio e longo prazo, como cursos, previdência privada e similares.


Recursos de consultório:

O aumento de rendimentos, aparentemente, não resultou necessariamente num incremento dos recursos para o consultório.

Por um lado, o investimento em informática foi o mais evidente, já boa parte passou a contar com computador em seus atendimentos. Já nos recursos humanos, foi o setor mais afetado negativamente, com a grande maioria dispensando os funcionários.

A diminuição da QUANTIDADE de atendimentos, ainda que perante um aumento de rendimentos, possivelmente tornou atraente a idéia de dispensar recepcionistas e, na ausência de quem atenda aos agendamentos, o telefone fixo migrou para o celular, passando ao próprio profissional secretariar seus atendimentos.

Do ponto de vista do "marketing", é uma estratégia arriscada, já que transmite uma imagem de desorganização e pouco sucesso e esta primeira impressão certamente afasta novos Clientes potenciais, além de correr o risco de perder até os já conquistados, caso os agendamentos se tornem um processo moroso. A aqusência de consultório e telefones FIXOS cria insegurança para os Clientes, como se o profissional ainda fosse um iniciante, já que não está "estabelecido", só podendo ser contatado diretamente e por celulares, como alguém que não possa ser LOCALIZADO. 


Perfil dos Clientes:


A tendência do gênero feminino predominar entre a Clientela consolidou-se se ainda mais de 2004 a 2008, podendo quase generalizar que 80% das pessoas atendidas são mulheres.

É de consenso entre os profissionais, que o sexo feminino é mais aberto às propostas de autoconhecimento, bem como às linhas que buscam a manutenção e ampliação da QUALIDADE DE VIDA.

Até o momento, o público masculino, que via de regra só procura atendimento em situações emergenciais, parece não ter sido ainda conquistado pela Terapia Holística,. É um desafio em aberto, a conquista desta significativa parcela da sociedade, que ainda não se mostrou tocada pelas atuais formas de divulgação dos benefícios das técnicas de abordagem holística.

A Faixa Etária da Clientela praticamente se manteve, nestes últimos 4 anos, com predomínio absoluto de adultos, de 36 a 50 anos, ou seja, um público que. em tese, já tem satisfeitas suas necessidades imediatas, podendo agora dedicar-se ao bem estar, ao transcendente, à busca de maior qualidade de vida, que é a o principal foco da nossa profissão.

Este perfil de Cliente padrão se consolida ainda mais, ao observarmos que a escolaridade migrou de 2o grau, para nível superior e que a faixa de rendimento  predominante DOBROU de valor de 2004 para 2008.

Existe uma tendência à elitização da Clientela e, por consequência, o mesmo para os profissionais, já que lidamos com um público esclarecido e, como tal, de elevado grau de exigência geral.

Nossos Clientes estão atentos, consciente ou inconscientemente, a todo e qualquer detalhe de nosso consultório e também, paralelamente a este. Mesmo diante de bons resultados, o impacto negativo de, por exemplo, perceber que o profissional nem sequer usa recipientes especiais para descarte das agulhas de Acupuntura (consulte as NTSV - Normas Técnicas Setoriais Voluntárias da Terapia Holística e Anexos, disponíveis em www.sinte.com.br e na obra Tutorial Terapia Holística), pode levar o Cliente a procurar atendimento em outro local.

Um sanitário, ou uma recepção que não esteja impecável pode induzir a acreditar que em igual estado possa estar sua sala de atendimento... Um funcionário seu questionando a inadequação de salário na sala de espera pode levar a Clientela a duvidar de sua idoneidade... A ausência de registro nos órgãos de classe levantam dúvidas quanto à capacitação profissional... Que tipo de impacto causa em um Cliente defrontar-se com seu Terapeuta Holístico, um profissional da Qualidade de Vida, fumando, bebendo, alimentando-se inadequadamente ? Ou esse mesmo tipo de situação, protagonizada por seus colaboradores de consultório ? É importante observarmos que a boa ou má impressão que causamos é primordial para a decisão dos Clientes potenciais quanto à escolha do profissional e que a composição desta imagem extrapola os limites do atendimento em si, ampliando-se para todo o ambiente de trabalho e para além deste.

A Clientela se disponibiliza a investir financeiramente na Terapia Holística se o ganho em QUALIDADE DE VIDA se evidenciar, pois sentem que estão aplicando em bem-estar, autoconhecimento, maximização de seus potenciais como seres humanos.

De certa forma, este perfil de Clientela da Terapia Holística já poderia ser antevisto graças à teoria da Hierarquia das Necessidades, do psicoterapeuta Abraham Maslow, que é considerado um dos expoentes da corrente humanista e um dos pioneiros da corrente seguinte, a transpessoal .

A "pirâmide de Maslow" é um gráfico didático que objetiva hierarquizar as necessidades humanas.

Ao pé da pirâmide estão as necessidades básicas, de sobrevivência, instintivas (necessidades fisiológicas) e no topo, as mais complexas (auto-realização).


1. Necessidades básicas: constituem o nível mais "baixo", no sentido de SOBREVIVÊNCIA e preservação da espécie: alimentação, repouso, abrigo, sexo, etc. Se alguma dessas necessidades não está satisfeita, ela determina fortemente a estrutura comportamental do homem.
Necessidades de segurança: uma vez sastisfeitas as necessidades básicas, o indivíduo passa a ocupar-se com a estabilidade (trabalho, saúde, moradia..) e proteção contra ameaças ou privações.

2. Necessidades afetivas-sociais: assim que as necessidades básicas e de segurança encontram-se saciadas, assumem maior importância a socialização, amizades, sentimentos de grupo, família, relacionamentos...

3. Necessidades de auto-estima: auto-apreciação, autoconfiança, aprovação social, status, prestígio, autoconfiança, independência, autonomia e similares passam cada vez maior importância, assim que o indivíduo satisfez as necessidades classificadas anteriormente.

4. Necessidades de auto-realização: neste nível, o indivíduo já se dedica a desenvolver, ampliar e concretizar todo o seu potencial, autodesenvolvendo-se continuamente.

A teoria da hierarquia das necessidades parte de algumas premissas... Só quando um nível "inferior" está razoavelmente satisfeito é que o nível seguinte de necessidades assume importância maior. Porém, se uma necessidade de nível mais baixo voltar a ficar insatisfeira, ela volta a ser predominante, até a questão ser resolvida.

A "pirâmide de Maslow" é aplicada em muitos setores profissionais além da psicoterapia, tais como educação, administração, marketing...

Notem que a Terapia Holística tem foco predominante nas necessidades mais complexas, as do topo dessa "pirâmide". Daí resulta um certo elitismo da Clientela que atendemos, justamente aquela faixa da população que já teve suas necessidades básicas atendidas...
Conclusões:

Todas as decisões, inclusive as relacionadas com a carreira, convivem com um certo nível de incerteza, que podem ser minimizadas mediante o acesso aos máximo de informações confiáveis. Um dos objetivos de toda pesquisa mercadológica é tornar-se um instrumento facilitador para tomada de decisões, contribuindo para diminuir a incerteza e/ou influenciar a escolha de um curso de ação, auxiliando a identificar problemas e oportunidades.

A análise comparativa das pesquisas de 2004 e 2008 comprovou a maior profissionalização de nosso setor, do ponto de vista econômico: aumentou o valor recebido pelas consultas e, ainda que diminuida a carga horária, o resultado final foi um crescimento de 65,6% nos rendimentos da profissão, confrontando com 27,2% de inflação somada no mesmo período.

Os consultórios receberam investimentos em informática (aumento de 237% dos que possuem internet banda-larga e 584% dos que possuem computador em seus consultório), porém, detecta-se um movimento contrário, de economia em bens intangíveis, tais como em recursos humanos e quanto à adequação dos locais de atendimento (diminuição significativa do número de recepcionistas, somada ao aumento de profissionais atendendo em suas próprias residências). Paradoxalmente ao aumento de rendimentos com os consultórios, mas coerentes com a diminuição da carga horária, de 4 anos para cá, aumentou significativamente a quantidade de profissionais que possuem uma segunda profissão paralela.

O quadro geral implica em grande aumento de poder econômico dos Terapeutas Holísticos (somam os ganhos reais obtidos nos consultórios com a renda paralela da segunda profissão), que resultou em investimentos em fontes de acesso à informação e de estudos, em especial, computadores com acesso rápido à internet, possibilitando manter-se à par rapidamente das informações de fontes fidedignas como o SINTE, bem como ao aperfeiçoamento continuado por meio dos cursos, matérias e estudos disponibilizados pelo sindicato.

A ascensão a este novo patamar social igualmente facilitou a conexão com o público alvo preferencial, que é justamente a camada da sociedade que já teve suas necessidades primárias satisfeitas, em boa parte graças ao seu poder aquisitivo elevado, estando prontos a se dedicar à satisfação de anseios mais subjetivos, como a maior qualidade de vida, autoconhecimento e transcendência, justamente os focos profundos da Terapia Holística, principal fator diferencial de nossa atividade.Para conquistar, manter e encantar o público alvo deste perfil de elevado grau de exigência, os profissionais acertam ao investir em seu aperfeiçoamento continuado, cabendo, contudo, rever suas estratégias de investimento em seus consultórios, em especial à adequação de local e de recursos humanos, pois correm o risco de causarem uma primeira impressão ruím aos novos Clientes potenciais e de desgatar a relação com os que já atendem, caso decaia a qualidade dos fatores EXTRA terapia em si, tais como dificuldade de acesso ao local, ausência de recepção eficiente e humana e similares.

É fato que existe um verdadeiro abismo diferencial entre os verdadeiros profissionais que são exatamente aqueles que se filiam ao SINTE e participantes diretos deste estudo, daqueles que são amadores, que de tão inseguros que são quanto à profissionalização, nem sequer tentaram obter suas CRT - Carteiras de Terapeutas Holísticos Credenciados. Perante o elevado grau de exigência dos Clientes potenciais, a própria lei de mercado se encarrega de retirar da profissão os elementos despreparados, o que implica em ainda maior visibilidade e credibilidade à elite que são os associados ao Sindicato dos Terapeutas. O próprio sindicato vem detectando uma grande diminuição da QUANTIDADE de pessoas atuando na profissão, paralelamente ao aumento QUALITATIVO do nível técnico e social dos que permanecem. Para os não filiados, a estimativa é a sua gradativa eliminação pelo mercado de Clientes potenciais, cada vez mais exigentes em sua busca por bons atendimentos.

Possuir a CRT, estando assim compromissados com as normas éticas e qualitativas da organização, por si só, continua um excelente diferencial favorável a produzir este aumento de 65,6% nos rendimentos de consultório.

Se a isto somar-se à participação junto aos projetos de educação continuada do SINTE, que além de aperfeiçoamento e adequação técnicas e à legislação brasileira, incluem igualmente estratégias de marketing para consultórios, projeta-se um crescimento qualitativo técnico e de rendimentos ainda maior aos profissionais possuidores de CRT - Carteira de Terapeuta Holístico Credenciado. 

Em suma, as estatísticas de fato vem confirmando o slogan de que A Terapia Holística É A Profissão do Século 21.

Autor: : SINTE SINDICATO DOS TERAPEUTAS
Última atualização: 06/02/2009 16:25


A Radiestesia Em Terapia Holística

A Radiestesia Em Terapia Holística

Maurício Marcial de Araújo

Terapeuta Holístico – CRT 43301

mauriciomarcial@radiestesia.Com.br

SINTE-Sindicato dos Terapeutas Holísticos.

 
 

Um passo a mais

 

      Há momentos onde parece difícil prosseguir... 
Algo como se não mais houvesse chão para caminhar,  
nem palavras para falar,  
nem risos para compartilhar, nem amor para dar... 
Estes momentos,  
onde perdemos o contato com nós mesmos,  
com a fina centelha que nos banha com sua eterna amorosidade,  
são suficientes para que o referencial seja esquecido,  
colocando-nos numa redoma 
onde a luz parece não estar presente,  
pois nossos olhos estão cerrados pelos 
lenços úmidos da ilusão. 
Observando, aprendemos que  
um passo a mais em nossa própria direção  
é suficiente para recobrarmos a memória  
daquilo que somos daquilo que representamos.

Um passo a mais e tudo 
a nossa volta se transforma. 
A coragem é a bênção daqueles que  
são determinados em crescer. 
E quando o desejo é evoluir no amor,  
na criação, a oportunidade é dada,  
e a nós cabe usufruí-la ao máximo. 
Dê mais um passo, apenas um,  
antes de pensar em desistir.”

  

                                                                                                          (autor desconhecido)

   
 

“A Arte e a ética associadas a Radiestesia são fundamentais para o sucesso!”

 
   

Sumário

   

          INTRODUÇÃO:

 
    • Capítulo 1 – O que é Radiestesia?

 

           MATERIAL E METODOLOGIA:

 
    • Capítulo 2- O que você pode fazer com a Radiestesia.
 
    • Capítulo 3- Minha abordagem em Radiestesia Holística.
 
    • Capítulo 4- Técnicas para o uso do gráfico geral.
 
    • Capítulo 5- Formas de utilização da Radiônica.
 

         RESULTADOS

 
    • Capítulo 6- Evolução de casos reais.
 

         DISCUSSÃO

 
    • Capítulo 7- A Radiestesia na busca da saúde holística.
 

          CONCLUSÃO

 

          REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 
 
 
Introdução
  

Esta Palestra apresenta em seu contexto dois objetivos distintos: elucidar ao público sobre a Radiestesia em sua história e trajetória até os dias de hoje e suscitar o desejo por uma qualidade de vida, onde cada um, em sua totalidade, se reconheça capaz de estar em expansão através de mais esse conhecimento.

  

A Radiestesia é uma ciência milenar que através de profundos estudos e pesquisas pode vir a ser utilizado em todos os segmentos que envolvem a saúde e o bem estar social. Cientificando a qualificação da Radiestesia e de outras técnicas holísticas já contamos com leis criadas pelo Conselho Federal de Terapia Holística, bem como leis estaduais que garantem seu reconhecimento. A criação de reguladores reconhecidos como o SINTE - Sindicato dos Terapeutas  e de outras associações e conselhos de classes, também garantem o seu compromisso, mostrando que a profissão de Radiestesista Holística está cada vez mais forte e em crescimento no Brasil, e que o brasileiro começa gradativamente a compreender que o autoconhecimento e o equilíbrio seu e do meio em que vive, é sem dúvida nenhuma a maneira mais lógica e completa para se ter uma vida longa e saudável.

 

Hoje temos um código de ética consolidado, acrescentando através do SINTE a criação do Tutorial Terapia Holística, que é o livro da Auto-Regulamentação da Terapia Holística, as NTSVS _ Normas Técnicas Setoriais Voluntárias para a Terapia Holística. É o amadurecimento da profissão no Brasil, fruto de muito trabalho da valorização dos Terapeutas Holísticos compromissados com a ética e a excelência técnica.

 

Com muito prazer e satisfação, eu fico motivado a apresentar meus estudos e minhas técnicas de trabalho com terapia em sincronicidade (Radiestesia, psicoterapia, Odomertia, Cromoterapia, Fitoterapia, Florais de Bach entre outras) e que venho obtendo resultados extraordinários e proveitosos para o meu desenvolvimento e também dos meus clientes.

 
 Desta forma, convido você a já ir expandindo seus estudos e interpretações.
 
  

. Capítulo 1:

 

O que é Radiestesia?

 

A palavra Radiestesia é a união de dois termos, Radius, que vem do latim e significa radiação e aisthesis, de origem grega e que significa sensibilidade, indicando assim a sensibilidade às radiações.

 

Utilizando instrumentos específicos, como o pêndulo, a Radiestesia capta as vibrações do nosso campo bioenergético que trabalha com as dimensões vibratórias mais profundas do corpo humano e de tudo o que o cerca, visando encontrar possibilidades para corrigir possíveis alterações, a fim de promover o equilíbrio e bem estar da pessoa.

Tudo no universo é uma fonte de energia que ressoa em certa freqüência ou, uma combinação de freqüências com outros elementos. Nosso corpo é feito de um número incontável de átomos e moléculas representando vários elementos. Cada molécula elementar ou átomo ressoa em harmonia com outra, quando estamos em perfeito equilíbrio. Acontece que em todo o momento estamos expostos a energias nocivas, como: ondas de rádios, TV, antenas, energias pessoais, etc... Podendo gerar uma serie de desequilíbrios. Elas passam sobre nossos corpos, da mesma forma que somos afetados pela radiação do sol, da lua, da Terra e como sabemos das outras pessoas, porque mesmo pensamentos criam energias que se irradiam através de nossos corpos.

 

Freqüentemente durante o dia respondemos fisiologicamente, emocionalmente e intelectualmente de alguma forma às diferentes radiações que nos atingem, vindas de várias fontes.

 

Radiestesia é uma excelente ferramenta para ampliar nossas reações sutis que experimentamos.  Se usada corretamente, a Radiestesia será uma ferramenta benéfica para a identificação e correção da fonte e transmissão das radiações nocivas existentes.

 

Na realidade, a Radiestesia pode ser dividida em três aspectos:

 

1- Reação física para freqüências e radiações universais de elementos ou combinações de elementos naturais ou artificiais que existem no nosso ambiente físico.

 

2-Reação emocional dos pensamentos, condições e atitudes de outros, individualmente ou coletivamente e, de nós próprios.

 

3- E freqüentemente intuitivamente a eventos que estão fora de nossa percepção linear do tempo, consciência física ou realidade.

 

Com a nossa atitude e conhecimento do assunto que nos dirá definitivamente se seremos bem sucedidos no trabalho de Radiestesia ou não, e o quanto poderemos desenvolver este precioso presente. Devemos tornar-nos humildes e ter força de submetermos nossas percepções e atitudes para mudar, questionar mesmo nossas mais fortes crenças sobre um assunto específico e também ter vontade de corrigir nossas realidades.

 

Para alguns isto será somente um meio de trabalhar com reações ou manifestações físicas, tais como procurar água, minerais e outros assuntos relativos às substâncias do universo. Outras pessoas, como eu, entretanto, podem se sentir confortável em trabalhar em áreas relativas à saúde, emoção e espiritualidade, ou seja, equilíbrio do Ser.

  
 

Material e metodologia

  

. Capítulo 2:

 

O que você pode fazer com a Radiestesia.

  

A Radiestesia pode ser usada em diversos domínios como, por exemplo: agricultura (qualidade das sementes, qualidade dos terrenos), arqueologia, geologia, investigação policial (achar pessoas desaparecidas), equilíbrio das casas, acharem água, no nosso caso: pesquisa de florais, fitoterápicos, equilíbrio dos chakras, etc. As possibilidades são quase infinitas, use a sua intuição e muita pesquisa.

  
 

. Capítulo 3:

 

Minha abordagem em Radiestesia

  

A recepção dos meus clientes é sempre feita com acolhimento e harmonia.

Explico calmamente cada técnica, duração, possibilidades e dúvidas para a melhoria da qualidade de vida do futuro cliente através do equilíbrio, do aconselhamento e da busca do autoconhecimento.

  

Logo após o nosso primeiro contato, com o cliente informado e seguro de todos os procedimentos, inicio os trabalhos utilizando músicas que confortam técnicas de respiração e relaxamento para a ambientação e tranqüilidade, com o intuito de uma boa construção da anamnese do cliente com a identificação, perfil, suas queixas principais e o histórico dos problemas e desequilíbrios relatados.

    

Utilizando a Radiestesia inicio uma pesquisa utilizando um gráfico geral, que me orientará no tipo de técnicas a ser (em) utilizada(s) com cada cliente em especial:

 
      • Pesquisa de chakras.
      • Cinco Movimentos.
      • Pesquisa dos meridianos.
      • Moxabustão
      • Parasitas da energia vital.
      • Fitoterapia.
      • Floral de Bach.
      • Cromoterapia.
      • Psicoterapia.
      • Radiônica (Odomertia ou uso da máquina Radiônica).
 

Pesquisa de chakras: Para a realização de um trabalho bem abrangente e com resultados positivos, pesquiso a existência de desequilíbrio nos 49 chakras do corpo humano (de entrada e saída).

Cinco Movimentos: Após detectar e confirmar o movimento dominante individual do cliente (Terra, Água, Madeira, Metal, Fogo), começo o trabalho para a regularização de cada movimento desequilibrado.

Meridianos: Os 12 meridianos (Pulmão, Fígado, Rins, intestino Delgado, V. Biliar, Estômago, Intestino Grosso, Bexiga, Coração, Baço-Pâncreas, Triplo Aquecedor, Circulação e Sexo) são testados e regularizados, caso haja algum em desarmonia.

Moxabustão: É utilizada no corpo em meridianos que em caso de desequilíbrio de Yin Yang são detectados conforme a informação no gráfico dos meridianos.

Parasita da energia vital: Pesquiso a possibilidade de encontrar parasita da energia vital que esteja impossibilitando o equilíbrio físico e energético do cliente.

Fitoterapia: Utilizo Fitoterápicos diversos, conforme indicação encontrada através da Radiestesia e outras técnicas.

Florais de Bach: Também são recomendados conforme as necessidades do cliente.

Cromoterapia: Utilizando também técnica de pesquisa e tratamento que disponibilizaram melhor resposta ao desequilíbrio e problemas sentidos pelo meu cliente.

Psicoterapia: É utilizado no decorrer de todo o processo de tratamento do meu cliente para a harmonização e equilíbrio em busca do autoconhecimento.

Radiônica: Utilizo em casos especiais que impossibilitam a presença do cliente no decorrer do tratamento.

Criando assim uma equação de serviços elaborados, para se chegar ao melhor condicionamento físico, mental e psicológico, com a compreensão de vida em que se resolva o problema existente, como um todo sem transferência de culpa ou novas somatizações físicas. Visando sempre que o mais importante é justamente que o terapeuta holístico seja um catalisador para a busca do conhecimento e crescimento individual de cada cliente e não um apaziguador de um problema direcionado, principalmente porque quando um cliente nos procura ele não quer ser curado de doenças, para isto ele procuraria um médico e não um terapeuta holístico, ele está atrás é sim de uma qualidade de vida dele e dos que os cercam e um equilíbrio onde possa se sentir bem com ele mesmo e com o ambiente onde vive. Sentindo- se assim feliz e produtivo sempre!

 
 

. Capítulo 4:

 

Técnicas para o uso do gráfico geral:

  

Para se trabalhar com a Radiestesia em conjunto as terapias diversas, o terapeuta precisa escolher a melhor maneira de montar a sua pasta de pesquisas e análises para que de forma objetiva consiga chegar aos verdadeiros resultados encontrados e solucionados pelas técnicas utilizadas durante o processo de avaliação e restauração do equilíbrio do cliente.

 

A minha sugestão é que em uma pasta catálogo, coloque todos os quadros ou gráficos pesquisados por você e utilize também em formato de meio círculo com subdivisões para as anotações dos temas estudados e utilizados em terapia holística, lembrando sempre que deve começar com o gráfico de orientação geral, pois o mesmo abrirá caminhos para uma investigação sólida e segura conforme proponho abaixo:

  

GRÁFICO DE ORIENTAÇÂO GERAL: engloba todas as técnicas desenvolvidas pelo terapeuta, é o ponto de partida para as outras análises.

 

De todas as maneiras e possibilidades de pesquisas e questionamentos para encontrar desequilíbrios e causas dos problemas de meus clientes, a Radiestesia sem dúvida nenhuma é a melhor e mais rápida forma de chegar às respostas com objetividade e satisfação do terapeuta e cliente.

 

A primeira coisa a se fazer é acomodar-se em uma cadeira bem confortável, em frente a uma mesa vazia para não sofrer nenhuma interferência. Em seguida, procede-se a um relaxamento inicial com a respiração profunda e tranqüilizadora. Enquanto respira, comece a mentalizar o que segue: a partir deste momento, o pêndulo irá mediar à comunicação com a minha mente superior.

 

Após estas condições e preparações, seguimos em diante com as rotinas a seguir:

 
      1. Com o pêndulo na mão, deixando uma distância de, aproximadamente, 10 a 20 cm entre os dedos e a ponta do pêndulo e o levamos ao centro inferior do gráfico de orientações geral. 
      1. Com o pêndulo na posição pedimos para girar no sentido horário (positivo) e no sentido anti-horário (negativo), logo após, ordenamos para o pêndulo parar no ponto zero e seguimos. 
      1. Fazemos então as perguntas desejadas e observamos a posição que o pêndulo vai apontar indicando as respostas, também podemos apontar com o dedo indicador da mão esquerda para as subdivisões indicadas no gráfico perguntando se o cliente que estará a sua frente necessita da técnica ou tratamento que estará indicado em cada subdivisão. A resposta será obtida, quando o Pêndulo parar de girar e balançar apenas na direção da subdivisão do gráfico ou então girar positivamente ou negativamente, no caso do uso do dedo indicador da mão esquerda. 
      1. Anotar as informações e prosseguir fazendo novas perguntas até esgotar totalmente as informações do gráfico geral. 
      1. Depois de completada todas as informações, partir para os gráficos seguintes utilizando o mesmo método para as futuras informações.
  

. Capítulo 5:

 

Utilização da Radiônica:

 

Nem sempre que vamos trabalhar com a Radiestesia teremos ao nosso lado a pessoa que precisa ser tratada, ou ainda, nem sempre podemos estar no local que queremos fazer nossas averiguações.

Como fazer quando não podemos ter a pessoa ou o objeto de nossos estudos junto de nós?

Utilizamos a Radiônica que é a arte que pratica a emissão de energia a distância, energias com qualidades e intensidades específicas em função das formas de objetos e gráficos interagindo nos campos energéticos do macro e micro cosmo.

É um sistema pelo qual modificamos um desequilíbrio real a distância, colocando-o de novo em equilíbrio completo.

Os instrumentos que usamos em Radiônica são muito simples. Normalmente são gráficos com formas geométricas ou mesmo aparelhos eletrônicos chamados de Máquina Radiônica.

 

Utilizando os gráficos podemos trabalhar com a energia de múltiplas formas: decágono, hexágono, losango, turbilhão, círculos, triângulos, pirâmides, semi-esferas, espiral, etc. Cada forma canaliza um tipo de energia; Já com a Máquina Radiônica, que é um aparelho como caixa com montagem eletro-eletrônico "Sintonizador Biológico" usamos registros de freqüência (como usado para sintonizar o rádio), o que faz a ligação com o testemunho, emitindo, amplificando ou direcionando a energia que serve para substituir a pessoa ou o objeto que precisamos pesquisar.

 

Para o uso da Radiônica o testemunho ou testemunha é indispensável, ele pode ser confeccionado de várias formas: através de fotos, saliva, cabelo, unhas, amostra de sangue, documentos da pessoa ou do local a ser estudado; no caso de casas, o endereço completo da casa, não se esquecendo de colocar o nome da cidade e, se possível, até o CEP, pois podem existir várias ruas em uma cidade com o mesmo nome; uma planta de uma casa ou edifício também pode servir para esta finalidade, mas, se possível, a planta deve estar em escala, pois isto facilita os trabalhos.

 

O testemunho pode ser ainda um mapa do local a ser pesquisado (ajuda muito no caso, por exemplo, de se procurar pessoas desaparecidas).

 

Para não haver influência de outras energias, quando possível, solicitar ao cliente que coloque o testemunho dentro de um envelope para ser levado a você; pode-se ainda usar o nome completo da pessoa com a data de nascimento, para se evitar homônimos.

 

Com animais, podemos utilizar os pelos e penas, unhas, amostras de sangue entre outros.

 

Portanto experimente, use e abuse das técnicas da Radiestesia tanto presencial como a distância, em conjunto com a Terapia Holística; você vai se surpreender com os resultados. Pratique todos os dias. É como tocar um instrumento musical. Se seguir às instruções cuidadosamente e praticar um pouco todos os dias a sua habilidade e precisão se tornarão muito boas. E não fique desencorajado se não estiver certo o tempo todo. Até mesmo os melhores Radiestesistas às vezes têm interferências ou maus dias.

 
 

Resultados:

. Capítulo 6:

 

Evolução de casos reais:

 

Ficha de Cliente  
De Acordo com a NTSV - TH 003 
Maurício Marcial de Araújo - CRT 43301 - Terapeuta Holístico

D.L., 54 anos, sexo Masculino.

Agendamento: 
03/11/2008 - inicial 
10/11/2008 - 2a feira - 20hs 
17/11/2008 - 2a feira - 20hs 
24/11/2008 - 2a feira - 20hs 
01/12/2008 - 2a feira - 20hs

 
Queixas principais: problemas de pele urticárias gigantes

Com pesquisa Radiestesica foi introduzido o uso da moxa para equilíbrio e fortalecimento do yang e equilíbrio dos chakras e 5 movimentos chineses.

Descrição do atendimento

Iniciou-se o atendimento com Terapia Holística. A reclamação inicial era relativa a problemas de pele (Urticárias gigantes). 
Avaliação energética deu-se pela Radiestesia, surgindo o uso de moxa para equilibro de yang e o uso da Odomertia para equilíbrio dos cinco movimentos, chakras e uso da maquina Radionica, tudo em conjunto com a psicoterapia.

O resultado foi ótimo, com duas semanas de aplicação das técnicas já era visível a melhora do cliente. Com quatro meses de atendimento o cliente alegou não sentir mais nada e foi liberado.

 
  

Ficha de Cliente  
De Acordo com a NTSV - TH 003 
Maurício Marcial de Araújo - CRT 43301 - Terapeuta Holístico

G.L., 49 anos, sexo feminino.

Queixas principais: problemas emocionais por motivo de a filha ficar grávida, ansiedade, pressão alta, e tristeza por reprovação para renovação da carteira de motorista.

Com pesquisa Radiestesica e confirmação com holopuntura, identifiquei os seguintes desequilíbrios: meridiano dos pulmões, fígado, vesícula, estomago, também os chakras: mamário, glandular (saída de energias exauridas) coronário, laríngeo, pulmonar, cardíaco e emocional (entrada de energias), trabalhados via Odomertia, Cromoterapia e fitoterápicos.

Descrição do atendimento de 04/11/2008:

Iniciou-se o atendimento com Terapia Holística. A reclamação inicial era relativa emocional e pressão alta. 
Avaliação energética deu-se pela Radiestesia, surgindo desequilíbrios nos meridiano dos pulmões, fígado, vesícula, estomago, também os chakras: mamário, glandular (saída de energias exauridas) coronário, laríngeo, pulmonar, cardíaco e emocional (entrada de energias), sendo os pontos dos meridianos estimulados por massagens nas regiões indicadas pela holopuntura (pernas e braços) seguido de banho de luz e odomertia nos meridianos e chakras conforme acima cores utilizadas pela cromoterapia: Violeta, índigo, azul verde e amarela. Também foi feito odomertia de 3 minutos no coronário, 3 laríngeo, 3 pulmonar 3 cardíaco, 6 no emocional e 3 no imunológico.

Foi indicado uso de alecrim (fitoterápicos) e psicoterapia.

Ficha de Cliente  
De Acordo com a NTSV - TH 003 
Maurício Marcial de Araújo - CRT 43301 - Terapeuta Holístico

E.G., 33 anos, sexo Masculino.

 
Queixas principais: problemas de pele, intestino preso, irritabilidade, cansaço e ansiedade. Diz-se tranqüilo porem cansado e Alega que não tem como resolver o problema no serviço.

Com pesquisa Radiestesica e confirmação com holopuntura, identifiquei os seguintes desequilíbrios: meridiano do coração, vesícula e do intestino grosso, pesquisa de chakras para o uso de odomertia, uso de fitoterápico e psicoterapia.

  

Discussão:

. Capítulo 7:
 

A Radiestesia na busca da saúde holística:

 

Alguns Autores restringe o uso da Radiestesia em agricultura (qualidade das sementes, qualidade dos terrenos), arqueologia, geologia, investigação policial (achar pessoas desaparecidas), equilíbrio das casas, acharem água e outros.

No meu caso a utilização da Radiestesia é uma ferramenta para o equilíbrio do Ser. Através do uso dela pesquiso: florais, fitoterápicos, equilíbrio dos chakras, etc. As possibilidades são quase infinitas e os resultados fascinantes.

 
 

Conclusão:

 

Criando assim uma equação de serviços elaborados, para se chegar ao melhor condicionamento físico, mental e psicológico, com a compreensão de vida em que se resolva o problema existente, como um todo sem transferência de culpa ou novas somatizações físicas. Visando sempre que o mais importante é justamente que o terapeuta holístico seja um catalisador para a busca do conhecimento e crescimento individual de cada cliente e não um apaziguador de um problema direcionado, principalmente porque quando um cliente nos procura ele não quer ser curado de doenças, para isto ele procuraria um médico e não um terapeuta holístico, ele está atrás é sim de uma qualidade de vida dele e dos que os cercam e um equilíbrio onde possa se sentir bem com ele mesmo e com o ambiente onde vive. Sentindo- se assim feliz e produtivo sempre!

  

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

 
BRENNAN, Barbara Ann. Mãos de Luz - Um guia para a Cura através do Campo de Energia

Humana. São Paulo: Ed. Pensamento, 1999.

 

CANÇADO, Juracy Campos L.. Do-In: Livro dos primeiros socorros. 18 ed. São Paulo:

Ed. Ground, 1994.

 

EITEL, Ernest J. Feng-Shui - A ciência do Paisagismo Sagrado na China Antiga. Rio de

Janeiro: Ed. Ground, 1985.

 

GERBER, Richard. Medicina Vibracional - Uma Medicina para o Futuro. 12 ed. São Paulo:

Cultrix, 1997.

 

LAFFOREST, Roger de. A Magia das Energias. São Paulo: Ed. Siciliano, 1991.

 

PENNICK, Nigel. Geometria Sagrada. Simbolismo e Intenção nas Estruturas Religiosas. São

Paulo: Ed. Pensamento, 1980.

 

RODRIGUES, António. Os Gráficos em Radiestesia. São Paulo: Fábrica das Letras, 2000.

 

SIQUEIRA, Renato Guedes de. Cinestesia do Saber - Radiestesia e Radiônica, Expressão do

Nosso Inconsciente. 2ª ed. São Paulo: Ed. Roka, 1998.

 

TANSLEY, David V. Dimensões da Radiônica - Novas técnicas de cura. São Paulo: Ed.

Pensamento, 1997.

 

__________________. Chakras Raios e Radiônica. 9 ed. São Paulo: Ed. Pensamento, 1999.

 

__________________. As Trajetórias dos Raios e os Portais dos Chakras. São Paulo: Ed.

Pensamento, 1985.

 

WATERS, Paul. A Huna Guide to the Pendulum. Princeville, Hi: Huna by Mail, 1996.

 

WOODS, Walt. Letter to Robin - A mini-course in Pendulum Dowsing. 10th. The Print

Shoppe,1996

Autor: : Maurício Marcial de Araújo Terapeuta Holístico – CRT 43301
Última atualização: 28/06/2009 12:41


O Princípio do Yin e do Yang – Da Kundalini ao Bindú

O Princípio do Yin e do Yang – Da Kundalini ao Bindú

 

Mitiyo Oshiro Takemoto CRT  38660 - Terapeuta Holística

  

SINTE – SINDICATO DOS TERAPEUTAS – Holística 2009

 

  

Sumário

 

  • Introdução ................................................................................................................... iv
  • Apelo aos cientistas........................................................................................................iv
  • Expansão.........................................................................................................................v
  • Cultivo da Energia Sexual.............................................................................................. v
  • Energia Sexual.............................................................................................................. vi
  • Chacras ponte para a consciência superior................................................................... vi

- Chacra Básico..............................................................................................................vi

- Conscientização..........................................................................................................vii

-Os três Nadis principais...............................................................................................vii

  • Os Três Tan Tiens (três mentes ou três veículos) ........................................................vii
  • Dois Cérebros (relação intestino e cérebro).................................................................viii
  • Os Três Granthis (três nós)..........................................................................................viii
  • Desmistificando a Kundalini.......................................................................................viii
  • Bindú..............................................................................................................................ix
  • Pulmões – Relação pulmões e coração...........................................................................x
  • Rins – Relação órgãos sexuais e os rins..........................................................................x
  • Rejuvenescimento – dentro das técnicas taoístas...........................................................xi

- Exercitando os músculos esfíncteres...........................................................................xi

  • Massagem.....................................................................................................................xii
  • I Ching – O mandamento Divino – A lei do Universo................................................xiii
  • Budismo.......................................................................................................................xiii
  • Material e Metodologia................................................................................................xiii
  • Discussão.....................................................................................................................xiii
  • Conclusão.....................................................................................................................xiv
  • Bibliografia...................................................................................................................xv

 

  

INTRODUÇÃO

Estarei relatando sobre um tema que coliga a sexualidade e a espiritualidade, assim estarei desmistificando a Kundalini.

A filosofia do Chi faz parte da cultura chinesa há milhares de anos, sendo que a palavra Chi possui muitas traduções como: Ki, energia, ar, prana, respiração, força vital, essência vital, fogo central, bioenergia, calor interno entre outros. É a vida doando força que cria movimento e sustenta o universo. O Chi que faz os planetas, os sóis e as estrelas girarem uns ao redor dos outros. É o movimento dos átomos em todos os corpos físicos, ele que faz a semente crescer e se tornar uma vigorosa árvore, é o que faz o feto se desenvolver e tornar-se um ser humano adulto.

O Chi é o que anima todas as coisas vivas, nutrindo os ciclos da vida. O Princípio do Yin e Yang (o símbolo Tai Chi); o Tai significa grande – e o Chi significa Energia, Grande Energia. A Kundalini , DNA, Bindú e I Ching todos estão ligados a ele.

O mundo pulsa, expande e explode! É o macrocosmo na dança do Yin e Yang, gerando vida e movimento.

O nosso corpo, sagrado microcosmo, é uma partícula do macrocosmo, tendo os mesmos elementos como: terra, água, fogo, ar e éter, que estão ligados aos nossos sete chacras, o nosso ser.

Assim descreverei sobre as forças da criação, a importância da energia sexual como ela esta ligada a espiritualidade, o como se nutre adequadamente essas energias.

A importância enorme entre a energia sexual e a saúde que estão absolutamente interligados, e que sem essa energia não existe força criativa.

Um apelo à humanidade – Dedicado à evolução integral do ser humano. O Equilíbrio dessa energia é reconhecido como um dos mais poderosos instrumentos na manutenção da saúde integral.

 

APELO AOS CIENTISTAS

Atualmente, a Kundalini está sendo discutida em todas as sociedades, em todas as línguas e países do mundo. Especialmente os jovem cientistas devem dedicar-se ao reconhecimento e à compreensão dos efeitos da Kundalini em si próprios e nas outras pessoas. Os médicos e os cientistas precisam formar uma ponte entre a dimensão subjetiva interior da consciência espiritual e a dimensão empírica da ciência como fizeram Einstein, Itzhak Bentov e o Dr. Motoyama. Esse é o momento para avançar audaciosamente e investigar, de forma cientifica, a experiência da Kundalini. Seu despertar é tanto um evento psicofisiológico como uma realidade espiritual. O estudo de seu amplo potencial é a mais nova fronteira da ciência. Imagine os importantes benefícios obtidos no tratamento de moléstias, quando se revelar cientificamente que determinados sons e formas (mantras e yantras) podem ativar os sistemas fisiológico e físico do organismo.

Experiências científicas para a avaliação e determinação dos efeitos das praticas do tantra e da ioga contribuirão imensamente para acelerar a evolução do homem. Tenho absoluta convicção e confiança nos extraordinários efeitos da ioga para curar o corpo doente do homem, aprimorar sua personalidade e transformar seu nível de percepção consciente. Dr. Motoyama transpôs as divergências e demonstrou a realidade cientifica da Kundalini e o conseqüente benefício para a humanidade.

A ioga apresentar-se-á como uma grande força mundial e alterará o curso dos acontecimentos do mundo.

Hari Om Tat Sat.

Swami Satyananda saraswati,

Fundador, Bihar School of Yoga,

Monghyr (Bihar), India

30 de Julho de 1981

 

EXPANSÃO

Quando, no momento da criação, nasceu a multiplicidade, o ser sem forma se separou inicialmente em duas formas básicas de energia: uma força fecundante masculina e uma força receptora feminina. Os chineses deram a essas energias primárias, a denominação de Yin e Yang, há uns milhares de anos. Do jogo dessas duas forças surgiu a criação: o Yin feminino é fecundado continuamente pelo sêmen masculino do Yang, dando origem à vida em suas infindáveis e múltiplas formas. No plano físico do homem, esse jogo de forças se manifesta como sexualidade. Através dela, o homem esta ligado ao ato incessante de criação da vida.

 

CULTIVO DA ENERGIA SEXUAL

No momento um óvulo Yin da mulher é fecundado pelo espermatozóide Yang do homem, imediatamente se divide em duas células básicas, uma célula Yin e uma célula Yang, logo a seguir, essas duas células se dividem em mais duas, Yin e Yang e assim sucessivamente elas vão se dividindo e se multiplicando, gerando órgãos Yin e Yang que vão dar forma à estrutura do embrião, que se transforma em feto.

A energia sexual é a união primordial das forças Yin e Yang que impulsiona o universo, pois sem essa energia não estaríamos aqui.

 

ENERGIA SEXUAL

Os taoístas não vêem o sexo e a energia sexual sob uma questão moral, para eles é mais uma questão de saúde.

A energia sexual, é a energia mais potente que existe, é a energia criativa, ou seja, a pura energia da vida.

A sexualidade se manifesta no universo o tempo todo, através da natureza, dos animais e nos humanos. Ela é um dom que recebemos e tem que ser utilizada, assim como a natureza deu, ela cobra.

A pessoa que não tem atração sexual é uma pessoa que tende a adoecer, por causa de bloqueios energéticos.

A energia sexual é uma força criativa que se move pelo corpo, alimentando as emoções, os pensamentos e criando o impulso do desejo. Ela não é benéfica somente para o corpo, é também o combustível das emoções e do espírito, é o alimento para todo o nosso ser: o corpo, a mente e o espírito, pois eles devem trabalhar juntos, como diziam os sábios taoístas.

Assim que você começar a entender a sua energia, como ela é, e para o que realmente existe, terá uma compreensão bem mais saudável de como trabalhá-la e como interagir com as pessoas ao seu redor, principalmente com o sexo oposto.

A energia sexual envolve vários assuntos, como a Kundalini, Bindú, DNA, Yoga, Tantra, Sahajoli, Pompoarismo, dois cérebros e Três Tan Tiens.

 

CHACRAS – PONTE PARA A CONSCIÊNCIA SUPERIOR

Os chacras são uma ponte amorosa de conhecimento e percepção e através deles é possível conhecer realmente a origem do Karma.

Os sete chacras humanos (sete flores de loutus – sete virtudes); muladhara, suvadhistana, manipura, anahata, vishudh, ajna e sahasrara (em sânscrito). Sete chacras animais – sete pecados; atala, vitala, sutala, rasatala, talatala, hahatala e patala. Dentro de cada um de nós existe: um ser animal, um ser humano e um ser divino. Essas são as três dimensões da nossa existência.

  • Chacra básico – é a base de todos os chacras, é o alicerce do mundo e de tudo, é onde reside a energia mais poderosa e que dá o impulso para o nível superior, para todos os caminhos do conhecimento, é a energia da Kundalini, ela possibilita a evolução “iluminação”. É a força motriz que evolui verdadeiramente: seja física, inteligência, emoção, paixão, sexualidade, espiritualidade, clarividência, clariaudiência, paranormalidade, entre outros.

O crescimento espiritual e os chacras: É muito difícil alcançar a evolução espiritual, abrir o horizonte e ir além da fronteira, obtendo um conhecimento profundo da natureza sem despertar os chacras e a Kundalini.

  • Conscientização (considerações gerais). O amor é como a terra, quanto mais você semeia, mais trabalho dá, então faça um esforço, trabalhe esse amor em seu próprio benefício, dando mais amor para você mesmo.
  • Os três Nadis principais e o sistema nervoso – Os Nadis principais são: sushumma, pingala e ida. A Kundalini quando é despertada sobe pelo mesmo caminho dos três Nadis principais.

O Sistema nervoso e o endócrino comandam toda atividade do corpo. O sistema nervoso impulsiona o movimento e a ação através das secreções ou hormônios. As forças elétricas (chacras) ou vitais é que dão vida a esse sistema.

 

OS TRÊS TAN TIENS (TRÊS MENTES OU TRÊS VEÍCULOS)

O universo é quase todo baseado no três: três Tan Tiens, são três grandes centros reservatórios de energia que circulam dentro e fora do corpo através dos chacras.

Os três Tan Tiens conectados significam ou representam a força “YI”: o corpo, a mente e o espírito devem trabalhar juntos, é a bioeletromagnética. Nos últimos 5000 anos os taoístas, tem utilizado essa energia bioeletromagnética para melhorar o seu modo de vida e para estabelecer uma relação com o universo.

“Bioeletromagnetismo” é o termo ocidental para a força vital. Bio é vida, Eletro é a energia Yang do céu existente em todos os planetas e estrelas, magnetismo é a energia Yin da terra ou a força gravitacional existente em todas as estrelas e planetas.

Três Tan Tiens – O primeiro Tan Tien é a cabeça, o centro de observação e quanto maior a energia maior é a capacidade cerebral.

O segundo Tan Tien – É o centro da consciência, onde está o coração. O coração tem memória, guarda sensações, sentimentos e emoções. Ele pode registrar um acontecimento com todos os detalhes e se lembrar depois porque tem o seu próprio cérebro. O Dr. Pearseal, escreveu no seu livro que as pessoas que fizeram transplante cardíaco, acabam na verdade adquirindo as emoções do doador. Essas pessoas realmente sentem tudo que o doador sentiu, um dos casos foi de uma garota que foi brutalmente assassinada e não se sabia quem havia matado. No entanto o coração estava em perfeito estado e foi transplantado em outra garota. Depois disso a garota começou a ter pesadelos nos quais alguém a matava, ela foi levada ao psiquiatra que acabou entrando em contato com a policia. A garota deu a descrição exata do assassino e chegaram a fazer o retrato falado perfeitamente dele. Com essas informações a polícia foi capaz de prender o assassino.

O terceiro Tan Tien  É a base da percepção, é o segundo cérebro, o centro sexual, é bastante sensível, e quando a cabeça fica fraca por stress, neurose ou medo, pode enfraquecer o centro sexual “a perda do bindú”, por que a cabeça e o centro sexual se comunicam intimamente entre si. Portanto, quando enfraquece a cabeça de cima enfraquece a cabeça de baixo.

 

DOIS CÉREBROS (RELAÇÃO INTESTINO E CÉREBRO)

Para a manutenção da saúde geral é necessário um bom funcionamento gastrintestinal. O intestino é reconhecido como “um órgão inteligente”, pela capacidade de selecionar alimentos, ou seja, ele aproveita o que é útil para o organismo. Ele possui os mesmos neurônios da célula do cérebro e por esse motivo é chamado de o segundo cérebro. O segundo cérebro é muito sensível.

Os taoístas já tinham esse conhecimento há mais de 4700 anos.

 

OS TRES GRANTHIS (TRÊS NÓS)

Todos nos temos nós em níveis leve, médio ou forte e eles estão nos três Tan Tiens “três centros de energia”, muladhara, anahata e ajna, ou seja, corpo, mente e espírito. Esses nós podem ser desatados pelo sistema taoísta, a psicoterapia e a yoga terapia.

 

DESMISTIFICANDO A KUNDALINI

 

KUNDALINI – A FORÇA SAGRADA – FORÇA IGNEA – FOGO SERPENTINO é bastante poderosa e muito temida devido a falta de informação (conhecimento). A energia da kundalini é a energia cósmica, ela vem do sol oculto penetra na terra e aí nós absorvemos. Ela não é apenas sexual, é também emocional e espiritual. Esta energia cósmica ao ser despertada e ativada, sai do chacra raiz, através dos três nadis principais, o sushumna, ida e pingala, sobe pela medula queimando resíduos etéricos como um fogo líquido serpentino, ascendendo e ativando cada chacra em seu trajeto ou subida. Ela tem conexão direta com a espiritualidade (bindú).

O poder da kundalini propicia o progresso do discípulo desabrochando nele vários dons: clarividência, clariaudiência, vitalidade criadora e geradora.

Quando esta energia está desenvolvida ativa a espiritualidade e intensifica a inteligência e estimula a afeição desinteressada, desde que esta ativação se faça com a vitória do espírito sobre a matéria, pois ela tem ligação com o karma (destino).

Neste trabalho a kundalini está focada na energia sexual e espiritual, que é a energia da felicidade (doçura) latente na espinha dorsal. Em geral, ela está enrolada e adormecida no final da base da coluna e é representada como uma serpente que se move ao longo da mesma.

Quando ela é ativada sexualmente (orgasmo), sobe pela coluna ativando todos os chacras e órgãos até o bindú (energia sexual – iluminação – nirvana – êxtase).

Esse fogo serpentino é bastante poderoso, no entanto instável (vulnerável), por esse motivo ela é considerada perigosa, mas, se praticarmos o sexo de maneira saudável, com muito amor, paixão, respeito, sinceridade e uma entrega total (cumplicidade entre dois seres), teremos a doce energia da kundalini circulando dentro de nós.

 

BINDÚ

“Gota ou marca”. O bindú pode ser interpretado como: néctar ou essência, intocado ou Portal do Brama, e é uma ligação entre o chacra coronário e o chacra básico. É o fio que liga o cérebro a medula e os órgãos sexuais.

Localização: cérebro (o salão de cristal, o terceiro ventrículo) – está na região do chacra lalana e vishudh, e quando está cheio de energia, a capacidade do cérebro aumenta. É aqui que armazenamos a nossa inteligência espiritual, a nossa mente. O centro do cérebro está ligado ao útero e a glândula prostática – hormônios sexuais; a energia sexual revitaliza o cérebro.

O bindú circula dentro do canal principal, o sushumna, cuja substância é de três gunas (três qualidades) e encontra-se no centro da coluna vertebral. Dentro do sushumna existe um canal chamado vajra e dentro dele um outro canal chamado chitrini, e o bindú está encovado no chitrini, e seu interior alonga-se desde o pênis até a cabeça (bindú). No interior do vajra está o chitrini, que é sutil, brilhante e tão fino como o fio da teia de aranha, e ele atravessa todos os chacras que estão localizados na coluna vertebral, ele é a inteligência pura. Dentro do chitrini encontra-se o nadi brama (bindú), e é tão bonito como um reflexo de luz, tão fino como um filamento de lótus e brilha nas mentes dos sábios. É extremamente sutil, ativador do conhecimento absoluto, concretizador de todas as glórias e a sua natureza é a consciência pura. O Portal de Brama brilha em sua abertura, e esse lugar é a entrada para a região espargida por ambrósia, conhecida como Ponto Essencial; trata-se da abertura do sushumna (também envolve os dois chacras inferiores).

Bindú Visargha quer dizer literalmente “queda da gota”, mas visto que “gota” se refere ao néctar, esta frase fica mais significativa como sendo “a sede do néctar”.

O bindú deve ser mantido no nível mais alto, que é “o domicílio do néctar”, pois quando ele cai ao nível mais baixo vai para o centro sexual, onde se transforma em esperma.

Segundo a tradição, o bindú localiza-se perto do topo do cérebro na direção da parte posterior da cabeça, e nesse local existe uma ligeira depressão, onde se concentra uma pequena quantidade de secreção líquida. Dentro desta depressão existe uma elevação mínima, que é a localização exata do bindú na estrutura física. Os nervos cranianos partem deste ponto, inclusive os nervos ligados ao sistema óptico. O processo pelo qual o néctar é segregado pelo bindú é estocado no chacra lalana no orifício nasal, é purificado pelo chacra vishudh. O vajra faz parte da conexão Kundalini e Bindú. É através do sahajoli (pompoarismo) que o bindú é mantido no nível mais alto.

 

PULMÕES – RELAÇÃO PULMÕES E CORAÇÃO

Os pulmões e o coração são inseparáveis.

A função dos pulmões é oxigenar e eliminar as toxinas das células dentro do sangue.

O coração recolhe o sangue do corpo e envia para os pulmões, e recebe o sangue oxigenado de volta devolvendo para o corpo. Recolhe novamente e envia para os pulmões. Esse processo se repete o tempo todo. Enquanto existir vida, o coração e os pulmões não param e não descansam, a única maneira de ajudar nesse processo é fazer o exercício de respiração correto. “O coração é o presidente e os pulmões são os ministros”.

O ar ou prana contém nutriente (vitalizante) e é o nosso primeiro e último alimento, nos pulmões cabem de três a quatro litros de ar, e quando fazemos uma respiração superficial, apenas chegam a meio litro e isso acaba causando stress e tensão. Lembre-se que os pulmões são a bomba enquanto o coração é a válvula e não o contrário como muitos afirmam. Se ficarmos cinco minutos sem respirar morremos.

Para fazer a respiração correta é necessário aprender a técnica de respiração de três Tan Tiens.

 

RINS – RELAÇÃO ORGÃOS SEXUAIS E OS RINS

Os rins têm a função de filtrar o sangue, enquanto os pulmões limpam as toxinas das células. A energia ancestral está nos rins, ele é “o repositório do vigor sexual”, por isso é necessário dar uma atenção especial a esses órgãos.

Segundo a medicina chinesa esse órgão é o que regula a função sexual.

Os testículos e ovários têm ligação direta com os rins e as glândulas supra renais, portanto é importante fortalecê-los se quisermos aumentar a potência e longevidade sexual, lembrando sempre que a energia sexual é a energia mais potente que existe “energia vital”. Ela não é apenas sexual é também o combustível que circula pelo corpo, alimentando as emoções os pensamentos e criando o impulso do desejo. A energia sexual é a energia criativa, ela é a pura energia da vida. 

 

REJUVENESCIMENTO – DENTRO DAS TÉCNICAS TAOÍSTAS

Os antigos taoístas descobriram o sutil e intrincado poder dos músculos esfíncteres internos, que são: a boca, os olhos, as narinas, o ânus, os genitais e o períneo. Eles estão localizados nas extremidades de importantes sistemas do organismo: como digestivo, o respiratório e o trato urogenital. Para que o corpo esteja em perfeita saúde, é muito importante que esses músculos se contraiam simultaneamente estabelecendo o ritmo interno e a estrutura do corpo.

Os taoístas descobriram os segredos dos músculos esfíncteres observando os bebês e as crianças e uma de suas metas das pratica taoísta é tornar-se tão vibrante, vigoroso e vivificante como uma criança.

Por meio de exercícios específicos desses músculos reconduzem nosso corpo à harmonia com o Tao, assim vamos poder resgatar a juventude.

Esses exercícios fazem parte do sahajoli. Trata-se do chacra básico e da importância do fortalecimento da base em todos os sentidos, pois ele é o chacra da Kundalini.

Vamos poder comprovar o efeito da técnica imediatamente após o primeiro exercício. Será possível sentir a energia vital, essa vibração vivificante que tínhamos na infância.

Observe um bebê mamando: enquanto sua boca suga ritmadamente, os olhos se contraem em uníssono, o ânus e o trato urinário se contraem e relaxam em harmonia com a boca, enquanto as mãozinhas se abrem e fecham em sincronia com a sucção exercida pela boca. Esse movimento sincronizado bombeia a energia por todo corpo.

Consequentemente, quando nós adultos temos contrações e relaxamentos harmoniosos dos músculos esfíncteres, nosso corpo fica pleno de energia e saudável. Por outro lado, quando esse ritmo está desequilibrado, por stress, doença ou tensão, a energia do corpo se esgota.

Todos os músculos esfíncteres do corpo se refletem uns nos outros, e a reflexologia sexual, revela essa íntima conexão. Os músculos esfíncteres do rosto revelam os músculos esfíncteres do trato urogenital, do ânus e do períneo e quando existe um desequilíbrio de energia sexual ela é revelada nas características externas da face. Além disso, esses músculos influenciam diretamente na saúde dos órgãos internos e essa exaustão dos órgãos é refletida no centro sexual. Toda essa dinâmica interna se reflete na face, nas mãos, nos cabelos e nas características externas do corpo.

  • Exercitando os músculos esfíncteres.

Contrair a boca e sugue as bochechas para dentro da boca, criando uma sucção na boca. É algo semelhante a brincar de fazer “boca de peixe”. Contraia e relaxe por, no mínimo 9-36 vezes, sinta a conexão entre a boca e o resto do corpo. Perceba a conexão entre a boca e os músculos esfíncteres inferiores, ânus, períneo e base do pênis / parte inferior da vagina.

Piscar os olhos rapidamente e olhar ao seu redor. Exercitar os músculos esfíncteres ao redor dos olhos melhora a visão e mantém a umidade deles. Também é um ótimo exercício para despertar o corpo, pois estimula o sistema nervoso.

Pisque os olhos durante, 30-60 segundos. Estimular esses músculos em volta dos olhos ajuda a abrir o diafragma urogenital.

Contrair o ânus: contraia e relaxe o ânus. Sinta a energia dos centros inferiores correndo pelo seu corpo. Pela contração do ânus, fortalecemos a conexão entre todos os músculos esfíncteres do corpo.

Contrair o períneo e a vagina: contraia e relaxe os músculos da vagina e períneo. Trata-se do mesmo músculo que é usado para interromper o fluxo da urina esse músculo, tal como o ânus é à base do centro sexual. Fortalecendo o períneo e a vagina, a mulher torna-se capaz de conter a energia sexual em vez de deixá-la escorrer para fora do corpo. O fortalecimento do períneo é o primeiro passo de muitas outras práticas taoístas, como o “impulso orgástico ascendente” e o “poderoso bloqueio”. Você pode contrair e relaxar o períneo a vagina e o ânus ao mesmo tempo, para criar mais força no diafragma urogenital.

Contrair os olhos, a boca, o ânus e a glândula prostática é um exercício que ativa o centro cerebral. Quando um homem contrai a glândula prostática é ativada a glândula pineal, a glândula prostática tem uma conexão estreita com a glândula pineal que é considerada um segundo órgão sexual. É como dizem “o maior órgão sexual é a cabeça”.

 

 TERAPIA CORPORAL 

 

A terapia pelo toque (obs.. "massagem" é um termo inadequado em relação à legislação e mercado brasileiros) relaxante é benéfica porque ela libera as tensões reprimidas causadas pelo stress, e estabelece comunicação entre o corpo e a mente. Ela vem sendo usada a milhares de anos como meio de alcançar a saúde o relaxamento e a longevidade. A massagem é de extrema importância, pois aumenta a circulação, elimina as tensões musculares e gera energia positiva. Dê muito carinho e amor para o seu coração, ele merece ser recompensado e a massagem ajuda o coração a relaxar, descansar, devido à melhora na circulação do sangue. A massagem Tuiná é muito especial e ela pode ser aplicada ou recebida por qualquer pessoa.

A auto "massagem" nos rins, estimula e energiza os mesmos e é de vital importância para manter a saúde deles.

 

 

I CHING  O MANDAMENTO DIVINO, A LEI DO UNIVERSO

 

O tratado das mutações (natureza). O equilíbrio dinâmico dos cinco elementos faz parte do

I Ching, os 64 hexagramas do I Ching e as 64 possíveis combinações de proteínas do código genético do DNA.

I Ching, Tao e Budhi caminham juntos, são inseparáveis.

 

BUDISMO

A semente, a mãe do budismo é o hinduísmo.

  • Os três veículos do budismo.

Primeiro veículo (primeiro TT) Hinayna, é o budismo da inocência, pureza, espiritual (jejum absoluto).

Segundo veículo (segundo TT) Mahayana, o budismo da comunicação, expansão (jejum moderado).

Terceiro veículo (terceiro TT), Trantrayana (vajrayana), o budismo da sexualidade. Tantra-Yoga e Kundalini-Yoga fazem parte do vajrayana, sahajoli.

O busdismo de três veículos (três TTs) é o verdadeiro, completo e integral (é a mãe natureza).

A mãe natureza é muito sábia, se ele é agredida ela devolve com violência, basta observar o planeta terra.

 

MATERIAL E METODOLOGIA

 

Foram usados livros para consultas, assisti palestras e workshops voltados à holística, estudos sobre filosofia taoísta, budista, I Ching (naureza), templos e igrejas.

A soma de alguns conhecimentos próprio e alheios, as vivencias com alunos, colegas e professores, orientadores e amigos e também profissionais ligados a medicina ortodoxa.

 

DISCUSSÃO

A importância de olhar para o passado, observar o presente (refletir e filosofar) para poder projetar o futuro (novos horizontes) assim que se alcança a própria evolução.

Apesar de me sentir às vezes leiga sobre o assunto e ser uma autodidata, usei muito e ainda uso o I Ching, e esse livro ajuda no meu caminho de evolução e no caminho de quem o utilizar. O I Ching foi baseado no principio do Yin e Yang (o Tai Chi, a grande energia).

O Dr. Motoyama teve sua experiência pessoal com a kundalili, porém para isso usou o acetismo aquático todos os dias (banho de água gelada) por um longo período de tempo e com a prática conseguiu a levitação (o corpo já conseguia e se desligava do chão).

Baseada em minhas experiências vivenciei as duas faces da energia da kundalini, percebi que quando ela está fluindo corretamente não existe desgaste físico ou mental, em caso dela não estar fluindo de forma positiva, ela desequilibra o corpo e a mente.

 

CONCLUSÃO

Conclui que os segredos de quem nós somos está nos chacras (kundalini) eles falam, eles sentem e pensam.Tudo está aqui no Tai Chi (grande energia) é o início de tudo, o começo da evolução humana. Cheguei à conclusão que todas as pessoas deveriam conhecer os chacras com profundidade para conhecer verdadeiramente a si mesmo e consequentemente conhecerá o próximo.

O princípio do Yin e Yang está em tudo e em todo o universo porque sem essa energia, nada existiria no caso do nosso corpo essa energia flui através de nossa kundalini.

Acredito que o conhecimento compartilhado é conhecimento em dobro, por isso compartilho.

  

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

  • Os chacras que falam!

Sonia Szeligowski Ramos, Ed. Arcobaleno

  • Chacras – Mandalas de Vitalidade e Poder

Shalila Shararon e Bodo J. Baginski, Ed. Pensamento

  • Cura Cósmica – Chi Kung Cósmico

Mantak Chia, ed Cultrix

  • Reflexologia Sexual – O Tao do Amor e do Sexo

Mantak Chia e W.U. Wei, Ed. Cultrix

  • Cores Para a Sua Saúde

Gerard Ede, Ed. Pensamento

Série Manu – Apostila número 2, segunda edição

  • Super Interessante – Edição 235 – Jan/2007
  • Curso de fundamento de I Ching – O Tratado das Mutações, apostila da Sociedade Taoísta do Brasil.

 

Autor: : Mitiyo Oshiro Takemoto - CRT 38660 - Terapeuta Holística
Última atualização: 28/06/2009 12:41


Terapia Corporal Indiana

Terapia Corporal Indiana

Karanyasabhutasuddhikoshapranapratistha

A identificação dos elementos de limpeza do corpo insuflando energia através do toque

 

Celi Aparecida Coutinho - Terapeuta Holistica - CRT 21270

 

SINTE-SINDICATO DOS TERAPEUTAS – Holística 2009

SUMÁRIO

1. Introdução.

2. O que é Terapia Corporal Indiana?

3. Princípio filosófico de origem.

4. Noções básicas sobre os Chakras, Nadis.

5. Método.

6. Conclusão.

7. Bibliografia.

 

 

1. INTRODUÇÃO

              Tudo que desejamos no plano físico é possível de realizar se obtiver consciência de que a capacidade de criação é natural ao Ser Humano.

              Devido às condições de preconceitos sociais, culturais e até mesmo religiosos, o ser perde essa capacidade de sentir e criar e passa a crê que tudo depende do mundo externo, das pessoas e quem sabe se DEUS permitir. Se sentindo vazio e frustrado.

              A terapia corporal por si só já é um agente de carinho, permitindo que a pessoa se preencha deixando de está carente de algo que ela própria não sabe explicar. Apenas que é bom.

              Agora imagine uma técnica que além de tocar o físico, possa tocar também o corpo energético, fortalecendo e sobrepondo a mente que boicota, para simplesmente Ser o que tem de Ser, na sua verdadeira forma de Natureza interna e individual.

              Atingir verdadeiramente a sua essência através do toque (deeksha), insuflado através dos mantras e naturalmente o realinhamento dos chakras acontece.

              A Terapia Corporal Indiana proporciona o realinhamento dos centros energéticos (chakra) e das emoções e conseqüentemente descongestiona o fluxo emocional negativo registrado na capa corporal.  Portanto além de extremo relaxamento, produz equilíbrio e auto estima, revigorando o desejo de ser feliz.

             

             

2. O que é Terapia Corporal Indiana?

  

Terapia Corporal Indiana Tântrica

Karanyasabhutasuddhikoshapranapratistha

 

A identificação dos elementos de limpeza do corpo insuflando energia através do toque.

 

              Insuflar energia no corpo, limpando os elementos astrais com a identificação do toque.

              A Terapia Corporal Indiana é uma técnica codificada através de preâmbulos advindos do livro denominado de tantra ensinando princípio comportamental de vida, onde o objetivo principal é um processo de higienização da mente, do corpo físico e do corpo emocional através de fórmula ritualística; incluindo o comportamento sexual ritualístico e metafísico. O toque é a parte principal do ritual maithuna (ato sexual metafísico). Sendo que os contextos deste toque (deekshas) foram transformados em uma técnica de Terapia Corporal sensibilizatória com o intuito de promover equilíbrio energético através do mantra, aroma, pranáyáma e manobras sutis corporal de forma circular para reconectar e polarizar a energia da pessoa que está para receber o deeksha (toque) levando a mesma ao conhecimento do seu EU INTERIOR.

              Foi desenvolvida com a finalidade de integrar os sete corpos básicos, alinhando-os e purificando-os para que exerçam sua função da auto liberação da consciência. Em outras palavras, a Terapia Corporal Indiana Tântrica proporciona um encontro entre os elementos constitutivos do homem e os elementos essenciais do Ser.

              O homem é terrestre, telúrico, corporal, o qual se expressa através de uma personalidade social, e sétuplo, testemunho incogniscível do Cosmos e do Ser-persona, onde está o Purusha.

              O Purusha é o verdadeiro ser interior. Aquele que está acima e dentro do corpo, do etérico, do emocional, do mental, do intuitivo e dentro do espiritual. Domina todo ele, passivamente, aglutinando-os, mas não interferindo; organizando-os de modo não-perceptível.

              Ao conjunto dos corpos sutis, tais como: emocional, telúrico, mental, intuicional e espiritual, dão-se o nome de psicocorpo (koshas). De modo geral, podemos chamá-lo de corpo psíquico, embora o termo não condiga com a totalidade do significado.

              Esse corpo pode sofrer mudanças tanto benéficas quanto maléficas, dependendo de como nos comunicamos com ele. Ele sente os reveses do meio ambiente na forma de stress emocional, mental e sexual, influindo diretamente no corpo físico a nível neurológico e muscular, cristalizando-se numa gama imensa de reflexos.

              Num esquema simples, poderíamos dizer que ao aplicarmos as manobras da terapia corporal no corpo físico, atuaremos também no psíquico. Esse procedimento se movimenta em ondas, do físico para o energético e para o emocional, do emocional para o mental, do mental para o intuitivo. Daí em diante então poderá se manifestar o Purusha. O ponto principal de atuação nesse corpo psíquico é através da respiração e dos mantras que será insuflando durante o toque físico usando como ponto principal os chakras para aportar o fluxo de energia emanada durante o procedimento de aplicação.

              A Terapia Corporal Indiana surgiu do principio filosófico tântrico derivado da técnica do maithuna (ato sexual metafísico) que em sua primeira importância é adquirir sabedoria deixando de ser um ato sexual carnal para algo absolutamente transcendental.

              A técnica desta terapia corporal consiste em deixar o ser humano mais sensibilizado e com a sua libido mais ordenada, podendo transmutar esta energia no dia-a-dia em forma pensamento, em forma trabalho ou em forma de expressão harmoniosa.                                                        

 

3. PRINCÍPIO FILOSÓFICO DE ORIGEM

 

              Tantra é um termo masculino, como em geral acontece nas palavras terminadas em "a" no idioma sânscrito. Tantra origina-se das palavras TANOTI (expansão) e TRAYATI (consciência), evocando a possibilidade de crescimento da consciência através do Sadhana (prática). A palavra também pode significar "livros". Livros onde são ensinados exercícios, história, ciência, filosofia, atitudes de higiene física e mental, bem como, modo de vida, sexualidade e atuação social. Todo tratado sistemático concernente à prática que leva à "expansão do ser" está representado pela raiz TAN (de estirar ou estender) e o sufixo TRA (instrumentalidade). Obtêm então a palavra TAN-TRA, ou seja, literalmente, "instrumento de expansão" do campo de consciência comum, para alcançar a supra consciência, raiz do Ser e receptáculo dos poderes desconhecidos que o tantra pode despertar e utilizar.

              No século VIII, foram lançados seis textos tântricos. Esses escritos trazem elaborados sistemas teóricos e práticos através dos quais o mundo conheceu a teoria atômica, a questão espaço-tempo, a astronomia, a cosmologia, a cronologia, a astrologia, a alquimia e a terapia ayurvédica. Trouxeram à luz os princípios da geometria aplicada (Yantra e Mandala), os símbolos algébricos, o sistema do heliocentrismo astronômico, a descoberta da esferacidade da terra e de outros planetas. Já conheciam a atração interplanetária, a luz e sua velocidade, extensa teoria a respeito do calor, da gravitação, dos Nakshastras (casas lunares), bem como o ano lunar e solar. Enquanto as outras culturas do mundo ainda engatinhavam, na Índia se desenvolvia a ciência do som (sphotavada).

              Toda a sistemática do Tantra se desenvolve principalmente através dos Tatwas (elementos: terra, fogo, água, ar e éter) que derivam a força de consciência macrocósmica. A Terapia Corporal Indiana Tântrica se desenvolve através de elementos físicos para dar ordem a elementos mais sutis. O resultado será de uma consciência pura, da energia de ação, energia de conhecimento. Traduzindo; É a recepção do ato de consagração, absorvido pelo o fluxo de energia desprendido da entoação dos mantras e, portanto serem o verdadeiro deeksha (toque divino).

              O Nyasa (identificação): neste caso tem uma série de características especiais. Entre elas:

a) identificação com várias partes do corpo físico.

b) identificação com várias partes dos corpos sutis.

c) identificação visual (auditiva externa ou interna) dos vários sons primordiais (bija-mantras ou mantra semente).

d) identificação interior com as deidades evocadas.             

              Por isso a Terapia Corporal Indiana é muito sutil e transcendental, a importância dela jamais será no corpo físico e sim no corpo sutil (espiritual ou energético). Depois de algumas sessões a pessoa que esta recebendo a energia passa ser um verdadeiro iniciado, mudando completamente seu padrão vibratório energético.

              Num período muito curto ele perceberá que suas ações já não serão mais a mesma, ou seja, o ponto foco de clareza de um objeto emocional ou racional à sua frente passa ser dominável. Não sendo mais um grande obstáculo de 10 metros de altura, simplesmente é um obstáculo, mas, com 2 metros, ou seja, é possível pensar como transpô-lo.

              Vamos relembrar ou conhecer os chakras que é a ponte principal para a passagem de energia aplicada nesta técnica.

   

4. NOÇÕES BÁSICAS SOBRE OS CHAKRAS

 

              Chakras são centros energéticos que  trabalham em sintonia entre si e com todo nosso corpo físico e psíquico, estando inter-relacionados com os sistemas parassimpático, simpático e sistema nervoso autônomo. Sua função é vitalizar, equilibrar e interagir com o corpo físico e o corpo psíquico, trazendo o desenvolvimento para a consciência.

              Chakra é a denominação sânscrita dada aos centros de força existentes nos corpos energético do homem; também são chamados de lótus ou rodas. O seu fluxo de movimento caminha por canais sutis denominados de nadis e seus canais principais são Sushumna, Ida, Pingala,

 

  • O chakra básico - Muladhara  Energia vital

              Assenta o mundo dos instintos - consciente.

              Consciência física. Posse Material

              Discernimento espiritual

 

  • O chakra energético - Svaddhisthana  Fé - Confiança

              É a entrada no inconsciente - novo nascimento se assim podemos dizer.

              Impulso sexual e de luta.

              Transmutação, Criação de uma nova personalidade

 

  • O chakra plexo solar - Manipura  Conhecimento

              Assenta as emoções – paixões e o inferno produzido por si próprio.
              Vida emocional instintiva e desejo de realização espiritual.

 

  • O chakra cardíaco - Anahata  Sentimentos

              Começo do self - pensamento e valores.

              Autoconsciência vital – Vida Afetiva – Amor Universal

 

  • O chakra laríngeo - Vishuddha  Percepção e purificação.

              Reconhecimento da independência da psique - pensamento abstrato – conceitos -               produtos da imaginação.

              Expressão psicológica – Inspiração e expressão criadora.

              Integração de si mesmo. Vida intelectual.

 

  • O chakra frontal - Ajña  Conhecimento interior

              União do self no todo, não no ego.

              Integração de si mesmo. Vida intelectual.

 

  • O chakra coronário  Sahasrara  Sabedoria

              É o suporte de o próprio SER.

              Energia anímica - vontade

              Realização espiritual.

 

Veja abaixo  as funções, cores e  localização de cada chakra.

 

1. Muladhara Chakra – (sico)

              Este é o chakra que nos conecta as energias de terra, que nos enraíza. É a sede da Kundalini.

Localização: Entre o ânus e os genitais, base da coluna vertebral.

Glândula: Gônadas  Excitam a esfera dos sentimentos e desenvolve os instintos fundamentais

Hiperfunção: Exagerados sentimentos altruístas e, ao mesmo tempo, egoístas. Forte vontade. Tendência à posse e ao domínio. Otimismo, expansão e iniciativa.

Hipofunção: Timidez. Depressão. Apatia. Pouco rendimento qualitativo.

Propósitos: Sentimentos sinestésicos, movimento.

Lição espiritual: Interagir com o  mundo material.

Giro: no sentido horário no homem – anti-horário na mulher

Em desequilíbrio: Irritação, raiva, medo de viver, apego excessivo e baixo estima.

Em equilíbrio: Confiança na vida, segurança pessoal, satisfação, estabilidade, força e coragem interior e auto-estima.

Informações armazenadas no chakra: Convicções familiares, superstições, lealdade, instintos, prazer físico, dor, toque.

 

 

2. Svaddhisthana Chakra –  (Energético)

              É o centro de energia vital

Localização: Quatro dedos abaixo do umbigo.

Glândula: Supra Renal: Espírito de luta. Capacidade de reação. Energia das reações psíquicas.

Hiperfunção: irrascibilidade, agressividade, espírito belicoso, ressentimento, inadaptabilidade, exaltação psíquica.

Hipofunção: Exagerada sensibilidade a dor, perseverante, serio e trabalhador, mas dominado pela a tristeza e pela a depressão, neurastenia, submissão, abatimento.

Giro: sentido horário na mulher e anti-horário no homem

Lição espiritual: Manifestação, aprender a "deixar fluir".

Em desequilíbrio: - Ciúme, possessividade, instintos reprimidos, tensão, tristeza.

Em equilíbrio: Fluidez natural da vida em todos os sentidos: corpo e mente, entusiasmo, ações produtivas, franqueza, naturalidade.

Informações armazenadas no chakra: Dualidade, magnetismo, controlando padrões, sentimentos emocionais (alegria, raiva, medo).

 

3. Manipura Chakra - (Plexo solar)

              Este é o chakra do centro do poder pessoal.

Localização: Em média cinco dedos acima do umbigo (mas precisamente no centro do estômago).

Glândula: Pâncreas

Hiperfunção: apatia temperamental, lentidão psíquica.

Hipofunção: depressão do tônus psíquico, excitabilidade, irrascibilidade.

Propósitos: Entendimento emocional

Giro: sentido anti-horário na mulher e horário no homem

Lição espiritual: Aceitação de seu lugar no fluxo de vida (amor-próprio).

Em desequilíbrio: Tendência a moldar tudo sob seu próprio ponto de vista, egoísmo, inquietação, insatisfação, descontrole, nervosismo, ansiedade, falta de concentração, medo de novas experiências e medo de rejeição.

Em equilíbrio: Auto estima, sensação de paz e harmonia, aceitação da vida e do próprio crescimento, autoconfiança, valorização das riquezas interiores e exteriores.

Informações armazenadas no chakra do plexo solar: Poder pessoal, personalidade, consciência de o próprio ser dentro do universo (senso de pertencer).

 

 

4.  Anahata Chakra –  (Chakra cardíaco).

              Este  chakra é o centro da essência divina, do amor universal, inclusive é o que equilibra ou desequilibra os três primeiros com os três últimos chakras.

Localização: No centro do peito.

Glândula: Timo

Hiperfunção: Emotividade excessiva, abulia, timidez, grande imaginação evocativa. Fator predisponente à preservação moral e sexual.

Hipofunção: Apatia, debilidade mental.

Giro: horário para a mulher e anti horário para a mulher.

Propósitos: Abnegação, amor universal, perdão e paz.

Lição espiritual: Perdão, amor incondicional, deixar fluir, confiança, compaixão.

Em desequilíbrio: Doação excessiva de si, desespero, ódio, inveja, medo, ciúme, raiva, depressão, angustia, indiferença, brutalidade e frieza.

Em equilíbrio: Amor, compaixão, confiança, inspiração, esperança, generosidade, solicitude, calma, alegria, equilíbrio.

Informações armazenadas no chakra do coração - conexões com aqueles que amamos e o amor incondicional.

 

5. Vishuddha Chakra – (Chakra laríngeo)

              Este  chakra é a fonte da expressão e comunicação criativa.

Localização: na garganta aproximadamente um dedo abaixo do pomo de Adão.

Glândula: Tireóide

Hiperfunção: Irreflexão, inconstância, impulsividade, inquietude, imaginação muito viva, insônia.

Hipofunção: Apatia, lentidão nos processos psíquicos, inteligência atrasada, depressão, linguagem deficiente, muito sono.

Propósitos: Aprender a  assumir responsabilidade pelas suas próprias necessidades, ressonância do ser, comunicação e expressão.

Giro: sentido anti-horário na mulher e horário no homem

Lição espiritual: Aprender a render-se à vontade divina, fé, verdade sobre a  decepção.

Em desequilíbrio: Dificuldade de se mostrar e expressar-se, tomar decisões. Insegurança, crítica, timidez, medo da opinião alheia e falta de autoridade.

Em equilíbrio: Livre expressão de pensamentos, conhecimentos e sentimentos; criatividade na comunicação, voz potente e clara, eloqüência, capacidade de ouvir com atenção e com o coração honestidade interior, fé, vontade, sensação de total integridade.

Informações armazenadas no chakra da garganta: Autoconhecimento, verdade, atitudes, audição, gosto, cheiro.

 

6. Ajnã Chakra – (Terceiro olho)

              Este  chakra é  o centro dos poderes psíquicos.

Localização: No meio da testa, entre as sobrancelhas.

Glândula: Hipófise

Hiperfunção: Caráter lento e frio, mas espírito de aventura e combatividade, tendência ao domínio, ao abuso. Crítica e rebelião, insônia

Hipofunção: Vontade fraca, timidez, sugestionabilidade, atraso intelectual, dificuldade em manterá atenção, muito sono.

Giro: sentido horário e sentido anti-horário.

Propósito: Intuição e autoconhecimento.

Lição espiritual: Entendimento, não identificação, mente aberta.

Em desequilíbrio: Rigidez mental, racionalidade excessiva, vaidade em relação a própria inteligência, medo da verdade, confusão, fixação em determinadas idéias.

Em equilíbrio: Agilidade mental, visualização desenvolvida, transcendência, abertura da intuição e visão interior, discernimento, inteligência emocional, conceito de realidade, capacidade de ver além das formas físicas.

Informações armazenadas no chakra do terceiro olho: Ver com clareza e sabedoria, sabedoria, intuição, intelecto.

 

7. Sahasrara Chakra – (Chakra da coroa)

              Este é o chakra que nos conecta com a energia divina.

Localização: No topo da cabeça

Glândula: Pineal

Hiperfunção: Caráter lento e frio, mas espírito de aventura e compatibilidade, tendência ao domínio, ao abuso.

Hipofunção: Atraso intelectual

Propósitos: Sabedoria intuitiva, conexão para a espiritualidade, integração com o todo.

Giro: sentido anti-horário nas mulheres e sentido horário nos homens.

Lição espiritual: Espiritualidade, viver o momento.

Em desequilíbrio: Falta de propósito, perda da identidade, medo de estar só, sentimento de separação do próprio "eu" transmitindo bloqueio aos demais chakras.

Em equilíbrio: Descoberta do divino, facilidade para acessar diretamente o conhecimento superior a partir da conexão com o "eu universal", confiança, abnegação, humanitarismo, habilidade para ver o todo no fluxo de vida, devoção, inspiração, valores, éticas. Irradiação da vida com total plenitude e pureza.

Informações armazenadas no chakra da coroa: Integração e conceito do todo.

 

 

 

4. a) KUNDALINI - Fogo Serpentino

              É energia ígnea, serpentina reside no chakra básico (Muladhara). Os hindus a chamam de Kundalini - o fogo serpentino. Lá está a concentração energética que supre o corpo humano através dos nadis - Ida e Pingala. Esta energia nada mais é que o princípio vital. Esta energia desenvolvida ela se manifesta pelos Chakras produzindo poderes:

 

1. ANIMA (exigüidade). Esta é a faculdade que permiti identificar-se com a essência da menor parte do universo e do que ele mesmo é constituído. Permite ver o infinitamente grande (Mahima) ou, ao contrário, o infinitamente pequeno (Anima).


2. MAHIMA (magnitude). Este é o poder de aumentar de volume, quer dizer, de alargar o círculo de sua consciência e de alcançar a plenitude do conhecimento do infinitamente grande.

 

3. GARIMA (gravitação). Isto é relativo ao peso e à massa, e se aplica à lei de gravitação que é um dos aspectos da lei de atração. Este fenômeno é à busca dos yogues, ou seja, o estado de Samadhi.


4. LAGHIMA (levitação). Esta é a possibilidade que tem o adepto de tornar-se mais leve que o ar, afastando a força de atração da Terra, e de desligar-se dele.


5. PRAPTI (realizar o objetivo). Aquele que possui este poder tem a capacidade de atingir seus fins projetando sua consciência em todos os lugares que ele julga necessários, quer estejam sobre o plano físico ou sobre o plano cósmico. Este poder foi sempre muito utilizado pelos místicos do mundo inteiro. Prapti desenvolve também a clarividência, clariaudiência e telepatia.


6. PRAKAMYA (a vontade irresistível). Este poder confere ao adepto a possibilidade de realizar todos os seus desejos pela força da vontade divina, quando esta vontade substitui, em parte, a vontade pessoal e seus desejos estão em perfeita harmonia com o plano divino.


7. VASITVA (o poder de comandar). É o poder de tornar-se mestre das forças elementares da natureza, utilizando o poder do som criador ou mantra. Pela palavra sagrada, as vibrações são produzidas no éter e as diversas formas podem ser produzidas. Ato utilizado em grande feito de magia.


8. ISATVA (o poder criador). Isatva se refere ao poder que tem o adepto de dispor dos elementos em suas cinco formas e de ressuscitar a vida no plano físico.

 

              Estes elementos mencionados no item acima são de caráter de curiosidade e conhecimento. Estes aspectos devem se desenvolver através de prática específica para o desenvolvimento das energias de cada chakra.

              A prática é longa e será incluso meditação com Mantra, Yantra juntamente com exercícios respiratórios denominados de pranáyáma.

 

5. OS ELEMENTOS E SEU SENTIDO OCULTO

 

              “Saiba, que o Fogo (energia) é o primeiro tattwa; o Ar o segundo; a Água o terceiro; a Terra o quarto e o Éter o quinto.

              “O primeiro tattwa é a panacéia que dá energia vital às criaturas e acaba com sua tristeza. O segundo provém de uma aldeia, o ar da floresta: ele desce da Água, é belo é delicioso e dispensa o poder de gerar. O quarto, pouco custoso, é produzido pela terra, dá a vida às criaturas e é a base da vida nos três reinos. O último tattwa, ó deusa, proporciona grandes alegrias; origem de todas as criaturas, sem começo e nem fim, ele é a raiz do universo. Assim falou Sadashiva de bom augúrio.”

 

DEFINIR TATTWAS

              É difícil definir os tattwas ou elementos, por serem ao mesmo tempo concretos e sutis, apesar de incomparáveis. De modo geral, os elementos não são objetos tangíveis, e sim, um conjunto de leis e força que condicionam um estado particular à matéria, estabelecendo-lhes propriedades específicas.

              O elemento Terra (Priti), basta erguer a cabeça para o céu estrelado para se dar conta de que o universo é, principalmente, vazio. Entretanto, aqui e ali, a matéria cósmica torna-se densa, em vez de se distribuir uniformemente nesse vazio intergaláctico.

              Partindo da definição de um elemento, todas as leis e todas as prodigiosas energias cósmicas que concorrem para essa densificação constituem o elemento Terra. Assim, nossa terra, simplesmente não passa de uma manifestação localizada do elemento Terra. O Sol e todos os corpos celestes são também manifestação do Elemento Terra, o mais elementar (evidentemente), pois estamos sentados sobre ele. De fato, cada átomo de cada objeto percebido é matéria cósmica densificada e faz parte de um corpo celeste incandescente. Nosso corpo é literalmente, sol resfriado, condensado.

              O Elemento “Água” (Api) é aquele que mantém a matéria em estado líquido, a água é o fluido mais comum em nosso planeta, é o seu protótipo. Evidentemente mas que interesse há nisso? O interesse é enorme, pois esses fluidos são captadores dos ritos cósmicos, que, por sua vez, dirige todo o nosso biorritmo. O mais evidente desses ritmos é o das marés, que diuturnamente misturam os oceanos em respostas à atração lunar, mas também a solar e as marés sobre todos os líquidos do universo, não somente os de nosso planeta. Mas também, esses ritmos cósmicos não afetam só os oceanos; há uma mini maré num copo d’água, numa gota d’água: E, como no corpo 85 % é constituído de água, todo o biorritmo é a eles submetido.

              Assim, por intermédio dos fluidos corporais, na morna intimidade dos tecidos, em cada célula, a lua e todos os corpos celestes regulam o imperceptível baile de ritmos vitais.

              O “AR” (VAYU), embora saibamos é matéria em estado gasoso. Para o tantra, os gases veiculam energias cósmicas sutis.

              Há milênios os tântricos sabem que o ar não é um gás inerte. Que ele “capta e transporta uma energia impalpável denominado ‘PRANA”, variável de acordo com a estação e o lugar. Eles sabem que nossa vitalidade depende dele e que “sua natureza é a do relâmpago”, intuição extraordinária, por isso é literalmente verdade.

              Recentemente, a ciência (a biologia, em particular) se preocupava acima de tudo com a composição molecular do ar: azoto, oxigênio, gazes raros, e negligenciava sua ionização. Atualmente, sabemos que os átomos de oxigênio do ar podem ser ionizados, ou seja, ter um minúsculo “pacote” de energia excedente, portanto, disponível. Conforme a proporção de átomos de oxigênio assim ionizados, o ar pode ter propriedades vitais bem diferentes e, sabendo disso, os yogues inventaram técnicas especificas que permitem captar, acumular, controlar o Prana e aumentar nossa vitalidade.

              O aspecto prático desse elemento está ligado às fontes de nossa vitalidade, aparece, por exemplo, na forma de Office sckiness, o “mal dos escritórios”, que ataca aqueles que vivem fechados nesses edifícios onde predomina o ar condicionado. De acordo com a teoria yogue, o “mal dos escritórios” se explica facilmente: um ar assim, sem prana, necessariamente mina a vitalidade e provoca diversos desequilíbrios. Após tê-lo ignorado ou desconhecido por muito tampo, começam pouco a pouco perceber isso, mas os orgulhosos edifícios de janelas trancadas ai estão e ficarão por muito tempo. Aqueles que são obrigados a viver neles restam o recurso de compensar esse déficit dedicando alguns minutos por dia aos exercícios de pranáyáma.

              O ELEMENTO “FOGO” (TEJAS) é a matéria em estado “radiante”, por exemplo, a radiação do sol e das estrelas, mas também do fogo comum. Sem o elemento Fogo, nosso planeta seria gelado, pois o Sol não poderia irradiar seu calor até nós através da imensidão espacial, e nós ignoraríamos sua existência e das estrelas.

              O elemento “Éter” (akasha) É o elemento alquímico que resistiu por mais tempo ao ataque da ciência. De fato, era axiomático considerar o vazio universal cheio de uma substância tênue ao extremo, que não oferecia nenhuma resistência à propagação das ondas e partículas de alta energia: parecia impensável quê o que quer que fosse pudesse ir propagando-se no nada. Tudo foi abalado em 1880, por causa dos resultados negativos das experiências de Michelson que queria comprovar a evidência do éter graças ao interferômetro ultra-sensível por ele inventado.

              Para o Tantra, o elemento Éter - Akasha, E “nosso éter, ou seja, a matéria no estado mais sutil concebível, mais alguma coisa cientificamente indefinível (eu até diria “provisoriamente”), que eu chamaria, na falta de coisa melhor, de espaço dinâmico. Para o senso, ingênuo, o espaço é um grande buraco, inerte, no qual o Bom Deus concebeu o Universo. Certamente, não é essa visão da ciência, que, no entanto, não está muito melhor, pois ignora totalmente a natureza do espaço, alias, como também, a do tempo.

 

6. Segredos dos cinco Pranas

 

              Para que haja mudanças reais é necessário alterar a energia que cria. Este fato é verdadeiro na prática do Yoga. Para causar mudanças positiva no corpo e na mente devemos compreender a energia com qual se trabalha. A esta energia denomina-se de Prana significando a energia primordial. É traduzida a força vital, embora seja muito mais que isto.

              Certamente o universo inteiro é uma manifestação do Prana, que é o poder criativo original. 

              Em um nível cósmico há dois aspectos básicos de Prana.

              O primeiro é o aspecto é a energia de Consciência pura que transcende toda a criação. O segundo ou o Prana manifesto é à força da criação própria. O Prana eleva-se a qualidade (guna) dos rajas, a força ativa da natureza (Prakriti). A natureza ela mesma consiste em três gunas: sattwa ou harmonia, que causam a mente, o rajas ou o movimento, que causa o prana, e tamas ou inércia que causam o corpo.

              Certamente poder-se-ia discutir que Prakriti ou a natureza são primeiramente Prana ou rajas. A natureza é uma energia ou um Shakti ativo. De acordo com a tração ou a atração do Self mais elevado ou da consciência pura (Purusha) esta energia torna-se sattwica. Pela inércia da ignorância esta energia torna-se tamásica.

 

 

              Relativo à nossa existência física, Prana ou a energia vital são uma modificação do elemento do ar, primeiramente o oxigênio que nós respiramos que permite que vivamos. Contudo enquanto o ar origina no éter ou no espaço. Prana levanta-se no espaço e remanesce-se conectada próxima a ele. Onde quer que nós criemos o espaço a energia ou Prana devem levantar-se automaticamente.

              O elemento do ar relaciona-se ao sentido de toque. O ar em um nível sutil é toque. Com o toque nós sentimos vivos e podemos transmitir nossa vida-força a outra. Contudo enquanto o ar se levanta no espaço, assim que toca levanta-se do som, que é a qualidade do sentido que corresponde ao elemento do éter. Através do som nós elevamos e sentimos nossas conexões mais longas com a vida ao todo.

              Ser do ser humano consiste em cinco koshas ou copos sutis:

1) Kosha de Annamaya  alimento (Anna) - exame - os cinco elementos

2) Kosha de Pranamaya - respiração  vital (Prana) - os cinco pranas

3) Kosha de Manomaya - impressões  mente (Mano) exterior - os cinco tipos de impressões sensoriais

4) Kosha de Vijnanamaya - idéias - inteligência - atividade mental dirigida – Conhecimento (Vijna).

5) Kosha de Anandamaya - experiências - mente mais profunda - mente da memória, a subliminal e a superconsciencia – felicidade (Ananda).

 

Pranamaya Kosha:

              O Pranamaya Kosha é a esfera de nossas energias vitais da vida. Representa os três koshas – corpo mental (mente exterior, inteligência e mente interna) É atingível através da meditação dinâmica e as cinco impressões sensoriais.

O melhor termo para o Pranamaya Kosha é provavelmente “corpo vital” para usar um termo do Yoga integral de Shri Aurobindo. O Pranamaya Kosha consiste em nossos impulsos vitais da sobrevivência, da reprodução, do movimento e da self-expressão, principalmente sendo conectado aos cinco órgãos do motor (excretor, urinário, genitais, os pés, as mãos, e órgão vocal).    

              Uma pessoa com uma natureza vital forte se tornará proeminente na vida e pode imprimir sua personalidade no mundo. Aqueles com uma energia vital fraca o poder realizar-se muita tardia e ou de pouco efeito em cima da vida, geralmente estando em uma posição subordinada.

O Pranamaya, entretanto, é importante para o trajeto espiritual é muito diferente do vital egoístico ou desejo orientado. Deriva sua força para as praticas espirituais que necessita de determinação e do poder pessoal. Na mitologia Hindu este Prana mais elevado é simbolizado pelo Sita-Rama, pode tornar-se tão grande ou pequeno como deseja, pode superar todos os inimigos e obstáculos, e realiza milagres com a energia vital, a curiosidade e o entusiasmo na vida junto com um controle dos sentidos e dos impulsos vitais realizam com aspiração elevadas.

 

Os cinco Pranas

O Pranamaya Kosha é composto dos cinco Pranas. O Prana preliminar divide-se em cinco tipos de acordo com seus movimento e sentido. Esta é a base da terapia ayurvédica e do o pensamento de hindu.

 

Prana

Prana, literalmente “o ar que move para diante, governa a recepção de todos os fluxos vitais: a ação de comer o alimento, de beber da água,  da respiração, à recepção de impressões sensoriais e de experiências mentais. É propulsor na natureza, ajustando coisas no movimento e guiando-as. Fornece a energia básica que nos dirige na vida.

 Apana

 

Apana, literalmente o “ar que se afasta,” move-se para baixo e para fora e governam-se todos os caminhos da excreção e da reprodução (que tem também um movimento descendente). Governa o a eliminação do bolo fecal, da urina, expele o sêmen, líquido menstrual e o feto, e o dióxido de carbono através da respiração. Em um nível mais profundo governa a expressão das experiências sensoriais, emocionais e mentais negativas. É base de nossa função imune em todos os níveis.

 

Udana

Udana, literalmente “o ar ascendente,” os movimentos para cima e os movimentos qualitativo ou transformativo da vida-energia. Governa o crescimento do corpo, da habilidade de estar, do discurso, do esforço, do entusiasmo e da vontade. É nossa energia positiva principal na vida com que nós podemos desenvolver nossos corpos diferentes e evoluir na consciência.

 

Samana

Samana, literalmente “o ar balançando,” movimentos da periferia ao centro, com uma ação de discernindo. Ajuda na digestão em todos os níveis. Trabalha no intervalo gastrointestinal para digerir o alimento, nos pulmões para digerir o ar ou absorver o oxigênio, e na mente para homogeneizar e digerir experiências, seja sensorial, emocional ou mental.

 

Vyana

Vyana, literalmente “o ar circulante externo,” move-se do centro para a periferia. Governa a circulação em todos os níveis. Move o alimento, a água e o oxigênio durante todo o corpo, e mantém nossas emoções e pensamentos que circulam na mente, dando o movimento e fornecendo a força. Ao circular assim ajuda a todos os outros Pranas em seu movimento.

 

              Os cinco Pranas são as energias que se distribui dentro dos tattwas em diversos níveis.

Prana Vayu governa o movimento da energia da cabeça para baixo que é o centro Prânico no corpo físico.

Apana Vayu governa o movimento da energia para baixo ao chakra da raiz. Samana Vayu governa o movimento da energia da parte traseira inteira do corpo. Vyana Vayu governa o movimento da energia para fora do corpo inteiro. Udana governa o movimento da energia do até a cabeça

              O Prana governa a entrada das substâncias. Samana governa sua digestão. Vyana governa a circulação dos nutrientes. Udana governa a liberação da energia positiva. Apana governa a eliminação.

              Isto é bem como o funcionamento da engrenagem de uma máquina. O Prana traz o combustível, Samana converte este combustível em energia, Vyana circula a energia aos vários locais da engrenagem. Apana libera os detritos ou produtos do processo da conversão. Udana governa a energia positiva criada no processo e determina o trabalho que a máquina pode fazer.

              A chave à saúde e ao bem estar é manter nosso Pranas na harmonia. Quando um Prana se torna inaceitável o outro tendem a tornar-se desequilibrado também porque todos são ligados um no outro. Geralmente Prana e Udana trabalham o oposto da Apana como as forças da energização contra aquelas da eliminação. Similarmente Vyana e Samana são opostos como a expansão e a contração.

 

Como o Prana cria o corpo físico?

              Sem Prana o corpo físico não é mais do que uma protuberância de massa, gelatinosa com vários membros e órgãos. Ele circunda pelas os canais ou Nadis, através de que pode operar e energizar a matéria bruta em vários tecidos e órgãos.

 

Prana Vayu cria as aberturas e os canais na cabeça e no cérebro para baixo ao coração. Há sete aberturas na cabeça, os dois olhos, as duas orelhas, as duas narinas e a boca. Estes são chamados de sete Pranas ou sete Rishis no pensamento Védico.

 

Udana Vayu ajuda o Prana a criar as aberturas na parte superior do corpo, particularmente a boca e órgãos vocais. A boca, apesar de tudo, é a abertura principal na cabeça e no corpo inteiro. Poder-se-ia dizer que o corpo físico inteiro é uma extensão da boca, que é o órgão principal da atividade, de comer e de expressão físicas.

 

Apana Vayu cria as aberturas na parte mais inferior do corpo, as dos sistemas urinário, genitais e excretores.

 

Samana Vayu cria as aberturas na parte média do corpo, aquelas do sistema digestivo, centrado no plexo. Abre para fora os canais dos intestinos e dos órgãos, como o fígado e o pâncreas.

 

Vyana Vayu cria os canais que vão às peças periféricas do corpo, dos braços e dos pés. Cria as veias e as artérias e também os músculos, os nervos, as junções e os ossos.

 

Em resumo, Samana Vayu cria o tronco do corpo (que é dominado pelo intervalo gastrointestinal), quando Vyana Vayu cria os membros. Prana e Udana criam as aberturas superiores ou os orifícios corporais, enquanto Apana criar canais externos.

 

Prana, entretanto existe não apenas no nível físico. O plexo é o centro vital principal para o corpo físico. O coração é o centro principal para o Pranamaya Kosha. A cabeça é o centro principal para o Kosha  Manomaya.

 

Prana e a respiração

Respirar é a principal função da atividade de Pranica no corpo. O Prana governa a inalação. Samana governa a absorção do oxigênio que ocorre principalmente durante a retenção da respiração. Vyana governa sua circulação. Apana governa a exalação e a liberação do dióxido de carbono. Udana governa a exalação e a liberação da energia positiva através da respiração, incluindo os sentimentos que alteram o movimento da respiração.

 

Prana e a mente

A mente tem também suas energias Pranica. Isto se deriva do alimento, da respiração e das impressões externas. Prana governa a entrada de impressões sensoriais. Samana governa a digestão mental. Vyana governa a circulação mental. Apana governa a eliminação de idéias tóxicas e de emoções negativas. Udana governa a energia, a força e o entusiasmo mentais positivos.

 

Em um nível psicológico, Prana governa nossa receptividade às fontes positivas do relacionamento, do sentimento e do conhecimento com a mente e os sentidos. Quando desequilibrado os desejos cria instabilidade emocional. Tornamo-nos insatisfeito e geralmente fora do contrapeso.

 

Apana em um nível psicológico governa nossa habilidade de eliminar pensamentos e emoções negativos. Quando desequilibrados gera-se depressões e nós começamos a sentir a obstrução com experiência desagradáveis que nos direciona para baixo na vida, fazendo-nos temíveis, suprimido e fraco.

 

Samana Vayu dá-nos o sentimento e o contentamento na mente. Quando desequilibrado Nos agarramos às coisas e tornamo-nos possessivos em nosso comportamento.

 

Vyana Vayu dá-nos o movimento livre e a independência na mente. Quando desequilibrado causa a desolamento, e alienação Nós somos incapazes de unir-se com os outros ou de permanecer conectados aqui e agora.

 

Udana dá-nos a alegria e o entusiasmo e as ajudas nossos potenciais espirituais e criativos mais elevados. Quando desequilibrados causa o orgulho e o arrogância. Nós tornamo-nos infundados, tentando ir à elevação e perder a trilha de nossas raizes.

 

Pranáyáma

              É uma técnica de exercícios de respiração, No Yoga Sutras, as práticas do pranáyáma e do ásana são consideradas as mais elevadas das disciplinas de purificação da mente e do corpo.

              As práticas produzem a sensação física de real calor, chamado tapas, ou o fogo interno de purificação. Este calor é parte importante no processo de purificação das nadis. No pranáyáma é focalizada a atenção na respiração e é conseqüentemente muito importante manter uma mente alerta, para os processos que estão sendo observados que são muito sutis. O único processo dinâmico do corpo é o ato de respirar. O Prana somente incorpora o corpo ao momento em que há uma mudança positiva na mente. Naturalmente, nosso estado da mente não se altera com cada respiração, a mudança ocorre sobre um período de tempo longo. Agora se praticar o pranáyáma você observará uma mudança da mente, pois significa que direcionou o prana através dos exercícios então as mudanças da mente podem ser observadas primeiramente em nossos relacionamentos com as pessoas.

 

5. MÉTODO

              A terapia corporal Indiana é aplicada da seguinte forma:

              É necessário preparar o cliente como em qualquer outra técnica de terapia corporal, como quiropraxia no intuito de realinhamento vertebral para que se possa aplicar este método. É de suma importância que as vértebras estejam realinhadas, pois ela será o canal de passagem energético do trabalho sutil e de insuflação de energia.

              A técnica da Terapia Corporal Indiana consiste em colocar o cliente confortavelmente na posição de decúbito frontal, com música suave, incenso e aroma no ambiente, luzes de tons azuis ou violáceas, para permitir a conexão de relaxamento. O terapeuta se colocará numa posição centrada de respiração rítmica procurando ao toque identificar a respiração do cliente, induzindo-o a um estado de respiração lenta e continuada até que a sintonia do cliente e do terapeuta esteja fluente. Depois deste momento as manobras são aplicadas em movimentos circulares dos pés em direção ao topo da cabeça e no momento em que for mudar a mão na posição do corpo, manter sempre a mão esquerda posicionada ao corpo do cliente para que ele não se sinta abandonado. Os movimentos são estritamente leves, apenas para que a energia possa fluir livremente pelos os canais sutis denominado de nadis. Feito isto sem perder o contato com o cliente, virá-lo para a posição em decúbito dorsal, trazendo a energia da mesma forma circulante em direção aos pés. As manobras poderão ser servidas de um óleo aromático constituído de rosa, sândalo e jasmim com o intuito de proporcionar a sutilização energética preparando a pessoa para a recepção do mantra que será entoada a seguir.

              Terminando as manobras o terapeuta se sentará ao lado do corpo do cliente sem perder o contato e com toques com as pontas dos dedos indicador e médio unido um ao outro sempre tocando o centro de cada chakra, insuflando os bijas mantras (semente dos chakra) até que venha se posicionar sentada em frente ao topo da cabeça do recebendo. Onde serão insuflados mantras dos elementos com a função de consagrar, ou seja, o cliente estará recebendo um deeksha (um fluxo energético divino de iniciação), findando esta etapa deverá induzir o cliente em relaxamento falado com música de fundo sempre levando a se reconhecer como ser perfeito.

 

CONCLUSÃO

              Esta terapia corporal não tem intenção de debelar desequilíbrios físicos e sim desequilíbrios energéticos que na verdade onde se concentra a verdadeira dificuldade do ser humano. Apos receber o deeksha da maneira corrente o cliente terá sido codificado no seu corpo espiritual e sempre será levado a ponto do seu equilíbrio, mesmo que nunca mais receba esta técnica. Mas para que isto ocorra serão necessários à aplicação de pelo menos 10 sessões para que o realinhamento dos chakras ocorra. Estamos acostumados com vicissitudes da vida, portanto enquanto não é absorvida a energia o chakra não se equilibra por isso a necessidade de repetições.

 

BIBLIOGRAFIA

  

El poder serpentino

Sir John Woodroff (Arthur Avalon)

Editora Kier

CHAKRAS – Centros energéticos de transformação.

Harishi Johari

Editora Bertrand do Brasil.

Em relação a Terapia Corporal Indiana – trabalho idealizado após curso com o Prof. Levi Leonel em 1983 – Rio de Janeiro.

Autor: : Celi Aparecida Coutinho - Terapeuta Holistica - CRT 21270
Última atualização: 28/06/2009 12:41


Vivência Tântrica

Vivência Tântrica

Ao encontro do coração e da prosperidade, assim como o equilíbrio da sexualidade e o fluxo da sensibilidade

 

 Celi Aparecida Coutinho - Terapeuta Holistica - CRT 21270

 

SINTE-SINDICATO DOS TERAPEUTAS – Holística 2009

 

SUMÁRIO

1. Introdução.

2. O que é Libido?

3.  Conhecimento sobre os elementos que se atinge no desenvolvimento do vivenciar.

4. O que é Vivência tântrica.

5. Método.

6. Conclusão.

7. Bibliografia.

  

I- INTRODUÇÃO

             

              A insatisfação por não produzir. O vazio por não saber amar ou não ser amado. O desejo que algo externo resolva a vida. Tudo se transforma em couraças. Onde o EU se esconde em manifestações de medo, timidez, agressividade, hipersensibilidade, improdutividade, egocentrismo. Ou ainda – “Eu sou o único” – “Sou o melhor” – “Sou eu que resolvo as coisas, ninguém faz melhor que eu” – “Eu sou festeiro e popular”. Esta última manifestação certamente é a pior forma de manifestar as couraças. Porque em algum momento do seu dia, vai se sentir exausto triste e solitário. “Não aceito falar de mim”, “Não vou transparecer o que sinto nunca, imagine!”

              “Nunca deixo saber o que sinto e penso, não quero que invada a minha individualidade!”

              Na verdade todas essas manifestações ou “qualidades” são fugas de si ou do mundo. É a dificuldade de apalpar a si mesmo, de si amar. Se você não se ama, não pode saber amar.

              Se você não se equilibrar não pode perceber rapidamente e sensivelmente a forma de ensinar a se equilibrar.

              Para o principio tântrico o equilíbrio e o desequilíbrio é um leela (jogo) uma dança no fluxo cósmico.

              Se você simplesmente dançar o leela acontece. Você vira a água nas tempestades. O vento no vendaval. A chama na fogueira.

De forma lúdica e sincrônica vivencia tudo aquilo que é natural em si. Você não pensa mais. Apenas sente ou simplesmente é.

              O EU SOU ou SO HAM passa a fazer parte em cada inspiração e expiração. Inspirar e expirar constantemente em sincronia com o que deseja fará com que se conclua. Basta ensinar a mente a simplesmente ser e não mais comandar.

              Descodificar a mente para que ela entre no leela cósmico é simples. É necessário dar à ela aquilo que não é metódico.

              Há de convir que desde 3 ou 4 anos da idade cronológica que sua mente aprende apenas a se defender de que:

“ “Isso não pode” - “Isso não deve” - “Seja homem” - “Seja educado no sentido formal” -”Seja rico para ser homem de bem” - Ou, pior ainda: “Quem ficou rico é inescrupuloso” ”.

              Para as mulheres: “Olha todos os homens são iguais” - “Homens não prestam”

              Para os homens: “Cuidado mulher é um bicho” – “Mulher é interesseira”

Em relação ao sexo então:

Mulheres: ”Sexo é proibido” – “Não seja sensual é feio” –

Homens: “Para ser homem precisa ser garanhão, se não deixará de ser homem”. Para as pessoas que estão na faixa entre 40 a 60 anos cronológicos é o sentimento que impera e comanda o mental, agindo de forma inconsciente e produzindo resultados negativos. E ai o insucesso é fatal em quase todos os planos da vida.

Enfim, infindáveis fórmulas chavões para o insucesso, o desamor, a timidez e a má relação consigo próprio. A mente codifica e lidera a frente da real sensação, desviando do verdadeiro caminho individual de simplesmente ser Natural – Integro e amável e feliz.

              Vivenciar as emoções aparentes e sentir o coração é um caminho lúdico e sensorial, produzindo a capacidade de aumentar o fluxo da intuição, aumentar o fluxo do sentir.

              Para isso basta utilizar-se das técnicas que o tantra propicia. Que álias, no ocidente muito bem elaborado através do contato popular com o OSHO.

              Eu me permeio através do Tantra matriarcal e antigo onde o fluxo feminino (Shakti) que é responsável pelo o espírito das realizações natural. Simplesmente SER e Vivenciar pelo o fluxo da libido.

 

2  - O QUE É LIBIDO?

              Vamos conhecer a real conotação da libido em relação à parafernália tântrica, tão confundida e mal interpretada pelo o ser ocidental e os ditos “tântricos”

              Fala-se em libido, entende-se sexo. Sexo é o significado principal e final apenas para aqueles que ainda não a entendeu ou para aquele que não sabe direcioná-lo e assim utilizar-se desta força encantadora e mágica.

              Libido é a mola propulsora para tudo que se pensa em sentir e fazer.

              A libido é uma energia pura incandescente no ser humano manifestada através do ato de sentir prazer.

              O prazer de comer em equilibro = saborear.

Mas em desequilíbrio entra em compulsão do comer porque essa forma de sentir é fálica.

              Libido organizada faz fluir o trabalho = Prazer - produz êxtase.

              Libido desorganizada = O trabalho não flui - não há energia propulsora.

              O prazer de amar ao tocar o filho, o coração treme. Porque o amor é puro e transcendente. A libido ai está presente no sentir, pois provoca êxtase, felicidade.

              O prazer de amar o sexo oposto, todos que se apaixonaram conhecem a libido se manifestando e é a forma que todos a identificamos.

              Mas libido é o calor na pele, sem está calor. É o arrepio de uma caricia. É o ouriçar dos pelos quando se emociona. É a alegria nos olhos. É ainda a lágrima nos olhos quando se ri gostoso. É ouvir uma música e se arrepiar. É perceber o nascer de uma flor e se sentir emocionado. É ver uma criança nascer e se emocionar.

              Quantos já desconhecem estas sensações? Se não sentem e não percebem isso, não pode mesmo perceber que a libido está além do tesão pelo o sexo oposto.

              Alias se não sentem isso, já não consegue mais sentir Excitação pelo o sexo oposto. Acabou a excitação por si.

              Vivenciar significa buscar isso dentro de si e por si mesmo.

              Perceber que ao respirar, a pele se manifesta, Ao dançar o corpo arrepia, apenas no sentir da música e bailar suas emoções numa dança de sensações, sem pensar. Somente sentir e reaprender a amar-se.

              A Libido movimenta a vida, a alegria, rejuvenesce e vitaliza.

              Onde está a libido?

              O tempo inteiro em você mesmo, basta um respirar profundo e ela se manifesta.

              Basta um carinho do sexo oposto e ela se manifesta – Conhecido por todos, não é mesmo?!

              Mas, se a música certa tocar também se manifestará. Quem aprende a conectar a libido, não ficará mais triste além do necessário. Porque saberá a medida exata do sentir.

              Aprendemos que as pessoas importantes na vida são nossas: meus filhos, meu homem ou minha mulher, minha amiga (o), etc. Puro exercício de ego.

              A libido direcionada de forma harmoniosa você saberá que deve apenas sentir e vivenciar. E que o conjunto de relações pessoais e interpessoais são feitas para interagir e não para possuir.

              Porque a única posse que de verdade temos é o “EU” esse sim possuirá os efeitos de tudo que permeia a vida. E a forma de manifestação no físico do EU é através do permear da libido que é energia pura e criadora.

              Criadora da prosperidade na forma plena da palavra.

              Esse é o verdadeiro passo para a abundância. E o verdadeiro “Tesão” pela a vida. Sem medo, sem pré-conceito, sem negações. Simplesmente viver poeticamente a vida.

Eu acredito piamente que o Ser passa pela a terra com a única função de vivenciar e sentir a abundância no leela (jogo ou dança) cósmico e na terra. Aprender lidar significa adquirir o nirvana. Ou seja, transcender a consciência através do coração.

              Abundância está em todos sem distinção de raça ou credo. É para todos aqueles que se permite.

             

3- Conhecimento sobre os elementos que se desenvolve na prática vivencial.

 

ANÁLISE SINTETIZADA DOS CORPOS HUMANOS.

                                                       

1- CORPO - Anna Kosha (corpo ilusório de alimento).

              É o nosso corpo físico grosseiro, constituído dos cinco órgãos dos sentidos: ouvido (som), pele (tato), olhos (visão), língua (paladar), nariz (olfato) e dos cinco agentes da ação: boca, genitais, mãos, pés e orelhas. Sua capa muscular, os nervos e ligamentos, bem como a sua estrutura óssea armazenam as tensões vindas dos corpos superiores, sobrecarregando alguns órgãos que sobrecarregam outros, numa cadeia de sintomas às vezes complexos. O corpo físico reage aos claramente através de movimentos, exercícios, danças e toques. Seu centro-realimentação está nas gônadas, portanto na área sexual, e seu estágio é o do mineral, dentro da natureza, como um todo, e seu oposto complementar é o olfato (narinas). Seu elemento é a Terra (ossos, dentes e unhas).                                                                                                                                                                                         

2 - CORPO - Prana Maya Kosha (energético etérico)

              É um corpo constituído de prana etérico, comanda os órgãos dos sentidos e contém os cinco sentidos sutis: éter, ar, fogo, água, terra aspecto prânico, energético. Alguns autores dizem que existem 300.000 canais que transportam prana, outros 72.000 que formaria o corpo etérico visível facilmente. Sua emanação energética vem das supra-renais próximos ao umbigo, e seu aspecto sutil, invisível, se relaciona também com os minerais. O corpo energético reage ao respiratório em geral, aumentando consideravelmente seu brilho externo ao corpo, com um pequeno número de exercícios de respiração. Esse corpo transmite as sensações dos corpos sutis para o físico, formando uma ponte de ligação entre as emoções e os músculos e nervos. Seu oposto complementar é a língua e o paladar. Seu elemento é a água.

 

3 - CORPO - Kama Maya Kosha (desejo)

              É o nosso corpo das emoções telúricas. O ponto central do corpo astral está no estômago (plexo solar) e sua irradiação sutil está relacionada com a vontade (volição) e com o desejo. Sua manifestação mais clara é o instinto, a reação reflexa, ou seja, é o órgão que se manifesta com um emocional expansivo e forte. “Ele irradia “nosso estado de espírito e é afetado pelo que vemos” o que os olhos não veem, o estômago não sente”. Está intimamente ligado com o pâncreas diretamente o sentido da visão. Seu elemento é o fogo e atua na combustão dos alimentos e reage ao desejo e à vontade.

 

4 - CORPO - Ananda Maya Kosha (felicidade)

              É localizado no centro cardíaco e é o nosso corpo das emoções afetivas e amorosas. É grandemente estimulado pelos vegetais superiores como legumes, verduras e frutas. O sentido do tato está intrinsecamente relacionado com o coração e se expressa de modo claro nas relações de empatia com outro. Seu elemento é o ar reage aos sentimentos em geral.

 

5 - CORPO - Manas Maya Kosha (conhecimento)

              O Manas (mente) se manifesta como intelecção e memória sendo essa a função desse corpo. Seu elemento é o éter que está relacionado com os ouvidos.

É um corpo que se manifesta no nível da garganta em seu aspecto mais sensorial a reage aos Mantras de “H” aspirados, como no Inglês de horse. Seu corpo é de manifestação sonora e, portanto, o som faz vibrar em ondas que vão do mental ao intuicional.

 

6 - CORPO - Jñana Maya Kosha (sabedoria)

              Este corpo se manifesta como sabedoria pura, percepção clarividente. Ele reage à ação contemplativa, após as vibrações da mente cessar. Reage ainda aos Bija-Mantra, e especificamente, aos sons nasalizados. É a sabedoria após o conhecimento.

 

7- CORPO - Buddhi Maya Kosha (corpo ilusório feito de intuição)

              É o mais próximo da mônada espiritual humana. Não tem som específico, nem reage ao toque, mas como é um arquétipo humano reage aos símbolos inconscientes tais como, os Mandalas ou Yantras e os Mula-Mantra, tais como o “OM”.

 

                                          OS SETE PLANOS e as suas cores

Podemos entrar em contato com cada plano vibrando na sua cor correspondente.

FÍSICO

1- PLANO - FILOSÓFICO - LIGADO AO CORPO FÍSICO - (MINERAL)

              É o plano mais denso que trata do material, do físico, é onde o indivíduo se relaciona com o outro através de atitude e postura física. Através desse plano, aprendemos a constituição do homem centenário, do macrocosmo e do microcosmo sempre por meios dos estudos ou da filosofia esotérica começando a compreender a história da evolução do homem.

COR AZUL - Representa a espiritualidade, a energia cósmica, dependendo da intensidade do azul ele sugere crescimento e evolução espiritual - mais intenso = a necessidade de contemplação serena, menos intenso = verificar os sentimentos descontrolados.

  

2  - PLANO - ARTÍSTICO - LIGADO AO CORPO ENERGÉTICO - VEGETAL

              É o plano onde começamos a perceber a energia vital, através de meditação das nossas próprias atitudes e organização dando-nos conta do mundo que nos rodeia. Por esse plano começamos a trabalhar o mundo das cores do som, da harmonia, do ritmo, e como eles afetam nosso corpo energético.

COR AMARELA - Muito positivo, significa sabedoria, representa um guia interior ou o nosso lado superior (eu) concretizando os nossos ideais, indica clareza e luz.

COR LARANJA - Maior energia, entusiasmo, juventude, alegria, favorece empreendimentos.

 

3 - PLANO - POLÍTICO - LIGADO AO CORPO EMOCIONAL - ANIMAL

              É neste plano que começa a evolução do homem, é através da razão que controlamos as nossas emoções, quanto menos oscilarmos o nosso corpo emocional, mais nos tornou estáticos. Não ser instável é ser um verdadeiro político e manipulador da energia da vontade. É através de leis e regras interiores que o mental controla o emocional e podemos através desse plano criar novas atitudes, nova cultura, nova civilização.

COR ROSA - Simboliza o amor, a afeição sem paixão (amor universal) significa proteção, traz insegurança, suavidade das emoções.

 

4 - PLANO - EDUCACIONAL - LIGADO AO MENTAL CONCRETO (HOMINAL)

              É o plano da meditação, e onde também atua a evolução do homem, este plano está muito ligado ao plano político. É onde educamos nossas energias através da meditação das próprias atitudes e organizações. Através desse plano estamos ligados a ciência da iniciação.

              O resultado do estudo e prática dessa ciência produz o verdadeiro homem consciente.

COR BRANCA - Simboliza a pureza da inocência e ingenuidade, é a cor da juventude, a pureza do coração e a simplicidade, traz a facilidade da transmutação de energia, equilibra as energias negativas. 

MENTAL

5 - PLANO - CIENTÍFICO - LIGADO AO MENTAL ABSTRATO.

              Este plano faz parte do plano mental que é ligado ao espiritual, sendo assim nós homens estamos ligados ao espiritual, sendo assim nós homens estamos ligados a seres superiores que nos enviam através de canais, todas as técnicas da ciência para que possamos atuar com mais perfeição em nossas vidas.

              Conseguimos compreender a ciência de vida e espaço (onde o outro começa e você termina), ou seja, mais sensibilidade, termos condição de entender as leis ocultas do cosmos, a lei da evolução e do Karma. É nesses planos que poderemos ajudar o outro com a ciência da sabedoria.

COR VERDE - Simboliza vida, fertilidade e criatividade, afinidade, diplomacia e adaptabilidade, regeneração.

  

6 - PLANO - INTUITIVO - LIGADO AO CORPO DA INTUIÇÃO

              Neste plano nós seremos mestres de nós mesmo, será o fim dos falsos mestres e profetas.

              Dentro deste plano teremos o contato com a hierarquia oculta, e a cooperação desses seres dentro do nosso trabalho de evolução pessoal. Teremos também total controle de nosso ego.              É neste plano que teremos o conhecimento da Nova Era.

COR VERMELHA - Simboliza a energia ativa em grande quantidade, fluxo da vida, vitalidade, traz o impulso da vida, a vontade de vencer, o poder.

  

7 - PLANO - INTEGRAÇÃO - LIGADO A CENTELHA DIVINA

              Neste plano teremos total controle das leis do físico. Sendo assim poderemos ter maior domínio sobre nós mesmos em relação ao relacionamento entre matéria e espírito, alma e personalidade. Seremos mais honestos com nós mesmos e assim estaremos mais harmonizados com o universo. A nossa canalização estará aberta com total integração com o cosmos.

COR VIOLETA - E a cor ligada a espiritualidade, traz o conhecimento e a magia, representa a consciência cósmica, representa a evolução interior com pleno conhecimento da realidade traz a sensibilidade e individualidade

 

KARMA

Karma é a lei de causa e efeito. Qualquer atitude tomada ou pensada cria uma reação na vida física ou na vida astral.

 

TIPOS DE KARMA

1 - Karma Individual - É quando você é totalmente responsável pelos seus próprios atos.

 

2 - Karma Familiar - quando os atos interferem nas atitudes das pessoas da sua família negativamente ou positivamente.

 

3 - Karma Coletivo - quando seus atos estão ligados a comunidade que você se relaciona.

 

4 - Karma Racial - parte da sua opção, que você teve antes de nascer, em ser branco, negro, vermelho, ou amarelo.

 

5 - Karma Nacional - Você nasce no país que melhor se adapta a sua missão, para que sua vida possa fluir melhor.

 

6 - Karma Mundial - Nós optamos nascer nesse planeta porque nosso padrão de consciência é o mesmo dentro da evolução desse sistema, e nossas atitudes particulares pode modificar uma atitude um planeta inteiro.

 

7 - Karma Universal - É quando nós já conseguimos obter uma consciência cósmica e nossas atitudes são todas voltadas pela Paz Universal.

 

SENSO DE RESPONSABILIDADE

              Em cada ação temos um grau de responsabilidade a cumprir.

              Responsabilidade - É a habilidade de dar uma resposta a si mesmo. A partir de agora seja responsável por si só. Voltando-se para dentro e repensando os seus atos.

              Para cada ação existe uma reação e você é o centro de sua vida. Tomar consciência do seu poder e criar as situações que vivem, é ser 100% responsável por si mesmo.

 

TIPOS DE RESPONSABILIDADE

              Em cada plano temos um tipo de responsabilidade a cumprir.

1 - Paciência: É a habilidade de suportar as primeiras mudanças do ego que causam ilusoriamente dor e sofrimento.

 

2 - PERSEVERANÇA - É a habilidade de se conservar firme e constante, permanecer sem mudar ou sem variar em cada atitude tomada mediante a um objetivo.

 

3 - SEGURANÇA - É a habilidade de estar confiante em si mesmo e na vida.

             

4 - GENEROSIDADE - É a habilidade de ir ao encontro das necessidades dos outros sem desperdício de tempo e matéria, é a disposição para compartilhar.

 

5 - TOLERÂNCIA - É a habilidade de compreender os motivos e pontos de vistas dos outros tão precisamente quanto possível, é o poder da supervisão.

 

6 - SENSIBILIDADE - É a habilidade de sentir as próprias necessidades e a dos outros, é uma grande virtude e desenvolve independência e desperta confiança em si mesmo.

 

7 - HUMILDADE - É a habilidade de se contrapor ao seu ego e vaidade e aparentar o que você é na realidade.

  

DHARMA - O CAMINHO PESSOAL

              Alguma de nossas emoções advém de registros/código, que chamamos cósmicos, e têm um princípio básico de inconsciência, e podemos colocar nessa lista as pulsões sexuais como uma necessidade imanente nos seres vivos de proliferação da espécie. O desejo sexual então, é o impulso genésico do ser vivo e é esse mesmo impulso que leva o homem e mulheres a se unirem na intenção inconsciente de procriarem, e estes impulsos acrescidos das intenções emocionais, também delineiam o caminho de uma pessoa (Dharma).

              Dizemos então, que todos estão onde devemos estar, onde precisamos estar, onde merecemos estar, pois nossa intencionalidade e nosso adhikara (índole, temperamento, caráter, dom inato) nos colocaram ali; havendo consciência do modo pelo qual trabalhamos nossas intenções, nos iluminamos e podemos traçar, então, qualquer caminho.

              O Dharma é o caminho, é o destino e é também o caminhante. O Dharma será concebido por aquele que se concentra no agora, aqui, usufruindo do ato de caminhar como a única meta, conquistando serenidade. Este caminhante saberá que não há nada a ser feito no futuro, um destino pré-existente a ele que deverá ser cumprido. Há sim, uma fatalidade das emoções, aquelas mesmas emoções que atraem certas desgraças pessoais, inexoravelmente; essas emoções que é traduzida como intencionalidade.

              Intencionalidade do ser humano depende de um fator muito importante, melhor dizendo, imprescindível, que é a relação com o outro indivíduo, outra sensação, outro desejo. Sem a reciprocidade de intenções inexistiram as relações interpessoais e, portanto, não haveria a possibilidade de crescimento pessoal e muito menos de estudo das próprias emoções e sensações. Seria impossível a percepção sequer da existência da intencionalidade.

 

O CORPO É O INCONSCIENTE HUMANO

              Todo ser humano é uma soma de adhikara mais comportamento personalizado. O Adhikara e a personalidade “marcam” o corpo de acordo com suas características, somando a esta herança genética, que engendra o corpo junto com aquelas emoções e impulso do caráter. Dessa interação nascem corpos saudáveis ou não.

              A saúde ou doença são balizamentos que o corpo cria para regrar a senda de seu habitante. Ele tem o código do adhikara de uma pessoa e sempre que essa pessoa mente para si mesma ou trai suas emoções profundas ou frusta-se consigo mesma, sem estarem conscientes desse fato, males físicos sobrevêm e tensões energéticas, nervosas e glandulares avassalam suas estruturas. Neste sentido dizemos que a doença é um bem maior, na medida em que ela tem a função de avisar, através do corpo, sobre a condição da emoção.

              O ser humano é dotado de seis diferentes consciências para se manifestar no seu ambiente vital, no seu eco sistema.

              Infraconsciência - é a consciência genésica, sexual, procriadora, mantenedora da espécie humana. Trata-se da atração magnética onipresente na vida das pessoas, traduzidas simplesmente em atração sexual entre os seres. Os principais pontos de tensão da infraconsciência são:

a) Impulsos genésicos, geradores, procriadores;

b) Rege todos os órgãos do sentido.

c) A expressão mais sutil em termos de fluidos corporais tais como sangue, linfa, hormônios, líquidos sinuviais, liquor espinhal.

d) A infraconsciência está ligada ao reino mineral e vegetal.

              A natureza por si só é regida pela a força que se traduz na fórmula vive melhor quem melhor pode viver e no estigma da força e esperteza. Por isso os homens competem em seu dia-a-dia chegando as raias da morte, porque ainda contém o código de defesa da vida contra o agressor. As pessoas ainda se sentem mortalmente feridas ao perder um lugar na fila, ou o troco a menos na padaria, etc. Essa agressividade ainda pode ser canalizada pelo processo civilizatório por simples falta de tempo. Algo nas pessoas as faz defender o que é delas às tapas, mesmo que seja apenas algumas moedas, transformando isso tudo em neuroses.

 

Subconsciência é responsável pela nossa contínua experimentação das nuanças do corpo energético que tem sua base no Chakra energético (Svaddhisthana). Veja as várias partes do indivíduo que são regidas por esta mente.

a) - Motricidade corporal: função motriz dos nervos e órgãos.

b) - Aprendizado reflexo de atividades automatizava;

c) - Está também ligado ao mundo mineral e vegetal;

d) - Seu centro físico são as supra-renais.

h) - Os órgãos dos sentidos.

              A subconsciência está ligada ao movimento corporal em si mesmo. Podemos exemplificar dizendo que uma criança aprenderá a andar sem ter uma imagem para se basear. Mas não falará uma língua a não ser que possa ouvi-la. São funções de diferentes consciências. A motricidade faz parte do código da subconsciência; o impulso de andar é infraconsciencial, mas a energia para criar o movimento e do subconsciente.

              O subconsciente está para a sensibilidade vegetal, ou seja, não permanece “estático” como o reino mineral, sob os influxos de tempos muito mais longos que as medidas de tempo do reino vegetal. Além disso, podemos dizer que o vegetal contém e organiza o mineral em seqüências sensíveis que contém os sentidos do tato, algo praticamente inexistente no reino mineral bruto. Portanto a sensibilidade táctil é uma capacidade muito afeita ao chakra energético, que seria a sede do subconsciente.

              A subconsciência é energia prânica, que em termos gerais pode ser manipulada e automatizada, em última análise, a força do “campo de energia” Esse deposito de energia (prana, Ki, Chi, orgônio), é uma inesgotável fonte de poder que é usada também para proceder as transformações, magnética através das mãos. Esse “órgão” energético está para o tato nos vegetais e tanto na visão como audição nos seres humanos, embora sua maior regência seja a sensibilidade tátil.

              Os desequilíbrios psíquicos do subconsciente - Todas as perdas de motricidade por traumas emocionais, medo, sustos, são relacionadas com essa mente. Os delírios generalizantes estão relacionados com perda mineral (coloca os pés no chão) e hipersensibilidade nervosa. Convém dizer então que toda a rede nervosa, que vai do cérebro à superfície da pele é a manifestação física da rede Pranica (ou nadis), os condutos do Vayu pelo o corpo. Isso equivale a dizer que as repetições de gestos do modo distorcidos e até esquizofrênico em vários graus e perda de consciência espacial por envelhecimento.

 

O INCONSCIENTE

              No inconsciente fica a sede das emoções e intenções do indivíduo. Provavelmente neste ponto, na altura do estômago, diafragma e tórax, fica os códigos do Adhikara aquele elemento sutil de discernimento do temperamento e da alma de uma pessoa. Além disso, podemos alinhar as seguintes organizações psíquicas que o inconsciente promove:

a) Todo o processo onírico (sonhos), vigília;

b) Emoções impulsivas raivas e pânicos;

c) Emoções de vontade, desejos;

d) O condicionamento social;

e) Psicose em geral;

f) Chakra solar e cardíaco;

g) Reações vegeto /animais.

h) Os órgãos em que atuam as energias inconscientes: fígado, baço, vesícula, pâncreas, estômago, duodeno, coração, pulmões, timo.

              O inconsciente está relacionado ao que chamamos corpo astral, portanto, invertendo, podemos dizer que o corpo astral é o corpo inconsciêncial. Nesta mente ocorrem os sonhos e os transportes para fora do corpo, tanto inconscientes como conscientes; as várias mensagens através dos sonhos são regidas por essa região corporal.

              As preferências, os medos, as raivas, prepotências, orgulhos, inseguranças, estão para esses chakras; o chakra cardíaco e os órgãos pulmões e coração viabilizam na emoção os impulsos e desejos, e no organismo prânico as energias dos cinco pranas que ficam então, vinculados ao inconsciente e de certo modo direcionados pelas emoções.

              As emoções são as impulsionadoras dos Vayu pela corrente nervosa eletro-magnético, corrente essa ligada aos rins e supra-renais. A hipertensão arterial é uma dessas confluências de tensão emocional inconsciente e bloqueio energético (prânico) subconsciente não raramente com a infraconsciência.

              O inconsciente é responsável pela automatização das sensações, ou seja, essa mente cuida para que o indivíduo tenha uma espécie de condicionamento, para dar a resposta emocional esperada de um indivíduo social.

              Por isso dizemos que são chakras dos reflexos condicionado social, onde as pessoas agem sentindo certas emoções reais.

              Nossas mentes podem assinalar o reflexo condicionado do amor “que tem de ser de tal modo”, para corresponder as necessidades do processo civilizatório.

              Grande parte do amor que o indivíduo sente, na verdade está relacionado apenas com as condições necessárias para sobrevivência, seja moral (religião, justiça social), ou afetiva (matrimônio, filiação, economia). O amor verdadeiro não viria, então, mesclado de nenhuma necessidade ou receio, por isso não se condiciona a nenhum modelo político, cultural ou econômico. Esse amor é quase impossível, porque é absolutamente revolucionário e incompreensível para as forças do ego inconsciente, subconsciente e infraconsciente.

              Neuroses e psicoses do inconsciente - relacionados entre homens e mulheres, afetivo/sexuais, são extremamente bem assentadas no plano inconsciente. É nessa mente que a pessoa, por condicionamento sócio-econômico-cultural, força a si mesma a fazer certas ligações afetivas, amorosas, filiais, paternais, maternais, fraternais, sem estarem sendo honestas consigo mesmas e com o outro. São as relações constituídas de fachadas tão bem arquitetadas, que a mãe e o pai, se sentem responsáveis até a própria morte, por passarem essas “verdades” aos filhos.

- Neurose de eficiência num trabalho, escolhido por modelos financeiros e não emocionais.

- Conflitos entre os objetivos da pessoa e os objetivos das organizações/ emprego, nação, etc.

- Excesso de objetivos, objetivos inalcançáveis, objetivos imprecisos, competição. Atingir certos objetivos e ficar na incerteza de que fez o melhor possível.

- Casamentos que não satisfazem necessidades inconscientes, mas permanecem sendo mantidos por condicionamento amorosos sociais.

- Angustia de ter uma família ideal, sonho do paraíso social.

 

CONSCIÊNCIA

              É uma parte que responde e processa o resultado das aquisições das outras mentes ou consciências e das 10 percepções humanas. Percebe-se então que os sentidos dão informações que a consciência usa para sua própria ampliação e percepção; a consciência não está em nenhum momento separado das 3 primeiras emissões mentais.

              A consciência está para a intelectualidade e a razão; vamos ver como se desenvolvem suas várias atuações:

a) A mente consciente atém-se aos resultados das outras 5 mentes racionalizando-os e arquivando-os para uso em momento oportuno.

b) - Está dirigido para a intelecção, o entendimento;

c) - É analítica, faz aferição.

d) - Situa-se no chakra laringe.

e) - Os órgãos regidos pelo chakra laríngeo (cognição) são: tireóide, cordas vocais, cérebro, laringe, úvula, dentes.

              Através da mente consciente analisamos e entendemos certas ações que podemos automatizar com o sub e o inconsciente desde que a emoção se satisfaça plenamente com a mudança. A emoção aqui lembrada se refere às sensações do adhikara, que jamais se acalmam se não foram satisfeitas. A partir de então passam a ser subconscientes e inconscientes.

              A consciência trabalha com duas memórias simultâneas. A primeira é ativa, portanto útil e fluida, pronta para uso imediato e faz parte daquele conjunto de lembranças que uma pessoa tem e que foi tocada pela emoção profunda, despertando interesse em guardá-la como algo prazeroso ou o mínimo necessário para o seu processo de vida.

              A segunda memória é passiva, contendo dados inúteis para o indivíduo, na medida em que dificilmente serão evocadas por não terem tocado com profundidade a emoção.

              Sendo assim, quase nunca vêm à tona do consciente porque nem sequer foram adquiridas e armazenadas sob a influência e a força do interesse emocional genuíno, íntimo, agradável.

              Esta última só passará a ser uma memória atualizável se o indivíduo, por uma situação qualquer, tiver na emoção essa necessidade, e somente depois de uma seqüência de lembranças muito bem relacionadas entre si que leve a pessoa a emocionar-se com aquele dado quase morto.

              Por isso dizemos que a memória é emocional, a emoção é que se lembra e não o cérebro. O cérebro é frio, é cálculo puro. O coração sente através das emoções que “viu” no banco de recordações.

              A memória depende do que o indivíduo gosta, pretende, intencional, anseia, necessita, portanto, depende das emoções.

              Uma pessoa perde a memória e às vezes fica tentando recuperar lembranças que nunca foram verdadeiramente importantes, e há casos onde seria interessante não relembrar. O terapeuta deverá conduzir tais clientes a entender a verdade da emoção a respeito do que tenta recuperar na memória.

              A memória é emocional e só se manifesta plenamente na medida em que o indivíduo tenha se emocionado com os fatos a serem gravados nela, a ponto de impressionarem o inconsciente, subconsciente e infraconsciente.

              Mudando radicalmente de enfoque, podemos afirmar que um ato executado com real prazer desmorona toda a inverdade das emoções e, por conseguinte, ativa a memória, excepcionalmente. Memória é consciência; é resultado de verdadeira emoção de prazer no momento de captar a informação a ser arquivada.

 

SUPRACONSCIÊNCIA

              A supra-consciência está relacionada com a Buddhi, que é o Juiz Interno uma espécie  de juiz de todas as ações internas (intenções) corroborando tudo que “ouve” ou “sente” com o verdadeiro caráter (adhikara) do indivíduo (Jiva). Não se trata “superego” social de acordo com o modelo freudiano, e sim, de um superego muito sutil, que conhece todas as necessidades do caráter daquele ser. Como é uma parte da pessoa, ele cria os conflitos pela simples presença da emoção, do dia-a-dia, que não corresponde de verdade aos legítimos e íntimos anseios daquele ser. Vejamos em itens qual é seu alcance.

a) A supra-consciência é a Buddhi (vide em filosofia mais detalhes sobre sua atuação);

b) Trata-se da qualidade de compreensão (entendimento foi estudado em consciente);

c) Testemunho absolutamente imparcial consigo próprio;

d) Intuição pura, sutil, espiritual; juízo do ego.

e) localiza-se no chakra ajña; hipofísico, hipofisiário, 3- olho;

g) Seu guna é sattva - padma, de cor amarela, dourada ou rosa;

h) compadecimento e percepções espirituais.

              As percepções da supra-consciência assemelham-se a um “advogado do diabo”, porque ao fazer o julgamento das emoções, e do quanto elas são honestas com o adhikara, o resultado sempre será ananda (felicidade), se coincidirem exatamente. No entanto o que se observa comumente é o acontecimento do klesha (dores); um estado de desequilíbrio que sobrevém às pessoas por estar realizando seu adhikara.

              A supra-consciência é camada de mestre interno por algumas seitas e grupos filosófico. Por motivos que se perdem no tempo, é chamada de anjo-da-guarda, um “ser” interno, protetor e evanescente, invisível e perceptível ao mesmo tempo; às nomenclaturas adotadas para explicá-la, a supra consciência é divina, deificada; está acima da mente consciente e é imparcial.

             

MAHACONSCIÊNCIA

                            A mahaconsciência é a consciência de unidade com o todo e tudo, e tem nomes diferentes em culturas diferentes; é a Consciência Crística entre os cristãos, a consciência búdica entre os budistas, Purusha no Samkhya.

              Essa consciência Shiváica, ao ser percebido, dá a sabedoria total. Quando ela se manifesta o Dharma e o karma é absolutamente resolvido, tornam-se um só. Vejamos os itens a seguir:

a) - O Mahaconsciência é Shiva/Purusha;

b) - Com sua manifestação ocorre a plenitude do adhikara;

c) - Dharma e karma tornam-se um só;

d) - Quietude existencial;

f) - Ação pura, sem rajas;

g) - Rajas e tamas ficam iluminadas;

h) - Há predominância do sattva shukla, branco.

              No mahaconsciência há a predominância do guna sattva de cor branca, relacionada com a imparcialidade, desapaixonamento e desinteresse pelos movimentos da matéria; é pura seidade, pureza, quietude, plenitude e consciência.

 

O que é vivência tântrica?

 

Vivência tântrica é uma forma lúdica de sentir e perceber as emoções e, portanto, é uma técnica de terapia corporal feita através da indução em movimento com a intenção de que ocorram desbloqueios em nossas couraças que são causadas por desequilíbrios emocionais advindas do campo da sexualidade, ou seja. Quando você pensa em sexo o que ele representa para você? Apenas uma satisfação biológica indispensável. Apenas feito por amor. Apenas feito para procriação. Apenas feito por fazer. Ou ele nem se quer existe em sua vida, ou está existindo somente em suas fantasias.

Você já percebeu até aqui que uma vez que a Libido organizada – a sua vida poderá ficar equilibrada. Como?

Tomando consciência de que você em primeiro lugar não é feito somente de carne e osso, e sim de um corpo espiritual, um corpo mental, um corpo emocional e que todos residem num espaço físico denominado de corpo humano. E que este corpo físico é a resposta de tudo que você sente, pensa e vê ao seu redor. Já percebeu também até aqui que não provemos a nossa vida em todos os sentidos, porque não provemos uma boa sexualidade.

Aqueles que não estão provendo a vida transportam para a sexualidade a impotência do prover, como impotência sexual. E as mulheres resultam na frigidez. E ou o oposto.

Este fluxo nos diz como devemos delegar a nossa libido, mas os conceitos sociais, profissionais, nos fazem interpretar de forma enganosa, deixando assim de perceber a essência da vida que deriva de uma sexualidade plena e saudável. Ter o tesão pela a vida deriva de ter uma libido organizada. Porque quando estamos felizes produzimos mais intensamente, a cabeça trabalha de forma mais livre e tranqüila delegando nossas energias para os campos direcionados de forma certa. Saberemos compor o trabalho, o estudo, a família, o relacionamento de maneira tranqüila. Mas será que isso implica em somente fazer sexo, que tudo isso se resolve, não significa estarmos sensual e sensorial. Ah, como assim?

O sensual significa estarmos apaixonados em primeiro lugar por nós mesmo. O sensorial é poder transcender a nossa libido para executarmos os nossos prazeres, incluindo o sexo.

A prática da vivência vem ao encontro deste reconhecimento interior, feita através de indução com a musicoterapia e exercícios respiratórios (pranáyáma) buscando os padrões de energia que estão em desequilíbrio colocando-o consciente no momento da vivência aprendendo a moldá-lo na prática em si, proporcionando então um diálogo com suas próprias dificuldades trabalhadas e vivenciadas em grupo.

A vivência fará com que você reviva a sua sensualidade, ficando mais sensorial na medida em que houver a prática, preconizando a retirada da ansiedade, rejeição, insegurança, timidez, etc. E substituindo por movimentos lúdicos que proporciona êxtase e felicidades.

 

MÉTODO

 

O Vivenciar não há como explicar tecnicamente, mas se desenvolve através do fluxo de um grupo ou de um momento individual.

Cada grupo vivencial é uma energia única.

I – passo: O trabalho normalmente se inicia com uma meditação dinâmica que flui através de respirações alteradas e acopladas ao movimento proporcionado pelo o som de uma musica dinâmica, que produzirá limpezas das emoções contidas no emocional.

II – passo: Indução de uma técnica que proporcione novas emoções promovendo um renascimento.

III – técnica indutiva para reconhecimento do Eu, e as mais comuns são Ekagrata - visualizações, através de um espelho, visualizar Mandala, ou simplesmente no olho do outro. Permitindo identificar as emoções que estão inseridas no contexto do EU e do outro. Formando um reconhecimento, identificação e sintonia com o próprio Ego.

IV – passo. É induzido a um tipo de técnica que envolva toques no contexto de técnicas corporais. Para que desperte o fluxo original da libido.

V – Finalização do sistema vivencial em grupo.

 

Conclusões

              Se utilizar de método vivencial como foi possível perceber até então é uma forma de brincar com a mente fazendo-a a ficar em segundo plano. E simplesmente sentir e permear a vida através do leela cósmico.

              Se permitir ser feliz. Aprender a usar as ferramentas corpóreas e que divinamente nos foi concedido. Tomar conscienciência de que somos além de ossos, veias, sangue, músculos, órgãos, etc. Que as sensações e intuições são as ferramentas reais e mais importantes que induzem ao coração e expande a consciência para Ser e está Feliz.

 

Bibliografia.

Eu até então desconheço bibliografia sobre sistema vivencial tântrico.

Aqui está um trabalho desenvolvido através da minha experiência em vivenciar e transmitir vivências.

Autor: : Celi Aparecida Coutinho - Terapeuta Holistica - CRT 21270
Última atualização: 22/07/2009 13:53


BA ZI - PILARES DO DESTINO - Astrologia Chinesa

BA ZI - PILARES DO DESTINO 

 Astrologia Chinesa

 

 Karen Andreza da Silva -CRT 37980 - Terapeuta Holística 
SINTE – SINDICATO DOS TERAPEUTAS –  Holística 2009

 

 

  “Para alcançar o conhecimento, acrescente coisas todos os dias. Para alcançar a sabedoria, remova coisas todos os dias.” (Lao Tse) 
 

Dedicatória 

Dedico este trabalho àquela força que impulsiona, preenche e domina, de muitos nomes e que poucos entendem, para uns força Maior, para outros DEUS.

 

Agradecimentos 
 Meus agradecimentos ao meu marido Alexandre de Oliveira Baptista pelo apoio e incentivo, à minha irmã pelo incentivo e por acreditar em mim, à minha filha Sarah, pela paciência, aos meus gurus e mestres, pelas informações e desfechos.

  

Sumário:

1 – Qi

2 – Wu Xing - 5 transformações do Qi

3 - 10 Troncos Celestes e 12 ramos terrestres

4 - 60 binômios

5 - Estações energéticas

6 -Constituição energética dos meses

7 -Cálculo do Acerto da Hora

8 - Cálculo dos 4 pilares do destino

9 - os 10 deuses

10 - combinação de tronco

11 -relacionamento entre os 12 ramos

12 - Deuses e demônios.

13- Resultados

14- conclusões

15 – Referências Bibliográficas

 

Resumo  
 

Nesta palestra serão pinceladas o que são os 4 pilares do destino, como calculá-los e quais os benefícios que este sistema poderá proporcionar tanto aos pacientes, clientes, enfim a comunidade a ser atendida, quanto aos terapeutas em geral que terão uma ferramenta a mais no tratamento dos diversos sintomas de desequilíbrio energético e físico que poderão ser lidos pelos 4 pilares do destino.

Mais uma vez temos a certeza de que o bem-estar físico de uma pessoa é a soma de diversos elementos energéticos que se inter-relacionam e dão uma resposta positiva. Quando não há o bem estar, concluímos que há um desequilíbrio entre esses elementos, com os 4 pilares do destino é possível ler este momento energético de cada pessoa. 
  

Introdução 

Os Quatro Pilares mostram os prós e os contras da sua constituição energética, a força ou fraqueza dos meridianos de energia e o seu reflexo no corpo, alertando-o de tendências e doenças em potencial. Ele pode lhe indicar como buscar o equilíbrio dos 5 elementos por meio de atividades, hobbies, atitudes, esportes, alimentos, relacionamentos e terapias, que vão incorporar ao seu sistema os elementos que você tanto precisa para em equilíbrio e saudável. Daí a importância em compreender sua constituição e saber por qual momento energético você está passando, por qual momento energético o universo está passando. Nada pode ser feito em relação ao curso do universo, mas você pode fazer muito por você respeitando a sua constituição e o que ela pode ou não lhe propiciar, o que faz bem ao seu organismo e à sua vida como um todo.  

 

1 - O Qi (Chi) 

Conhecido como muitos nomes, pode-se resumir como um tipo de energia que permeia e nutre todos os fenômenos do mundo físico e extra-físico. É a vitalidade energéticas responsável por todas as manifestações de vida no universo. É dispersado pelo vento e retido pela água. Na matéria é o que edifica e coordena as moléculas.

O Qi em movimento é a interação perpétua entre o yin e yang. Contínuo processo de transformação. Somos todos produtos do Qi e estamos sujeitos a sua influência.

A Trindade chinesa é formada por:

- Qi cósmico (Tian Qi)

É o Qi que vem em direção à Terra, provém do Sol, Lua, planetas, estrelas e galáxias. Pode afetar o Qi Terrestre e até cancelar seu efeito.

- Qi humano (Ren Qi)

Determinado na primeira respiração do indivíduo. Qi forte que interage com o Qi da terra e Qi cósmico.

- Qi da terra (Di Qi)

Qi que viaja pelo solo (sobre e sob) se manifesta nas mudanças da topografia, vales, picos e montanhas, desertos, planícies, florestas e cachoeiras.

Para tudo é importante encontrar uma forma de combinar essa trindade em tudo o que fazemos. 

 

2 - WU XING – CINCO TRANSFORMAÇÕES DO QI 

Compreender como o Wu Xing flui é desvendar a linguagem da natureza.

Os 5 elementos estão ligados entre si, não devemos analisá-los isoladamente. Na visão ocidental temos 4 elementos (Fogo, ar, água e terra) e a relação entre eles é estática. Já na visão chinesa temos 5 elementos e a relação entre eles é uma constante transformação. 

Temos Três relações básicas entre os elementos: 

1 – Ciclo de Geração

Aqui um elemento gera o outro de forma cíclica. 

- Madeira gera fogo: Madeira alimenta o fogo.

- Fogo gera Terra: Quando a madeira queima gera cinzas e essas cinzas geram a terra.

- Terra gera Metal: A Terra produz o metal sob alta pressão e por um longo período de tempo.

- Metal gera Água: Metal, sob influência do fogo, derreterá e fluirá de forma líquida.

- Água gera Madeira: A água é alimento para as plantas. 

2 – Ciclo de controle

Aqui um elemento controla o outro energeticamente. 

- Madeira controla a Terra: raízes penetram na terra e se alimentam dela.

- Fogo controla o Metal: Fogo amolece ou derrete o Metal.

- Terra controla a Água: Terra controla o curso da água, a suja.

- Água controla o Fogo: Água esfria ou extingue o Fogo. 

3 – Ciclo de Domínio

Aqui o elemento dominado reage contra o dominador. 

- Madeira prejudica o Metal: Madeira pode esfacelar ou até mesmo quebrar o Metal e cega seu corte.

- Metal prejudica o Fogo: Metal pode extinguir ou sufocar o Fogo.

- Fogo prejudica a Água: Fogo evapora a Água.

- Água prejudica a Terra: Água pode lavar a Terra.

- Terra prejudica a Madeira: Terra alterará o caminho e forma das raízes. 

Existem outras relações possíveis entre os cinco Elementos: 

4 – Ciclo de Desgaste

Aqui o elemento gerado desgasta ou enfraquece o elemento gerador.

- Madeira desgasta a água: raízes chupam a água para as folhas que podem esconder ou guardar a água.

- Água desgasta o Metal: Água pode enferrujar o metal.

- Metal desgasta a Terra: Metal pode envenenar a Terra.

- Terra desgasta o Fogo: Terra pode extinguir ou sufocar o fogo.

- Fogo desgasta a Madeira: Fogo consome a madeira. 

5 – Ciclo Fortalecedor

Aqui dois elementos iguais fortalecem um ao outro. 

Os 5 elementos alimentam um ao outro, ao mesmo tempo em que controlam uns aos outros, gerando uma relação de interdependência e um equilíbrio dinâmico onde: 

- A Água alimenta a Madeira ao mesmo tempo em que apaga o Fogo e é bloqueada pela Terra.

- A Madeira alimenta o Fogo ao mesmo tempo que suga a energia da Terra e é podada pelo Metal.

- O Fogo alimenta a Terra ao mesmo tempo em que derrete o Metal e é apagado pela Água.

- A Terra alimenta o Metal ao mesmo tempo em que retém a Água e é sugada pela Madeira.

- O Metal alimenta a Água ao mesmo tempo em que corta a Madeira e é derretido pelo Fogo. 

As Cinco Transformações tem sua fundamentação em realidades astronômicas (Periélio e Afélio), não em leis do Meio ambiente. 

 

3 - OS 10 TRONCOS CELESTES 

Os 10 Troncos nada mais são do que os 5 elementos em suas polaridades Yin e Yang. Desenham assim o padrão do movimento do Qi Celeste. 

1 Madeira Yang, em chinês JIA

2 Madeira Yin, em chinês YI

3 Fogo Yang, em chinês BING

4 Fogo Yin, em chinês DING

5 Terra Yang, em chinês WU

6 Terra Yin, em chinês JI

7 Metal Yang, em chinês GENG

8 Metal Yin, em chinês XIN

9 Água Yang, em chinês REN

10 Água Yin, em chinês GUI 

Os troncos sempre são numerados em números arábicos. 

 

OS 12 RAMOS TERRESTRES 

Os 12 ramos desenham o padrão do movimento do Qi terrestre. Os ramos terrestres são numerados em algarismos romanos para não confundir com os Troncos Celestes. A associação dos ramos aos 12 animais foi feita através da lenda de que ao entrar em Nirvana Buda reuniu o reino animal. Por alguma razão somente 12 animais compareceram. Como recompensa, Buda nomeou os anos de acordo com a chegada de cada animal. Como o rato chegou primeiro, ficou com o primeiro ano, o búfalo com o segundo e assim sucessivamente. Claro que esta é somente uma lenda, ninguém sabe ao certo o porque dessa associação.

O fato é que os ramos são tão antigos quanto os troncos celestes, que davam seus nomes aos dias da semana, logo os chineses começaram a usar os nomes dos ramos terrestres para os meses. São eles: 

    1. Rato (Zi)
    2. Búfalo (Chou)
    3. Tigre (Yin)
    4. Coelho (Mao)
    5. Dragão (Chen)
    6. Serpente (Si)
    7. Cavalo (Wu)
    8. Cabra (Wei)
    9. Macaco (Shen)
    10. Galo (You)
    11. Cachorro (Xu)
    12. Javali (Hai)
 

 

O CICLO SEXAGENÁRIO DOS TRONCOS E RAMOS 

O encontro entre o Qi Celeste e o Qi Terrestre. Esse sistema de combinações é chamado de Ghanzi = Gan (Tronco) + Zhi (ramo). Ao combinarmos 10 Troncos com 12 ramos, matematicamente teríamos 120 combinações, mas isso não ocorre, porque os troncos formam dois grupos de 5, um dos 5 elementos na polaridade yin e os outros cinco na polaridade yang. Isso resulta em 5 x 12 = 60 combinações, que chamaremos de 60 binômios (alguns métodos chamas de 60 imagens ou 60 dragões).

M+

F+

T+

Me+

A+

 
 
Combina com
Rato

Tigre

Dragão

Cavalo

Macaco

Cachorro

  M-

F-

T-

Me-

A-

 
 
Combina com
Búfalo

Coelho

Serpente

Cabra

Galo

Javali

 

Logo, o binômio 1 é Rato de Madeira Yang (Jia Zi). Os anos são denominados pela combinação referente àquele ano, por exemplo 2004 – Macaco de Madeira Yang (Jia Shen). 

Essas combinações são usadas para meses, dias e horas. Isso pode parecer complicado, mas cada data traz informações importantes sobre a interação do Qi. Essa é a base de qualquer análise, seja para a astrologia Chinesa como para o Feng shui. 

 

4 - OS 60 BINÔMIOS 

A Análise dos 60 binômios é feita por meio da leitura vertical entre os elementos que compõe a estrutura de um binômio. Compreendendo a estrutura analisamos a força, o elemento predominante e a imagem gerada. Esse método é usado na análise de 4 pilares do destino, onde as imagens formadas indicam qual a missão a cumprir nessa vida (binômio do ano de nascimento) associada à imagem do binômio do dia de nascimento. Este método é usado para verificar se a pessoa está indo de encontro ao seu destino ou lutando contra ele. 

Tabela 7.4 

 

5 - AS ESTAÇÕES ENERGÉTICAS 

Algo que causa discussão entre os praticantes de Feng shui é a diferença entre os hemisférios Norte e Sul, nos cálculos e aplicações das técnicas tradicionais.

Um dos argumentos apresentados pelos que defendem a inversão dos cálculos é o clima.

Na realidade, quando nos referimos a estação em termos de Feng Shui e Astrologia chinesa, não estamos nos referindo à estação climática, mas aos ciclos cósmicos. Chamemos então de estações climáticas as 4 estações do ano: Primavera, Verão, Outono e Inverno. E chamemos de Estações Energéticas as 4 fases identificadas na relação Terra e Sol.

Como a cosmologia chinesa engloba 5 elementos e cada um desses 5 elementos rege a uma Quinta parte do ano, logo 365 dias / 5 = 73, cada elemento rege 73 dias no ano.

Cada uma das 4 estações (energéticas) do ano tem predomínio de um elemento:

Primavera – Madeira

Verão – Fogo

Outono – Metal

Inverno - Água 

A primavera energética corresponde aos signos de Tigre, Coelho e Dragão e também ao início do ano chinês que ocorre no mês do Tigre. Porque no mês do Tigre se o primeiro animal é o rato? Simpples, porque cada animal tem uma energia específica e a do rato é Água e água corresponde ao inverno energético, no mês seguinte que é o Búfalo esta água entra em declínio, para no mês do Tigre a Madeira brotar após o inverno. 

O Verão energético corresponde aos meses de Serpente, Cavalo e Cabra.

O Outono energético corresponde aos meses de Macaco, Galo e Cachorro.

O Inverno energético corresponde aos meses de Javali, Rato e Búfalo. 

Cada animal (ramo) corresponde a um mês solar, que inicia sempre quando o Sol atinge o 15° de cada um dos signos solares ocidentais. Reparemos que o Rato corresponde ao ápice do Inverno energético, o coelho ao ápice da Primavera energética, o cavalo ao ápice do verão energético e o galo ao ápice do outono energético. 

Como já devem ter reparado há 4 estações no ano e existem 5 elementos, não há uma estação associada ao elemento terra. Isso porque a Terra rege os 18 últimos dias de cada estação.

Lembremos da divisão:

365 dias do ano / 5 elementos = 73 dias para cada elemento.

Os 73 dias atribuídos ao elemento terra, se subdividem-se em 4 estações o que gera aproximadamente 18 dias em cada uma das 4 estações. Os dias do elemento terra é chamado de entre-estações.

Por isso os meses Dragão, Cabra, Cachorro e Búfalo são divididos em 2 partes. Os primeiros 12 dias são regidos pelo elemento predominante na estação. Os últimos 18 dias são regidos pela terra, sendo chamados de Entre-estações e marcam a transição de uma estação a outra. 

AS FASES DO CIRCUITO SEM FIM 

Os doze meses do ano, doze animais associados às estações energéticas, mostra que para filosofia Chinesa, o ciclo da vida se divide em doze partes: 

  1. Nascimento
  2. Crescimento – primeiro banho
  3. Adolescência
  4. Diploma – Exame
  5. Apogeu da Carreira
  6. Declínio
  7. Doença
  8. Morte
  9. Enterro – Armazenagem
  10. Desaparecimento total
  11. Embrião
  12. Desenvolvimento do embrião
 

Este mesmo ciclo rege toda a vida no Universo.

A energia nasce (fase 1), passa por duas fases de desenvolvimento onde ainda é frágil (fases 2 e 3), chega à fase 4, onde se prepara para atingir o ápice, chega ao ápice na fase 5, e como tudo que chega ao apogeu inicia o declínio na fase 6, adoece na fase 7, chegando à morte na fase 8.

Após a morte, a vida e o ciclo de nergia não terminam. A fase 9 representa a armazenagem da energia, a aglutinação da energia para ser devolvida ao cosmo, a fase 10 representa a diluição da energia na energia cósmica, a fase 11 o embrião, a fase 12 representa o desenvolvimento da energia embrionária. As fases 9, 10, 11 e 12 são consideradas momentos em que a energia está desaparecida, ou seja, não está presente da forma como a conhecemos. 

Logo, podemos marcar as fases do circuito sem fim para cada um dos elementos: 

MADEIRA 

Sabemos que o ápice da madeira é o mês do Coelho, fase 5, se numerarmos os meses seguintes dentro do ciclo temos: 

6, Dragão

7, Serpente

8, Cavalo

9, Cabra

10, Macaco

11, Galo

12, Cachorro

1, Javali

2, Rato

3, Búfalo

4, Tigre

Isso quer dizer que a Madeira nasce no Javali, está frágil no Rato e no Búfalo. Passa pelo pré apogeu no Tigre, tem o apogeu no Coelho, declínio no Dragão, está doente na Serpente, morta no Cavalo, armazenada na Cabra, desaparecida no Macaco, Galo e Cachorro. 

Seguindo este mesmo raciocínio para cada um dos outros elementos, teremos cada um dos elementos em uma fase diferente do circuito sem fim a cada mês, conforme tabela abaixo:

 

 

6 - ANÁLISE DA  CONSTITUIÇÃO ENERGÉTICA DOS MESES CHINESES 

 

No mês do Rato temos:

Agua na fase 5 – ápice;

Madeira na fase 2 – recém-nascida

Fogo na fase 11 – embrionária

Metal na fase 8 – morto 

Já no mês do Javali, temos:

Água na fase 4 – pré-apogeu

Madeira na fase 1 – nascimento da Madeira

Fogo na fase 10 – desaparecido

Metal na fase 7 – doente. 

Todo animal que inicia o mês tem resquício de terra da entre-estação, mas o Javali é um exceção, pois a Água na fase 4 é Yang no Javali e a terra que viria do cachorro não consegue se fixar exatamente por isso. 

As fases mais energéticas são: 

5 – apogeu

1 – nascimento

9 – armazenagem da energia

4 – pré-apogeu, fase de ascensão

6 – apogeu iniciando declínio 

Essas são as únicas fases capazes de se combinarem na formação da energia do momento.

Logo cada mês tem uma constituição dos 5 elementos cada um deles em uma determinada fase, quando estão nas fases 2,3,7,8,10,11 e 12, os elementos dessas fases são chamados de inoportunos, pois não possuem força suficiente para se manifestar. 

Considerando esses fatos, notamos que no mês do rato o único elemento com força para se sobressair é a água. O mês do rato é um mês puramente água, em fase 5 (apogeu). 

No mês do Javali, os únicos elementos com força para se sobressair são água (fase 4) e madeira (fase1). 

Vemos que o ramo, animal, nada mais é do que o nome dado a uma composição energética de força do ciclo sem fim, com uns elementos fortes para se fazerem visíveis e outros não tão fortes assim. 

Das fases mais energéticas 3 delas são particularmente importantes:

A fase 1 – nascimento

A fase 5 – apogeu

A fase 9 – armazenagem 

É como se essas 3 fases da energia representassem o ciclo de vida da energia, por formarem um ângulo de 120° entre si, formam uma combinação de triangulação. 

Por exemplo na triangulação da água temos:

O macaco, fase 1 do nascimento da água.

O rato, fase 5 do apogeu da água.

O dragão, fase 9 da armazenagem da água. 

E isso ocorre com os outros 4 elementos. 

 

7 - CÁLCULO DO ACERTO DE HORA 

Tendo por base o meridiano 0° de longitude que passa na Inglaterra e é conhecido como meridiano de Greenwich, os meridianos localizados à direita são Leste e à esquerda de Greenwich, Oeste. Cada meridiano ocupa 15°. O Brasil tem como meridiano oficial o 45° Oeste. Logo, estamos a 3 meridianos de diferença do meridiano 0°. A cada meridiano somam-se horas ou subtraem-se horas. À Oeste, subtraem-se horas e à Leste, somam-se horas.

A hora real não corresponde à hora local, mesmo porque não são todas as cidades brasileiras que estão localizadas no meridiano 45°. Assim temos que todas as cidades localizadas em longitudes maiores que 45° subtraem-se horas ou minutos do horário local, já quando possuem longitude menores que 45°, somamos horas ou minutos na hora local. 

Exemplo: Uma pessoa nasceu às 19h28min em Campinas, esta cidade está a 47°03´00´´, para saber a hora real neste caso devemos subtrair de 45°. 

Longitude oficial do Brasil 45°00´00´´

Longitude de Campinas 47°03´00´´

Subtraindo-se temos  - 2°03´ 

15° equivalem a 60 minutos

1° equivale a aproximadamente 4 minutos 

-2°03´ X 4 = -8 minutos e 12 segundos 

Agora basta subtrairmos da hora informada os minutos e segundos encontrados na conta para obtermos a hora real. 

19h28´00´´

00h08´12´´

--------------

19h19´48´´ 

Depois de encontrada a hora real, procuramos na tabela abaixo para sabermos a hora chinesa:

1 – Rato – das 23h às 01 h.

2 – Búfalo – das 01 h às 03 h

3 – Tigre - das 03 h às 05 h

4 – Coelho - das 05 h às 07 h

5 – Dragão - das 07 h às 09 h

6 – Serpente - das 09 h às 11 h

7 – Cavalo - das 11 h às 13 h

8 – Cabra - das 13 h às 15 h

9 – Macaco - das 15 h às 17 h

10 – Galo - das 17 h às 19 h

11 – Cachorro - das 19 h às 21 h

12 – Javali - das 21 h às 23 h 

No exemplo que fizemos a hora, 19:19:48 é a do cachorro.

Devemos nos preocupar em fazer o acerto de hora nos casos em que as pessoas nasceram nos horários limítrofes, caso contrário não haverá mudanças na constituição energética do pilar da hora.

Antes de iniciar os cálculos é importante verificar se houve ou não horário de verão no ano em questão, dentro do período de Nascimento da pessoa, caso positivo, subtraímos uma hora do horário de nascimento.

Período Out. Nov. Dez. Jan. Fev. Mar. Abr. Abrangência
1931-1932 03             Todo o Território
1932-1933 03             Todo o Território
1949-1950     01       16 Todo o Território
1950-1951     01   28     Todo o Território
1951-1952     01   28     Todo o Território
1952-1953     01   28     Todo o Território
1963-1964 23         01   Todo o Território
1965       31   31   Todo o Território
1965-1966   30       31   Todo o Território
1966-1967   01       01   Todo o Território
1967-1968   01       01   Todo o Território
1985-1986   02       15   Todo o Território
1986-1987 25       14     Todo o Território
1987-1988 25       07     Todo o Território
1988-1989 16     29       S/SE/CO/NE/Tocantins
1989-1990 15       11     S/SE/CO/MT/Bahia
1990-1991 21       17     S/SE/CO/Bahia
1991-1992 20       09     S/SE/CO/Bahia
1992-1993 25     31       S/SE/CO/Bahia
1993-1994 17       20     S/SE/CO/Bahia/AM
1994-1995 16       19     S/SE/CO/Bahia
1995-1996 15       11     S/SE/CO/BA/TO/AL/SE
1996-1997 06       16     S/SE/CO/Bahia/TO
1997-1998 06         01   S/SE/CO/Bahia/TO
1998-1999 11       21     S/SE/CO/Bahia/TO
1999-2000 03       27     S/SE/CO/NE/TO/RR
2000-2001 08       18     S/SE/CO/Bahia/TO
2001-2002 14       17     S/SE/CO/NE/TO
2002-2003   02     16     S/SE/CO/NE/TO
2003-2004 19       14     S/SE/CO/NE/TO
 

 

8 - QUATRO PILARES DO DESTINO 

Os 4 pilares do destino é uma forma de ler a interação da energia do universo. Cada instante é diferente do instante anterior, e há um Qi (energia) dominante. No momento da primeira respiração este Qi impregna a pessoa e terá um efeito sobre a vida da pessoa, sua personalidade, seus gostos e seu destino. Essa primeira energia é determinante na vida da pessoa, por isso usa-se o diagrama de nascimento, através do calendário solar, existem astrólogos que fazem pelo calendário lunar. 

O mapa é lido da direita para a esquerda, e a profundidade segue essa ordem também, do mais superficial ao mais profundo. 

Hora Dia Mês Ano
O íntimo

A sexualidade

Os subalternos

Os relacionamentos

As parcerias

O marido

Os parceiros

 
Os pais

O meio-social

 
O mundo

A Conjuntura

 

PARA CALCULAR OS 4 PILARES 

Escreva dia, mês, ano, hora e local de nascimento.

Exemplo: 11/04/65 às 11:45 hs em São Paulo SP

- Verificamos a Tebela de horário de verão e vimos que neste período não teve horário de verão.

- Encontremos a hora real, como é São Paulo SP, basta subtrairmos 6 minutos do horário, e temos 11:39 hs. 

1° Pilar do Ano 

Procuramos no calendário dos 10.000 anos ou na tabela fornecida o animal e elemento do ano de nascimento.

Ano 65 – Serpente de Madeira Yin 

2° Pilar do Mês 

Este pilar além de nos mostrar os pais, o meio social, nos mostra parte de nossa personalidade externa que pode ser enriquecida pela cultura e meio social.

No exemplo dado, é o 3° mês – Dragão de Metal Yang 

3° Pilar do Dia 

Antigamente era comum definir traços essenciais da personalidade de uma pessoa pelo pilar do dia, por isso esse pilar é o mais afetado pelo elemento sorte e pela referência das Xius, (estrelas fixas).

Para calcular este pilar basta sabermos qual o binômio do dia primeiro de janeiro, depois é só contar quantos dias se passaram do dia primeiro de janeiro ao dia de interesse. No caso, o binômio do dia primeiro de janeiro de 1965 é 1. Logo do dia primeiro de Janeiro ao dia 11 de abril de 1965 passaram-se 101 dias, este é o número de série do nascimento.

Ainda nos falta uma informação: a que número do ciclo de 60 binômios corresponde cada início do ano ocidental. Para isso segue a tabela com o número do binômio corresponde ao primeiro de janeiro de cada ano. Os anos em negrito são anos bissextos, aos quais deve-se acrescentar 1 à soma, caso a pessoa tenha nascido após 28 de Fevereiro. 

Tabela 12.2 

Vamos calcular o nosso exemplo, 11/04/1965

11/04 – 101° dia do ano

65 – em primeiro de Janeiro, 51.

101+51 = 152 / 60 = 2 resto 32 (O que nos interessa é o resto)

Binômio 32 = Cabra de Madeira Yin 

Tabela 12.3 

Cada binômio é associado a uma imagem, que muda a tônica da interpretação do mapa, por isso é importante o seu conhecimento. Mas este é um conhecimento para um curso mais avançado, onde é possível detalhar o significado de cada uma das imagens. 

No calendário dos 10.000 anos já temos estas contas todas prontas, basta procurar ano, dia e mês desejados. 

4° Pilar da Hora 

Neste pilar nos diz se o recém-nascido é ou não bem vindo na família, e a hora corresponde a parte mais íntima do ser de alguém, pode ser associado ao subconsciente. É a parte mais inviolável da personalidade. 

A hora chinesa equivale a 2 horas, a primeira parte da hora é a parte yang e a segunda é a parte yin. A hora real é a que vai ser utilizada, pois é a hora que de acordo com o local vai acentuar a qualidade Yin e Yang do mapa. 

COMO ESTABELECER O TRONCO CELESTE (ELEMENTO) DO PILAR DA HORA 

Para saber qual deve ser o elemento associado à hora chinesa, cruzamos o ramo terrestre (animal) da hora real, com o Tronco Celeste (elemento) do dia de nascimento. 

Por exemplo, Se o dia é Madeira Yang Rato

Hora: 19:19:48 – Décima primeira hora, que é a do Cachorro

Encontramos Madeira Yang, por isso, Cachorro de Madeira Yang 

Veja abaixo: 

Tabela 12.5 

 

9 - OS DEZ DEUSES 

Cada elemento no mapa tem um significado. O ponto de partida para a análise é o Tronco Celeste do dia e sua relação com os outros elementos que serão denominados de Deuses. O Tronco Celeste (Elemento) do pilar do dia é chamado de “EU” ou “MESTRE DO DIA”.

No Universo somos movimento, geramos algo.

Pois bem, o “EU” gera algo e esse algo é chamado de PRODUÇÃO.

Temos que a Produção é gerada pelo emento do “EU”, se tiver mesma polaridade é considerada Produção Justa e se tiver polaridade contrária é considerada Produção Injusta.

A Produção gera RIQUEZA, se esta tiver polaridade igual ao “EU” é Riqueza Injusta, polaridade diferente é Riqueza Justa.

A Riqueza gera PODER, se este tiver polaridade igual ao “EU” é Poder Injusto e diferente é Poder Justo.

O Poder gera SUSTENTAÇÃO, se tiver mesma polaridade do “EU” é Sustentação Injusta e diferente é Sustentação Justa.

Podem existir elementos IGUAIS ao “EU”, que serão chamados de PARALELOS, tendo a mesma polaridade do “EU” serão Paralelos Justos e com polaridades diferentes serão Paralelos Injustos. 

Tabela 13.1 

PODER 

Poder Justo (Zheng Guan)

Controle apropriado. O poder num mapa masculino representa a ambição e num mapa feminino representa o marido. Quando Yin e Yang se encontram nesta relação, mesmo se um controla o outro, é uma relação harmônica, é um controle com amor, como numa relação entre pais e filhos. Porém quando há um excesso de poder, mesmo se poder justo, pode se transformar num controle doentio e sua natureza de benéfica, passa a ser ruim, como no poder injusto. A ambição aqui é nobre, a pessoa se compara a ela mesma, quer se superar, e não aos outros. 

Poder Injusto (Pian Guan)

Controle excessivo, desmedido

Dois elementos iguais se repelem, há uma batalha, é como um tirano ou um governo ditador, o poder injusto é considerado um deus prejudicial. Se existe produção e essa produção consegue controlar esse poder, ele não consegue fazer mal, mas se não há produção o poder injusto passa a se chamar 7 demônios, e pode ser comparado à indisciplina, revolta, excesso de ambição, e com os fins justificando os meios. 

São pessoas realizadoras de grandes feitos, mas com muito poder injusto a pessoa não tem medida, a ambição está descontrolada, não sabe quando parar. 

Se o Poder Injusto não tem raiz, a pessoa pode ser a melhor, mas não consegue se manter, ou a pessoa pensa que é a melhor e quando descobre que não é pode se deixar abater seriamente, chegando ao suicídio. 

SUSTENTAÇÃO 

Sustentação Justa (Zheng Yin)

Ajuda, apoio na medida certa.

Amor, recursos, alento, possibilidade, apoio, suporte e conhecimento.

É como uma mãe que educa, sustenta e dá segurança ao seu filho, sendo bem dosado, é considerado um bom deus. Não é desfavorável à produção. 

Sustentação Injusta (Pian Yin)

Excesso de zelo, vira mimo.

É eficaz somente quando o “EU” é fraco, mas pode ser desfavorável à produção, já que a Sustentação controla a produção. É como uma mãe que não educa, deixando os filhos fazerem o que querem, mima demais, sustenta depois de adulto, etc. 

Em geral, Sustentação injusta é exagerada. Muita sustentação faz com que a pessoa ache que pode tudo, que não precisa de ninguém, SOMENTE poder ser favorável se o “EU” for muito frágil. 

RIQUEZA 

Riqueza Justa (Zheng Cai)

Num mapa masculino é a esposa. A Riqueza é boa para um “eu” forte, que pode controlá-la e tem energia de sobra para controlar suas oportunidades de ganho, já para um “eu” fraco é ruim, pois a riqueza sem controle passa a ser um prejuízo.

Riqueza com produção é dinheiro ganho com talento. Não importa muito se existe ou não produção, se o “eu” for forte e a riqueza estiver presente, pode tirar partido, não importando se é justa ou injusta. 

Riqueza Injusta (Pian Cai)

Tanto a Riqueza Justa ou Injusta pode ser bom, desde que o “eu” seja forte, como dito anteriormente. 

PRODUÇÃO 

Produção Justa (Shi Shen)

Carisma, atitude, aparência, o que mostra aos outros. Se o “eu” for forte ele se alia a produção e usam a energia para uma boa causa e ajudam a manter o equilíbrio energético da pessoa. A produção justa é utilizada para gerar riqueza e para controlar os 7 demônios (poder Injusto), mas não pode ser útil a não ser a um “eu” forte. 

Produção Injusta (Shang Guan)

Estratégia, talento, sabedoria, a produção controla o poder, ou seja, usando a produção você pode diminuir o controle dos outros sobre você.

Se o “eu” é frágil, ele é esgotado pela energia da produção. A produção injusta também pode gerar riqueza para controlar os sete demônios, mas sua capacidade de produzir e gerar não é tão boa.

Para drenar a energia do “eu”, a produção injusta é mais eficaz do que a produção justa.

A Produção Injusta denota um comportamento diferente, bizarro, muitos artistas são assim, e as pessoas com muita produção injusta podem agir de modo diferente ou serem mal compreendidas. 

PARALELO 

Paralelo Justo

Podem ser amigos ou concorrentes.

Se o “eu” é frágil tanto o paralelo justo como o injusto o auxiliam, os dois lhe ajudam a resistir ao poder e protegem o seu “eu” de ser drenado pela produção. Se o “eu” for forte, os dois trazem riqueza ao seu “eu” e drenam o poder. 

Paralelo Injusto

Concorrente, inimigo que leva a riqueza, já que o paralelo controla a riqueza. A diferença é que o paralelo justo é puro e bom, e o injusto é mal e impuro. 

Num âmbito geral, o paralelo para um “eu” forte indicam concorrentes e para um “eu” fraco indicam amigos que o apóiam e ajudam no trabalho. 

 

10 - COMBINAÇÃO DE TRONCO 

Esta combinação somente é válida se ocorrer entre pilares adjacentes. São simpatias entre os troncos celestes:

1 Madeira + se dá bem com 6 Terra –

2 Madeira - se dá bem com 7 Metal +

3 Fogo + se dá bem com 8 Metal –

4 Fogo - se dá bem com 9 Água +

5 Terra + se dá bem com 10 Água – 

Essas combinações presentes no mapa, podem gerar outro elemento que irão substituir os elementos combinados. 

Como a seguir, com exceção do pilar do dia, que tem regras diferenciadas. 

AS CINCO COMBINAÇÕES 

M+ e T- pode gerar T

M- e Me+ pode gerar Me

F+ e Me- pode gerar A

F- e A+ pode gerar M

T+ e A- pode gerar F 

Se no mapa existe essa combinação entre os pilares adjacentes, forma um elo muito forte entre os elementos envolvidos e o deus que cada elemento representa nesta combinação. 

Exemplo: Mulher nascida em: 05/04/1965 às 11 hrs. Em Juiz de Fora 

Hora dia Mês Ano
Me+ T- Me+ M-
Cavalo Búfalo Dragão Serpente
F- T- T+ F+
T- A- M- T+
  Me- A- Me+
 

Aqui a combinação se dá entre a M- do tronco do ano com o Me+ do tronco do mês.

O Metal nesse mapa representa a produção e a Madeira o poder. Indica que existe uma ligação estreita entre esses dois aspectos da vida dessa pessoa. 

Para saber se essa ligação vai ou não gerar a transformação, é preciso olhar se o produto da combinação está ou não presente no pilar do mês. Caso esteja presente, o elemento transformado adquire a polaridade Yin ou Yang do elemento no pilar do mês. 

Em nosso exemplo a combinação M- com Me+, poderia gerar mais Me, mas observamos que no pilar do mês não há mais Me, além do que está no Tronco fazendo a ligação. Logo, esta combinação não gera o elemento produto que seria Me, a transformação não acontece e os elementos permanecem como estão. 

Existem outros tipos de combinação que precisam ser citadas: 

A COMBINAÇÃO DO CIÚME

Hora Dia Mês
A- T+ A-
 

Como o mapa é lido da direita para a esquerda a combinação que ocorre é a Mês + dia. Aqui o Tronco do Dia representa o “EU” e se combina com a A- do Mês, mas existe uma tendência, uma intenção de se combinar com a hora. Se fosse um mapa masculino, o “eu” terra faz com que a Riqueza seja a água, e a riqueza representa as mulheres de sua vida, é como se o homem estivesse entre o amor de duas mulheres, ou que ama duas mulheres, a esposa e a amante. No caso duas mulheres disputassem ele. 

A COMBINAÇÃO DA CONCORRÊNCIA 

Dia Mês Ano
T+ A- T+
 

Aqui o homem em questão se apaixona por uma mulher já comprometida com outro homem. Neste caso existe a competição mas o “eu” sai perdedor, pois quem combina com a A- do Mês é a T+ do ano. A competição com paralelo mostra que perde a Riqueza para um concorrente ou amigo. 

Se a competição se faz por poder, cada vez que a pessoa batalha por promoção, o poder é perdido. Essa é uma combinação estruturalmente ruim. 

COMBINAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO ENVOLVENDO O “EU” 

Há regras a ser seguidas para saber se há ou não transformação:

- O elemento transformado tem que estar oportuno no mapa, isso quer dizer estar presente como raiz no pilar do mês.

- O mapa não deve ter paralelos, o pilar do dia não deve ter raízes.

- O elemento que controla o elemento transformado não pode estar presente como Tronco ou Raiz maior no mapa e nem no mês.

- O elemento transformado deve ter paralelos e sustentação.

- O binômio gerado da transformação tem que ser válido (se o ramo é yin, o elemento tem que ter polaridade yin). 

Para que uma transformação Terra aconteça existem 2 regras:

- O mês de nascimento tem que ser Búfalo, Dragão, Cabra ou Cachorro, ou ainda é aceitável os meses tigre, serpente, cavalo e macaco, por possuírem em sua formação o elemento terra.

- Não pode ter Madeira como Tronco ou raiz maior, com exceção do tigre, que em alguns casos é aceitável. 

Exemplo: 

Hora Dia Mês Ano
  M+ T-  
 

Como a terra do mês envolvida na combinação é yin, o ramo do mês deve ser yin também para que a combinação aconteça, além de ter terra em sua formação energética. 

Búfalo Dragão Cabra Cachorro Tigre Serpente Cavalo Macaco
Yin Yang Yin Yang Yang Yin Yang Yang
 

Dos animais que possuem terra em sua formação, somente Búfalo, Cabra e Serpente são ramos yin. 

Búfalo Cabra Serpente
T- T- F+
A- F- T+
Me- M- Me+
 

Como a Madeira não poderá estar presente no mês de nascimento, a transformação só ocorrerá se o mês for Búfalo ou Serpente, caso contrário, a combinação existe mas não gera Terra. 

 

11 - A RELAÇÃO ENERGÉTICA ENTRE OS DOZE RAMOS TERRESTRES 

- Combinação Triangular

Os 12 ramos terrestres dependendo de sua configuração energética podem ter entre si uma simpatia ou antipatia. Como já disse anteriormente os animais que estão nas fases 1, nascimento, 5 apogeu e 9 armazenagem de cada um dos 4 elementos, possuem entre si uma estreita ligação, chamada combinação triangular.

Num mapa este fato é lido pelos animais presentes. Eles são aliados da mesma energia e não precisam estar em pilares adjacentes. Se o ramo da fase 5 está presente, a pessoa pode ter somente mais um ramo da fase 1 ou 9 de determinada energia, para ter uma semi-combinação. Quando o ramo faltante chega com o pilar de sorte ou influência do ramo anual, a combinação está completa e ativa, e o elemento referente a esta combinação terá um peso enorme no mapa, que nada destrói essa combinação e a semi-combinação também é igualmente forte. Mesmo que um conflito chegue não destruirá esta combinação. 

Triangulação da Água – Macaco (fase 1), Rato (fase 5) e Dragão (fase 9)

Triangulação da Madeira – Javali (fase 1), Coelho (fase 5) e Cabra (fase 9)

Triangulação do Fogo – Tigre (fase 1), Cavalo (fase 5) e Cachorro (fase 9)

Triangulação do Metal – Serpente (fase 1), Galo (fase 5) e Búfalo (fase 9) 

- Combinação de direção

Quando nos pilares aparecerem os ramos referentes às direções norte, sul, leste e oeste, temos a combinação direcional, que podem ser: 

Norte – Javali, Rato e Búfalo.

Sul – Serpente, Cavalo e Cabra

Leste – Tigre, Coelho e Dragão

Oeste – Macaco, Galo e Cachorro 

Da mesma forma que a triangulação, esta combinação é igualmente forte e inquebrável por conflitos ou qualquer influência entre os ramos e troncos. Mesmo se houver meia-combinação de direção ela tem força e como na triangular, pode ser completada com a chegada do ramo faltante pelo pilar de sorte ou influência anual, potencializando o elemento presente. 

- Combinação entre os Ramos (animais) – pilares adjacentes

Aqui  somente dois animais se combinam como um casamento entre os ramos, mas um impede o outro de agir, como alguém que impede alguma coisa, tanto boa quanto ruim. Esta combinação é boa se ocorre entre dois elementos desfavoráveis no mapa, pois ambos ficam impedidos de agir. Somente é válida a combinação entre pilares adjacentes. 

- Conflitos entre os ramos (animais)

No caso de um combate entre os ramos, não basta saber as raízes dos animais, mas quando este combate se passa. Por exemplo, um conflito entre rato e cavalo no inverno, o vencedor é o rato, pois a raiz maior do rato é A e a água é forte no inverno.

De qualquer modo o vencedor ganha, mas se debilita.

No caso de um conflito entre dois ramos terra, o qi da terra desaparece e o elemento que vem à tona é o que está armazenado.

Se num mapa o elemento terra é ruim, é bom que haja este conflito entre a terra, assim ela desaparece e dá lugar a novos elementos.

Quando o conflito não é entre pilares adjacentes, há uma intenção de conflito que não se concretiza por conta do pilar que os separa. 

- conflito de Troncos 

A+ X F+

A- X F-

Me+ X M+

Me- X M- 

Os conflitos entre os elementos de mesma polaridade são muito mais fortes do que os de elementos de polaridades diferentes. Isso gera uma segunda complicação que são binômios de estrutura frágil. 

Como o rato e o cavalo estão em conflito, os elementos associados a eles também estão. 

- Lesões entre os ramos 

Lesão é uma briga gratuita. Por exemplo, o rato é casado com o búfalo, e como a cabra tem conflito com o búfalo, ela passa a não gostar do rato também.

A Lesão tem um peso menor na análise.

 

12- Deuses e Demônios

Tronco do dia Nobre Celeste Lu (prosperi-dade) Espada Inteligência Carruagem de Ouro Flor erótica
M+ Búfalo, Cabra Tigre Coelho Serpente Dragão Cavalo
M- Rato, Macaco Coelho Tigre Cavalo Serpente Cavalo
F+ Javali, Galo Serpente Cavalo Macaco Cabra Tigre
F- Javali, Galo Cavalo Serpente Galo Macaco Cabra
T+ Búfalo, Cabra Serpente Cavalo Macaco Cabra Dragão
T- Rato, Macaco Cavalo Serpente Galo Macaco Dragão
Me+ Búfalo, Cabra Macaco Galo Javali Cachorro Cachorro
Me- Cavalo, Tigre Galo Macaco Rato Javali Galo
A+ Coelho, Serpente Javali Rato Tigre Búfalo Rato
A- Coelho, Serpente Rato Javali Coelho Tigre Macaco
 

Verifica-se pelo “eu”, qual é o ramo e procura-se nesta lista. 

Nobre Celeste: Benéfico para quem possui, ele mostra de onde vem a ajuda quando a pessoa está em dificuldade.

- Se posicionado no pilar do ano a ajuda vem de longe ou pode ser de uma mudança.

- Se posicionado no pilar do mês a ajuda vem dos pais.

- Se posicionado no pilar do dia a ajuda vem do casamento, do parceiro e se há dificuldades no casamento sempre alguém ajuda.

- Se posicionado no pilar da hora a ajuda vem dos filhos ou de alguém que está sob seu comando, subalternos.

Se não aparece no mapa, pode ser que venha com os pilares de sorte, se isso ocorre, a ajuda dura enquanto o pilar de sorte durar. 

Prosperidade: Para um pilar forte, traz prosperidade, já num pilar fraco é ruim. 

Espada: Boa para dinheiro num mapa fraco, traz problemas físicos num mapa forte. É associada à violência e agressividade. Bom para quem trabalha com concorrência. 

Inteligência: Boa para exames e estudos em geral num mapa forte, num mapa fraco é debilitador. 

Carruagem de Ouro: Indica status. 

Flor Erótica – a Bela flor de Pêssego vermelha: Indica pessoas sexualmente atrativas e com fortes impulsos sexuais, numerosos relacionamentos. Charmosa, convincente. Pode ser um demônio, por indicar falta de disciplina sexual. Se o elemento for favorável será um deus, caso contrário um demônio. Se vier com os pilares de sorte, no período a pessoa estará mais sedutora. 

Ramo do dia Estrela do General Cobertura Elegante Cavalo do Correio Flor de Pêssego Roubo Morte
Macaco

Rato

Dragão

 
Rato
 
Dragão
 
Tigre
 
Galo
 
Serpente
 
Javali
Javali

Coelho

Cabra

 
Coelho
 
Cabra
 
Serpente
 
Rato
 
Macaco
 
Tigre
Tigre

Cavalo

Cachorro

 
Cavalo
 
Cachorro
 
Macaco
 
Coelho
 
Javali
 
Serpente
Serpente

Galo

Búfalo

 
Galo
 
Búfalo
 
Javali
 
Cavalo
 
Tigre
 
Macaco
 

Verificar o ramo (animal) do dia.

Estrela do General: Possibilidade de carreira política ou militar, indica facilidade de comando.

Cobertura Elegante: Traz tendência artística, filosófica e religiosa, leva as pessoas a viver num mundo irreal, tendências escapistas e elucubração.

Cavalo do Correio: Mostra viagens e mudanças freqüentes se for favorável, pode mostrar também negócios no exterior. Pode trazer aventuras em viagens, facilidade de meditação, projeção astral, etc.

Flor de Pêssego: Se está posicionada no pilar do ano ou mês, é a flor de pêssego interna, mostra bom relacionamento entre parceiros, marido e esposa. Pode ser ativada a partir do braço do ano para melhorar os relacionamentos.

Se posicionada na hora, chamada flor de pêssego externa, mostra relacionamento extraconjugal.

Roubo: Traz algo negativo, não necessariamente o roubo, mas ser enganado se for ruim no mapa, caso contrário a pessoa tende a enganar e trapacear.

Morte: Não indica forçosamente morte, nem acidente, indica grande capacidade de planejamento. Se desfavorável traz processos advindos do parceiro. 

Ramo do dia Solitária Abandono
Javali

Rato

Búfalo

 
Tigre
 
Cachorro
Tigre

Coelho

Dragão

 
Serpente
 
Búfalo
Serpente

Cavalo

Cabra

 
Macaco
 
Dragão
Macaco

Galo

Cachorro

 
Javali
 
Cabra
 

Tanto a Estrela solitária quanto a Estrela do Abandono querem dizer a mesma coisa. 

Prejudica os relacionamentos, pode indicar infortúnios em relação à família, como separação, viuvez ou abandono. 

 

 

13- Resultados

Os Quatro Pilares do Destino podem ser utilizados por acupuntores para encontrar os melhores horários de tratamento para seus clientes. Conhecer os horários de abertura dos vasos maravilhosos, fazer recomendações de alimentação, terapias auxiliares e hobbies para seus pacientes, assim como escolher o tratamento adequado não só ao paciente, como ao momento.

Terapeutas podem conhecer melhor previamente a reação de seus pacientes ao tratamento empregado e entender por que um tipo de tratamento funciona maravilhosamente em algumas pessoas e não em outras.

Terapeutas florais podem usar os Quatro Pilares do destino para entender melhor os bloqueios de seus pacientes. Por meio dos 5 elementos, podem escolher com melhor precisão a essência indicada à pessoa ou a influência momentânea pela qual ela está passando, sem depender apenas da narrativa de seus problemas por parte da pessoa tratada. Se você trabalha com saúde integral, Quatro Pilares do Destino é uma ferramenta perfeita para lhe dar as informações não só sobre a pessoa, seus problemas, suas fases de vida, mas também, e mais importante do que isso, lhe permite avaliar as fases pelas quais ela está passando, passou e passará, indicando o que fazer em cada uma delas.

Diversos sistemas astrológicos podem lhe dar informações comportamentais, de temperamento, falar de fases, mas os Quatro Pilares vão muito além disso, uma vez que indica ao mesmo tempo o problema e a solução. Essa parte do tema é  sub-dividida em módulos, que incluem cálculo, análise estrutural de relacionamento, de saúde, de alimentação, de potencial de trabalho, análise de fases, influências periódicas, recomendações de equilíbrio, etc. 

 

14- Conclusões

É um vasto conhecimento na arte astrológica chinesa, englobando vários aspectos da sabedoria chinesa, como meridianos de energia e chacras, e até mesmo podendo indicar uma alimentação que os 4 pilares do destino é muito mais fundamentada que a Astrologia Ocidental.

 

15- Referências Bibliográficas 

Sacramento, Silvia –  Instituto Ming Tang, Curso de Ba Zi

                  Anotações em aula, também foram consultadas.

Autor: : Karen Andreza da Silva -CRT 37980 - Terapeuta Holística
Última atualização: 28/06/2009 12:41


Relação entre Hapki-do, Acupuntura e Quiropraxia

Relação entre Hapki-do, Acupuntura e Quiropraxia

Song Un Kim - CRT 23108 - Terapeuta Holístico

Índice

Resumo

Introdução.

Material e Metodologia

Acupuntura

Discussão.

Conclusão.

Bibliografia. 
 

Resumo 

Relação entre Hapki-do, Acupuntura e Quiropraxia. 

  Hapki-do e uma luta Arte Marcial Milenar Coreana que utiliza pontos de Acupuntura para neutralizar os seus oponentes, também utiliza os mesmos pontos para tratar o desequilíbrio da energia utilizando vários métodos como: Acupuntura Sistêmica, Acupuntura Auricular, Quiro-Acupuntura, Quiropraxia (ajuste e realinhamento da coluna  e das articulações superiores ou inferiores e sua biomecânica comprometida), Moxa, Ventosa  e Terapia  Corporal como massagem.

E uma luta muito violenta e ao mesmo tempo muito delicada porque se atingir algum ponto de acupuntura com certa violência pode paralisar ou até causar traumas irreversíveis.

Os Coreanos encaram o Hapki-do e acupuntura na sua cultura tradicional, com muita naturalidade, pois faz parte do costume e folclore trazidos por gerações e gerações através de milhares de anos.

Quando alguém se machucava ou tinha algum problema de saúde, eles procuravam ajuda aos mestres de Artes Marciais, principalmente de Hapki-do. 

 
 

Introdução 

A Relação entre Hapki-do, Acupuntura e Quiropraxia.

O tema escolhido para holísticas 2009 foi demonstrar na pratica a relação de Hapki-do com as terapias orientais como Acupunturas, Terapia Corporal, Quiropraxia (ajuste e realinhamento da coluna  e das articulações superiores ou inferiores e sua biomecânica comprometida).

Realizei vários cursos de acupuntura e massagem com grandes Mestres internacionais nas Artes de Hapki-do.

Pode observar e aprender várias técnicas de manobras e alongamentos de Quiropraxia utilizadas por eles nos atletas em campeonatos. 

E também pelo fato de estar engajado em vários trabalhos sociais há muito tempo e com mais de 9000 clientes na carteira e trabalhando em varias entidades como Delegacia Geral, Delegacia da Mulher, Receita Federal, APROFEM (Sindicato dos Funcionários e professores Municipais de São Paulo),e neste ano começou a ser preparados em Hapki-do as Forças Armadas Brasileiras e Academia Kim. Observei que podemos ajudar na qualidade de vida e diminuindo sofrimentos físicos e emocionais.  
 

Material e Metodologia 

 

Há aproximadamente 4.500 anos, quando as pessoas começavam a viver em grupos, já  existiam sinais de defesa instintiva necessária para a sobrevivência, ir, defender e contra-atacar para proteger a si próprio e aos outros. Isso pode ser constatado pelos sinais deixados em cavernas da China e da Coréia.

Antigamente, a região da Coréia era dividida em três partes, entre elas a civilização SIN-LA que era a mais adiantada das três, por isso, foi lá onde começou uma infiltração cultural de origem Budista.

O SIN-LA era liderado pelo general KIM YU SIN que formou um grupo chamado HWA RANG-DO, que tinha por finalidade unir as três partes.

O HWA RANG-DO era um grupo de jovens doutrinistas que praticavam certo tipo de defesa, fanaticamente, com a finalidade de conseguir essa união e tinham como lema: 

-Amar a Pátria;

-Confraternização mútua;

-Não recuar um só passo na luta;

-Respeitar os pais e

-Ajudar os fracos. 

Com essa filosofia nasceu o HAPKI-DO que foi responsável pelo engrandecimento da civilização de SIN-LA durante todos os anos de sua existência.

Começa aí  o Império Kório (Coréia). Naquela época, se criavam e praticavam vários tipos de lutas que eram ensinadas nos exércitos, entre elas:

YU-SUL (tipo de Judô)

SU-BAK (tipo de Sumo)

HAPKI-DO (que já na época, defendia-se de todas as lutas)

Os nossos trajes atuais de lutas, são cópias fiéis dos trajes daquela época. Hoje, as faixas representam graus de hierarquia, porém, naquela época, representavam as várias classes sociais. 

O Hapki-do foi escolhidos pelo próprio Imperador para fazer parte do treinamento de sua guarda de honra. 

Foi escolhido o HAPKI-DO, porque era a única luta que possuía 25 tipos de técnicas e defendia terceiros. Enfim, era e ainda é a luta mais completa.

Passados mais de 500 anos, o general LEE SUNG KIE fundou o Império YI DO tomando o lugar do Império KORIO. Mandou então matar todos os praticantes de defesa pessoal. Em conseqüência disso, os praticantes dessas lutas foram se esconder nas montanhas, alguns escapando, outros morrendo. Mas o HAPKI-DO continuou. 

HAPKI-DO;

KUM-DO (esgrima);

YO-DO (tipo de Judô) e

TEA KIUM (tipo de Karatê)

Depois da Primeira Guerra Mundial, foi criada a R.O.K (Republic of  KOREA), na qual foi adotado o HAPKI-DO para o treino da guarda pessoal do Presidente da República.

Após a Segunda Guerra Mundial, o HAPKI-DO que até então era uma luta reservada para a presidência e para os nobres, passou a ser conhecida pelo povo. 

O HAPKI-DO possui cerca de 3.876 golpes  incluindo chutes, saltos, socos, torções, balões, defesa contra faca, manejo de bastões, espadas, etc. 

      Hierarquia das Faixas 

      8º  ao 7º Gub - Faixa Amarela

      6º  ao 4º Gub - Faixa Azul

      3º  ao 1º Gub - Faixa Vermelha

      1º  Dan - Faixa Preta

 

O HAPKI-DO inspira-se em certos princípios que são rigorosamente respeitados por seus adeptos. Por isso, é a luta mais popular da Coréia.

 

O HAPKI-DO, hoje, é praticado em quase todo o mundo. Foi difundido no Brasil após o ano de 1.970, pelo Grão Mestre PARK SUNG JAE que ensinou, em princípio, quase 200 homens do Exército Brasileiro foi incentivado pelo Coronel Paulo da Silva Freitas, sendo logo depois de condecorado patrono do HAPKI-DO no Brasil. O Grão Mestre PARK SUNG JAE é Secretário Geral da Confederação Internacional e comanda uma rede de academias no Brasil.

Está  academia é a mais antiga em funcionamento, com 31 anos de existência, e é administrados pelo mestre Song Un Kim 8o Dan, Bi-Campeão Mundial, Medalha de Ouro na Korea em 1990 e Medalha de Ouro e Prata no México 1993. Atualmente administra cursos de Acupuntura e massagens em diversos locais. 

Hapki-do não é  apenas mais outra arte marcial ou uma mera combinação de outras artes ou técnicas de lutas. Porém, antes de entender o que é Hapki-do, faz-se necessário entender o que é o "Hap Ki". Hap ki significa uma combinação harmoniosa de (KI) "energia vital interior", não apenas a sua energia, mas a de seus colegas de treino, ou mesmo seu oponente. 
 
Quando observamos o KI universal, vemos o que conhecemos por energia Yin e Yang; pois é algo que a natureza cria, o fluxo do Yin e Yang, etc. Numa alternância infinita entre os dois.

Este "KI" gerado é um mistério da natureza que o homem tenta usar a seu favor, a força natural do HAP KI. O Hapki-do envolve estratégias usando o principio do "Hap Ki" na execução de seus movimentos.  
O "KI" sempre flui em círculos. Hapki-do envolve todos os seus movimentos com fluxo circulares, sem uso de força ou de técnicas traumáticas, que gerem conflitos ou confrontos diretos, sem harmonia. O universo se move circularmente, e no mesmo contexto o Hapki-do usa os movimentos circulares sem o uso da força como base para todas suas técnicas. Quando trazemos nosso oponente para dentro de nosso círculo imaginário (próximo a nós) ou o "adaptamos" a nosso próprio círculo de alcance, teremos o controle total sobre nossos oponentes.  
Estes movimentos tampouco são violentos ou lineares; eles são certamente muito suaves gentis e sempre circulares. Assim, quando se faz e se torna o centro produzindo um fluxo como um redemoinho de água, como se originando de dentro (do centro) de um furacão, a energia perfeita dos movimentos faz com que alcancemos uma paz profunda interior indescritível.  
O Hapki-do possui muitas torções, chaves estranguladoras, socos, perfurações, que são usadas para controlar o oponente, bem como uma vastidão de chutes e técnicas de bater (traumatizantes). Muitas escolas de Hapki-do ensinam técnicas com armas brancas para os alunos mais graduados, como bastões longos, médios e curtos, facas, faixas, panos, nunchacos, cordas, leques, lanças, e vários tipos de espadas.  
Os movimentos do Hapki-do seguem alguns princípios naturais, que quando praticados com empenho e dedicação levam o praticante a atingir a perfeição dos mesmos. Estes movimentos fazem a grande diferença entre o Hapki-do e as outras artes marciais.

 

Hapki-do se faz necessária compressão de três palavras distintas:

 

Hap - Combinar, Unir, Coordenar, Para Harmonizar.

Ki - Força Interior, Energia Vital, Força, Energia Dinâmica.

Do - O Caminho, O Sistema, O Método.

O currículo abaixo é  o atual, ensinado pelo Hapki-do:

1. Ho Shin Do Bup (técnicas básicas de defesa pessoal) 
2. Moo Ye Do Bup (técnicas com movimentos estritamente circulares) 
3. Su Jok Do Bup (técnicas traumatizantes) 
4. Kyuk Ki Do Bup (técnicas de combate com oponentes) 
5. Ki Hap Do Bup (técnicas de concentração e energização espirituais) 
6. Byung Sool Do Bup (técnicas com armamentos)  
7. Su Chim Do Bup (Manipulação e uso de pontos de pressão) 
8. Hwan Sang Do Bup (Técnicas de visualização de movimentos)

Os modos do HAPKIDO e a forma como ele se apresenta parecem ser de outro mundo, e muitas de suas técnicas são estranhos, para todas as artes marciais. 

Hoje em dia existem varias academias no Brasil, e o Hapki-do continua se expandindo.

  

"É  melhor praticar uma técnica milhares de vezes, do que aprender um milhão de técnicas e praticá-las apenas uma vez." - Grão Mestre MYUNG Jae Nam

 

Acupuntura
 

A acupuntura e a técnica mais antiga que existe, parti do conceito de que o desequilíbrio se deve à má distribuição de energia pelo corpo, sendo assim aplicam-se algumas agulhas para ativar alguns pontos de acupuntura para equilibrar yin e yang dos órgãos e vísceras.

Cada Órgãos e Vísceras têm uma função energética diferente da função alopática.

Na Antigüidade, os chineses haviam comprovado que um órgão do corpo humano, alterado em seu funcionamento, deixava sensíveis, certos pontos de revestimento cutâneo. A localização desses pontos (situados nos mesmos lugares em todas as pessoas) variava de acordo com o órgão afetado. Concluíram assim que cada órgão correspondia pontos específicos, demonstraram então que uma ação sobre esses pontos repercute sobre o órgão correspondente, produzindo um alívio.

Esses pontos constituem uma espécie de cadeia, como se uns fossem a continuação de outros. Unindo-os por traços imaginários obtêm-se linhas longitudinais denominadas passagem, canais ou meridianos.

Os meridianos estão relacionados aos órgãos diretamente. Inserindo uma agulha em um determinado ponto de um meridiano, tem a sensação de que algo esta transitando entre eles, os chineses chamam de Qi, que significa energia.

Restaurar o equilíbrio energético 

A energia circula através do organismo, meridiano a meridiano, de forma regular, distribuindo-se harmoniosamente e segue o seguinte percurso diário: das 3 às 5h, passa pelo meridiano dos pulmões (P); das 5 às 7h, do intestino grosso (IG); das 7 às 9h, do estômago (E); das 9 às 11h, do baço pâncreas (BP); das 11 às 13h, do coração (C); das 13 às 15h, do intestino delgado (ID); das 15 às 17h, da bexiga (B); das 17 às 19h, dos rins (R); das 19 às 21h, da circulação-sexualidade (CS); das 21 às 23h, do triplo-aquecedor (TA); das 23 à 1h, da vesícula biliar (VB); da 1 às 3h, do fígado (F).

Os desequilíbrios são conseqüências naturais da má distribuição de energia. Alguns sintomas da falta dessa energia são: sensação de vazio, fraqueza, insatisfação, insegurança, desânimo, frio, suor, agressividade, agitação dor, calor, e outros...

A acupuntura tem por objetivo reequilibrar a circulação de energia no organismo, tornando-o harmônico, pois constitui no princípio básico da ordem universal. A saúde é o resultado do equilíbrio dessas duas forças (Yin (negativo) e Yang (positivo), que ativam os corpos).

O Yin e Yang expressam-se em todo e qualquer nível de existência, com alternância de cada força.

Alguns elementos Yang são: a luz, o calor, o verão, o vermelho, o homem, a atividade, o sistema nervoso simpático, as partes superficiais do corpo. O elemento Yin é: o escuro, o frio, o inverno, o azul, a mulher, o sistema nervoso parassimpático, as partes profundas do corpo e outros.

O intestino delgado, o intestino grosso, a vesícula, o estômago, a bexiga e o triplo-aquecedor são órgãos de Yang. O coração, os pulmões, o fígado, o baço, os rins e a circulação-sexualidade são órgãos Yin.

Alguns físicos descobriram que a teoria oriental de que não existe distinção entre matéria e energia está certa, elas são consideradas dois pólos de uma mesma unidade.

Para análise, uma técnica peculiar

 Yin e Yang são duas forças que condicionam a vida de cada indivíduo e o seu estado de saúde, a pergunta que se faz ao especialista de acupuntura é: qual órgão esta deficiente e qual órgão apresentam um excesso de vitalidade? Dá-se, então o analise, na qual, usam-se alguns métodos: ver o cliente escutá-lo, perguntar, apalpar seu corpo nos pontos  ou LO (pontos de alarme) e leitura pelo pulso, todos eles são importantes.

O analise do pulso é realizado na artéria radial do punho. E requer silencio e tranqüilidade. Os três dedos têm que se manter como um arco, com as pontas bem alinhadas e se examina o pulso com a polpa dos dedos. A distancia dos dedos depende da estatura do cliente: É dividida em três zonas, cada qual com uma posição superficial e outra profunda.

Coloque levemente a polpa de um dedo sobre a artéria radial, em cada uma das três posições, é possível perceber que a sensação obtida difere em cada local – com exceção de pessoa em perfeito estado de saúde (se a pressão for gradualmente aumentada chega-se a um ponto onde a sensação ou percepção torna-se diversa). Se os pulsos da primeira posição apresentar vibrações mais fortes do que os da terceira, quer dizer que o Yang esta mais poderoso do que Yin, e vice-versa.

Na mão  esquerda, com pressão superficial, faz-se a análise do intestino delgado, da vesícula e da bexiga; com pressão profunda faz-se análise do coração, fígado e rins. Na mão direita, com pressão superficial o intestino grosso o estômago e o triplo-aquecedor, com pressão profunda o pulmão, baço/pâncreas e a circulação-sexualmente.

As pulsações podem ser classificadas em: a) alteração de freqüências b) ritmos c) superficial ou profunda; d) lisa ou grossa; e) cheias ou vazia; f) longa ou curta e etc.

Tanto para se realizar um tratamento ou realizar uma simples análise, é  imprescindível o conhecimento dos meridianos, da origem de seus pontos principais e das leis que regem esta forma de terapia.

Existem doze meridianos que estão relacionados a doze órgãos. As demais partes do organismo encontram-se sob controle de um ou mais desses órgãos. Assim sendo, esses doze órgãos – ou funções corporais são considerados primários, e os outros secundários.

Os meridianos são bilaterais, um em cada lado do corpo, sendo classificados como profundos e superficiais, de Yin e de Yang. Os meridianos profundos de Yin são os do coração, da circulação-sexualidade e dos pulmões. Meridianos superficiais de Yang: do intestino delgado, do triplo-aquecedor e do intestino grosso. Meridianos inferiores de Yin (de dentro para fora): do baço/pâncreas do fígado e dos rins. 

 
 

Discussão 

 

Hapki-do como é uma arte marcial muito antiga que tem mais de 3500 anos de existência, não se sabe realmente quem foi o mentor da arte. Existem varias teorias. 

Hoje em dia, vários mestres, modificaram a arte tradicional de hapki-do para falar que e o mentor, e alguns modificaram até o nome e outros colocaram outro nome para falar que e um estilo diferente de Hapki-do.  

Mas no fundo aqueles que realmente conhecem a Arte Marcial Hapki-do eles trabalham com acupuntura e terapia corporal (obs. "massagem" é termo inadequado à legislação brasileira e mercado).  

São aqueles que só usam o nome Hapki-do para se promover, não sabe nem onde fica um ponto de acupuntura.   
 

Conclusões 

 

Posso afirmar que acupuntura e Quiropraxia têm relação direta com Hapki-do para equilibrar a sua energia interna e para imobilizar e neutralizar os seus oponentes, fazendo gerar muita dor e sofrimento utilizando compressão nos pontos de acupuntura e alterando a sua função biomecânica da coluna.

Hapki-do e excelente em tratamentos preventivos para alongamento das articulações e melhorando sistema cardiorrespiratório.

Excelente para tratamento da dor e da sua causa.

Podemos provar realizando alguns golpes nos pontos de acupuntura, verificando aumento da sensibilidade e diminuição da resistência do local (sem machucar, claro).

Podemos pressionar alguns pontos para mostrar anestesia do local, para tirar a dor, ou melhor, a hiper sensibilidade do local.

O hapki-do e uma luta Arte Marcial Coreana que usa pontos de Acupuntura para Neutralizar oponentes e também serve para equilibrar a desarmonia da energia utilizando os mesmos pontos de Acupuntura.

Por isso Hapki-do e utilizado na Coréia em forças armadas, Policia, Guarda Costa e quando se fala em proteger  alguma pessoa ou alguma coisa e utilizado Hapki-do. 
 

Referências bibliográficas 

 

Hapki-do: Hoo sin sool.

Seul,Korea 1987. 

Hapki-Moo ye do.

Seul,Korea 1979. 

Self Defence Martial Art.

Seul,Korea 1987 

Hoo sin Moo ye do.

Seul,Korea 1979. 

General Description of Hapki-do.

Seul, Korea 1986. 

Autor: : Song Un Kim - CRT 23108 - Terapeuta Holístico
Última atualização: 28/06/2009 12:41


As Emoções Na Fitoterapia

TCC - Trabalho de Conclusão de Cursos

RAIMUNDO AMIM LIMA HADDAD - Terapeuta Holístico - CRT 38326 

 RESUMO                                                                 .

Aprendemos a enxergar a natureza das plantas de tal forma, que cada espécie aparece disposta dentro de um organismo global do Reino Vegetal, do mesmo modo como cada órgão humano aparece disposto dentro do organismo do Ser Humano.  A rigor, as plantas, para realmente crescerem, devem ter também uma espécie de sensibilidade. Consideramos também a ciclícidade, que é a idéia da evolução, e de como os QUATRO ELEMENTOS vão formar o Zodíaco, o que pode ser correlacionado com as nossas emoções (nossas águas). Os Terapeutas Holísticos sabem disto.

Certamente os estudos da presente Monografia são conhecidos; mas é preciso reconhecê-los a partir dos fundamentos aqui tratados, pois do contrário, nos afastaremos ainda mais da tradição, pelo emprego das novidades.

CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO.

1.1 O presente trabalho não tem propriamente a pretensão de ser uma tese que esgote o tema num sentido acadêmico, não vamos falar aqui de remédios porque as plantas, a rigor, não conseguem realmente adoecer, tampouco de um processo de cura, e sim de um processo inverso.

1.2 As plantas não são compreensíveis por si. Ao se tratar de plantas, precisamos, portanto, não somente erguer os olhos para os Elementos: Vegetal, Animal, Mineral e Humano; precisamos também consultar o Universo. Porquanto toda a vida provém do Universo inteiro, e não apenas daquilo que a vida nos entrega.

1.3 A Natureza é um conjunto, e de todos os lados atuam forças. Quem tiver um sentido aberto para a evidente atuação das forças, esse compreenderá a Natureza. Entretanto, o que é feito hoje? Exatamente o contrário do que realmente se deve fazer para obter tal compreensão. No entanto, quando vierem a encontrar o caminho do Macrocosmo, as pessoas voltarão a compreender algo da Natureza e muitas coisas mais.

1.4 Também é verdade que nesse sentido, aqui se trata inteira e naturalmente de pontos de vista dirigidos à natureza dos trabalhosFITOTERÁPICOS combinados com a Psicoterapia, e não de quaisquer teorias.

1.5 Entretanto, não somos infantis para acreditar nas definições da ciência contemporânea que atua na vizinhança imediata das plantas ou no seu ambiente imediato. Todo o céu e suas estrelas, participam da vegetação! Precisamos saber disto.

1.6 Com certeza as pessoas nem sabem, hoje, como se alimentam o homem e o animal; o que dizer então da planta? As pessoas crêem que a nutrição consiste em o Ser Humano comer as substâncias do seu entorno. Ele as introduz na boca e em seguida elas chegam ao estômago. Ali uma parte é reservada e uma parte vai embora. Depois disso, a primeira é utilizada, indo também embora a seguir. Depois disso é novamente reposto. Atualmente imaginamos a nutrição de um modo totalmente externo.

1.7 Entretanto, não são com os alimentos absorvidos pelo estômago do Ser Humano que são reconstituídos os ossos, os músculos e os demais tecidos, pois isto só vale claramente para a cabeça humana. A disgetão, absolutamente não se forma pela alimentação recebida pela boca, porém são absorvidas pela respiração e até mesmo pelos órgãos dos sentidos a partir de todos os arredores. No Ser Humano se realiza continuamente um processo pelo qual o que é absorvido pelo estômago flui, por sua vez para baixo, disto constituindo-se os órgãos do sistema digestivo ou os membros.

1.8 Estes são assuntos que precisarão ser ponderados por inteiro. Por esse motivo temos esta separação entre a teoria e a prática.

1.9 Por outro lado, ficar satisfeito com a presente Monografia é, naturalmente, uma questão que provavelmente se tornará cada vez mais discutível, embora queiramos fazer tudo para também nos entender-mos em várias discussões a respeito do que houver sido aqui exposto.

1.10 Quando se tem uma planta crescendo na terra, tomá-la como é, dentro de seus limites estreitos, constitui no momento um disparate, por ser uma planta, em seu crescimento, talvez dependente de incontáveis condições que absolutamente não se manifestam sobre a terra, mas em suas imediações cósmicas.

1.11 E assim se explica muita coisa, e na vida prática se organiza muita coisa como se tivéssemos a ver somente com as coisas estreitamente limitadas, e não com os efeitos provenientes do mundo inteiro.

1.12 Hoje em dia as pessoas recebem prescrições de quantos gramas de carne deve comer, quanto de líquido deve beber e etc., – algumas pessoas têm a seu lado uma balança-, pesando tudo o que vai para o seu prato. É evidente que isto é bom. Mas para que isso coincida com a Fisiologia Humana adequada, é preciso saber também que é bom que tais pessoas sintam fome caso ainda não lhe baste o que foi pesado. É bom que o instinto ainda se manifeste.

1.13 O solo é um órgão real, um órgão que se quisermos, poderemos eventualmente compará-lo ao diafragma humano. Chegamos a essa idéia, dizendo-nos o seguinte: acima do diafragma, se encontram, no Ser Humano, determinados segmentos e órgãos- sobretudo a cabeça e aquilo que abastece o homem de respiração e circulação, e abaixo do diafragma, estão outros órgãos e segmentos.

1.14 Tudo que está na proximidade imediata da terra – como o ar, os vapores e também o calor, em cujo âmbito estamos, em cujo âmbito nós próprios respiramos, e de onde tudo isso provém, isto é, de onde as plantas recebem, juntamente conosco, esse calor, esse ar exterior e também essa sua água exterior-, corresponde ao que no homem, é a região abdominal.

1.15 Admita-se que haja uma planta crescendo para o alto a partir da raiz. Na extremidade do caule forma-se o grãozinho de semente. As folhas e as flores se estendem para fora. Ora, vejam: na folha e na flor se encontra aquele lado terrestre no feitio e também no preenchimento com o ELEMENTO TERRA, de forma que o motivo pelo qual uma folha ou um grão intumesce e absorve as substancialidades interiores, e assim por diante, reside no que adicionamos o ELEMENTO TERRA à planta.

1.16 Observem as verdes folhas vegetais. Elas carregam o aspecto do ELEMENTO TERRA em sua forma, em sua espessura, em sua cor verde. Entretanto não seriam verdes se nelas não vivesse também a força cósmica do Sol. Chegando-se, porém, até a inflorescência colorida, vê-se que nela não vive apenas a força cósmica do Sol, mas também aquele apoio que as forças cósmicas do Sol recebem – pelo menos- dos planetas Marte, Júpiter e Saturno, só quando vemos a vegetação neste contexto é que podemos olhar para a Rosa enxergando em sua cor avermelhada a força de Marte.


1.17 – Ao observarmos o Girassol Amarelo: é inteiramente correto denominá-lo “Flor do Sol”; ele só é chamado assim por causa de sua forma, sendo que por seu tom amarelo, deveria realmente ser chamado de “Flor de Júpiter”, pois a força de Júpiter, apoiando a força cósmica do Sol, produz nas flores as cores branca e amarela.

1.18 Quando nos deparamos com uma Tanchagem, ou seja uma chicória selvagem com sua cor azulada, devemos pressentir nessa cor azulada a atuação de Saturno, que apóia a influência do Sol. Temos, portanto, toda possibilidade de ver Marte na inflorescência vermelha, Júpiter na branca e amarela, Saturno na inflorescência azul, enquanto na folha verde vemos o próprio Sol.

CAPÍTULO 2. MATERIAL.

2.1 A presente Monografia tem como referência: os resultados de atendimentos realizados; o Curso de FITOTERAPIA Turma 2008 promovido pelo SINTE – Sindicato dos Terapeutas, sito na Alameda Santos 211- conj. 1403- Cerqueira César- São Paulo – Brasil CEP 01419-000, site www.sinte.com.br, e-mail contato@sinte.com.br , através da Comunidade de Estudos Avançados em Terapia Holística; a formação do autor como Psicoterapeuta Holístico e a sua certificação, entre outros, em: Psicoterapia; Leitura Corporal; Terapia Corporal, Antroposofia; Teosofia, Filosofia; assim como a Monografia A ANÁLISE DA IMAGEM HOLISTICA DO CLIENTE E SUA APLICAÇÃO NA PSICOTERAPIA.

CAPÍTULO 3. METODOLOGIA.

3.1 O OXIGÊNIO.

3.1.1 É pelo processo respiratório que absorvemos o oxigênio. O oxigênio vive, por toda parte, no ar que nos circunda. No ar respiratório, a parte vivente do oxigênio está morta para que não desmaiemos por causa do oxigênio vivo. O oxigênio à nossa volta precisa ser morto. Porém desde o nascimento o oxigênio é o portador da vida, do etérico. Ele também se torna imediatamente portador da vida quando extrapola a esfera de tarefas que lhe é atribuída por precisar envolver-nos, a nós Seres Humanos externamente pelos sentidos.

3.1.2 Por outro lado, ao penetrar pela respiração em nosso interior, onde pode viver, ele se torna vivo. O oxigênio que circula dentro de nós não é o mesmo que nos envolve externamente. Dentro de nós é um oxigênio vivo. O oxigênio é “irmão” do nitrogênio, do carbono, do hidrogênio e do enxofre. Uma folha, uma flor ou uma raiz são dependentes dessas matérias- não são autônomos-. Só se tornam independentes por um de dois caminhos; ou quando o hidrogênio leva tudo isto para fora, ou então quando o hidrogênio impele para dentro.

3.2 O MILEFÓLIO.

3.2.1 Milefólio (Achillea millefolium ou mil - folhas). O Milefólio é uma planta maravilhosa; toda planta o é, mas quando a comparamos com qualquer outra flor, podemos sentir como ela é. Ela contém carbono, nitrogênio e assim por diante. O Milefólio se apresenta na Natureza como se um criador qualquer de plantas tivesse nela um modelo para levar corretamente o enxofre, em proporção adequada, às outras substâncias vegetais. Diríamos que em nenhuma outra planta a Natureza consegue tal perfeição no emprego do enxofre como no Milefólio, e quando se está familiarizado com a atuação do Milefólio no organismo animal e humano, é quando se sabe como esse Milefólio, ao ser introduzido de forma correta no âmbito biológico, consegue efetivamente melhorias em quase tudo.

3.2.2 O Milefólio não é nocivo, mas pode tornar -se importuno – do mesmo modo como certas pessoas simpáticas atuam na sociedade por mera presença, e não pelo que dizem, assim o Milefólio atua numa região onde cresce em abundância graças a sua presença, e de modo extraordinariamente favorável.

3.2.3 Com o Milefólio, também se pode fazer o seguinte: tome-se a parte alta das inflorescências, as inflorescências em forma de guarda-chuva. Quando se dispõe de Milefólio natural, pode-se colhê-las o mais fresca possível e em seguida deixá-las apenas secar por um período muito curto. Nem é preciso deixá-las secar muito. Não conseguindo obter o Milefólio fresco, mas apenas o que se pode adquirir nas lojas especializadas, antes de empregá-lo tente espremer o suco das folhas, que pode ser obtido por um cozimento da folhagem seca, e regue-se a inflorescência com um pouco desse suco.

3.3 A CAMOMILA.

3.3.1 A Camomila (Chamomilla officinalis). Não se pode dizer que a Camomila se distingue por conter intensamente potassa e cálcio. No entanto, a Camomila elabora adicionalmente o cálcio e, desse modo, aquilo que pode contribuir em essência para excluir da planta aqueles efeitos frutificantes nocivos, mantendo-a em bom estado de saúde; é maravilhoso que a Camomila contenha também um pouco de enxofre, pois precisa elaborar juntamente cálcio.

3.3.2 É realmente verdadeira a Camomila que se encontra, por aí junto aos trilhos da estrada de ferro.

 

                                                               3.4 O DENTE- DE LEÃO.                                             .                                                                                             

O Dente-de-Leão (Taraxacum officinalis), em qualquer região que cresça, é extraordinariamente benfazejo. Porque ele é o mediador do ácido silícico. O Dente-de-Leão; porém deve ser empregado de forma correta quando se quer torná-lo atuante.

                                                     3.5 A CAVALINHA.

A Cavalinha (Equisetum arvense) exerce indiretamente, notável influência sobre o organismo humano, pela função renal, não ainda sendo possível averiguá-lo em minúcias nem deduzi-lo.

           3.6 OS QUATRO ELEMENTOS NO PENSAMENTO PRÉ-SOCRATICO.

3.6.1 TALES DE MILETO (?-425 a. C.). Partiu do princípio da unidade de tudo e considerava a ÁGUA o elemento primordial onde tudo se originava.

3.6.2 ANAXIMANDRO (610-550 a.C.). Diz que não é nenhum elemento determinado, mas “tudo inclui e tudo governa...”.

3.6.3 DEMÓCRITO (460-370 a.C.). Desenvolveu a teoria sobre a constituição da matéria: ela seria composta por átomos.

3.6.4 ANAXÁGORAS (500-428 a.C.). Partiu do princípio de que a Natureza era composta por uma infinidade de partículas minúsculas e invisíveis, que chamava sementes. Dizia que na menor das partes existe um pouco de tudo.

3.6.5 ANAXÍMENES (550-486 a.C.). Dizia que existe como origem de tudo uma realidade, submetida ao julgamento da experiência, ainda que num sentido indeterminado. Este princípio será o AR, elemento invisível e imponderável e, no entanto observável: o AR é a própria vida. ANAXÍMENES explica que a rarefação do AR produz o calor; a condensação o frio; uma condensação cada vez mais forte produz sucessivamente vento, nuvem, chuva, TERRA e rocha.

3.6.6 EMPÉDOCLES DE ACRAGAS (490-430 a.C.). Diz que não há nada de semelhante a uma unidade primeira, mas em seu lugar, uma pluralidade de elementos primeiros, que chama de “raízes”, “as raízes de tudo”. Em número de quatro, colocadas todas elas sobre o mesmo plano, igualmente vivas e divinas, cada qual inalterável em sua qualidade própria e concebível como conjunto de partículas homogêneas, são elas, o FOGO, a TERRA, o AR, e a ÁGUA. Suscetíveis de se moverem e de se misturarem.

3.6.7 Os Pensadores Pré-Socráticos são – pelo menos os maiores- iniciadores: no começo histórico da livre reflexão, conservam por isso mesmo um privilégio que poderia ser o de um frescor originário onde seria de boa inspiração ir frequentemente re-temperar, re-visitar e renovar o mais absoluto modernismo.

     3.7 OS QUATRO ELEMENTOS, SUAS QUALIDADES E SUAS EMOÇÕES.

Consideremos agora o tema da ciclícidade, que é também a idéia da evolução, e de como os QUATRO ELEMENTOS são chamados de triplicidade e as qualidades também chamadas de gunas, quadruplicidade ou cruzes vão formar o Zodíaco. Sabemos que o ciclo das Quatro Estações do Ano pode ser correlacionado com os signos do Zodíaco através dos QUATRO ELEMENTOS e das suas emoções.

                           3.7.1 OS SIGNOS DO ELEMENTO AR.

Os signos de AR são considerados úmidos e quentes. Então o ELEMENTO AR que é caracterizado pelos signos de Gêmeos, Libra e Aquário tem uma tendência mais jovial, o úmido representa o flexível e o quente é expansivo. Os antigos relacionavam o ELEMENTO AR ao temperamento sanguíneo.

                             3.7.2 OS SIGNOS DO ELEMENTO FOGO.

3.7.2.1 Sabemos que o ELEMENTO FOGO é também expansivo, ou seja extrovertido, mas também seco e, portanto, não se dobra, é mais rígido, ele quer dobrar o mundo à sua vontade, se impor ao mundo ao invés de receber dele a sua influência. Desta forma, os signos de Áries, Leão e Sagitário tem fama de ser mais mandões, auto-suficientes ou exagerados na sua auto-afirmação. Os antigos atribuíam ao ELEMENTO FOGO o temperamento colérico.

3.7.2.2 HENRIQUE VIEIRA FILHO, em sua obra FITOTECA EM CINCO MOVIMENTOS página 23, classifica como interação entre Yin e Yang no ELEMENTO FOGO: Alecrim; Lavanda; Angélica; Manjerona; Melissa; Milefólio; Passiflora e Salvia., e ás pg. 38 relaciona o ELEMENTO FOGO às emoções de excitação/apatia.

                          3.7.3 OS SIGNOS DO ELEMENTO TERRA.

3.7.3.1 Os signos de Touro, Virgem e Capricórnio, representam o ELEMENTO TERRA. Como se sabe são secos e frios, o que quer dizer que permanece aquela tendência de se firmar perante o mundo, de dobrar circunstâncias perante a sua própria vontade, mas por outro lado, o frio já tem emoções mais para dentro, mais introspectivas, por isso os antigos relacionavam o ELEMENTO TERRA ao temperamento melancólico.

3.7.3.2 HENRIQUE VIEIRA FILHO, em sua obra FITOTECA EM CINCO MOVIMENTOS página 23, classifica como interação entre Yin e Yang no ELEMENTO TERRA: Calêndula; Cavalinha; Lavanda; Tomilho; Angélica; Artemísa; Bardana;Camomila; Coentro; Hortelã; Limão; Malva; Manjericão; Melissa; Salvia e Tanchagem, e ás pg. 38 relaciona o ELEMENTO TERRA à reflexão/dúvida e insatisfação.

                             3.7.4 OS SIGNOS DO ELEMENTO ÁGUA.

3.7.4.1 No ELEMENTO ÁGUA, temos o temperamento flegmático, porque apesar de ter emoções intensas, introspectivas ou frias e de ser voltado para dentro de si, é o contrário do expansivo que é quente. Acrescenta-se que o ELEMENTO ÁGUA tem ainda o temperamento úmido, ou seja, que tenta se adaptar. O ELEMENTO ÁGUA tem um certo efeito esponja, ele assimila as demais tendências do ambiente e pode ter pouca defesa. Por isso por exemplo, o Peixe tende ao isolamento, o Escorpião tende a querer se vingar, e o Câncer se escaramuja dentro de casa e com a família, daí o símbolo do caranguejo que carrega a casca e a casa consigo, são temperamentos um pouco mais defensivos e hipersensíveis, são signos que correspondem ao temperamento fleumático dos antigos.

3.7.4.2 HENRIQUE VIEIRA FILHO, em sua obra FITOTECA EM CINCO MOVIMENTOS página 23, classifica como interação entre Yin e Yang no ELEMENTO ÁGUA: Alecrim; Cavalinha; Lavanda; Tomilho; Dente-de-Leão; Limão; Milefólio, Passiflora e Sálvia, e ás pg. 38 relaciona o ELEMENTO ÁGUA ao medo/força.

                          3.7.5 A ESPECIFICIDADE DO ELEMENTO TERRA.

3.7.5.1 A partir do conhecimento das quadruplicidades dos ELEMENTOS, temos a capacidade de distinguir claramente qual é a especificidade de cada um dos ELEMENTOS. Por exemplo: vamos observar os signos do ELEMENTO TERRA: Capricórnio, o semeador, que é o mais ativo.

3.7.5.2 Depois Touro, que é o mais passivo, que sabe esperar, e é o mais perseverante, que mantém posição, que cuida, que protege a vida, que evita que qualquer coisa acidental aconteça, por isso ele não gosta de mudança e não quer correr perigo. Touro protege, como a mãe grávida de nove meses, toma todos os cuidados, porque trará uma vida ao mundo.

3.7.5.3 Por último encontramos o signo encontramos o signo de Virgem que representa a colheita. Primeiro surge o grão do plantio, que é semeado no período do Capricórnio, germinado no Touro, para ser colhido em Virgem. O signo de Virgem representa a atitude classificadora que discrimina, que separa o grão ruim do bom, ou vai separar o joio do trigo, tendo aí um elemento de discernimento.

3.7.5.4 O ideal do ELEMENTO TERRA é a busca de segurança no Plano Material.

                        3.7.6 A ESPECIFICIDADE DO ELEMENTO ÁGUA,

3.7.6.1 Com esse entendimento, compreenderemos melhor agora a especificidade dos signos do ELEMENTO ÁGUA, dos quaisCâncer é o que mais tenta realizar externamente o ideal do ELEMENTO ÁGUA que é a buscar a segurança no Plano Emocional.- nossas águas-.

3.7.6.2 Então, os signos do ELEMENTO ÁGUA buscam segurança das emoções, e isso na forma de ação está mais exteriorizado na família, motivo da fixação do caranguejo ou Câncer, em tomar a iniciativa de criar uma família estável e se dedicar aos filhos, aos pais, toda essa inter-relação familiar. O signo de Câncer rege o estômago e as glândulas mamárias e representa a maternidade e a ação de proteção da família.

3.7.6.3 O próximo signo do ELEMENTO ÁGUA é o Escorpião, que é um signo de emoções fixas, por isso ele tem a fama de vingativo, porque não quer que as emoções mudem, e qualquer fonte de contrariedade ou perturbação emocional trará uma reação igualmente proporcional.

Quando se fala de idéia fixa, fala-se de Aquário por que as idéias são representadas pelo ELEMENTO AR. Sabemos que a emoção fixa, quando contrariada, é obsessiva e vingativa, correspondendo ao lado sombrio de Escorpião que tem aquela emoção concentrada em atingir o objetivo, sendo para ele uma questão de tudo ou nada, de vida ou de morte, vai ou racha, que caracteriza o seu lado destemido e determinado, mas também radical.

3.7.6.4 O último dos signos do ELEMENTO ÁGUA é Peixes – ele é mais transcedentalista, tem menos defesa para este mundo. É um signo mais sonhador que busca a colheita das emoções sublimadas ou na transcendência espiritual.

3.7.7 A ESPECIFICIDADE DO ELEMENTO AR.

3.7.7.1 O signo de Libra busca expressar os ideais da justiça, da beleza, da harmonia, seja nas atividades artísticas, ou no equilíbrio das Leis.

3.7.7.2 O signo de Aquário de alguma forma é o signo da fraternidade, da amizade, mas como todos os signos do ELEMENTO AR, é à vezes um pouco distante, preferindo a independência e a liberdade.

3.7.7.3 O signo de Gêmeos é o que mais dúvidas têm - por ser dominado pela curiosidade. É o signo mais imprevisível e muitas vezes não consegue fazer uma coisa só, e quer fazer duas ao mesmo tempo. Porém Gêmeos tem uma flexibilidade mental extraordinária , uma adaptação para o diálogo e para aprender novos idiomas, que é a sua grande virtude. Na verdade, ele é capaz de dançar duas músicas ao mesmo tempo, e assobiar e chupar cana.

É possível que seu navegador não suporte a exibição desta imagem.

                      3.7.8 A ESPECIFICIDADE DO ELEMENTO FOGO.


3.7.8.1 O signo de Áries, vem para decidir, para se impor sobre o ambiente, para nascer, para conquistar seu espaço e sua auto-afirmação. Ele é representado no corpo humano, pela cabeça, que é a primeira parte do corpo que nasce. Vai direto à ação e é impulsivo.

3.7.8.2 O signo de Leão, não vai tanto à ação, mas manda os outros irem. O signo de Leão é mais comandante, ele senta no trono e indica quem deve fazer o que, organiza a casa, da um urro e “..., cada macaco no seu galho”.

O signo de Leão estabelece limite nas coisas e impõe disciplina. É também muito presente, com o seu calor humano ele protege as pessoas, por isso representa a função paternal. Às vezes é um pouco interferente porque ele quer dirigir todas as coisas de acordo com a sua vontade, de acordo com as suas normas, por isso pode ser um pouco rígido e teimoso.

3.7.8.3 O signo de Sagitário, é mais filosófico, é uma mistura de Áries com Leão. Tem a impulsividade de Áries, é rápido como uma flecha para chegar direto ao assunto, por isso é representado por uma flecha. “Sagitta”, em latim, quer dizer “flecha”, “Sagittarius”, o arqueiro.

É possível que seu navegador não suporte a exibição desta imagem.

             3.8 A CARACTERÍSTICA DOS APÓSTOLOS NA ÚLTIMA CEIA.


3.8.1 OS SIGNOS DAS QUATRO ESTAÇÕES DO ANO E OS APÓSTÓLOS.

Lembrando-nos das características dos Apóstolos na Última Ceia de Leonardo da Vinci (1452-1519), um afresco, um mural pintado em 1495-9, no refeitório do Convento de Santa Maria delle Grazie, que se encontra na cidade de Milão, na Itália, veremos que cada um dos quatro grupos de três Apóstolos, sempre da direita para a esquerda, o primeiro está numa posição inicial, depois o segundo está no meio e o terceiro apóstolo já está no fim da Estação.

3.8.2 A PRIMEIRA ESTAÇÃO DO ANO. PRIMAVERA.

Na primeira Estação do Ano está representada a PRIMAVERA, por Áries, Touro e Gêmeos, representados por Simão, Judas Tadeu e Mateus, respectivamente.

3.8.3 A SEGUNDA ESTAÇÃO DO ANO. VERÃO.

Temos o VERÃO representado por Câncer, Leão e Virgem, representados, respectivamente, por Felipe, Tiago Menor e São Tomé.

3.8.4 A TERCEIRA ESTAÇÃO DO ANO. OUTUNO.

Observamos na seqüência o OUTONO que é representado por Libra, Escorpião e Sagitário, representado por São João, Judas Iscariotes e São Pedro.

3.8.5 A QUARTA ESTAÇÃO DO ANO. INVERNO.

O INVERNO, está representado por André, Tiago Maior e Bartolomeu, respectivamente. Bartolomeu é o único Apóstolo que têm os pés na luz.

3.8.6 Quando entendermos melhor como se aplica o úmido e o seco, o quente e o frio, veremos que aquele centro em torno do qual tudo converge, e que na Última Ceia de Leonardo da Vinci é justamente o ponto equilibrante do quadro, é o Cristo, que na verdade, ele não é nem quente , nem úmido tampouco seco, ele é considerado pelos religiosos o equilíbrio perfeito e imparcial entre todas as tendências.

3.8.7 O nosso desiderato aqui foi demonstrar aos Terapeutas Holísticos, que de certa maneira, os doze signos representam correlações de polaridades opostas, e que existe toda uma simbologia astrológica, que Carl Gustav Jung (1875-1961) valorizava, ao afirmar:

“A astrologia merece o reconhecimento da psicologia, porque a astrologia representa a soma de todo o conhecimento psicológico da antiguidade”.(TRES iniciados O CABALION. São Paulo, Editora Pensamento, 1994 p. 24).

É possível que seu navegador não suporte a exibição desta imagem.



4.1 Os Chakras, também chamados “plexus”, “padmas” ou “lótus”: na teoria hindu, adotada por muito ocultistas ocidentais, são pontos em que se ligam o corpo físico e o corpo astral, ou sutil, e centros de energia física. O ocultismo hindu reconhece 88.000 deles, mas considera apenas trinta suficientemente importantes para ter nome próprio. Há sete Chakras principais próximos ao corpo físico. A palavra Chakra é sânscrita e também significa giro ou roda.

4.2 Os Chakras são de importância vital, pois é por meio deles que a força vital e as energias entram no corpo físico sendo então direcionadas para qualquer área com desequilibro, e uma vez tenha sido absorvida essa força equilibradora, ela revitaliza a área devolvendo-lhe o estado de equilíbrio.

4.3 Os religiosos afirmam que em Jesus todos os sete Chakras principais funcionavam perfeitamente, e estavam corretamente despertos e energizados – daí o homem perfeito. Esse é o exemplo pode ser uma promessa válida para cada um e todos nós.

4.4 HENRIQUE VIEIRA FILHO em sua obra FITOTERAPIA EM CINCO MOVIMENTOS à pág. 15, afirma no tópico PONTOS DE ALARME SISTÊMICO que “As tradições milenares chinesas trouxeram aos nossos dias a teoria dos, assim traduzidos “meridianos”, que são caminhos de energia que circulam junto ao corpo e que refletem nosso estado holístico (físico, emocional, social, etc,etc...). Em tese, são infinitos... Contudo, como nosso objetivo é ser prático, trabalharemos com 12 principais”. Neste sentido, somente destacaremos os Chakras relacionados com os doze “medianos”.

4.5 A parte sacral do segundo Chakra é responsável pelo correto funcionamento dos órgãos reprodutores. O segundo Chakra é chamado de esplênico, conhecido como o energizador, ou vitalizador, pois é por meio dele que muito da energia cósmica flui para o interior do corpo, o pâncreas, a vesícula biliar, o baço e os intestinos, prevenindo o espasmo muscular e a cãibra.

4.6 O terceiro Chakra é responsável pelos desequilíbrios nervosos, digestivos, vesícula biliar, rins, erupções na pele, etc. O terceiro Chakra é há muito tempo considerado o centro emocional psicossomático onde o medo, o nervosismo e a preocupação, tendem a causar um “frio na boca do estômago”.

4.7 O quarto Chakra traz a harmonia. A glândula Pituitária é também estimulada a partir daqui. E isso tende a trazer algum controle a todas as glândulas. A circulação também é controlada daqui: o mesmo acontece com o Sistema Nervoso Autônomo. O Nervo Vago funciona em conjunção com a pulsação do coração, e se pulsa demais, isso pode ser trazido sob controle mediante uma pressão gentil com as pontas dos dedos sobre os olhos (pressionando cada olho).



CAPÍTULO 4. RESULTADOS.


4.1 Observa-se que a maioria dos Clientes busca no externo o “equilíbrio”. A FITOTERAPIA combinada com as demais técnicas Psicoterapêuticas impõe que o verdadeiro equilíbrio se encontra no interno.

4.2 Os sinais e os sintomas percebidos e verbalizados pelo Terapeuta Holístico, progressivamente, levam o Cliente, a desenvolver o autoconhecimento e a rápida aceitação das demais técnicas Psicoterapêuticas, validando e aceitando os processos de transformação que são orientados por suas principais queixas.


CAPÍTULO 5. DISCUSSÃO.


5.1 Vimos neste trabalho a forma de enxergar a Natureza das plantas, e em apertadas sínteses as vantagens do Milefólio, da Camomila, do Dente-de-Leão e da Cavalinha, todas também de usos possíveis como técnica suplementar na FITOTERAPIA e na Psicoterapia Holística.

5.2 Vimos também, que nos Pensamentos Pré-Socráticos, notadamente em Empédocles, que concebeu como conjunto de partículas homogêneas o FOGO, a TERRA, o AR e a ÁGUA, colocando-os sobre os mesmo planos igualmente vivos e divinos suas qualidades próprias e inalteráveis.

5.3 Está evidenciado na ampla bibliografia existente que os Pensamentos Pré-Socráticos também fazem parte integrante dos CINCO MOVIMENTOS CHINESES, no qual se apóia, entre outros, a FITOTERAPIA.

5.4 Vimos também a idéia da evolução de como os Quatro Elementos vão formar o Zodíaco, sabendo-se que o ciclo das Quatro Estações do Ano pode ser correlacionado com os signos através dos Quatro Elementos.

5.5 Por fim, vimos às relações entre os Chakras e os Meridianos.

5.6 A comparação da linha seguida por esta Monografia com a bibliografia existente poderia ser fundamentada no princípio orientador da Monografia ora apresentada que leva também em considerações os aspectos sócio-somato-psíquicos, em que as interações das estruturas física, dinâmico funcional e psíquico correspondentes, podem ser reveladas.

5.7 Por outro lado, a bibliografia especializada é estreitamente limitada no enfoque das técnicas de “como fazer”, “como não fazer” e “para o que serve”, etc. Não menos importante, e talvez melhor do que tudo isso, pôde ser aprendido pelo autor no Curso deFITOTERAPIA turma 2008, objeto da presente Monografia. Porém, não há razões para discordar dos diversos autores que já publicaram seus livros com objetivos específicos, merecem aplausos! Deixamos para os Terapeutas Holísticos e para a Comunidade de Estudos Avançados em Psicoterapia Holística, se for o caso, a ampla discussão sobre a presente Monografia.


CAPÍTULO 6. CONCLUSÕES.


6.1 Considerem este trabalho como resultados da intervenção em vários atendimentos, de estudos e pesquisas realizados pelo autor. É uma opção que abrange a complexidade da FITOTERAPIA com os estados humanos em conjugação com o somático, dos pontos de vista objetivo, subjetivo e psíquico,

6.2 O desiderato do autor em apresentar as especificidades dos Quatro Elementos é para que a mesma seja amplamente discutida, testada, validada e, finalmente, que os Terapeutas Holísticos, a utilizem como um equipamento suplementar do seu atendimento. Neste modelo não há irracionalismos.




6.3 Observamos sempre fenômenos físicos e químicos ao nosso entorno. Quase tudo que nos cerca é considerado matéria (tudo que tem massa e ocupa lugar no Universo), o ELEMENTO AR, o ELEMENTO ÁGUA, o ELEMENTO TERRA, o ELEMENTO FOGO, os movimentos MADEIRA e METAL, etc. A matéria é formada pelo hidrogênio e pelo oxigênio.

6.4 Todos os vegetais são seres multicelulares e eucariontes. Também são autótrofos, ou seja, capazes de produzir o seu próprio alimento e o fazem por meio do processo chamado fotossíntese.

6.5 As plantas possuem um pigmento de cor verde chamado de clorofila. A clorofila ocorre na presença do ELEMENTO ÁGUA e da luz Solar, exigindo também gás carbônico obtido do ELEMENTO AR. Nesse processo, são produzidos açúcar, O ELEMENTO ÁGUA e o oxigênio (ELEMENTO AR), que é lançado de volta à atmosfera. O ELEMENTO ÁGUA quando adicionado ao açúcar produzido na fotosíntesse, é o combustível natural da planta.

6.6 As folhas são os órgãos responsáveis por importantes funções para a planta que são: a fotossíntese, a respiração e a transpiração. As folhas normalmente apresentam-se em tipos muito variados devido a sua especialização em relação ao meio em que se desenvolvem. No caso de se encontrarem em regiões de baixa umidade e grande luminosidade, como nos desertos, as folhas apresentam-se pequenas e em pouca quantidade, enquanto que nas regiões de alta umidade e pouca luminosidade, como nas florestas, as plantas apresentam folhas grandes e numerosas.

6.7 Desde o final do século XIX as plantas são classificadas em suas bases reprodutivas, e a presença ou não de sementes nas plantas é parte fundamental dessa distinção. Elas são na verdade, divididas em dois grandes grupos chamados de Criptogramas (Crípto = oculto) que são o grupo de plantas sem sementes e as Fanerógamas (Fânero= aparente), que são as plantas com sementes.

6.8 Consideramos também o tema da ciclícidade, que é também a idéia da evolução, e de como os QUATRO ELEMENTOS também chamados de triplicidade e as qualidades também chamadas gunas, quadruplicidade ou cruzes vão formar o Zodíaco. Sabemos que o ciclo das Quatro Estações do Ano pode ser correlacionado com os signos do Zodíaco através dos QUATRO ELEMENTOS e das emoções.

6.9 A partir do conhecimento das quadruplicidades dos ELEMENTOS, temos a capacidade de distinguir claramente qual é a especificidade de cada um Por exemplo: vamos observar os signos do ELEMENTO TERRA: Capricórnio, o semeador, que é o mais ativo. Depois Touro, que é o mais passivo. Por último encontramos o signo de Virgem que representa a colheita.

6.10 Passamos para os signos do ELEMENTO ÁGUA que buscam segurança das emoções. A fixação do caranguejo ou Câncer, em tomar a iniciativa de criar uma família estável e se dedicar aos filhos. O signo de Escorpião é um signo de emoções fixas e por isso ele tem a fama de vingativo, porque não quer que as emoções mudem, e qualquer fonte de contrariedade ou perturbação emocional trará uma reação igualmente proporcional.

6.11 O último dos signos do ELEMENTO ÁGUA é Peixes – ele é mais transcendentalista, tem menos defesa para este mundo. É um signo mais sonhador que busca a colheita das emoções sublimadas ou na transcendência espiritual.

6.12 Re-visitando o ELEMENTO AR, chegamos ao signo de Libra que busca expressar os ideais da justiça, da beleza, da harmonia, seja nas atividades artísticas, ou no equilíbrio das Leis.

6.13 O signo de Aquário de alguma forma é o signo da fraternidade, da amizade, mas como todos os signos do ELEMENTO AR, é à vezes um pouco distante, preferindo a independência e a liberdade.

6.14 O signo de Gêmeos é o que mais dúvidas têm - por ser dominado pela curiosidade. É o signo mais imprevisível e muitas vezes não consegue fazer uma coisa só, e quer fazer duas ao mesmo tempo. Porém Gêmeos tem uma flexibilidade mental extraordinária.

6.15 O primeiro signo signo do ELEMENTO FOGO é Áries, que vem para decidir, para se impor sobre o ambiente, para nascer, para conquistar seu espaço e sua auto-afirmação. Vai direto à ação e é impulsivo.

6.16 O signo de Leão, não vai tanto à ação, mas manda os outros irem. O signo de Leão é mais comandante, ele senta no trono e indica quem deve fazer o que, organiza a casa, da um urro e “..., cada macaco no seu galho”.

6.17 O signo de Sagitário, é mais filosófico, é uma mistura de Áries com Leão. Tem a impulsividade do Áries, é rápido como uma flecha para chegar direto ao assunto, por isso é representado por uma flecha. “Sagitta”, em latim, quer dizer “flecha”, “Sagittarius”, o arqueiro.



6.18 Re-visitamos também os conceitos das QUATRO ESTAÇÕES DO ANO, então, na primeira está representada a PRIMAVERA, com os signos de Áries, Touro e Gêmeos. Na segunda, temos o VERÃO representado por Câncer, Leão e Virgem. Observamos na terceira, o OUTONO que é representado por Libra, Escorpião e Sagitário.  Na quarta, INVERNO que está representado por Capricórnio, Aquário, Peixes.

6.19 Também destacamos os Chakras relacionados com os doze “medianos”.

7. Destarte, a Análise acontece à luz do que todos nos sabemos, e sabemos mais do que se pode imaginar superficialmente, ou já detemos informações em um nível para justificar a aplicação parcial ou total da presente Monografia.

7.2 Observa-se que a maioria dos Clientes busca no externo o “equilíbrio”. A FITOTERAPIA combinada com Psicoterapia Holística, impõe que o verdadeiro equilíbrio se encontra no interno e que o cultivo de comportamentos que satisfazem mais aos outros do que a si mesmo exige a inibição de vontades e necessidades, limita a expressão, a criatividade, e estimula o predomínio da racionalidade.

7.3 Através da observação da presente Monografia o Terapeuta Holístico poderá determinar outros procedimentos para sua estratégia, bem como as diretrizes eficazes para a terapêutica holística aplicável, pois em se tratando de uma queixa qualquer, o pensamento abstrato do Terapeuta Holístico nunca deixa de inquirir repetidamente sobre a causa.

7.4 HENRIQUE VIEIRA FILHO em sua obra O MICROCOSMO SAGRADO à pág. 16 afirma que “A planta, de modo geral, simboliza a energia solar condensada e manifesta, um prisma, decompondo o espectro solar em cores variadas. Captam também as forças ígneas da terra.Enquanto manifestações da vida, são inseparáveis das águas, que representam o não manifesto, portadora de todos os germes, das potencialidades, as latências, sendo as plantas a representação do manifesto, da criação cósmica”.







8. Aquele que desejar firmar os pés nas técnicas básicas de ACONSELHAMENTO, deve ter bem claro, mediante profunda reflexão, que a inquirição sobre a origem da causa da queixa do Cliente deve cessar em algum ponto, pois ao ultrapassá-lo, estará praticando um mero jogo de pensamento, por exemplo:


8.1 Ao observarmos os “sulcos” em uma pista de pouso, poderíamos inquirir a origem desses sulcos e como resposta teríamos que provêm das rodas de aeronave.


8.2 Podemos continuar a perguntar: por que foram os sulcos traçados pela aeronave? Sendo respondido: porque a aeronave passou pela pista de pouso.


8.3 Podemos continuar a perguntar: por que passou pela pista de pouso? Recebendo a resposta: porque transportava pessoas e cargas. Com estas perguntas chega-se finalmente, a saber, quais motivos dos sulcos na pista de pouso. E se não pararmos no fato, perderemos o verdadeiro fio do assunto e permaneceremos num mero jogo de perguntas.


8.4 HENRIQUE VIEIRA FILHO em sua obra  PSICOTERAPIA HOLÍSTICA à pág. 6 e 7, define “ACONSELHAMENTO: processo interativo, caracterizado por uma relação única entre Terapeuta Holístico e Cliente, levando este ao autoconhecimento e a mudança em várias áreas, sendo as mais comuns: comportamento, elaboração da realidade e/ou preocupações com a mesma, incremento na capacidade de ser bem-sucedido nas situações da vida (aumento máximo das oportunidades e minimização das condições adversas), além de conhecimento e a habilidade para tomada de decisão. O Aconselhamento é parte integrante do trabalho de todo verdadeiro Terapeuta Holístico, independentemente de quais outros métodos adote”.


CAPÍTULO 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS RESTRITAS.


AUBENQUE PIERRE, BERNHARDT JENA, CHÂTELET FRANÇOIS. “História da Filosofia, Idéias e Doutrinas”, 1a edição, Rio de Janeiro-RJ, Editora Zahar Editores, 1973;

HADDAD LIMA AMIM RAIMUNDO. A ANÁLISE HOLÍSTICA DO CLIENTE E SUA APLICAÇÃO NA PSICOTERAPIA. HOLOPÉDIA – SINTE – 29/05/2008;

LINDEMANN RICARDO. A CIÊNCIA DA ASTROLOGIA E AS ESCOLAS DE MISTÉRIOS. 1ª Edição, Brasília-DF, Editora Teosófica, 2007;

REVISTA THEOSOFIA - JAN/FEV/MAR/2009, Sociedade Teosófica no Brasil –site www.sociedadeteosofica.org.br

STEINER RUDOLF –FUNDAMENTOS DA AGRICULTURA BIODINÂMICA- 1ª Edição, São Paulo-SP, Editora Antroposófica, 1993.

VIEIRA FILHO HENRIQUE. “O Microcosmo Sagrado, 2a edição, São Paulo-SP , SinteBooks, 2006;

VIEIRA FILHO HENRIQUE. “Psicoterapia Holística, 1a edição, São Paulo-SP, SinteBooks, 2007.

VIEIRA FILHO HENRIQUE. “Fitoterapia em Cinco Movimentos, Volume I -1aedição, São Paulo-SP, SinteBooks, 2005.

VIEIRA FILHO HENRIQUE. “Fitoteca Em Cinco Movimentos, 1a edição, São Paulo-SP, SinteBooks, 2005.

ANEXOS E APÊNDICES. Não apresentamos.

Autor: : RAIMUNDO AMIM LIMA HADDAD
Última atualização: 09/09/2009 14:47


I Ching - O Software Do EU

 I Ching - O Software Do EU

Henrique Vieira Filho - Terapeuta Holístico - CRT 21001

SINTE – SINDICATO DOS TERAPEUTAS – Holística 2009

 

 

Sumário


Resumo

Introdução

Material e Metodologia

Resultados

Discussão

Conclusões

Referências Bibliográficas

Anexos e Apêndices

 

 

Resumo

Este trabalho aborda a utilização do I Ching como instrumento auxiliar à Psicoterapia Holística, análogo às técnicas de associação "livre" e de interpretação de sonhos. 

Igualmente discursa sobre sobre a sincronicidade (coincidências emocionalmente significativas) entre os símbolos gerados aleatoriamente (hexagramas) e o inconsciente do Cliente, como forma de propiciar "insights" e catarses durante a interpretação conjunta dos textos e imagens milenares.

E, a título lúdico, apresenta o I Ching como o antecessor do código binário utilizado na moderna computação, tendo as linhas, ora Yin, ora Yang, o mesmo papel dos numerais zero e um, a compor todo o Universo de possibilidades, sintetizadas em 64 situações arquetípicas com as quais todo indivíduo inconscientemente se percebe refletido.

 
 Introdução

Milenarmenteutilizado como forma de meditação pelos estudiosos e como oráculo pelosleigos, o I Ching foi apresentando ao século 20 como viável instrumentoterapêutico, graças à pública simpatia de Carl Gustav Jung,um dos maiores nomes da Psicanálise, por este instrumento, demonstradaem seu prefácio à obra "I Ching - O Livro Das Mutações", de RichardWilhelm, principal responsável em introduzir o sistema ao Ocidente.

Também na lista de célebres admiradores do I Ching, contamos com Gottfried Wilheim Leibniz,que assumiu a grande similaridade com o sistema binário (a basematemática da linguagem de computação...) por ele desenvolvido, assimcomo Niels Bohr, umdos pais da física quântica, que reconheceu as semelhanças entre suaciência das partículas e as mutações descritas neste que é consideradoo livro mais antigo do mundo (cerca de 5 mil anos), além do polêmicocientista biomolecular Johnson F. Yan, que demonstrou a curiosasemelhança entre a matemática do DNA e a do I Ching, popularizado emsua obra "DNA e o I Ching: o Tao da Vida" e, claro, o mais reverenciadofilósofo chinês, cujo nome latinizado é Confúcio, a quem se atribuivários textos interpretativos aos hexagramas.

OI Ching atua como "espelho" onde refletimos nosso próprio inconscientee sua eficácia neste sentindo é tamanha, a tal ponto de renomadosmatemáticos, físicos, biólogos, filósofos e, mais diretamenterelacionado à nossa proposta, psicanalistas, enxergarem a si e a seustrabalhos espelhados nos símbolos antigos. 

Da mesma forma, o Terapeuta Holístico podefazer uso deste instrumento, tanto para acessar seu próprioinconsciente e maximizar-se como pessoa e profissional, quanto comométodo lúdico de contornar a resistência racional dos Clientes emaflorar materiais psíquicos não conscientes, bem como clarificar oentendimento do momento. 

 

Material e Metodologia

Aidade mínima da pessoa atendida deve ser 18 anos; excepcionalmentepoderão ser aceitos clientes menores de idade, somente se houverautorização escrita de pelo menos um dos pais ou responsável legal e oprofissional deve avaliar como adequada a maturidade emocional docandidato; a autorização deve permancer guardada junto à ficha doCliente.

O profissional que atua com o I Ching é um TERAPEUTA HOLÍSTICO, Modalidade: Terapia Em Sincronicidade,que distingue-se dos demais por atuar junto ao seu cliente sem aobrigatoriedade do contato físico direto, sendo que em algumassituações nem sequer é necessária a presença do mesmo. 

Esteprofissional faz aplicações práticas da teoria da sincronicidadejunguiana, utilizando métodos tradicionais e modernos de análise, taiscomo radiestesia, paranormalidade, astrologia, numerologia, tarot, IChing, búzios, runas e similares, como formas auxiliares da avaliaçãodo quadro do cliente, ou terapeuticamente, estimulando-lhe a intuição eo pensamento não-linear. 

Deposse da análise sincronística, faz uso terapêutico de técnicas comoreiki, radiônica, psicotrônica, mentalizações e similares, além dadiscussão interativa com o cliente de aspectos levantados ouastrologicamente, ou numerologicamente ou por demais métodostradicionais de "previsão", acrescidos de aconselhamento, levando aoautoconhecimento e a mudanças em várias áreas, sendo as mais comuns:comportamento, elaboração da realidade e/ou preocupações com a mesma,incremento na capacidade de ser bem-sucedido nas situações da vida(aumento máximo das oportunidades e minimização das condiçõesadversas), além de conhecimento e habilidade para tomada de decisões,inclusive, profissionais. Realiza consultoria junto a empresas, além departiculares, aconselhando e otimizando a habilidade para tomada dedecisões tanto na esfera pessoal, quanto profissional, além de promovera harmonização energética de ambientes.

OTerapeuta Holístico deve explicar o processo de Terapia emSincronicidade com detalhes e certificar-se de que seu clientecompreendeu a proposta terapêutica, em especial, que inexistevinculação religiosa ou de credo ao trabalho. Deve esclarecer que ossímbolos e arquétipos (astros, cartas, números, hexagramas, etc.)jamais determinam as características e acontecimentossócio-psico-físicos do indivíduo, mas sim, por todos se regeremsincronisticamente pelas mesmas leis universais, servem como pontos dereferência exteriores onde espelhamos e estudamos a nós mesmos. 

Necessitatornar claro que a análise sincronística jamais se presta a previsõestaxativas, podendo outrossim, detectar as tendências e predisposiçõescom maior ou menor probabilidade de ocorrência em relação a um períodoou opção, servindo de subsídio para a tomada de decisões. 

Pertinentefazer compreender os limites da intervenção sincronística, ou seja, queao atuar intencionalmente sobre um símbolo ou arquétipo (alteração deletras em um nome, seleção astrológica de datas para eventos, uso depedras, gráficos, aromas e similares) com o objetivo de sincronizar-secom as influências desejadas, aumenta-se tal predisposição, outrossim,considerando-se a infinidade de fenômenos igualmente significativosenvolvidos, é vedada qualquer promessa taxativa de resultados.

Oconsultório deve estar aparelhado para proporcionar temperaturaambiente adequada ao conforto da pessoa atendida, luz amena,minimização de ruídos, bem como privacidade, inclusive do Cliente paracom o profissional.

OTerapeuta Holístico, por meio de variadas técnicas (relaxamento viatoque ou induzido verbalmente, musicoterapia, aromaterapia,cromoterapia e similares), deve propiciar ao Cliente um estado deserenidade, condição ideal para melhor aproveitamento da sessão em queincluir o I Ching. Opensamento deve focar em uma pergunta objetiva sobre a situação quedesejam aprofundar em terapia. Isto feito, opta por um método de geraraleatoriamente o hexagrama que servirá de "espelho" arquetípico onde oconsulente refletirá a si mesmo. 

Ohexagrama, como o nome sugere, é composto por seis linhas, cada qualpodendo ser classificada como yin (representada graficamente por umalinha interrompida: _ _ ), ou yang (representada por uma linha contínua: ___ ),sendo unidas umas sobre as outras, de baixo para cima. Originalmenterealizado por varetas de milefólio, o "sorteio" popularizou-se via usode três moedas de duas faces distintas, arbitrando-se o valor numérico2 (dois) para o lado par e 3 (três) para o ímpar. A soma das trêsmoedas sendo par, está pré-definida como sendo uma linha yin ( _ _ ) e,caso ímpar, resulta em linha yang ( __ ), sendo repetido o procedimento até obter as 6 linhas que comporão o hexagrama. 

Com o auxílio da literatura sobre o I Ching (recomendamos o excelente "I Ching: o Livro das Mutações",de Richard Wilhelm, impresso pela Editora Pensamento-Cultrix), queincluem uma tabela como a seguinte, identifica-se o númerocorrespondente ao hexagrama obtido e consulta-se os textos relacionados.

 

Trigrama
superior
 
----------------
Trigrama inferior 
Trigramme qián du Yi Jing Chi´ien, o Criativo
Céu
Trigramme zhèn du Yi Jing 
Chên, o Incitar

Trovão
Trigramme kǎn du Yi Jing 
K´an, o Abismal

Água
Trigramme gèn du Yi Jing 
Kên, a Quietude
Montanha
Trigramme kūn du Yi Jing 
K´un, o Receptivo

Terra
Trigramme xùn du Yi Jing 
Sun, a Suavidade

Vento
Trigramme lí du Yi Jing 
Li, o Aderir

Fogo
Trigramme duì du Yi Jing 
Tui, a Alegria

Lago
Trigramme qián du Yi Jing Chi´ien, o Criativo
Céu
Hexagramme 1 du Yi Jing
1
Hexagramme 34 du Yi Jing
34
Hexagramme 5 du Yi Jing
5
Hexagramme 26 du Yi Jing
26
Hexagramme 11 du Yi Jing
11
Hexagramme 9 du Yi Jing
09
Hexagramme 14 du Yi Jing
14
Hexagramme 43 du Yi Jing
43
Trigramme zhèn du Yi Jing Chên, o Incitar
Trovão
Hexagramme 25 du Yi Jing
25
Hexagramme 51 du Yi Jing
51
Hexagramme 3 du Yi Jing
3
Hexagramme 27 du Yi Jing
27
Hexagramme 24 du Yi Jing
24
Hexagramme 42 du Yi Jing
42
Hexagramme 21 du Yi Jing
21
Hexagramme 17 du Yi Jing
17
Trigramme kǎn du Yi Jing K´an, o Abisma
Água
Hexagramme 6 du Yi Jing
6
Hexagramme 40 du Yi Jing
40
Hexagramme 29 du Yi Jing
29
Hexagramme 4 du Yi Jing
4
Hexagramme 7 du Yi Jing
7
Hexagramme 59 du Yi Jing
59
Hexagramme 64 du Yi Jing
64
Hexagramme 47 du Yi Jing
47
Trigramme gèn du Yi Jing Kên, a Quietude
Montanha
Hexagramme 33 du Yi Jing
33
Hexagramme 62 du Yi Jing
62
Hexagramme 39 du Yi Jing
39
Hexagramme 52 du Yi Jing
52
Hexagramme 15 du Yi Jing
15
Hexagramme 53 du Yi Jing
53
Hexagramme 56 du Yi Jing
56
Hexagramme 31 du Yi Jing
31
Trigramme kūn du Yi Jing K´un, o Receptivo
Terra
Hexagramme 12 du Yi Jing
12
Hexagramme 16 du Yi Jing
16
Hexagramme 8 du Yi Jing
8
Hexagramme 23 du Yi Jing
23
Hexagramme 2 du Yi Jing
2
Hexagramme 20 du Yi Jing
20
Hexagramme 35 du Yi Jing
35
Hexagramme 45 du Yi Jing
45
Trigramme xùn du Yi Jing Sun, a Suavidade
Vento
Hexagramme 44 du Yi Jing
44
Hexagramme 32 du Yi Jing
32
Hexagramme 48 du Yi Jing
48
Hexagramme 18 du Yi Jing
18
Hexagramme 46 du Yi Jing
46
Hexagramme 57 du Yi Jing
57
Hexagramme 50 du Yi Jing
50
Hexagramme 28 du Yi Jing
28
Trigramme lí du Yi Jing Li, o Aderir
Fogo
Hexagramme 13 du Yi Jing
13
Hexagramme 55 du Yi Jing
55
Hexagramme 63 du Yi Jing
63
Hexagramme 22 du Yi Jing
22
Hexagramme 36 du Yi Jing
36
Hexagramme 37 du Yi Jing
37
Hexagramme 30 du Yi Jing
30
Hexagramme 49 du Yi Jing
49
Trigramme duì du Yi Jing Tui, a Alegria
Lago
Hexagramme 10 du Yi Jing
10
Hexagramme 54 du Yi Jing
54
Hexagramme 60 du Yi Jing
60
Hexagramme 41 du Yi Jing
41
Hexagramme 19 du Yi Jing
19
Hexagramme 61 du Yi Jing
61
Hexagramme 38 du Yi Jing
38
Hexagramme 58 du Yi Jing
58


Comumente,o nome dos trigramas (hexagramas são compostos por dois trigramas), bemcomo do hexagrama em si, por si só, induzem a imagens mentais desituações análogas na natureza, provocando respostas emocionais. Nolivro recomendado existe também descrições e comentários, quanto àslinhas, aos trigramas e ao hexagrama em si, tanto de origem milenar,quanto do próprio autor e a e leitura dos mesmos frequentemente causa"insights", onde o consulente percebe coincidências significativasentre o descrito e a resposta que procura.

Portradição, as linhas que resultem das três moedas com a mesma face (3"caras", ou 3 "coroas"), ou, no caso de outro sistema de sorteio, omaior número par possível (seis), ou maior número ímpar possível(nove), por si só seriam objeto de atenção especial, existendo textosespecíficos a serem lidos e interpretados, para cada linha nestasituação, que são chamadas de "linhas móveis". 

A"mobilidade" sugerida implica que, estando na soma numérica máxima dacondição par (yin) ou ímpar (yang), as linhas nestas condições estãoprestes a se transformar em seu oposto ( de _ _ passaria para __ evice-versa...), obtendo-se assim, um novo hexagrama, desta vezrelacionado a uma situação futura, que seria decorrência natural datransmutação no tempo, do quadro apresentado inicialmente, que é focadono momento presente. Novamente, a consulta à tabela acima, levaria aostextos correspondentes, que acrescentariam mais subsídios para oconsulente espelhar-se e obter conclusões.

Atualmente,existe muitos softwares capazes de realizar o sorteio do hexagrama, bemcomo já localizar os textos correspondentes ao mesmo. O próprio SINTE - SINDICATO DOS TERAPEUTAS vem desenvolvendo uma versão online, para uso de seus associados.

OTerapeuta Holístico traz à pauta terapêutica as sincronicidadespercebidas pelo Cliente em relação à sessão com o I Ching, tal comofaria nas técnicas de interpretação de sonhos e de associações"livres", realizando uma discussão interativa sobre os aspectoslevantados, auxiliando o consulente a reconhecer conteúdos psíquicosseus que projetou durante o exercício lúdico de interpretação dohexagrama. 

 

Resultados

Ométodo mostrou-se eficaz como forma de acesso ao inconsciente,contornando as defesas racionais que comumente bloqueiam o aflorar dematerial psíquico, bem como foi particularmente útil com Clientes quetenham resistência maior perante as alternativas mais usuais deampliação da consciência, tais como análise de sonhos e associaçõeslivres. A interpretação e discussão de hexagramas obtidos possibilitauma sequência de pautas a serem trabalhadas em sessões continuadas,funcionando como fio de meada eficiente para a evolução dos processosde autoconhecimento almejados na terapia.


Discussão 

Boaparte do esforço terapêutico se dá no sentido de acessar o conteúdopsíquico inconsciente do Cliente, trazendo-o à consciência e auxiliar àmaior compreensão e assimilação, resultando em autoconhecimento e, porconsequência, uma melhoria na Qualidade de Vida

Quantomais objetivo e racional for o método adotado para este fim, tanto maisfácil será para que as defesas e a resistência à terapia criemobstáculos ao aflorar de material reprimido. É válido, pois, que seutilize igualmente técnicas de cunho subjetivo, capazes de contornar aresistência do racional e possibilitar que, de forma indireta, semanifestem aspectos psíquicos, projetados em algo externo ao que sejacomumente associado com o "eu". O analista atento será capaz deidentificar as projeções e colher subsídios para a evolução da terapia.A Psicanálise clássica tira bom proveito da técnica de associaçãolivre, na qual o Cliente, ao entregar-se ao "jogo" de expressar tudoque lhe vier à mente, sem censura e da forma mais espontânea eimpensada, frequentemente traz à tona informações reprimidas sobre simesmo, sem se dar conta de imediato, contornando desta forma, aresistência natural que impede o aflorar destes conteúdos. Ainterpretação de sonhos segue este mesmo caminho, pois, nosso racionalnão se dá conta, a princípio, de que ao falar do que aconteceu nouniverso onírico, estamos, na verdade, contando sobre nós mesmos. OPsicodrama, a Arteterapia, igualmente possibilitam "palco" e "tela"onde o Cliente interpreta e pinta a si mesmo, sem se dar conta imediatado processo, evitando dessa forma que as defesas racionais bloqueiem oeclodir do material psíquico.

Dentro desta mesma linha, os métodos que utilizam o conceito junguiano de SINCRONICIDADE, tais como Astrologia, Numerologia, Tarô e, mais particularmente ao caso, o I Ching,funcionam perfeitamente como formas de acessar o inconsciente e detrazer à tona material antes reprimido, no decorrer do exercício deinterpretação.

Aindaque de origem milenar e oriental, o I Ching, quanto à forma, está emparalelo com as mais modernas e ocidentais concepções. O conceito de umuniverso em contínua mutação possui evidentes analogias com a visão domicroscosmo das partículas, antes tida como imutáveis, e que agora sãoconcebidas como transmutáveis umas nas outras, na visão da físicaquântica. 

Jáa incrível coincidência entre a matemática do DNA e as suas 64possíveis combinações e igual número e forma de hexagramas do I Ching,novamente colocam o secular sistema em sintonia com os nossos tempos.

Maispróxima ao cotidiano de todos, a computação, onipresente na vidamoderna, simplesmente se baseia na mesma matemática que o I Ching: TUDOé sintetizável e expresso sob  combinações de tão somente duasvariáveis opostas e complementares: "0" (desligado, negativo) e "1"(ligado, positivo), ou seja, yin ( _ _ ) e yang ( __ ) !

Veja a palavra ALEGRIA, escrita em linguagem de computação: 

 

01000001011011000110010101100111011100100110100101100001

 

E a mesma expressão, sintetizada em um hexagrama:

 

_  _  0
___  1
___  1
_  _  0
___  1
___  1

Damesma forma como a linguagem "pura" do computador nos é incompreensívele precisamos de sistemas operacionais (DOS, Windows, Linux...) quefaçam a tradução, bem como de "softwares" (aplicativos) para tarefasespecíficas, igualmente o entendimento direto de um hexagrama nosescapa e necessitamos de "traduções" desta linguagem primordial,servindo para tal, os textos de autores seculares e modernos, que nostrazem suas interpretações quanto às linhas, trigramas e hexagramas.

Assimcomo o computador, tão somente variando entre zero e um, nos dá acessoa textos, imagens, sons, vídeos, cores, igualmente o I Ching,alternando entre yin e yang, resulta em combinações que evocam em cadaum de nós, situações típicas pelas quais todos passamos em algummomento, mais precisamente, 64 circunstâncias "universais", ARQUETÍPICAS, tão antigas e primordiais que fazem parte do INCONSCIENTE COLETIVO e, como tal, automaticamente evocam nossa empatia. 

Cadahexagrama é um espelho no qual refletimos uma faceta de nós mesmos.Neste quesito, até o mais cético e racional dos indivíduos éperfeitamente capaz de compreender e aceitar. O que realmente causaadmiração a quem pratica e suspeição em quem nunca experienciou ofenômeno, é que o signo gerado ao "acaso" pelas variáveis do yin eyang, resulta em algo mais do que uma "tela" em que projetamos aspectosinconsciente de nosso psiquismo... Até mesmo um "observador externo" aoevento percebe evidentes coincidências entre a pergunta original e osímbolo resultante pelo método do I Ching. Não existe uma relaçãocausal, mas, subjetivamente, emocionalmente, é sentido que é ocorrecontinuadamente coincidências significativas, ou seja, SINCRONICIDADES entre o momento vivenciado pelo consulente e a interpretação clássica do hexagrama resultante.

 

Nestetrabalho aqui apresentado, teceu-se várias metáforas relacionando osistema com "telas" onde o Cliente pinta a si mesmo; neste ponto datese, convém ampliarmos a analogia, considerando cada hexagrama comouma obra-prima retratada há milhares de anos, cuja interpretação já foiobjeto de dedicação de inúmeros especialistas no decorrer dos tempos. AMona Lisa, de Da Vinci, é coletivamente conhecida por seu sorrisoenigmático. Individualmente, pode ocorrer de alguém olhar ao quadro econsiderar a mulher retratada como estando, por exemplo, triste. Nestasituação hipotética, há grandes chances da pessoa estar PROJETANDO suatristeza como se fosse algo externo a si, defensivamente atribuindo suaemoção não compreendida para a tela. Claro que, em terapia, a situaçãodescrita, por si só, teria proporcionado um bom subsídio... 

Já no contexto terapêutico em que se emprega o I Ching, o procedimento terá que ser complementado. Quando um profissional, um Terapeuta Holístico,se propõe a incluir esta técnica a disposição de seus Clientes, há deestudar as interpretações clássicas de cada hexagrama, pois,partindo-se do pressuposto da SINCRONICIDADE, ainda que sejafundamental tudo o que o consulente projetar de si sobre os símbolos,também será importante o arquétipo, quanto ao seu consensointerpretativo clássico, cabendo levantar a hipótese de o indivíduoenquadrar-se no contexto e estar resistindo inconscientemente emconstatar. 

Aindano campo metafórico, algo como um espelho refletindo uma pessoa magra(dentro de parâmetros de interpretação padronizados pela sociedade..),que vê a si como estando acima do peso, pois, devido a educaçãorecebida, traumas, etc..., desenvolveu uma auto-imagem de inadequação.Caberia ao Terapeuta Holístico constatar a provável disparidade eincluir na pauta das sessões uma forma de auxiliar o Cliente em rever aimagem que fixou sobre si mesmo. Também no espelhamento frente a umhexagrama, o profissional deve observar se há discrepânciasignificativa entre a interpretação pessoal do consulente e a versãoclássica e se é caso de propor e proporcionar oportunidade dereavaliação de sua percepção do momento.

O I Ching, quanto empregado no âmbito terapêutico, tem claro enfoque de que está sendo acessado o INCONSCIENTE,não apenas o coletivo, mas essencialmente o INDIVIDUAL, cabendo aoTerapeuta Holístico catalizar a interpretação do Cliente quanto aoshexagramas, inclusive, suprindo-o de informações quanto à visãoclássica de seus significados, mantendo-se atento a identificar oconteúdo psíquico que se apresentar refletido, para que possa, nomomento oportuno, reapresentar à pauta das sessões.


Conclusões

Boaparte da Clientela da Terapia Holística possui curiosidade e aceitaçãoquanto a técnicas que envolvam a Sincronicidade, como é o caso do I Ching, especialmentedestacado graças à simpatia pública de grandes pensadores, e, ainda quemilenar, mantendo-se em surpreendente atualidade quanto ao linguajarmatemático em que se estrutura, similar ao dos computadores, que estãocada vez mais inseridos no dia-a-dia de nossa vida moderna.

Aampliação do autoconhecimento é premissa para toda Terapia, o que exigedos profissionais o conhecimento e aplicação de técnicas que propiciemacesso ao inconsciente de cada Cliente, trazendo à consciênciaconteúdos psíquicos para serem compreendidos e integrados. Os sistemas("mecanismos"...) de defesa criam a natural e esperada resistência aeste processo de aflorar do psiquismo, cabendo ao analista encontrarformas de contornar e abrandar esta reação contrária, elegendo qual atécnica adotar, para cada indivíduo e a cada momento. 

Somando-seà milenar análise dos sonhos, às técnicas vivenciais de catarse, àserena e freudiana associação livre de idéias, dentre inúmeros outrosinstrumentos, este trabalho apresenta o uso do I Ching como mais umeficaz e lúdico sistema a ser aplicado nos consultórios.

OPsicanalista Carl G. Jung o considerou um guia para o inconsciente. Jáesta dissertação, de forma bem-humorada quanto à sua analogia com osmodernos sistemas de informática, acrescenta que o I Ching é umverdadeiro "software" do Eu.

 

Referências Bibliográficas

"I Ching: o Livro das Mutações" - Richard Wilhelm - Editora Pensamento-Cultrix

“Tutorial Terapia Holística” - Henrique Vieira Filho – SinteBooks

"DNA e o I Ching: o Tao da Vida" - Johnson F. Yan - Madras

"I Ching - O Livro Do Yin E Do Yang" - Cyrille Javary -Editora Pensamento-Cultrix

"O Tao Da Física: Um Paralelo Entre A Física Moderna E O Misticismo Oriental" - Fritjof Capra - Editora Pensamento-Cultrix

 

Anexos e Apêndices

 

Coincidência entre os estudos do DNA e do I Ching

Quadro-resumo das semelhanças

DNA I Ching
O DNA encerra todos os processos vitais de todos os seres vivos, determinados por uma estrutura com formação precisa. O I Ching engloba todos os processos existenciais dos seres vivos, através de uma estrutura com formação precisa.
A base do DNA é constituída pela polaridade da dupla hélice, sendo a manifestação fundamental da vida. A base do I Ching é constituída pela polaridade Yin-Yang, manifestação fundamental do princípio universal.
Quatro moléculas compõem a hélice dupla do DNA: adenina, timina, citosina e guanina; elas se interligam aos pares. Quatro símbolos são utilizados para compor uma codificação: yang-repouso, yang-móvel, yin-repouso e yin-móvel; eles se interligam aos pares.
Três destas moléculas formam uma palavra-código para a síntese da proteína. Três destes símbolos formam um trigrama, que é a imagem fundamental a formar os hexagramas.
Cada palavra é constituída de três letras dentre quatro possíveis. Cada trigrama é constituída de três símbolos dentre quatro possíveis.
A direção de leitura das palavras-código é estritamente determinada. A direção de leitura dos trigramas é estritamente determinada.
Duas das tríades denominam-se "início" e "fim". Marcam o começo e o término de uma frase-código. Dois dos hexagramas denominam-se "Antes do Fim" e "Após o Fim". Marcam fim e início de uma situação vivencial.
A programação da identidade genética é determinada por um código de 64 palavras. Os hexagramas são as identidades de interpretação e formam um conjunto de 64 condições.
Uma ou diversas tríades programam a construção de cada um dos vinte aminoácidos; seqüências bem determinadas dessas tríades elaboram a forma e construção de todos os seres vivos, dento de um contexto evolutivo. Uma ou diversas tríades formam hexagramas que fornecem imagens vívidas e precisas de estados dinâmicos da vivência; seqüências bem determinadas dessas tríades determinam uma programação de destino, dentro de um contexto evolutivo.

Fonte: http://www.mlopes.eng.br/iching/dna2.htm


 

NTSV — TS 001-Terapia em Sincronicidade — Boas Práticas

1. SUMÁRIO


Norma Técnica Setorial Voluntária para a Terapia Holística - NTSV — TS 001 - Terapia em Sincronicidade — Boas Práticas

 

2. PREFÁCIO


  Normas Técnicas Setoriais Voluntárias para a Terapia Holística (normas= regras; técnicas = padrões adequados de procedimentos profissionais;setoriais = específicas para o setor da Terapia Holística; voluntárias= sem obrigação por Lei Federal).
   A Auto-Regulamentação pressupõeuma atitude voluntária dos profissionais a partir de umaconscientização para a necessidade da autodisciplina que abrangerápontos básicos, estabelecendo regras éticas e técnicas de atuação, taiscomo Normas Técnicas Setoriais Voluntárias, Códigos de Ética,Resoluções, Pareceres, os quais deverão ser cumpridos não por força deLei, mas sim, por força contratual que se estabelece por ocasião dafiliação espontânea de cada membro junto à entidadeauto-regulamentadora.
   Ao contrário do que ocorre nas profissõesregulamentadas por Lei Federal, onde um membro pode ser punido atémesmo com a cassação de seu direito ao exercício profissional, asentidades auto-regulamentadoras se limitam a aplicar sançõesestatutárias aos seus associados espontaneamente filiados e, quandomuito, excluir um membro do quadro social.
   As entidadesAuto-Regulamentadoras divulgam através da mídia seus regulamentos àsociedade a qual, esclarecida, espontaneamente dá preferência aosserviços e produtos que se enquadrem voluntariamente às regras internasda organização. O reconhecimento ao enquadramento é tornado públicoatravés de Selos de Qualidade aos produtos e por Certificações Técnicase Carteiras de Associados aos serviços e profissionais. Mesmo semobrigatoriedade legal, este reconhecimento torna-se um diferencialmuito favorável a quem o obtém, que passa a ser favorecido pela "lei demercado".
   A Auto-Regulamentação é o caminho do meio, que cada veztem mais seguidores e que na teoria, tanto quanto na prática, mostracrescentes vantagens sobre os sistemas utópicos de liberdade total oudo total controle do governo.
   Ao final, foram acrescidos AnexosInformativos que apresentam dados adicionais a servirem de subsídiospara melhor entendimento do contexto que norteou a elaboração da NTSV,além de facilitar a co


3. INTRODUÇÃO 

 

ATerapia em Sincronicidade conta com uma vasta bibliografia e grandeaceitação em nosso país, tendo sofrido interpretações divergentesquanto a sua correta utilização. Esta Norma define alguns princípiosbásicos para as boas práticas profissionais que nortearão aauto-regulamentação da Terapia Holística.

 

4. ELEMENTOS NORMATIVOS GERAIS

 

4.1 TítuloTERAPIA EM SINCRONICIDADE — Boas Práticas

4.2 Objetivo
Definir a adequação padrão de utilização.

4.3 Referências Normativas
NTSV — TH 001 — Código de Ética da Categoria dos Terapeutas Holísticos
NTSV — TH 002 — BRT — Bloco de Recomendação Terapêutica
NTSV — TH 003 — FC — Ficha de Cliente

 

5. ELEMENTOS NORMATIVOS TÉCNICOS

 

5.1 Definições

5.1.1 TERAPEUTA HOLÍSTICO, em geral, procede ao estudo e à análise do cliente, realizados sempre sob o paradigma holístico, cuja abordagem leva em consideração os aspectos sócio-somato-psíquicos. Faz uso da somatória das mais diversas técnicas, pois cada caso é considerado único e deve-se dispor dos mais variados métodos, para possibilitar a opção por aqueles com os quais o cliente tenha maior afinidade: promove a otimização da qualidade de vida, estabelecendo um processo interativo com seu cliente, levando este ao autoconhecimento e a mudanças em várias áreas, sendo as mais comuns: comportamento, elaboração da realidade e/ou preocupações com a mesma, incremento na capacidade de ser bem-sucedido nas situações da vida (aumento máximo das oportunidades e minimização das condições adversas), além de conhecimento e habilidade para tomada de decisão. Avalia os desequilíbrios energéticos, suas predisposições e possíveis consequências, além de promover a catalização da tendência natural ao auto-equilíbrio, facilitando-a pela aplicação de uma somatória de terapêuticas de abordagem holística, com o objetivo de transmutar a desarmonia em autoconhecimento.
5.1.2 
TERAPEUTA EM SINCRONICIDADE: distingue-se dos demais terapeutas por atuar junto ao seu cliente sem a obrigatoriedade do contato físico direto, sendo que em algumas situações nem sequer é necessária a presença do mesmo. Este profissional faz aplicações práticas da teoria da sincronicidade junguiana, utilizando métodos tradicionais e modernos de análise, tais como radiestesia, paranormalidade, astrologia, numerologia, tarot, I Ching, búzios, runas e similares, como formas auxiliares da avaliação do quadro do cliente, ou terapeuticamente, estimulando-lhe a intuição e o pensamento não-linear. De posse da análise sincronística, faz uso terapêutico de técnicas como reiki, radiônica, psicotrônica, mentalizações e similares, além da discussão interativa com o cliente de aspectos levantados ou astrologicamente, ou numerologicamente ou por demais métodos tradicionais de previsão, acrescidos de aconselhamento, levando ao autoconhecimento e a mudanças em várias áreas, sendo as mais comuns: comportamento, elaboração da realidade e/ou preocupações com a mesma, incremento na capacidade de ser bem-sucedido nas situações da vida (aumento máximo das oportunidades e minimização das condições adversas), além de conhecimento e habilidade para tomada de decisões, inclusive, profissionais. Realiza consultoria junto a empresas, além de particulares, aconselhando e otimizando a habilidade para tomada de decisões tanto na esfera pessoal, quanto profissional, além de promover a harmonização energética de ambientes.
5.1.3 
CLIENTE: usuário de serviços de Terapia Holística, em pleno gozo de suas faculdades mentais que, a seu juízo, ou, quando for o caso, mediante autorização de seu representante legal, aceita a prosposta de trabalho terapêutico apresentada pelo profissional.
5.1.4 
PARAPSICOLOGIA: estudo de uma série de fenômenos psíquicos, fisiológicos e físicos, inabituais, ainda não explicáveis pelas leis naturais conhecidas, os quais comumente, atuam como que dotados de intencionalidade e inteligência. Linha terapêutica que trabalha especificamente os chamados fenômenos paranormais, tais como, desdobramento consciente ("viagem astral"), regressão a vidas passadas, "poltergeist", possessão e similares.
5.1.5 
VIVÊNCIAS: realizadas individualmente ou em grupo, utiliza tanto da Terapia Corporal, quanto do Relaxamento como introdução a estados profundos de auto-consciência e, desse modo, permitir o aflorar tanto de emoções reprimidas, lembranças traumáticas e sonhos (para serem trabalhados na Terapia Holística), quanto o despertar de uma sabedoria interior e intuitiva no cliente, capaz de orientá-lo na tomada de decisões ou, até mesmo, na resolução de questões de saúde.
5.1.6 
RELAXAMENTO: vários métodos são utilizados para a obtenção de uma relaxação muscular e psíquica, dentre eles a Massagem, a Musicoterapia, a Cromoterapia, a Cristaloterapia, a Acupuntura e a sugestão verbal. Ver, também, Vivências.
5.1.7 
"INSIGHT": termo utilizado na terapia junguiana e transpessoal — "lampejos" repentinos de uma consciência maior (quer seja sob a forma de lembranças ou de imagens simbólicas a serem decifradas) que possibilita apreender na forma de síntese uma série de fatores até então não compreendidos.
5.1.8 
TERAPIA TRANSPESSOAL: a proposta é a transcendência dos limites da personalidade, conectando o cliente consigo mesmo, trazendo à consciência aspectos de seu "eu" mais profundo, integrando-se, ainda, com seu próprio corpo, sociedade e universo.
5.1.9 
ACONSELHAMENTO: processo interativo, caracterizado por uma relação única entre Terapeuta Holístico e cliente, levando este ao autoconhecimento e a mudanças em várias áreas, sendo as mais comuns: comportamento, elaboração da realidade e/ou preocupações com a mesma, incremento na capacidade de ser bem-sucedido nas situações da vida (aumento máximo das oportunidades e minimização das condições adversas), além de conhecimento e habilidade para tomada de decisão. O Aconselhamento é parte integrante do trabalho de todo verdadeiro TH, independentemente de quais outros métodos adote.
5.1.10 
SINCRONICIDADE: teoria Junguiana da possibilidade de relação significativa, mas não causal, entre eventos; termo criado C. G. Jung para descrever a ocorrência quase simultânea de dois eventos, um interior e o outro, exterior, que parecem ter uma relação em comum, que não seja a de "causa e efeito".
5.1.11 
JUNG — CARL GUSTAV JUNG: médico psiquiatra, discípulo dissidente de Freud, contribuiu de forma admirável à psicoterapia desenvolvendo as teorias da Sincronicidade e do Inconsciente Coletivo, dentre outras.
5.1.12 
TRANSPESSOAL / TRANSPESSOALIDADE: expansão da consciência para além dos limites usuais do ego e da personalidade, levando, até mesmo, a estados alterados de consciência com sensações espirituais e religiosas.
5.1.13 
ARQUÉTIPO: são padrões ou motivos universais que emanam do Inconsciente Coletivo (ou, como preferia Jung, Psique Objetiva), que foram incorporados por experiências reiteradas, coletivas e significativas da humanidade. Irrepresentáveis em si mesmos, contatamos seus efeitos quando se manifestam na conciência como imagens e idéias arquetípicas, ou seja, os Símbolos (melhor expressão possível para algo essencialmente desconhecido). Arquétipo e Símbolo são opostos complementares. O primeiro representa o passado, o herdado, o coletivo, aquilo que é a Verdadeira Realidade, a qual não pode ser contactada diretamente pelo nosso racional, mas apenas indiretamente, pelos seus efeitos. O segundo, constitui a cultura, o adquirido, o individual e se manifestam na realidade relativa de nosso conhecimento e consciência. Assim sendo, os arquétipos representam a dinâmica de nosso inconsciente e os símbolos são as referências de nossa consciência. As estruturas arquetípicas podem ser comparadas ao eixo, ao "molde-informação" de um cristal: este, ao formar-se, obedece a um padrão de forma pré-determinado por um eixo axial, o qual não possui, entretanto, existência própria, sendo, pois, pura forma. Mesmo assim, ele pré-determina a estrutura geométrica do cristal, não impedindo, porém que surjam particularidades que os diferenciem uns dos outros. Igualmente, as estruturas arquetípicas são pura forma, que dão estrutura aos símbolos. O arquétipo não é, necessariamente, um resíduo de experiências realmente acontecidas, sendo mais um desejo, que como tal, busca realizar-se e repetir-se. Por exemplo, não que alguma vez haja existido um "Ancião Sábio", que a tudo conhecia. O que sempre houve foi o desejo universal no homem de que ele existisse... O universo dos arquétipos é nosso passado vivo e nosso futuro possível, coordenadores de nossas energias, moldes comportamentais aos quais recorremos e incorporamos inconscientemente ou não, atraídos que somos pela ressonância entre nossa situação e a que eles representam.
5.1.14 
SÍMBOLO: é a melhor expressão possível para designar algo desconhecido ou incapaz de ser descrito por palavras. Muitas vezes representado na forma de imagens ou sons, funciona como uma forma de linguagem do inconsciente, expressa nos sonhos, nas artes, nos exercícios de imaginação ativa, dentre outras situações. Pode ter um significado individual ou coletivo.
5.1.15 
TERAPIA EM SINCRONICIDADE: sistema que utiliza métodos tradicionais e modernos de análise, tais como radiestesia, paranormalidade, astrologia, numerologia, tarot, I Ching, búzios, runas e similares para conhecimento e compreensão da personalidade e habilidades de um indivíduo ou organização, catalisando o cliente ao autoconhecimento e a mudanças em várias áreas, sendo as mais comuns: comportamento, elaboração da realidade e/ou preocupações com a mesma, incremento na capacidade de ser bem-sucedido nas situações da vida (aumento máximo das oportunidades e minimização das condições adversas) e na habilidade para tomada de decisões, inclusive, profissionais, além de promover a harmonização de ambientes.
Aplicação prática da teoria da sincronicidade junguiana e do paradigma holístico, faz uso da extreita conexão existente entre o objeto da análise e o instante universal em que ele se apresenta, o qual se torna interpretável por técnicas que exponham símbolos e arquétipos do inconsciente coletivo (astros, números, cartas, hexagramas, etc), pontos estes de referência sobre os quais tanto o profissional, quanto o cliente projetam seu psiquismo, intuição e o pensamento não-linear, identificando por "insight" simultaneidades significativas acausais, aflorando à consciência a síntese uma série de fatores até então não compreendidos.

5.2 Símbolos e Abreviaturas


TH — Terapeuta Holístico;
TS — Terapia em Sincronicidade;
THS — Terapeuta em Sincronicidade;
NTSV — Norma Técnica Setorial Voluntária.

 

5.3 Requisitos e Métodos de Ensaio

5.3.1 CRT — Carteira de Terapeuta Holístico Credenciado — O fato do Terapeuta Holístico possuir ou não CRT — Carteira de Terapeuta Holístico Credenciado ou estar filiado a qualquer entidade de nossa área, do ponto de vista legal, é irrelevante, uma vez que inexiste obrigatoriedade por Lei Federal. Entretanto, possuir um CRT é motivo cada vez maior de orgulho e de aceitação, tanto é que as Carteiras de Terapeuta Holístico Credenciado são impressas dentro dos mais rigorosos requisitos de qualidade e segurança. A população, por sua vez, finalmente pode ficar segura quanto ao profissional que procura, pois jamais haverá possibilidade de confundir um Terapeuta Holístico com um Psicólogo, ou um Fisioterapeuta, ou um Médico, justamente graças à utilização do número de CRT em seus cartões e anúncios. Esta diferenciação foi e sempre será objeto de ampla campanha de esclarecimento nos mais variados veículos de comunicação.
5.3.2 Qualificação Técnica — (neste item, preencher no mínimo um dos requisitos):

5.3.2.1 — Diploma de cursos da área reconhecidos pelo MEC ou pelo SINTE; e/ou
5.3.2.2 — Diploma de curso superior na área de saúde ou outro a critério exclusivo do SINTE; e/ou
5.3.2.3 — Notório Saber: monografia sobre RD e RDN aprovada pelo SINTE; e/ou
5.3.2.4 — Direito Adquirido: Comprovação de atuação há mais de 4 anos, seja por registro como empregado, autônomo ou como empresa da área, apresentando os documentos pertinentes: em caso de empregado, cópia do conteúdo da Carteira de Trabalho; se for profissional autônomo, cópia do ISS contendo a data de início da atividade; se for empresa, CNPJ e Contrato Social, onde comprove a vinculação com a nossa profissão.

5.3.3 Boas práticas em TS

5.3.3.1 — Idade mínima do cliente: 18 anos; poderão ser aceitos clientes menores de idade, se permancerem presentes pelo menos um dos pais ou responsável legal ou se houver autorização escrita dos mesmos, devendo a autorização permancer guardada junto à ficha do cliente.
5.3.3.2 — Explicar o processo de TS com detalhes e certificar-se de que seu cliente compreendeu a proposta terapêutica, em especial, que inexiste vinculação religiosa ou de credo ao trabalho.

5.3.3.2.1 — Esclarecer que os símbolos e arquétipos (astros, cartas, números, hexagramas, etc.) jamais determinam as características e acontecimentos sócio-psico-físicos do indivíduo, mas sim, por todos se regerem sincronisticamente pelas mesmas leis universais, servem como pontos de referência exteriores onde espelhamos e estudamos a nós mesmos.
5.3.3.2.2 — Tornar claro que a análise sincronística jamais se presta a previsões taxativas, podendo outrossim, detectar as tendências e predisposições com maior ou menor probabilidade de ocorrência em relação a um período ou opção, servindo de subsídio para a tomada de decisões.
5.3.3.2.3 — Fazer compreender os limites da intervenção sincronística, ou seja, que ao atuar intencionalmente sobre um símbolo ou arquétipo (alteração de letras em um nome, seleção astrológica de datas para eventos, uso de pedras, gráficos, aromas e similares) com o objetivo de sincronizar-se com as influências desejadas, aumenta-se tal predisposição, outrossim, considerando-se a infinidade de fenômenos igualmente significativos envolvidos, é vedada qualquer promessa taxativa de resultados.

5.3.3.3 — O THS tem por obrigação manter-se em treinamento sistemático para desenvolver sua intuição e pensamento não-linear, observando a sua adequação quanto a superar a interferência de seu próprio consciente ou de interferências estranhas ao objeto de pesquisa, a fadiga e os estados emocionais alterados.

5.3.3.3.4 — O THS avalia o cliente e/ou do ambiente, interpretando os símbolos e arquétipos do inconsciente coletivo, identificando quais as potencialidades e predisposições a serem adequadamente trabalhadas por aconselhamento e demais técnicas pertinentes.
5.3.3.3.5 — O THS ao selecionar as terapêuticas a serem recomendadas caso a caso:

5.3.3.3.5.1 — Somente fará uso das técnicas em TH para as quais esteja devidamente registrado junto ao SINTE — Sindicato dos Terapeutas.
5.3.3.3.5.2 — Ao detectar a necessidade de técnicas que extrapolem suas atribuições, encaminhar ao profissional especializado.
.

5.3.3.3.6 — Cabe ao THS a avaliação racional da análise sincronística obtida para detectar o efeito de deslocamento pré ou pós-cognitivo e desvios negativos provocados por condições inibitórias, situações estas onde o profissional fará a devida correção.

5.3.4 Produtos para TS — aquisição e indicação

5.3.4.1 Opção 1: aquisição pelo próprio THS em estabelecimentos legalmente constituídos, devendo ser conservada a Nota Fiscal comprovando a origem do produto. Importante: é vedada a comercialização no consultório, devendo ter isso em conta ao estabelecer o valor da consulta pois, neste caso, os produtos serão doados, jamais serão cobrados à parte (um só preço, quer o cliente vá consumir produtos ou não).
Opção 2: o cliente adquire diretamente nas boas casas do ramo, devendo ser utilizado o BRT — Bloco de Recomendação Terapêutica para instruí-lo.
5.3.4.2 — O BRT jamais deve ser utilizado para prescrever fórmulas para manipulação; o TH deve indicar produtos já prontos para consumo, de venda livre, cuja rotulagem em português conste as especificações do produto, o farmacêutico e empresa responsáveis pela formulação e manipulação, o mesmo sendo válido para produtos importados, que deverão ter suas embalagens e rotulagens adequadas e traduzidas para o consumidor brasileiro.

5.3.5 Constatação de Conformidade: O TH que voluntariamente se compromete ao cumprimento desta NTSV igualmente se coloca à disposição do SINTE — Sindicato dos Terapeutas para que este averigue a qualquer tempo o integral cumprimento da mesma, estando este compromisso firmado pela expedição da Certificação Técnica que a esta Norma se vincula e cuja validade pode ser suspensa ou revogada pelo órgão expedidor, em caso de comprovado descumprimento.


Autor: : Henrique Vieira Filho - Terapeuta Holístico - CRT 21001
Última atualização: 29/09/2009 11:45


O MITO DE SÍSIFO E O HOMEM CONTEMPORÂNEO

O MITO DE SÍSIFO E O HOMEM CONTEMPORÂNEO

Ana Luiza Iughetti Feres

Terapeuta Holística

CRT 42969

Propositura de Palestra para

Holística 2011

Ribeirão Preto

2011

RESUMO

A análise dos mitos é fundamental na Psicoterapia proposta por Jung. Os símbolos do inconsciente coletivo que os mitos trazem nos permitem perceber outras dimensões do nosso próprio inconsciente e caminhar no processo terapêutico. O mito de sísifo nos ajuda a refletir sobre vários aspectos específicos da sociedade contemporânea e sofrimentos humanos atemporais como a dicotomia vida e morte, o trabalho interior e a religiosidade; trazendo vários "insights" para o processo terapêutico.

 

 

SUMÁRIO

  1. Introdução
  1. O Mito de Sísifo
  1. Conceitos de Psicologia Analítica
  1. Imagem Mitológica de Sísifo e o Homem Contemporâneo
  1. Considerações Finais
  1. Referências Bibliográficas

 

  1. INTRODUÇÃO

De que nos fala o Mito de Sísifo? Da morte? Do trabalho? Da disputa entre humanos e deuses? Do castigo dos deuses? Que relação podemos fazer entre o que nos fala esse mito e os processos psíquicos do homem contemporâneo?

A Psicologia profunda de C.G.Jung descobriu que há uma relação muito próxima entre os processos psicológicos do homem moderno e a imensa gama de conhecimento que nos foi deixado como herança pelos povos antigos e que podemos conhecer através da mitologia.

Para Jung, o mito é um estágio intermediário entre a cognição inconsciente e consciente, como uma ponte necessária e facilitadora. É como um "tradutor" dos Arquétipos - que formam o psiquismo humano - decodificando-os a partir das mais diversas mitologias do mundo. Podem-se estabelecer muitos paralelos entre os mitos e o que está acontecendo na psique e na vida de uma pessoa ou sociedade.

Esse é o objetivo dessa palestra: entender o Mito de Sísifo à luz da Psicologia Junguiana, para que possamos ampliar e aprofundar a compreensão desse mito, analisando suas possíveis implicações na psique do homem contemporâneo.

 

  1. O MITO DE SÍSIFO

Segundo Brandão (1996), Sísifo era originário da cidade grega de Corinto, um rei que desafiou os deuses e até mesmo a morte. Diz que Zeus observou a filha Egina do deus do rio, Asopo e a raptou. Quando seu pai quis saber sobre o ocorrido, ninguém queria falar com medo da reação de Zeus.

Mas Sísifo percebeu ali uma grande oportunidade e não pensou em deixá-la passar. A cidade de Corinto tinha na época um problema bem sério, não havia em seu perímetro uma fonte de água doce. O povo precisava ir buscar água em lugares distantes para satisfazer suas necessidades. Sísifo conversou com o deus do rio e fez um acordo, dava informações em troca de água. O deus concordou e uma fonte nasceu dentro da cidade de Corinto.

Asopo foi atrás de Zeus e este teve de devolver-lhe a filha que havia roubado. Zeus sabia quem ousou dar as informações e chamou seu irmão, Hades, o senhor do inferno e este mandou a morte, Tânatos, para buscar Sísifo.

A morte com missão precisa apareceu no mundo dos vivos. Geralmente recebida com grande espanto e terror pelas pessoas, ficou surpresa quando o esperto Sísifo a convidou para sentar-se em sua mesa para comer e beber. Foi uma boa conversa com piadas e descontração. Então, Sísifo ofereceu a ela um par de algemas que havia feito. Como já havia confiança e boa vontade entre eles, a morte colocou as algemas no pulso. Só depois de certo tempo é que ficou claro que ela, a morte havia ficado prisioneira de Sísifo.  

Um fato desses abala o Universo todo. Nada e nem ninguém morria, pessoas, plantas ou animais. Com a morte no cativeiro haveria muitos efeitos colaterais: como superpopulação e aqueles que estavam doentes permaneceriam assim sem esperança de alivio. A vida sem a presença da morte faz pouco ou nenhum sentido. Até o tempo e a evolução param. Nem a guerra faz sentido, pois os soldados mortos em luta se levantam para agir de novo. Isto também enfureceu o deus da guerra Ares. A morte é um dos poucos controles que os deuses têm sobre os humanos.

Zeus, que é o senhor do Olimpo, percebeu a confusão que Sísifo havia arrumado e mandou o próprio Ares para buscá-lo e levá-lo para o inferno. Desta vez a missão foi cumprida com sucesso.  Ares libertou a morte e levou a alma de Sísifo. Mas as coisas não acabaram nisso. Sísifo ainda tinha outros truques para executar.

Ele havia instruído sua esposa para não enterrar seu corpo e nem fazer os rituais fúnebres exigidos pelos deuses. Chegando na terra dos mortos, Sísifo foi reclamar que seu cadáver não havia sido devidamente enterrado. Pediu permissão para voltar para a Terra e castigar sua esposa por causa do desrespeito aos deuses. Hades concedeu a ele três dias para ir e retornar aos infernos. Mas quando chegou na superfície ficou evidente que não tinha nenhuma intenção de retornar novamente. Mais uma vez ele se saiu bem no confronto com os deuses.

Para resolver o problema de modo definitivo, Zeus mandou Hermes, o mensageiro dos deuses e aquele que acompanha as almas dos mortos até o outro mundo. Hermes capturou a alma de Sísifo e a levou para Hades, depois enterrou seu cadáver com os rituais necessários, exigidos pelos deuses e encerrou o assunto. No inferno o astuto Sísifo recebeu o seu castigo: devia rolar por toda a eternidade uma pedra montanha acima para ver em seguida a mesma voltar ao ponto de origem e ele ter que repetir todo o ciclo novamente.

  1. CONCEITOS DE PSICOTERAPIA ANALITICA

O Ego: O centro da consciência. 

Para Jung o ego é um complexo - o principal -, formado a partir dos registros da memória e das sensações corporais, tendo base somática. O ego não é equivalente à totalidade da consciência, é apenas o seu centro, sendo que todos os acontecimentos da vida precisam entrar em contato com ele para se tornar conscientes - pensamento, emoções, idéias, experiências, etc.  

O ego tem diversas funções, como promover a adaptação da pessoa às exigências da vida, fazer diferenciação de conteúdos conscientes e inconscientes e mediar prazer e realidade. Ele organiza os conteúdos da vida psíquica, avalia, critica e raciocina em busca de soluções para os problemas que a pessoa enfrenta.

Uma consideração importante sobre a consciência é que não pode haver elemento consciente que não tenha o ego como ponto de referência. Assim, o que não se relacionar com o ego não atingirá a consciência. A partir desse dado, podemos definir a consciência com a relação dos fatos psíquicos com o ego. (JUNG, 2001, p. 7)

A consciência do ego tem uma importante característica de seletividade, o que equivale a dizer que certos conteúdos tornam-se conscientes e outros não. Esses conteúdos eliminados vão aos poucos formando o que conhecemos como inconsciente pessoal ou a sombra do próprio ego, onde mesmo potenciais criativos podem ficar reprimidos.

O ego, em seu processo adaptativo, vai precisar formar algumas defesas, sendo algumas úteis e necessárias, outras neuróticas, e outras ainda, psicóticas e psicopatológicas. O ego é um complexo funcional no campo da consciência que é variável de indivíduo para indivíduo, variando em extensão e profundidade.

A consciência, na opinião de Jung, não é algo fixo e imutável. Ela sofre modificações constantes e evolui ao longo do tempo. Após a estruturação do ego, este precisa se defrontar com o inconsciente para continuar evoluindo. É preciso que o ego consiga estabelecer contato com o inconsciente e consiga também assimilar seus conteúdos para não sofrer a estagnação.

Complexos

Todas as experiências modificam a bioquímica celular. A cada nova vivência, ficam marcas na memória celular. É nossa capacidade de ser afetado (afetividade) de modo variado e diferenciado pelas coisas que nos cercam que faz com que não sejamos robôs.

Quando entramos em contato com algo que nos afeta é que esse algo passa a ter significado. E a repetição de experiências que têm valor fundamental e vão se associando por semelhança e analogia em torno de uma experiência centralizadora, é que dá origem aos complexos.

Complexo é então um conjunto de experiências capazes de nos afetar em torno de uma experiência centralizadora. É a unidade funcional básica da psique. Ou seja, conteúdos com forte carga emocional e energética porque estão associados, por semelhança e analogia, às experiências centralizadoras. É o que mobiliza a nossa energia psíquica.

Os complexos contaminam todas as nossas percepções das coisas e por isso as experiências da infância são tão importantes, porque formam as primeiras memórias celulares ou os primeiros complexos. Em função dos complexos, só ouvimos o que queremos e sentimos o que podemos. Somos uma rede de complexos que são acionados por vários mecanismos possíveis

Inconsciente Coletivo e Arquétipos

Diferente de Freud que considerava que o inconsciente era formado a partir de conteúdos reprimidos somente, portanto individuais, Jung descobriu que há camadas na psique que nunca foram conscientes e nem se formaram de conteúdos das experiências pessoais reprimidas.

Essa dimensão do inconsciente, que Jung chamou de Inconsciente Coletivo, não diria respeito aos conteúdos individuais reprimidos do sujeito em questão, mas sim a símbolos comuns a toda a humanidade, disponíveis para todos. Esse inconsciente forma a base do nosso psiquismo e é formado pelos Arquétipos.

Arquétipos são imagens primordiais carregadas de energia que advém das experiências coletivas que reforçam, a todo o momento, essa carga energética, que fica à disposição da humanidade, para ser acessada, na forma de imagens primordiais, a cada necessidade adaptativa. É a nossa matriz, fonte geradora de material para a consciência. Esta matriz produz um conjunto enorme de fenômenos, como sonhos, visões, os chamados acontecimentos espíritas e afins. As imagens arquetípicas são o suporte energético para o funcionamento adequado da consciência. Para que o ego seja revigorado sempre, precisa do contato constante com sua usina de força.

Dei o nome de arquétipos a esses padrões, valendo-me de uma expressão de Santo Agostinho: Arquétipo significa um "Typos" (impressão, merca-impressão), um agrupamento definido de caracteres arcaicos, que, em forma e significado, encerra motivos mitológicos, os quais surgem em forma pura nos contos de fadas, nos mitos, nas lendas e no folclore. (JUNG, 2001, p.34, grifos do autor)

Jung, ao longo de sua vida, deixou muitos estudos a respeito dessa camada mais profunda do psiquismo humano, como a alquimia, os contos de fada, a gnose, as religiões comparadas e a mitologia.

Através do conceito de arquétipo e do inconsciente coletivo foi possível para a psicologia abrir caminho para a compreensão de rico material pertencente aos mitos e ajudar o homem moderno na compreensão de todas as dimensões de si.

A função transcendente e a dinâmica psíquica

Esta é a função que, segundo Jung, no processo de desenvolvimento do ego vai ligar a vida consciente ao inconsciente de modo construtivo e cooperador. O Ego e o Self - centro da psique - de modo geral não estão em harmonia, podendo até mesmo estar em oposição.

Como o inconsciente se comporta de modo compensatório ou complementar em relação à consciência, e vice-versa, para a Psicologia Analítica a transcendência de uma atitude a outra ocorre a partir da busca de significado e finalidade dos conteúdos que o inconsciente está trazendo.

Jung entendia a dinâmica da psique, dentro do conceito da complementariedade - não há opostos com começo e fim e sim um continuum de experiências entre os opostos que vão se modificando e afetando todo o tempo.

É esse jogo de forças que vai produzir os símbolos. Símbolo = aquilo que une. Nossos símbolos individuais - nossos sonhos, nossas marcas, emoções e sentimentos, nossa forma de funcionar no mundo - é o que une a nossa expressão consciente ao nosso inconsciente mais profundo, tendo no processo de individuação seu ponto máximo.

Energia Psíquica para Jung, diferente de Freud, não se limita à energia sexual, mas diz respeito à energia vital. Energia não é algo que se define, apenas sabemos a sua manifestação. Energia que vem de ergos = que produz trabalho, modificação.

Nas palavras de Grinberg (1997, p.9) "Assim como calor, luz e eletricidade são manifestações diferentes da energia física, fome, sexo e agressividade seriam expressões variadas da energia psíquica."

A dinâmica psíquica se estabelece num jogo de forças entre o consciente e o inconsciente. Quando uma imagem surge na consciência tem uma força, resultado energético que tem a capacidade de nos afetar. E a consciência vai lidar com essa imagem de diferentes maneiras: projeção, repressão, assimilação ou integração.

Sacrifício

No processo de evolução psicológico chega um momento que o sacrifício se impõe de modo natural, sendo que o ego deve abrir mão do que está sendo solicitado, pois do contrário vem a estagnação.

Para a Psicologia, este termo descreve o sacrifício da energia psíquica que está organizada numa dada direção. O modelo na civilização cristã ocidental é o sacrifício de Cristo na Cruz, para transcender o mundo e alcançar a ressurreição, cumprindo, assim a vontade de Deus. Este pode ser vivido como um momento de grande tensão e pavor, como ficou gravado na história cristã.

Na relação Ego-Self, chega-se a um desses momentos em que ao ego é solicitado algo muito parecido. O ego pode não estar preparado para essa situação e entrar em conflito e sofrimento. Esses são os momentos de transição de uma situação ou estado a outro.

O próprio Jung é exemplo disso, quando, para continuar avançando no que acreditava, precisou sacrificar sua amizade com Freud, carreira universitária e de médico no hospital psiquiátrico. Vem disso a perda do rumo da vida, a desorientação, a falta de solo firme que o ego está acostumado. O ego precisa renunciar livremente sem ter garantias do que vai receber e quais os novos rumos a vida terá.

O sacrifício equivale a uma morte simbólica e, portanto, a um renascimento.

Sombra

Para Magaldi, "a sombra representa na psicologia junguiana os aspectos inconsciente de si mesmo, bons e maus, que por algum motivo e ego não consegue integrar." (2009)

Podemos dizer que a sombra é a parte do Self que foi rejeitada pelo ego consciente. A sombra compõe-se de vários aspectos, indo desde a sombra pessoal, familiar, social em suas muitas facetas, até o arquétipo da sombra. Este último apresenta dificuldades bem maiores de conscientização, devido estar muito longe da experiência comum. Sua vivência pode levar ao estado de possessão, como na história de Fausto ou no confronto entre Cristo e o diabo, como nos conta o novo testamento.

A sombra também funciona como o elemento provocador, irritante, perturbador. Aquele que desaloja a pessoa de seu estado de inércia psíquica para movimentá-la em outra direção, mesmo que seja contra a sua vontade. Às vezes ameaça a consciência de regressão e desintegração.

Em geral, como há pouca consciência de sua constante presença, ela é encontrada em projeção. Este mecanismo parece ser o mais eficaz para localizá-la. Nos sonhos aparece como pessoas do mesmo sexo e nos mitos, ela é o vilão que combate o herói. A sombra possui enorme quantidade de energia que quando aceita, passa a ser útil ao ego, tirando o mesmo de suas limitações e bloqueios.

Individuação

Processo de desenvolvimento psicológico através do qual o indivíduo vai se aproximando cada vez mais de sua singularidade e totalidade. Para Jung, há no ser humano uma tendência, um impulso ou instinto, de tornar- se um ser cada vez mais completo do que se é no momento.

O ego não é a totalidade da psique. Há um centro maior que abarca o ego e está muito além dele. O ego é o representante do Self (Ser Total), mas este é sempre percebido por cada um de nós como maior do que aquele. Porque temos uma disposição inata para a transcendência. Transcender nossa condição humana de existir. Existir = ex-estar = "condenados ao futuro" na expressão de Heiddeger. Estamos sempre diferentes a cada momento, sendo projetados, ou seja, somos sempre um projeto de ser, uma promessa de ser e essa é a angústia vital do ser humano. Tudo com uma única certeza, a da morte.

É o ego que faz o processo de individuação. Precisa desapegar do corpo e se entregar à Alma. Desde que nascemos buscamos nos adaptar ao ambiente, às regras, à família e à sociedade, como forma de sobreviver e ser amado, mas essa adaptação pode nos afastar de nosso verdadeiro eu, nossa Alma inata que viemos realizar.

Se não houver o confronto entre o Self e o ego, não há oportunidade para nascer o novo ego, mais integrado ao Self. O analista vai ajudar a integrar as partes, sair do conflito, na sua função de cura vai ajudar a encontrar o caminho para integrar as partes dissociadas. Esse é o início do processo de individuação.

A individuação é um processo que permeia toda a vida humana. É o potencial latente a ser trabalhado, vivido. Segundo Jung "Só aquilo que somos tem o poder de curar-nos" (JUNG, 2007, §258)

O processo de individuação, portanto, consiste em integrar nossas partes dissociadas, inconscientes, ao ego, consciência, para realizar o nosso Self, Si-Mesmo. Individuar é realizar o ser único que somos, nos diferenciando cada vez mais do comportamento em massa.

Assim, individuação não é um ego bem adaptado, que vive profundamente o mundo racional e que contribui para que o indivíduo leve vantagens materiais sobre os demais. A individuação vai desnudar o self dos vários invólucros da persona e das imagens primordiais que tanto interferem em nossa vida. Então, individuar-se não nos exclui do mundo, mas aproxima o mundo de nós. (MAGALDI, 2009)

Para Jung, nesse processo, a religiosidade é uma dimensão do homem que não pode ser negada. Jung coloca a religiosidade como uma função natural, inerente à psique, encontrada em todos os povos conhecidos.

A psicologia junguiana põe em relevo a presença, no âmago da psique, do arquétipo de Deus ("indistinguível do arquétipo do Self"), sem pretender jamais afirmar nem negar a existência de Deus como ser em si mesmo. (SILVEIRA, 1997, p.133)

Jung usa a palavra religião no sentido do religio = re e ligare. Ou seja, religar os aspectos conscientes (ego) às profundezas do inconsciente (Self), individuar-se.

Entre todos os meus doentes na segunda metade da vida, isto é, tendo mais de 35 anos, não houve um só cujo problema mais profundo não fosse constituído pela questão de sua atitude religiosa. Todos, em última instância, estavam doentes por ter perdido aquilo que uma religião viva sempre deu em todos os tempos a seus adeptos, e nenhum curou-se realmente sem recobrar a atitude religiosa que lhe fosse própria. Isto está claro, não depende absolutamente de adesão a um credo particular ou de tornar-se membro de uma igreja. (JUNG apud SILVEIRA, 1997, p.125-126)

  1. IMAGEM MITOLÓGICA DE SÍSIFO E O HOMEM CONTEMPORÂNEO

Se tentarmos ver em Sísifo um modelo de homem, ele então será alguém tão convencido de sua força, de sua inteligência e de suas capacidades criativas que se considerará imortal. Morte, mudança, renúncia, reveses, nada disso existe para ele. (KAST, 1997)

A morte é um controle poderoso que os deuses têm sobre os seres humanos. Seus mistérios nunca foram revelados a nenhum mortal que se tenha noticia. E Sísifo ousou desafiar a morte e o poder dos deuses.

O castigo que Sísifo recebeu - ficar rolando a pedra cume acima da montanha infinitamente, apenas para vê-la rolar montanha abaixo justo antes de alcançar o cume - foi em decorrência de ter trapaceados os deuses, fugindo da morte. Os truques de Sísifo estavam alterando a ordem estabelecida das coisas, da vida e da morte.

Vida e Morte. A dicotomia da existência que impulsiona, dá esperança, força para a realização. Vida e Morte, dois lados da mesma moeda; continuidade sem fim? Quando Sísifo desafia Zeus conseguindo a fonte de água para Corinto, está presente essa dicotomia também. Poder do Homem x Poder de Deus. Esse mundo e o outro mundo.  

Não podemos ver o mesmo comportamento no homem contemporâneo que desafia a morte com seus avanços tecnológicos, a medicina e suas técnicas de rejuvenescimento? Escravos da juventude e da saúde, com pânico da morte. Não querem morrer, querem vencer os deuses. Mas quando não há a perspectiva da morte, será a vida uma eterna repetição infinita?

Por outro lado, é a repetição de experiências, padrões de comportamento e situações, que permite a tomada de consciência e por conseqüência, mudança e evolução. Mas a repetição, paralisia no mesmo lugar, é uma forma de morte, pois sem possibilidade de mudança, conclusão de ciclos, não há vida.

Portanto, se vida é transformação, Sísifo está morto no seu esforço repetitivo? Mas ele pode ter se vingado mais uma vez porque a cada vez que Sísifo levanta a pedra montanha acima, uma nova esperança renasce de que novo fim aconteça.

Aqui aparece uma nova dicotomia que o mito traz - como saber até quando lutar, persistir, roubar um pouco mais de vida da morte e quando reconhecer que é sensato entregar-se, admitir a derrota, largar a pedra e seguir adiante.

Quantos na nossa sociedade sentem-se sobrecarregados com a quantidade ou qualidade do trabalho; trabalho não prazeroso na maioria das vezes e não tem coragem de largar a pedra e começar uma nova história? Ficar preso numa mesma luta constante, num mesmo objetivo, com a energia focada em uma única direção - seja o trabalho, ou qualquer outro pilar da vida - leva a uma morte em vida.

Talvez o modo como a maioria das pessoas vivencia a si mesmo atualmente, sem refletir e questionar a possibilidade de mudar, seja de fato um trabalho de Sísifo. Quando o homem contemporâneo foca no trabalho sua energia total, acreditando que do dinheiro daí advindo, virá a realização, a felicidade, ignorando outras necessidades de realização individual, coletiva e espiritual, pode ficar reduzido ao vazio da repetição infinita.

Assim o homem da sociedade capitalista é visto como alguém que se coisifica pela moral utilitarista, tendo como meta a redução da capacidade do homem produtor, suprimindo as alegrias e a paixão, condenando-o ao papel de máquina entregue ao trabalho contínuo sem trégua nem piedade. (MAGALDI, 2009).

Mas devemos olhar para o trabalho de Sísifo não apenas como o trabalho externo, mas como o trabalho interno, necessário ao homem para evoluir, integrar-se, individuar-se. No processo terapêutico, por exemplo, há uma repetição criativa de situações, pois a evolução é uma espiral que parece sempre voltar ao mesmo ponto. Mas a cada nova experiência, fica diferente a manifestação, o sentimento, a neurose.

Se Sísifo simboliza o ego e seu trabalho de criar mais e mais consciência, os deuses simbolizam o inconsciente coletivo e neste caso uma reação compensatória destrutiva, o que indica que a atitude da consciência é inadequada, para lidar com a situação.

Sísifo tinha uma relação conturbada com os deuses, de disputa constante, não dimensionando adequadamente as forças que estavam em jogo. Em terapia, ao longo do processo de individuação, quando o ego está isolado ou com uma relação destrutiva com o inconsciente, ele não consegue perceber que está em desvantagem frente à psique objetiva.

Com suas atitudes e comportamentos não adaptados, Sísifo se expôs à ira e vingança dos deuses - ou a uma reação destrutiva do inconsciente. O que fez teve conseqüências não só pessoais, mas também para todos. Sísifo não foi capaz de aceitar os desígnios dos deuses, seu destino. Tentou mudar a ordem da criação e a realidade humana.

Jung ressalta quando de seu confronto com o inconsciente o quanto é importante para o ego aceitar seu destino. No processo de individuação chega-se a um momento crucial, que é o momento do sacrifício. Ao ego é solicitado algo do qual não quer abrir mão. É uma situação angustiante. Há uma luta interna muito grande para abrir mão de coisas consideradas preciosas. Mas se isso não for feito, a evolução não avança.

O objetivo do confronto com o inconsciente é criar a função transcendente que vai unir os dois lados em conflito, procurando chegar a uma cooperação construtiva.

No mito de Sísifo parece-nos que isso não foi possível. A relação entre ele e os deuses era de disputa, de tentar vencer o inconsciente através de truques e artimanhas bem simplistas.

  1. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O homem contemporâneo carece de lentes para auxiliá-lo a enxergar os deuses que o rodeiam, e aqui deuses são manifestações arquetípicas com conteúdos energéticos de pólos opostos, que podem ativar a sombra ou trazer a luz para mostrar o caminho da individuação.

A função transcendente nesse caso pode se manifestar como um obstáculo que paralisa o ego temporariamente de seguir o caminho, até então apresentado como único possível.

Sísifo recebeu esses "obstáculos" como desafios e seu ego obsessivo fez com que ele canalizasse a energia para superá-los ao invés de tentar entendê-los como possibilidade de integrar seus conteúdos inconscientes.

Os deuses contemporâneos se apresentam nos menores detalhes, nos processos de sedução que se desdobram em assedio moral, na carreira meteórica que pode trazer um câncer consigo, na desumanização das relações, eliminando todas as possibilidades de respeito. No mito de Sísifo, os deuses Tânatos, Ares, Hades e Hermes se apresentam aparentemente como os obstáculos a serem vencidos, porém na realidade eles representam a oportunidade de redenção se observados de forma intuitiva.

  1. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BIERLEIN, J. F. Mitos Paralelos. Ed. Ediouro, 2003.

BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia Grega, Ed. Vozes, 1996.

BRENNAN, Anne e BREWI, Janice. Arquétipos Junguianos, A espiritualidade na meia-idade. Ed. Madras, 2004.

GRINBERG, Luiz Paulo. Jung, o homem criativo. FTD, 1997

JUNG, Carl Gustav. O Eu e o Inconsciente in Obras Completas, Vol. VII/2. Ed. Vozes, 16ª Ed., 2002

JUNG, Carl Gustav. Fundamentos da Psicologia Analítica in Obras Completas, Vol. XVIII/1, Ed. Vozes. 10ª Ed. 2001

JUNG, Carl Gustav. (Org.) O Homem e seus Símbolos. Ed. Nova Fronteira, 1977.

JUNG, Carl Gustav. Memórias, Sonhos e Reflexões. Ed. Nova Fronteira, 1975.

JUNG, Carl Gustav. Símbolos da Transformação. Ed. Vozes, 1975.

KAST, Verena. Sísifo. A Mesma Pedra-Um Novo caminho. Ed. Cultrix, 10ª Ed., 1997

MAGALDI, Waldemar. Dinheiro, Saúde e Sagrado. Eleva Cultural, 2ª Ed., 2009

SILVEIRA, Nise da. Jung, vida & obra. Paz e Terra, 18ª Ed. 1997.

Autor: : Ana Luiza Iughetti Feres - Terapeuta Holística - CRT 42969
Última atualização: 02/06/2011 15:05


A Dança-Terapia em Cinco Movimentos

A Dança-Terapia em Cinco Movimentos, uma terapia complementar da Psicoterapia Holística

Propositura de Palestra: 

Palestrante:

José Antonio Rodríguez Reina - Terapeuta Holístico - CRT 43 913

Arte-Terapia EMANUEL 

Rua 15 de Novembro, 910, Sala "A" 

Palotina, PR 

CEP: 85950 000 

Autor: José Antonio Rodríguez Reina - Terapeuta Holístico - CRT 43913

Titulo: "A Dança-Terapia em Cinco Movimentos, uma terapia complementar da Psicoterapia Holística"

Local: Sala de Arte-Terapia Emanuel, Rua 15 de Novembro, 910, Sala: A  -Centro-

Palotina, Paraná, CEP: 85950-000 

É possível que seu navegador não suporte a exibição desta imagem.

"Temos que nos unir na dança, para aprender a cantar a musica da VIDA"

Augusto Cury. 

"A Dança-Terapia, é a arte para o movimento, criatividade para a mente. Tudo isso se mistura e entrelaça. Criando uma tensão similar ao beijo entre a beleza e a feiúra. Barrando os preconceitos da sociedade" (Tomado do pensamento da mestra em Dança-Terapia a espanhola, Maité León) 

"O ser Humano é um nu de relações"

Leonardo Boff 

Dedicatória: "Minha modesta homenagem a todas as pessoas que acreditaram na minha proposta e até hoje embarcam neste navegar pelas águas transparentes da nossa lagoa imaginaria"

José. 

SUMÁRIO: 

  1. Introdução ao método.
  2. Breve resenha histórica da Dança-Terapia.
  3. Breve resenha histórica da Dança-Terapia na minha vida profissional no Brasil e sua relação com a Psicoterapia Holística.
  4. Os cinco movimentos chineses e sua relação com a Dança-Terapia.
  5. O texto das músicas e sua relação com o histórico emocional do cliente.
  6. A Psicoterapia Holística fonte de diagnóstico e prognostico do emocional do cliente segundo o paradigma Vigostkyano.
  7. Os ritmos latinos: samba, salsa, tango, bolero e sua relação com os nossos arquétipos. Nossos ancestrais africanos.
  8. O Método, alguns exemplos.
  9. Conclusões.
  10. Bibliografia.

TERMOS:

  1. TH, Terapeuta Holístico.

  1. DTH, Dança Terapia Holística.

  1. SH, Psicoterapia Holística


RESUMO: A DTH em cinco movimentos é uma terapia complementar que auxilia o TH que desenvolve as técnicas da SH (Aconselhamento) a resolver e canalizar conflitos emocionais de seus clientes que não foram tirados para fora na catarse, por diferentes tipos de bloqueios que o cliente enfrenta no momento da SH e que tem muito a ver com seu estado emocional no momento em que foi a plicada a técnica como exemplo: "A Vivência", fatores ambientais, de saúde, barreiras etc. A DTH se enriquecem com a pantomima, o balé clássico, as danças modernas e contemporâneas, assim como as do folclore das diferentes culturas com seus movimentos: condensados, leves e quebrados como catalisadores de emoções reprimidas. Nossa cultura ocidental não pode perder de vista os arquétipos trazidos pelos africanos que fazem parte dos campos energéticos do continente junto aos da Antiga Grécia e toda a mistura cultural e a miscigenação que nossos países latino-americanos sofrem, assim como nossas culturas aborígenes que tem uma riqueza enorme de imagens arquetípicas, por esses fatos históricos a DTH trabalha os ritmos latinos e caribenhos assim como os nordestinos e os movimentos de nossos orixás que na rumba, conga, guaguancó, salsa e etc. estão muito presentes.

Não podemos perder a perspectiva que os orixás têm a mesma condição arquetípica que os deuses politeístas gregos eles se debatem entre o HERÓI E A VÍTIMA da mesma maneira, só mudando a embalagem e estes orixás estão cheios de erotismo e sensualidade. Por isso o DTH associa o rimo a cor dos meridianos em dependência da sua intensidade. A salsa com o movimento fogo e cor vermelha que o TH já trabalha com o cliente na sessão de cromoterapia. Outro fator importante é o envolvimento com o texto já que cada movimento terá uma justificativa em relação com a mensagem que o conteúdo poético da música nos passa como, por exemplo, a música: Vitoriosa, de Ivan Lins, muito apropriada para resolver conflitos relacionados com a sexualidade. A DTH é uma terapia de grupo que permite a  

abordagem indireta do conflito que muitas vezes o cliente na sala não que falar ou simplesmente não faz o INSIGHT pela própria resistência. É de fácil aceitação pelos clientes e traz muito bem estar psicofísico para eles, por isso sua condição holística. 

ESCLARECIMENTO: Sempre vou falar de clientes no termo feminino já que até hoje só e tido esta experiência em mulheres, meu sonho e formar uma turma de homens, mas eu estou no Sul onde o machismo é muito forte e só consegui reunir turmas de DTH de casais que seria outro trabalho a abordar no futuro. Meus clientes homens só fazem TH ou recebem a técnica da psicanálise. 

1 - INTRODUÇÂO: 

"A DTH em Cinco Movimentos" é uma terapia alternativa que auxilia o trabalho do TH, como outro canal para complementar e comprometer aqueles aspectos emocionais do cliente que no consultório não ficaram resolvidos. Comprometendo o corpo em conjunção com a alma, assumindo a emoção como um todo indivisível o cliente por meio dos movimentos condensados, quebrados e leves, assim como pela mímica em sintonia com a música e seguindo o texto do compositor, sua compreensão e expressão do conteúdo mediante o corpo tiram para fora emoções reprimidas e passa por estados catárticos sem sofrer, além de que compartilha com o grupo assumindo-se como ele é na totalidade em outra dimensão cósmica. A DTH em Cinco Movimentos é além de preventiva para doenças da terceira idade como o Mal do Alzheimer.

 

2 - BREVE RESENHA HISTORICA DA DANÇA-TERAPIA: 

Após da caída do franquismo na Espanha, o terapeutas e pedagogos assim como todas as pessoas de boa vontade, saíram na rua com os síndromes de down e todo tipo de deficientes físicos e mentais como uma forma de dizer ao mundo que todos tem o direito a expressão na diversidade. As teorias de Vigostky e seus postulados cognitivos (entre eles o mais significativo o referente a ZDP Zona de Desenvolvimento Proximal) trouxeram uma forma nova de intervenção terapêutica, novos paradigmas desafiarem os profissionais da saúde entre eles, os terapeutas, que tiverem que ser mais criativos e abrir-se as novas formas que os novos tempos exigiam. E foram os terapeutas que tiverem um destaque no campo da dança-terapia e a sua relação entre: "Texto - compreensão - movimento - expressão" O nome da técnica na Europa e em Cuba países que destacam  até hoje na sua aplicação é: PSICOBALLET. Podem ser encontrado nos livros ou na internet. Sua pioneira e promotora até hoje a Sra. Maité León. 

3 - BREVE RESENHA HISTORICA DA DANÇA-TERAPIA NA MINHA VIDA PROFISSIONAL NO BRASIL E A SUA RELAÇÃO COM A PSICOTERAPIA HOLÍSTICA.    

O Psicobalé entrou na minha vida profissional depois da queda dos muros de Berlin, no princípio dos anos 90 que comecei trabalhar como terapeuta na ONG Cáritas Internacional trabalhando a técnica com crianças portadoras da Síndrome de Down e, logo depois, já com deficientes cognitivos e físicos assim como pessoas da terceira idade que na época pelas limitações econômicas que enfrentava o governo de Cuba, não conseguia oferecer mais de graça a população este serviço e uma grande quantidade de profissionais capacitados para esses fins terapêuticos tinham escolhido o exílio (o pais enfrentou o maior déficit de profissionais da sua historia naquela época). Isso me permitiu até capacitar-me e sair fora do pais para me profissionalizar e trabalhar para a ONG.

No ano 2004 quando cheguei ao Brasil com quarenta e seis anos e, quase trinta de experiência profissional tive que buscar uma maneira de sobreviver e ajudar a minha Sra. na construção do novo projeto de vida (O casamento). E, encontrei no PSICOBALÈ uma forma de trabalhar honradamente e tornar-me conhecido como profissional sem agredir aos outros terapeutas que não conheciam esta técnica.

Tive como primeiro desafio, que mudar o nome por PSICODANÇA, que após de entrar nos terapeutas holísticos no ano 2008, definitivamente leva o nome de (DTH) DANÇA-TERAPIA HOLÌSTICA. Como uma forma de cumprir com as NTSV, já que alguns psicólogos mal intencionados se sentiam invadidos pelo prefixo (psico-). Foi então, que decidi montar minha própria sala seguindo as regras de marketing aprendidas no curso de Psicoterapia Holística da Turma de 2008, a qual pertencia, de como montar um consultório seguindo a NTSV. Foi no ano 2008 em que comecei a relacionar o corpo com a mente já que por vir de uma ditadura onde trabalhei quase trinta anos eu mesmo, como terapeuta tinha meus próprios preconceitos.

Ter o Consultório junto com a sala de Psicoterapia Holística me proporcionou uma melhor pratica e interação com as técnicas numa retroalimentação dialética e uma dinâmica de trabalho que até hoje no ano 2011 continuo com resultados, muito mais obtive a perseverança das clientes. E, até não fiquei tão preso na psicanálise como  

uma técnica a aplicar. Comprovei na pratica que muitos clientes aplicando a técnica: Aconselhamentos caminhavam mais de presa na sua evolução emocional e pessoal já que a DTH complementava a parte do toque que não tinham no consultório, toque em coletivo que me deixava mais leve e confiado que aquele que poderia ter sozinho no consultório com o cliente. Já que na DTH o toque e direcionado pelo terapeuta entre eles e faz parte da coreografia, entrando na vida daquelas, mais fechadas de uma maneira natural. 

4 - OS CINCO MOVIMENTOS CHINESES E SUA RELAÇÃO COM A DTH. 

O cliente durante as sessões de PH através da técnica de Aconselhamento vai conhecendo e se familiarizando com as cores dos CINCO MOVIMENTOS CHINESES. Além de que minha abordagem é de ordem integrativa, não descarto nada sempre que me seja útil, e não transgrida as NTSV. Meus clientes na sua maioria tiveram algumas vezes sessões de cromoterapia e o bastão cromático, que os ajudou a encontrar a nível consciente as cores na sua imaginação. Por isso na hora da DTH os ajudou a encontrar as cores pelo conteúdo da musica, ou seja, a mensagem do texto assim como pela sua estrutura melódica.

1- A musica: Camarada água do grupo Teatro Mágico, é bem explícita no meridiano que aborda e a cor azul já que o cliente e que sempre todos nós associamos o azul-água, embora que no momento coreográfico e a mímica dos movimentos tenha alguns bem condensados.

2- A música: Pássaro de Fogo da Paula Fernandez, pelo conteúdo da música já a palavra FOGO explicitamente leva ao cliente a cor vermelha e durante toda a dança se imaginam vestidas de vermelho.

3A música: VITORIOSA de Ivan Lins, é mais branco, mais para dentro, centrípeta, por isso se associa ao metal, muito apropriada para trabalhar frigidez e anorgasmia. O MOVIMENTO metal leva a se relacionar a cliente com a introdução do falo como fonte de prazer, é um ato de VITÓRIA é a heroína que consegue satisfazer ao macho. 

Estes três exemplos ilustram um pouco, como abordo os movimentos chineses e as cores além de que após das vivencias para tirar as clientes do sofrimento já tenho trabalhado com todas elas uma Lagoa de águas transparentes imaginária, que todas têm, e uma ave que representam como gaivotas, cisnes, beija flor. Então essa lagoa contém as cinco cores dos movimentos e seus significados e no momento de voltar a realidade ou de sair do momento catártico o TH coloca a música e faz lembrar a lagoa imaginaria e coloca o elemento que a cliente precisa mais, por exemplo si a cliente esta precisando de equilibro o TH enfatiza em que ela observe os girassóis pela cor amarela (nossa terra que foi feita em prefeito equilibro) A música da LAGOA e trabalhada na DTH com movimentos muito leves e condensados, como não tem texto o TH direciona este exercício corporal a relaxar o corpo. A música: Ar de João Sebastião Bach numa versão que inclui sons das aves e da natureza, numa versão do grupo Café Do Mar (grupo de musica contemporâneo eletroacústica que revive a música erudita dos grandes clássicos da humanidade)  

 

5 - O TEXTO DAS MÚSICAS E SUA RELAÇÃO COM O HISTÓRICO-EMOCIONAL DAS CLIENTES.

Já tenho abordado que minhas clientes me oferecem muito material emocional para trabalhar na DTH no momento da VIVÊNCIA, assim como nas sessões da psicanálise, nos momentos de resistência. Esse material é guardado e na hora de montar o roteiro das músicas para trabalhar na DTH, eu tenho em cada sessão a oportunidade de trabalhar de oito a nove músicas e algumas vão direcionadas a uma cliente em específico numa abordagem indireta de seu conflito. O exemplo da música Sonho impossível de Maria Betânia pode ilustrar já que o conteúdo do texto vai direcionado a resgatar a possibilidade de voltar a sonhar até com o impossível e uma delas pode ter me falado na TH que queria já se entregar e renunciar a seus objetivos ou pelo contrário em sua linguagem não estava explícito e sim na sua fase o simplesmente se fecha a progredir. 

6 - A PSICOTERAPIA HOLÍSTICA FONTE DE ANAMNESE E PROGNÓSTICOS DO EMOCIONAL DO CLIENTE SEGUINDO O PARADIGAMA VIGOSTKYANO. 

O paradigma vigostkyano: de diagnóstico - intervenção - prognóstico, oferece ao TH uma dinâmica de trabalho muito rica. Seu descobrimento da Zona de Desenvolvimento Próximo na área da pedagogia deixou aos terapeutas muito mais otimistas e hoje além de que o Império Socialista Russo não existe mai, não podemos esquecer e deixar de valorizar as descobertas deles na sua urgência de construir um mundo melhor e mais participativo. Todos nossos clientes têm essa zona já que é uma descoberta reconhecida pela OMS. Ter conhecimento dela e de suas infinitas possibilidades permitem ao terapeuta enriquecer sua intervenção com o cliente e muito mais, reduzir o tempo de intervenção, obtendo resultados mais imediatos que sei bem, o cliente se recupera mais rápido e, é um cliente que perdemos e nos indicará outros já que pela minha experiência pessoal nossos melhores marqueteiros são nossos próprios clientes. Eu tenho o costume de chamar: Marketing de boca a boca. Para a DTH a descoberta da ZDP de Vigostky é muito importante no sentido de que as pessoas que chegam a nossos consultórios são muito carentes e bem muito contaminadas cheias de limitações que elas mesmas colocaram em sua cabeça é uma barreira contra a qual temos que lutar no dia a dia já que DTH pela complexidade que vão alcançando os movimentos e por ser uma terapia de grupo onde a cliente pode se frustrar pelos progressos das outras e não compreender suas limitações e se desenvolver no grupo com elas, sofrem o perigo de desistir. 

7 - OS RITMOS LATINOS E CARIBENHOS: SALSA, SAMBA, BOLERO, RUMBA, GUAGUANCÓ E SUA RELAÇÃO COM OS NOSSOS ARQUÉTIPOS. NOSSOS ANCESTRAIS AFRICANOS. 

Quando eu falo do Brasil estou me referindo ao marco estreito da cidade de Palotina onde moro faz oito anos, aqui desempenhei minhas experiências profissionais. Por "isso sempre nas palestras e no meu livro em português uso o termo "Impressão" O seja, "Impressão diagnóstica, cultural, social etc."

Na cidade onde moro nos seus ancestrais culturais predominam as culturas: alemã e italiana, falar de arquétipo no sentido clássico junguiano não é tão compreensível  e  

de fácil aceitação. Mas, quando a gente fala dos ancestrais do povo de Bahia o nordestino, é outro o assunto (Os ancestrais africanos). Um empobrecimento da visão cósmica de Deus e sua presença, essa "Energia de fundo" (Que muito bem aborda Boff na sua literatura teológica e latino-americana) Que nos capacita para acolher a Deus em todas as coisas, é muito limitada e empobrecida pela falta de cultura e o fanatismo religioso de alguns que querem cosificar a DEUS. Além de que no ano 2004 alguns pseudo-terapeutas holísticos tinham deixado a cidade no espanto (todo ao contrário que logo após conheci no SINTE)

Nessa realidade tive que colocar os ritmos latinos que eram aqueles que conheciam para começar meus projetos e tornar conhecido meu trabalho, era minhas ferramentas terapêuticas de como me projetar profissionalmente nessa área. Tudo começou com a músicaSimbalaiê da cantora Maria Gadú e os movimentos de braços semelhante Yemaya (o uso do port de bras e suas ondulações) Uma coincidência significativa já que Filipo Taiglione o mestre do balé quando desenvolveu este movimento nas suas bailarinas não tinha conhecimento das danças africanas (ele era Frances e não viajou a África). Todo muito bem explicado pelo Jung nos seus estudos da sincronicidade.

Então tive que explicar para elas conceitos como politeísmo e revelar que as danças caribenhas dançadas durante quase três anos vinham dessa cultura que elas rejeitavam por se sentir traindo sua religião: conga, rumba, guaguancó não são outra coisa que a imitação dos movimentos do Deus Xangó. Estes bailes nascidos em Cuba se espalharam muito rápido pelos países do Caribe e deram origem ao "Ritmo Salsa" hoje dançado no mundo e que até um Congresso Internacional anualmente se celebra em São Paulo.

Explicar a elas a história da musica Simbalaiê foi muito significativo já que a maioria após da experiência tiveram muitos insight e após de voltar das vivências conseguiam ver o mar, os barquinhos, os pescadores,... E saíram da técnica muito, mas relaxadas e tirando um maior proveito depois na DTH no momento de dançar a música.

Ao respeito de Simbalaiê:  

"Shimbalaiê é uma canção da cantora Maria Gadú do seu álbum homônimo. Lançada como primeiro single, em agosto, a canção foi incluída na trilha sonora da novela Viver a Vida e, a partir daí, se tornou um sucesso pelo Brasil inteiro.

A canção foi sua primeira composição, composta aos 10 anos de idade, que segundo a cantora, foi feita no momento do pôr do sol em uma praia quando ela estava sozinha olhando o feito e sem o violão. Afirmando que "Shimbalaiê" foi uma espécie de susto e que não gostava tanto de escrever (em forma de composição), assim Maria Gadú só voltou a compor 9 anos depois.

-"Eu só  estava descrevendo uma paisagem."

A cantora afirma que a palavra não tem nenhum significado, mas na verdade a expressão deriva de um dialeto africano.

Existem várias formas de se escrever, no entanto, a forma correta é Ximbhalaijè, que poderia ser traduzida assim: Ximbha (natureza, meio ambiente) - Laijè (alma, deus, espírito)".

Nossa condição de Holísticos tem também que priorizar a parte CULTURAL l do cliente algo a sugerir nas NTSV porque o brasileiro não tem hábitos de leitura e o país tem o lugar 53 em desenvolvimineto educacional mundial, então a ignorância pode conspirar contra as interpretações de nosssas técnicas. Nesse sentido temos que ficar bem de plantão para ter sempre uma resposta convincente na ponta da língua. 

8 - O MÉTODO E, ALGUNS EXEMPLOS: 

No meu canal: Z1957A, em Youtube se podem encontrar alguns exemplos das DTH (com músicas com texto e sem texto compreensível ou não). Quando trabalho música em espanhol antes dou uma folha com a tradução do texto ao português para que elas tenham idéia da mímica a imitar como neste primeiro exemplo de uma das músicas que além de ser interpretada em espanhol me tem acompanhado sempre e com muita aceitação: 

  1. O despertar música da cantora e compositora Liuba Maria Hevia (cubana)

http://www.youtube.com/watch?v=L1BwHBRE2X4 

Muito importante esclarecer que o uso da bola de pilates só esta em função da dança, não como meio de treinamento físico e assim respeitar as NTSV. 

  1. Uma salsa: A do biquíni vermelho, a compreensão do texto não é o que importa, é o movimento fogo (cor vermelho) e o trabalho da lateralidade direita e esquerda com a bolinha que tem na mão em função do equilibro. Estes exercícios vão direcionados a prevenir o MAL do Alsaimer.

http://www.youtube.com/watch?v=xfpd12XCzGs 

  1. Felicidade musica que seus movimentos e compreensão do texto viraram uma coreografia para torcer pela Copa do Mundo com o predomino da cor verde (o movimento madeira) mostra como elas se expandem fazendo uso do espaço e dos movimentos circulares.

http://www.youtube.com/watch?v=JD3JfqiNW6Q 

  1. Música: Quero-te, um texto poético do Mario Benedetti, um dos poetas uruguaios mais conhecidos na contemporaneidade o texto foi musicado por Alberto Fávero e o interprete é o cantor Jairo (ambos argentinos). Os movimentos direcionados ao movimento metal (cor branca). Condensados, leves, em movimentos circulares mais avançados enfrentando o desafio de dos círculos já que o texto expressa a unidade e a solidariedade em grupo, cotovelo com cotovelo para ser, muito mais que dois!

http://www.youtube.com/watch?v=PbXxIFe84Us 

 

9 - CONCLUSÕES: 

A DTH em Cinco Movimentos é uma terapia alternativa de grupo que auxilia o trabalho do TH como complemento de seu trabalho no consultório. Insere ao cliente num grupo e trabalha a socialização e os laços interpessoais. A diferença de outras técnicas corporais aplicadas no Brasil a DTH em Cinco Movimentos compromete a área cognitiva da personalidade além da afetiva porque se trabalha a compreensão dos textos músicas desenvolvendo e ativando os processos do pensamento: análise, síntese, comparação, generalização e abstração. Por isso é preventiva na ordem de doenças mentais futuras a da própria terceira idade dependendo da faixa etária do cliente, doenças como o Mal do Alzheimer, isquemias, paralises cerebrais e faciais etc. Dos grupos de DTH se formou um subgrupo de Dança Contemporânea da Terceira Idade: EMANUEL. Temos participado de quatro festivais nacionais e três internacionais e durante meu intercâmbio com outros terapeutas que aplicam a técnica não descobri nenhum que na sua abordagem trabalhe as áreas cognitivas da personalidade. Nosso grupo já tem dez prêmios (seis primeiros lugares, três internacionais e três no Brasil, e quatro segundos lugares três no Brasil e um internacional). 

10 - BIBLIOGRAFIA: 

* Boff, Leonardo. - O terapeuta do deserto.

-O tempo da transcendência. Editoras Vozes

* Vieira Filho, Henrique. O corpo como portal do conhecimento. Conferências tomadas do curso de Holística Turma 2008: Terapia Holística, Marketing assim como as NTSV. CONAN, Conselho Nacional de Auto-Regulamento e Normalização Voluntaria, São Paulo - SP - Brasil

* L.S. Vigostky. Pensamento e Linguagem. Editorial Povo e Educação, Cuba.

* Reich fala de Freud, Editora Moraes.

* Guerra Ramiro. Eros baila: Dança e sexualidade. A Havana, Editorial Letras Cubanas

Autor: : José Antonio Rodríguez Reina - Terapeuta Holístico - CRT 43913
Última atualização: 03/06/2011 07:49


Quem Sou Eu - Kundalini- a origem sexual da espiritualidade

QUEM SOU EU?

Kundalini- a origem sexual da espiritualidade

Mensagem do TAO sobre a energia sexual 

São Paulo, 25  de  Maio   2011. 


Mitiyo OshiroTakemoto  CRT: 38660  Terapeuta  Holistica

SINTE-Sindicato Dos Terapeutas-  Holistico - 2011 

SUMÁRIO

  • Introdução...........................................................................IV
  • História................................................................................V
  • Metafisica............................................................................V
  • Filosofia do chi....................................................................V
  • 3 grandes fragmentos..........................................................V

-     Capitalismo e monopólio ...................................................V

  • Bioenergia ..........................................................................V
  • Prâna: filosofia da respiração.............................................VI
  • 7 chacras ............................................................................VI
  • Corpo etèrico .....................................................................VI
  • Corpo keterico .................................................................VIII
  • Kundalini o poder ígneo ..................................................VIII
  • Bindu .................................................................................IX
  • Budismo para leigos ..........................................................IX
  • Bioeletromagnética e religião ............................................X
  • I ching .................................................................................X
  • Karma - destino e livre arbítrio    ..................................... XI
  • 5 religiões básicas do mundo ............................................XI
  • Quem escreveu a Bíblia? .................................................XII
  • Material e Metodologia ..................................................XIII
  • Discussão .......................................................................XIV
  • Conclusão .........................................................................XV
  • Bibliografia .....................................................................XVI

Introdução

Tao que revela a sabedoria oriental, a ciência do futuro a revelação à natureza, autoconhecimento, transformação, o gostar do próprio eu.

Quase todos se ocupam, num determinado momento da vida, com as perguntas: "QUEM SOU EU?",  "QUE FORÇA AGE DENTRO DE MIM?", "QUE FACULDADES AINDA SE ESCONDEM NO MEU INTERIOR?", "COMO POSSO USUFRUIR TODO MEU POTENCIAL DE SORTE E CRIATIVIDADE". "Acreditamos que nenhum outro campo científico pode responder a essas perguntas tão amplamente, como a ciência dos centros energéticos do homem".

Ao compreender a tarefa e a função dos chacras em toda a sua extensão, forma-se uma imagem do ser humano que, na sua possível perfeição, é tão fascinante e sublime a ponto de mais uma vez nos determos para admirar a maravilha da criação.

O homem vive hoje num profundo descontentamento no que tange a sua própria existência.

Durante longos anos, ocupou-se com a exploração impensada de tudo que seus sentidos, captavam do mundo externo. Alicerçou seu conceito de segurança, poder e felicidade no resultado das suas conquistas materiais. Enquanto se manteve ocupado, perseguindo o tal objetivo alimentando-se mentalmente de todas as informações necessárias para conseguir seu intento. Desenvolveu-se brilhantemente no campo da ciência e da tecnologia, mas não percebeu que seu ser nutria-se concomitantemente de toda espécie de emoção, gerada pela própria ação antética e objetivada. Assustando consigo mesmo inicialmente pela forma adotada, depois pelo conteúdo raivoso, atormentado e triste, lançou-se num processo incansável de questionamentos acerca da própria natureza e seu relacionamento com o universo.

Deixando escapar sua energia cósmica entre os dedos levando-os a sua desgraça. 

HISTÓRIA 

Metafisica

Ciência geral dos princípios e causas: conhecimento, sabedoria, força moral "elevação espiritual que conduz ao DEUS CRIADOR". 

Filosofia do Chi

Teoria do yin e yang "sublime unidade" o ser absoluto a consciência de DEUS a energia que rege (comanda) o vasto universo. Yin e yang se manifesta no mundo inteiro o movimento rítmico de tudo o que é dotado de alma. Nascimento, vida e morte: a dança cósmica do Universo: no plano físico do homem, essa dança se manifesta como sexualidade. Através dela, o homem está  ligado ao ato incessante de criação da vida. Dizem que hoje, a cada 8 segundos nascem 34 crianças. Podemos observar esse processo nos animais e nas plantas. 

3 Grandes fragmentos - capitalismo e monopólio

Quando construirmos uma ponte entre as três grandes medicinas: ayuvedica (chacra e kundalini), chinesa (taoista, bioeletromagnética), ocidental (medicina atual, que se deve ao Leonardo Da Vinci a proeza).

Este termo "a união faz a força" não cabe dentro dessas medicinas, pois elas trabalham separadas seguindo caminhos paralelos. Hoje tais medicinas estão monopolizadas e comercializadas, seguindo interesses alheios perdendo seu verdadeiro conteúdo.

Prejudicando o curado e o curador.  

Bioenergia

Reconhecida pela medicina oficial em 1990. Passou a constar no conselho de especialidades medicas da Associação Brasileira de Medicina, deixando assim a fazer parte das terapias alternativas fragmentando-se, adotaremos então a bioeltromagnética que é, mais adequada para a holística. 

Prâna - filosofia da respiração

Prâna, chi, ki e a própria filosofia como diziam os sábios taoista; vivendo de ar e orvalho respiração e saliva. No ar contem os elementos que nutre a vida, a inteligência, a força física e sustenta um mundo (pensamento) que traz conhecimento, intenção e sabedoria que leva a "iluminação".

Sublime unidade yin e yang que impulsiona o universo, o Prâna representa a fonte primaria de todas as formas de energia "absoluta". 

7 Chacras